Abrir menu principal

Oblast de Sacalina

(Redirecionado de Óblast de Sacalina)
Rússia Oblast de Sacalina

Сахалинская область (russo)

 
  Oblast  
Bandeira de Oblast de Sacalina
Bandeira
Brasão de armas de Oblast de Sacalina
Brasão de armas
Localização do oblast de Sacalina na Rússia.
Localização do oblast de Sacalina na Rússia.
País  Rússia
Distrito federal Extremo Oriente
Região econômica Extremo Oriente
Estabelecido em 10 de outubro de 1932
Capital Iujno-Sakhalinsk
Administração
 - Governador Oleg Kojemiako
Área
 - Total 87 100 km²
População
 - Total 497 973
Informações
Fuso horário UTC+11
Língua oficial Russo
IDH (2010) 0,871 (4.º) – muito alto[1]
Código ISO 3166-2 RU-SAK
Sítio www.adm.sakhalin.ru

O oblast de Sacalina (em russo: Сахали́нская о́бласть, tr. Sakhalínskaia óblast; IPA: [səxɐˈlʲinskəjə ˈobləsʲtʲ]) é uma divisão federal da Federação da Rússia (um oblast) que consiste na ilha de Sacalina e nas ilhas Curilas, no Extremo Oriente Russo.

O oblast tem uma área de 87 100 km². O seu centro administrativo e maior cidade é Iujno-Sakhalinsk. De acordo com o censo populacional de 2010, tinha uma população de 493 973 habitantes. Além de populações de outras partes da antiga União Soviética e da península da Coreia, o oblast alberga populações autóctones de Nivkhs e Ainus, tendo os últimos falantes da sua língua materna desaparecido recentemente em Sacalina.

O oblast de Sacalina é rico em gás natural e petróleo, e é estatisticamente a segunda divisão federal da Rússia mais rica.

Faz fronteira com o krai de Kamtchatka a oeste e com a ilha japonesa de Hocaido a sul.

Índice

DemografiaEditar

População: 493 973 (censo de 2010);[2]

546 695 (censo de 2002)[3]; 709 629 (censo de 1989).[4]

Estatísticas de Natalidade e Mortalidade de 2012:

  • Nascimentos: 6 316 (12,8 a cada 1000 habitantes)
  • Mortes: 6 814 (13,8 a cada 1000 habitantes)[5]

Taxa total de fertilidade:[6]

2009 - 1,59 | 2010 - 1,56 | 2011 - 1,57 | 2012 - 1,71 | 2013 - 1,81 | 2014 - 1,96 | 2015 - 2,02 | 2016 - 2,16 (e)

Grupos Étnicos:[2]

HistóriaEditar

Esta seção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade. Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Os povos nativos de Sacalina são os Nivkhs, os Orokis e os Ainus.

Os primeiros europeus a explorar as ilhas ao redor da ilha de Sacalina foram Ivan Moskvitin e Marteen Gerritz de Vries em meados do séculos XVII, Jean-François de La Pérouse em 1787 e Adam Johann von Krusenstern em 1805.

A ocupação japonesa de Sacalina remonta ao Período Edo. Ōtomari foi supostamente fundada em 1679, e os cartógrafos de Matsumae mapearam a ilha e a nomearam Kita-Ezo. Durantes as dinastias Ming e Qing, a China considerava a ilha como parte de seu império, e incluía os povos de Sacalina no seu "sistema de povos subjugados". Em nenhum momento foi feita nenhuma tentativa de estabelecer uma presença militar imperial na ilha. O Japão, preocupado acerca da expansão russa no nordeste da Ásia, declarou unilateralmente sua soberania sobre a ilha em 1845. Os colonos russos ignoraram essa declaração, e começaram, a partir de 1850, a estabelecer minas de carvão, instalações de administração, escolas, prisões e igrejas na ilha.

 
Prisão Alexandrovskaia em Alexandrovsk-Sakhalinski em 1903.

Em 1855, a Rússia e o Japão assinaram o Tratado de Shimoda, que declarava que pessoas das duas nacionalidades poderiam habitar a ilha: russos no norte e japoneses no sul, sem uma fronteira clara entre eles. A Rússia também concordou em desativar sua base militar em Ōtomari. Após o fim da Segunda Guerra do Ópio, a Rússia forçou a dinastia Qing a assinar o Tratado de Aigun e a Convenção de Pequim, que declarava que a China perderia todos os seus territórios a norte de Heilongjiang (Amur) e a Leste do Rio Ussuri, incluindo a Sacalina , para a Rússia. Uma colônia penal tsarista foi estabelecida em 1857, mas parte do sul da ilha foi dominada pelos japoneses até 1875, quando com o Tratado de São-Petersburgo eles cederam sua parte à Russia em troca das Ilhas Curilas. Após a Guerra Russo-Japonesa, a Rússia e o Japão assinaram o Tratado de Portsmouth em 1905, que resultou na parte sul da ilha abaixo de 50° N passar a ser posse do Japão; os russos mantiveram os outros três quintos da área da ilha. O sul de Sacalina foi administrado pelo Japão como Karafuto-chō (樺太庁), com a capital Toyohara, hoje conhecida como Iujno-Sakhalinsk.

Após a Revolução Russa e a subsequente Guerra Civil, a parte norte de Sacalina passou a ser governada pela Rússia Soviética como parte da Província do Extremo Oriente. O oblast de Sacalina foi estabelecido em 20 de outubro de 1932 como parte do krai do Extremo Oriente, e se tornou parte do krai de Khabarovsk a partir de sua fundação em 1938.

Em agosto de 1945, A União Soviética tomou controle da totalidade das Ilhas Sacalina e Curilas. O ataque soviético à Sacalina do Sul começou em 11 de agosto de 1945, um mês antes da Rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial. O 56.º Corpo de Fuzileiros consistindo na 79.ª Divisão de Fuzileiros, a 2.ª Brigada de Fuzileiros, a 5.ª Brigada de Fuzileiros e a 214.ª Brigada de Tanques atacou a 88.ª Divisão Japonesa. Mesmo com o Exército Vermelho tendo três vezes mais homens, o avanço não foi possível devido à grande resistência japonesa. Foi apenas com a chegada da 113.ª Brigada de Fuzileiros e o 365.º Batalhão Independente de Infantaria Naval de Sovetskaia Gavan a Tōrō, um vilarejo na parte oeste de Sacalina, que os soviéticos quebraram a linha de defesa japonesa. Os soviéticos completaram a conquista de Sacalina em 25 de agosto de 1945, quando ocuparam a capital de Sacalina, conhecida na época como Toyohara. Fontes japonesas indicam que 20 000 civis morreram durante a invasão.

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Oblast de Sacalina

Pós-guerraEditar

 
Vista do topo do Monte Tchekhov, Sacalina, Rússia.

As áreas do sul da Sacalina e as Ilhas Curilas dominadas pelos soviéticos foram declaradas como Província da Sacalina do Sul em 2 de fevereiro de 1946.[7] Quase um ano depois, em 2 de janeiro de 1947, a Província da Sacalina do Sul foi extinta e incluída no oblast de Sacalina, formando a fronteira atual (2018). No mesmo dia, o oblast da Sacalina foi excluído do krai de Khabarovsk. Os japoneses que viviam na região foram quase totalmente repatriados para o Japão, mas pelo menos um terço dos coreanos recusaram a repatriação e passaram a ser conhecidos como Coreanos Sacalinos

O estatuto das ilhas Curilas do Sul continua em disputa. A questão continua a ser um grande impasse nas relações diplomáticas russo-japonesas. Até hoje, nenhum tratado de paz foi assinado entre as partes.[8]

O Japão renunciou a suas reivindicações de soberania da parte Sul de Sacalina no Tratado de São Francisco (1951), já havendo abolido a prefeitura de Karafuto no 1.º de junho de 1949. Entretanto, esse tratado não aprova explicitamente a soberania Russa sob a parte Sul de Sacalina. Da perspectiva oficial japonesa, a atribuição de Sacalina ainda não havia sido determinada, e era marcada como terra de ninguém nos mapas japoneses. Mesmo assim, o Japão possui um consulado-geral na capital de Sacalina.

No 1.º de setembro de 1983, os soviéticos derrubaram o Voo 007 da Korean Airlines que carregava 269 ocupantes, incluindo o deputado norte-americano Larry McDonald, na parte oeste da ilha de Sacalina perto da Ilha Moneron.

Em 1995, o Terremoto Neftegorsk de 7.0 Mw sacodiu o antigo assentamento de Neftegorsk com Intensidade Mercalli máxima de IX (Violento). O dano total foi de 64,1-300 milhões de dólares, causando 1 989 mortes e 750 feridos. O assentamento não foi reconstruído.

AinusEditar

 
Homem ainu habitante de Sacalina

Até ao censo de 2002, 333 residentes da província ainda se identificavam etnicamente como japoneses. Dados sobre a população ainu não estão disponíveis; os Ainus podem ter sido incluídos na categoria "Outros" ou ter se identificado como japoneses no censo.

A maioria dos 888 japoneses que vivem na Rússia (censo de 2010) são de ascendência japonesa-ainu, mesmo que não se identifiquem assim (ascendência japonesa completa lhes dá direito a acesso sem visto ao Japão[9]).

População pós-guerraEditar

De acordo com o primeiro censo soviético após a Segunda Guerra Mundial, em 1959, a população do oblast era de 649 405 habitantes. Esse número se reduziu a 615 652 em 1970 e aumentou para 661 778 em 1979, chegando ao seu ápice de 710 242 em 1989. Através desse período, a população russa aumentou em porcentagem de 77,7% em 1959 para 81,6% em 1989. Após o colapso da União Soviética em 1991, a população do oblast declinou consideravelmente. Em comparação com o censo Soviético de 1989, a população, de acordo com o censo de 2002, diminuiu em 163 547 ou 23%, para 546 695. A população em 2010 era de 497 973 habitantes, sendo a menor população já recordada desde a criação do oblast, mesmo tendo diminuído menos que durante a década de 90.

Petróleo, gás e carvãoEditar

Diversas companhias russas, francesas, sul-coreanas, britânicas, canadenses e norte-americanas de petróleo e gás têm explorado a ilha desde metade da década de 1990[10]. Carvão e manganês tem sido minerados na região pelas autoridades soviéticas e russas desde a década de 1920.

 
Museu da Ferrovia na ilha de Sacalina.

TurismoEditar

Devido às restrições, a integridade do oblast de Sacalina e suas águas internas e territoriais, com exceção de Iujno-Sakhalinsk, são consideradas áreas fronteiriças, o que significa que a liberdade de movimento de estrangeiros é dramaticamente restrita, e qualquer movimentação fora de Iujno-Sakhalinsk requer registro com o Serviço Federal de Segurança (FSB) e a Guarda de Fronteira. As atividades de mergulho e recreação na costa são permitidas apenas nos lugares definidos pela Guarda de Fronteira.[11]

Relações de IrmandadeEditar

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar