Étolo, filho de Endimião, foi, na mitologia grega, o heroi epônimo da Etólia.

FamíliaEditar

Endimião era filho de Étlio,[1][2] filho de Zeus e Protogênia, filha de Deucalião.[3][2] A mãe de Endimião era Cálice,[1] filha de Éolo e Enarete.[4]

Endimião teve cinquenta filhas com a deusa Selene,[5] ou, mais provavelmente, teve três filhos Peão, Epeu e Étolo, e uma filha, Eurícida.[5] A mãe de Étolo poderia ser Asteródia, Cromia, filha de Ítono, filho de Anfictião, Hipéripe, filha de Arcas,[5] uma náiade ou Ifianassa.[6]

Reinado em OlímpiaEditar

Endimião fez seus filhos correrem em Olímpia, e o vencedor, Epeu, foi nomeado seu sucessor.[5] A partir deste momento, os habitantes passaram a se chamar epeus.[5]

Segundo Pausânias, Étolo permaneceu em casa, mas seu irmão Peão, envergonhado, mudou-se para a região além do rio Axius, que passou a se chamar Peônia.[7]

Étolo sucedeu seu irmão Epeu. Segundo Pausânias, ele matou Ápis por acidente, durante uma corrida para homenagear Azan.[8] Ápis era filho de Jasão, de Pallantium na Arcádia,[8] ou era filho de Foroneu.[6]

Étolo, por pressão dos filhos de Ápis, que o acusaram de homicídio, teve que fugir do Peloponeso, e o novo rei dos epeus foi seu sobrinho Élio, filho de Eurícida e Posidão;[8] este Élio foi o pai de Aúgias, algumas vezes dito como filho do deus Hélio.[9]

Reinado na EtóliaEditar

Étolo fugiu para o país dos curetes. Lá, ele matou seus anfitriões, Doro, Laódoco e Polipetes, filhos de Apolo e Fítia, e passou a chamar o país de Etólia.[6]

Étolo se casou com Pronoe, filha de Phorbus, com quem teve dois filhos, Pleurão e Calidão, que fundaram duas cidades na Etólia com seus nomes, Pleurão e Calidão.[10]

Referências