Íbis-sagrado-de-madagascar

Como ler uma infocaixa de taxonomiaÍbis-sagrado-de-madagascar
Ibis sacré de Madagascar.JPG
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Pelecaniformes
Família: Threskiornithidae
Género: Threskiornis
Espécie: T. bernieri
Nome binomial
Threskiornis bernieri
(Bonaparte, 1855)

O íbis-sagrado-de-madagascar (Threskiornis bernieri) é uma espécie de ave da família Threskiornithidae. A espécie pode ser encontrada na ilha de Madagáscar e nas ilhas Seychelles. Os seus habitats naturais são: florestas de mangal tropicais ou subtropicais, águas estuarinas, zonas intertidais e lagoas costeiras de água salgada. Esta espécie está ameaçada pela perda de habitat.

TaxonomiaEditar

Foi anteriormente tratado como coespecífico com o íbis-sagrado (Threskiornis aethiopicus) da África subsaariana pela maioria, mas não por todos os autores.[2] Também é intimamente relacionado com T. melanocephalus e T. moluccus, e no passado todos foram ocasionalmente considerados coespecíficos. Duas subespécies são reconhecidas: T. bernieri bernieri, que ocorre em Madagascar, e T. bernieri abbotti, que ocorre nas ilhas Seychelles.[3][4]

DescriçãoEditar

O adulto possui em média 70–85 cm de altura,[5] e uma envergadura de 112–124 cm.[6] A plumagem é predominantemente branca, frequentemente com coloração amarelo-acastanhada. Existem também plumas ornamentais pretas no dorso, com um brilho azul ou verde formado a partir das escapulares inferiores e terciários, que são mais proeminentes na época de reprodução. O bico, a cabeça, o pescoço e as pernas são pretos.[7]

Os íbis-sagrados-de-madagascar se assemelham aos íbis-sagrados africanos (T. aethiopicus), mas são mais delgados, não têm bordas pretas nas asas e têm íris brancas (T. bernieri bernieri) ou azuladas (T. b. abbotti),[3] sacos de pescoço ornamentais de estrutura diferente, plumas ornamentais menos desenvolvidas e uma exibição diferente.[4][8] A subespécie T. b. abbotti também possui uma listra preta na asa.[8] Embora seja improvável que este íbis seja confundido com outras espécies no campo, às vezes pode ser confundido com o íbis sagrado africano que pode ocasionalmente visitar Madagascar como um vagabundo.[7]

O juvenil é semelhante ao adulto, mas a cabeça e o pescoço são emplumados de preto com listras brancas, as plumas ornamentais no dorso estão ausentes e pode haver um pouco de preto nas pontas das asas.[7]

Distribuição e habitatEditar

É endêmico do Madagascar e Seychelles, onde habita florestas subtropicais ou tropicais de mangue, águas estuarinas, planícies intertidais e lagoas salinas costeiras.[9] Esta espécie é considerada ecologicamente mais restrita que o íbis-sagrado africano. Em Madagascar, ocorre no oeste, onde é amplamente confinado a habitats de planície em zonas costeiras salgadas, principalmente lodaçais, estuários, manguezais e lagos costeiros salobras rasos.[3]

ComportamentoEditar

A espécie é sedentária, não apresentando evidências de dispersão ou migração. A reprodução é colonial e frequentemente ocorre em colônias mistas de garças, com alguns locais de nidificação mista contendo até 200-250 ninhos desta espécie. O empoleiramento também ocorre colonialmente em grupos de várias dezenas. Às vezes, se alimenta sozinho, mas com mais frequência em pares ou pequenos grupos.[1]

ReproduçãoEditar

A reprodução foi observada em Madagascar no início da estação chuvosa, em novembro e dezembro. Nidifica em árvores ou arbustos ou em solo descoberto,[3] e os ninhos são construídos em plataformas rasas em forma de copo com gravetos, gramíneas e jungos que normalmente são situados próximos a um corpo d'água, como rios, pântanos ou lagos. A ninhada consiste de 2 a 4 ovos.[9]

ConservaçãoEditar

Esta espécie está listada como ameaçada de extinção, pois tem uma população muito pequena que está diminuindo devido em grande parte à coleta insustentável de seus ovos, perturbação dos locais de nidificação e degradação dos habitats dos pântanos em Madagascar.[1]

Referências

  1. a b c BirdLife International (2016). «Threskiornis bernieri». Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas da UICN 2021 (em inglês). ISSN 2307-8235. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  2. Safford, Roger; Hawkins, Frank (2020). The Birds of Africa. VIII. [S.l.: s.n.] pp. 225–227. ISBN 9781472982896 
  3. a b c d del Hoyo, J.; N. Collar; Garcia, E. F. J. (2020). «Madagascar Sacred Ibis (Threskiornis bernieri)». In: J. del Hoyo, A. Elliott, J. Sargatal, D. A. Christie, & E. de Juana. Birds of the World. Ithaca, Nova Iorque: Cornell Lab of Ornithology. doi:10.2173/bow.sacibi3.01 
  4. a b del Hoyo, J.; Elliott, A.; Sargatal, S., eds. (1992). Handbook of the birds of the world. 1. Barcelona, Espanha: Lynx Edicions. ISBN 978-8487334108 
  5. Sinclair, Ian (2013). Birds of the Indian Ocean Islands. Cidade do Cabo, África do Sul: Penguin Random House South Africa. pp. 197–198. ISBN 9781920572037 
  6. Skerrett, Adrian; Disley, Tony (2016). Birds of Seychelles. [S.l.]: Bloomsbury Publishing. p. 46. ISBN 9781472946010 
  7. a b c Morris, Pete; Hawkins, Frank (1998). Birds of Madagascar: a photographic guide. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 9780300077551 
  8. a b Hancock, James A.; Kushlan, James Anthony; Kahl, M. Philip (1992). Storks, Ibises and Spoonbills of the World. [S.l.]: Academic Press. ISBN 9780123227300 
  9. a b AvianWeb. «Malagasy or Madagascar Sacred Ibises». beautyofbirds.com. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  Este artigo sobre Aves, integrado no Projeto Aves é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.