Abrir menu principal
Área de Comando Central
RAAFAreaCommands1940.png
Fronteiras provisórias das áreas de comando da RAAF, em Fevereiro de 1940
País  Austrália
Corporação Real Força Aérea Australiana
Missão Defesa aérea
Reconhecimento aéreo
Protecção aérea da orla costeira
Período de atividade 1940–41
História
Guerras/batalhas Segunda Guerra Mundial
Comando
Comandantes
notáveis
Adrian Cole (1940)
William Anderson (1940–41)
Sede
Quartel-general Sydney

A Área de Comando Central foi um de vários comandos geográficos criados pela Real Força Aérea Australiana (RAAF) durante a Segunda Guerra Mundial. Foi formada em Março de 1940, e cobria a porção central de Nova Gales do Sul. Com quartel-general em Sydney, a Área de Comando Central foi responsável pela defesa aérea, reconhecimento aéreo e protecção aérea da orla costeira dentro da sua área de comando. Foi dissolvida em Agosto de 1941 e as suas unidades foram distribuídas por outros comandos da RAAF. Apesar de ter havido propostas entre 1943 e 1944 para voltar a estabelece-la, nenhuma foi concretizada.

HistóriaEditar

 
O Comodoro do Ar Cole, primeiro comandante da Área de Comando Central, discursando perante os pupilos do Esquema de Treino Aéreo do Império, em Agosto de 1940

Antes da Segunda Guerra Mundial, a Real Força Aérea Australiana era pequena o suficiente para todos os seus elementos serem controlados pelo próprio quartel-general da força aérea, em Melbourne. Depois do despoletar da guerra, em Setembro de 1939, a RAAF começou a implementar uma forma de comando descentralizada proporcional aos esperados aumentos de efectivos e unidades.[1][2] A primeira medida tomada para ir de encontro com esta ideia foi a criação do Grupo N.º 1 e do Grupo N.º 2 para controlar as unidades em Vitória e em Nova Gales do Sul, respectivamente.[3] Depois, entre Março de 1940 e Maio de 1941, a RAAF dividiu o continente australiano e a Nova Guiné em quatro áreas geográficas nas quais cada uma seria controlada por um comando: a Área de Comando Central, a Área de Comando do Sul, a Área de Comando Ocidental e a Área de Comando do Norte.[4] Cada uma delas tinha a responsabilidade, dentro das respectivas áreas, de providenciar defesa aérea, protecção aérea da orla costeira e realizar reconhecimento aéreo. Cada uma das áreas ficou com um oficial comandante responsável pela administração e pelas operações de todas as bases aéreas e unidades dentro das respectivas áreas.[2][4]

O Grupo N.º 2, que havia sido estabelecido no dia 20 de Novembro de 1939, foi re-estabelecido como uma das duas primeiras áreas de comando, a Área de Comando Central, em Março de 1940. Com quartel-general em Sydney, está área passou a controlar todas as unidades da força aérea em Nova Gales do Sul, com excepção daquelas na zona sul de Riverina e no norte da região. As unidades de Queensland também ficaram temporariamente sob a dependência da Área de Comando Central até à criação da Área de Comando do Norte.[5] O comandante inaugural da Área de Comando Central foi o Comodoro do Ar Adrian Cole, que anteriormente havia sido comandante do Grupo N.º 2.[6] O seu oficial sénior de equipa era o Comandante de asa Alan Charlesworth.[7]

 
Áreas de comando da RAAF, em Novembro de 1942

Em Maio de 1940 foi reportado que o quartel-general da área de comando mudaria de "Mont Loana" em Point Piper para a mansão "Kilmory" que se situava nas imediações.[8] Em Dezembro de 1940, Cole entregou o comando da área ao Comodoro do Ar William Anderson.[6] Em Agosto de 1941, o programa de instrução da RAAF estava em expansão, o que levou à necessidade de estabelecer-se organizações de treino de base semi-funcional e semi-geográfica. Por conseguinte, o Grupo de Treino N.º 2 foi formado em Sydney, assumindo a responsabilidade de comandar as unidades de treino que anteriormente estavam sob a hierarquia da Área de Comando Central, sendo esta dissolvida. As unidades da área foram "dividas da forma com conveniente", de acordo com a história oficial da RAAF na Segunda Guerra Mundial, entre as áreas de comando do sul e do norte.[9][10]

A estrutura das áreas de comando da RAAF foi revista em 1942, depois do despoletar da Guerra do Pacífico. A Área de Comando do Norte foi dividida entre as novas Área de Comando Nordeste e Área de Comando Noroeste, e um novo comando em Nova Gales do Sul e zona sul de Queensland, a Área de Comando Oriental, foi criada, ficando assim estabelecidas cinco áreas de comando.[1][11] Em Outubro de 1943 o Quadro Aéreo propôs o re-estabelecimento da Área de Comando Central a partir da Área de Comando Oriental, que na altura era considerada demasiado grande para ser controlada por um único quartel-general. Esta nova Área de Comando Central teria ficado responsável pelas unidades operacionais e de treino da zona sul de Queensland. Mais tarde, o gabinete de guerra australiano vetou esta proposta.[12] Esta ideia voltou a tomar forma em Agosto de 1944, e desta vez uma nova Área de Comando Central controlaria as unidades operacional, de treino e de manutenção da zona sul de Queensland; contudo, uma vez mais, nada se materializou.[13]

Referências

  1. a b Stephens, The Royal Australian Air Force, pp. 111–112
  2. a b «Organising for war: The RAAF air campaigns in the Pacific». Pathfinder (121). Air Power Development Centre. Outubro de 2009. Consultado em 17 de agosto de 2017 . «Cópia arquivada». Consultado em 10 de Julho de 2015. Cópia arquivada em 5 de Agosto de 2017 
  3. Gillison, Royal Australian Air Force, pp. 66–67 Arquivado em 13 de julho de 2015 no Wayback Machine.
  4. a b Gillison, Royal Australian Air Force, pp. 91–92. Arquivado em 2013-09-26 no Wayback Machine.
  5. Ashworth, How Not to Run an Air Force, pp. xix–xx, 27–29
  6. a b Ashworth, How Not to Run an Air Force, pp. 302–304
  7. «Many Air Force promotions appointments». The Courier-Mail. Brisbane: National Library of Australia. 25 de abril de 1940. p. 2. Consultado em 17 de agosto de 2017 . «Cópia arquivada». Consultado em 11 de Janeiro de 2018. Cópia arquivada em 18 de Agosto de 2017 
  8. «RAAF». The Daily Examiner. Grafton: National Library of Australia. 22 de maio de 1940. p. 3. Consultado em 17 de agosto de 2017 . «Cópia arquivada». Consultado em 11 de Janeiro de 2018. Cópia arquivada em 6 de Agosto de 2017 
  9. Gillison, Royal Australian Air Force, p. 112 Arquivado em 4 de Março de 2016 no Wayback Machine.
  10. Ashworth, How Not to Run an Air Force, pp. 23–29
  11. Ashworth, How Not to Run an Air Force, pp. xxi, 134–135
  12. Ashworth, How Not to Run an Air Force, pp. 214–217
  13. Ashworth, How Not to Run an Air Force, pp. 227–228

BibliografiaEditar