Época Baixa

Época Baixa
Third Intermediate Period map-pt.svg
c. 664 a.C. — c. 332 a.C. 
Ptolemaic-kingdom-pt.svg
Map of Assyria-pt.svg
Capital
Países atuais Egito

Língua oficial Egípcio
Religião Panteísmo egípcio

Período histórico Idade do Ferro
• c. 664 a.C.  Fundação
• c. 332 a.C.  Dissolução

A Época Baixa do Antigo Egito refere-se ao último florescimento dos governantes nativos egípcios após o Terceiro Período Intermediário, da 26ª dinastia saíta às conquistas Aquemênidas Persas, e terminou com a conquista de Alexandre, o Grande e o estabelecimento do Reino Ptolemaico. Correu de 664 a.C. até 332 a.C.. Com a conquista Grega Macedónica na segunda metade do século IV a.C., a era do Egito Helenístico começou.

Os Líbios e os Persas alternaram o governo com os egípcios nativos, mas as convenções tradicionais continuaram nas artes.[1]

HistóriaEditar

26ª DinastiaEditar

 Ver artigo principal: XXVI dinastia egípcia

A Vigésima Sexta Dinastia Egípcia, também conhecida como dinastia saíta após Saís, reinou de 672 a 525 a.C. e consistia em seis faraós. A construção do canal do Nilo ao Mar Vermelho começou.

Uma importante contribuição da Época Baixa do antigo Egito foi o Papiro do Brooklyn. Este era um papiro médico com uma coleção de remédios médicos e mágicos para vítimas de mordidas de cobras baseados no tipo de cobra ou sintomas.[2]

Obras de Arte durante este tempo foram representativas de cultos de animais e múmias de animais. Esta imagem mostra o deus Pataicos usando um escaravelho na cabeça, apoiando dois pássaros com cabeça humana em seus ombros, segurando uma cobra em cada mão e de pé sobre os crocodilos. [1]

De acordo com Jeremias, durante esse tempo, muitos Judeus foram para o Egito, fugindo após a destruição do Primeiro Templo em Jerusalém pelos Babilônios (586 a.C.). Jeremias e outros refugiados Judeus chegaram ao Baixo Egito, especialmente a Migdol, Tafnes e Mênfis. Alguns refugiados também se estabeleceram em Elefantina e outros assentamentos no Alto Egito.[3][4] Jeremias menciona o faraó Apriés como Hophra,[5] cujo reinado chegou a um fim violento em 570 a.C.. Os historiadores contestaram a exatidão desses eventos.

27ª DinastiaEditar

 Ver artigo principal: XXVII dinastia egípcia

O Primeiro Período Aquemênida (525–404 a.C.) viu o Egito conquistado por um expansivo Império Aquemênida sob Cambises. Um total de oito faraós desta dinastia governaram o Egito.

O período inicial da ocupação Persa Aquemênida quando o Egito (Persa Antigo:𐎸𐎭𐎼𐎠𐎹 Mudrāya) se tornou uma província, conhecida hoje como a Vigésima sétima Dinastia do Egito.

28ª-30ª DinastiasEditar

A Vigésima Oitava Dinastia consistia em um único rei, Amirteu, o príncipe de Saís, que se rebelou contra os Persas. Ele não deixou monumentos com o seu nome. Essa dinastia reinou por seis anos, de 404 a 398 a.C..

A Vigésima Nona Dinastia governou a partir de Mendés, pelo período de 398-380 a.C..

A Trigésima Dinastia tomou o seu estilo de arte da Vigésima Sexta Dinastia. Uma série de três faraós governaram de 380 a.C. até á sua derrota final em 343 a.C. que levou à reocupação pelos Persas. O governante final dessa dinastia, e o governante nativo final do Egito até cerca de 2300 anos depois, era Nectanebo II.

31ª DinastiaEditar

 Ver artigo principal: XXXI dinastia egípcia

Houve um Segundo Período Aqueménida da Trigésima Primeira Dinastia (343-332 a.C.) e consistiu em quatro faraós: Artaxerxes III (343–338 a.C.), Artaxerxes IV (338–336 a.C.), Khababash (338–335 a.C.). e Dario III (336-332 a.C.).

Referências

BibliografiaEditar

  • Bleiberg, Edward; Barbash, Yekaterina; Bruno, Lisa (2013). Soulful Creatures: Animal Mummies in Ancient Egypt. [S.l.]: Brooklyn Museum. 151 páginas. ISBN 9781907804274 
  • Roberto B. Gozzoli: The Writing of History in Ancient Egypt During the First Millennium BCE (ca. 1070-180 BCE). Trend and Perspectives, Londres 2006, ISBN 0-9550256-3-X
  • Lloyd, Alan B. 2000. "The Oxford History of Ancient Egypt, edited by Ian Shaw". Oxford e Nova Iorque: Oxford University Press. 369-394
  • Quirke, Stephen. 1996 "Who were the Pharaohs?", Nova Iorque: Dover Publications. 71-74
Fontes primárias