Óscar da Prússia

Príncipe da Prússia

Óscar da Prússia (Óscar Carlos Gustavo Adolfo), (27 de julho de 1888 - 27 de janeiro de 1958) foi o quinto filho do imperador Guilherme II da Alemanha e da princesa Augusta Vitória de Schleswig-Holstein.

Óscar da Prússia
Príncipe da Prússia
Cônjuge Ina Maria von Bassewitz
Descendência Óscar da Prússia
Burchard da Prússia
Herzeleide da Prússia
Guilherme-Carlos da Prússia
Nascimento 27 de julho de 1888
  Marmorpalais, Potsdam, Prússia, Império Alemão
Morte 27 de janeiro de 1958 (69 anos)
  Munique, Baviera, Alemanha Ocidental
Pai Guilherme II da Alemanha
Mãe Augusta Vitória de Schleswig-Holstein

EducaçãoEditar

O príncipe Óscar foi educado como cadete em Plön, no estado natal da sua mãe, Schleswig-Holstein, tal como os seus irmãos já o tinham feito anteriormente. Em 1902, foi motivo de notícia quando fracturou a clavícula ao cair das barras horizontais.[1]

Carreira militarEditar

 
Óscar da Prússia em uniforme

Durante os primeiros meses da Primeira Guerra Mundial, comandou o Grenadierregiment "Konig Wilhelm I." (2. Westpreussisches) Nr. 7, em campo, na categoria de coronel. A 22 de agosto de 1914, o futuro lutador Manfred von Richthofen testemunhou um ataque a Virton, na Bélgica, e escreveu sobre a coragem do príncipe Óscar e a sua liderança inspiradora no comando do seu regimento prestes a entrar em combate.[2] Por esta atitude, Óscar recebeu a Cruz de Ferro, Segunda Classe.[3] Um mês depois, em Verdun, Óscar voltou a liderar os seus homens para um assalto bem-sucedido em combate pesado e recebeu a Cruz de Ferro, Primeira Classe. Depois desta atitude, o príncipe acabou por colapsar e teve de ser retirado do campo de batalha.[4] Recebeu o distintivo de ferido e passou grande parte do outono de 1914 a recuperar do que se pensa ter sido um problema de coração. Acabou por regressar aos seus deveres na frente de combate oriental onde voltou a receber o distintivo de ferido.[5]

Em inícios da década de 1920, o seu nome surgiu em listas de membros do pessoal em geral ou membros da família real acusados de crimes de guerra e Óscar foi condenado pela imprensa por se ter candidatado a receber uma pensão de coronel da República de Weimar.[6]

Durante a década de 1930, quando a família Hohenzollern tentou regressar ao poder através do Nacional Socialismo, parece evidente que Óscar tenha tentado também a sua sorte e acabou por ser nomeado Generalmajor zur Verfügung (uma posição equivalente a brigadeiro-general, "disponível para nomeação"), por volta de 1 de março de 1940. À medida que se foi tornando evidente que a monarquia não iria ser restaurada pelos Nazis, a família deixou de ser favorecida por Adolf Hitler, com a excepção do irmão mais velho de Óscar, o príncipe Augusto Guilherme.

Durante a Segunda Guerra Mundial, quando o filho mais velho de Óscar (que tinha o mesmo nome do pai) foi morto na Polónia em Setembro de 1939 e o seu sobrinho Guilherme, filho do príncipe-herdeiro Guilherme, sofreu o mesmo destino na França em março de 1940, o povo alemão voltou a sentir alguma ternura pela família real, também influenciados pelo regime totalitarista que era, na altura, a Alemanha Nazi. A consequência destes acontecimentos foi a expulsão da maioria dos membros da antiga família real prussiana das forças armadas, incluindo do próprio príncipe Óscar. Apesar de Augusto Guilherme continuar a ser fiel a Hitler e de o antigo príncipe-herdeiro Guilherme preferir a neutralidade, Óscar e o resto dos seus irmãos, Eitel Frederico e Adalberto, revoltaram-se contra o regime.

Mestre dos cavaleiros, ordem protestante de São JoãoEditar

Os Hohenzollern em geral e a família de Óscar em particular sempre tiveram grande carinho pela Johanniterorden (Ordem de São João). O seu pai e tio eram membros e o seu irmão, Eitel Frederico, foi Mestre dos Cavaleiros (Herrenmeister) entre 1907 e 1926. O príncipe Óscar foi o seu trigésimo-quinte Mestre dos Cavaleiros[7] desde que Eitel renunciou à posição em 1926 até à sua morte em 1958. Os historiadores modernos afirmam que foi Óscar quem salvou a antiga ordem do esquecimento durante as purgas culturais do regime Nazi. Foi devido a esta luta que o príncipe se revoltou contra o regime. Após a sua morte em 1958, o seu filho mais novo, o príncipe Guilherme Carlos, tornou-se o seu sucessor permanente. O neto de Óscar, o dr. Oskar Hohenzollern, que também partilha o seu nome, é actualmente o trigésimo-sétimo Mestre dos Cavaleiros.

Casamento e descendênciaEditar

 
Óscar com a esposa e os quatro filhos

O príncipe Óscar casou-se no dia 31 de julho de 1914 com a condessa Ina Maria von Bassewitz.[8] Tanto a cerimônia civil como a religiosa se realizaram no Schloß Bellevue, perto de Berlim, na Prússia. Inicialmente a união foi considerada morganática, mas, a 3 de novembro de 1919, foi declarada como uma união dinástica, segundo as leis da Casa de Hohenzollern. Antes do seu casamento, Ina Maria tinha também recebido o título de "condessa de Ruppin", a 27 de julho de 1914. A partir de 21 de junho de 1920, também passou a ter o título de "princesa da Prússia", com a forma de tratamento de "Sua Alteza Real". O casal teve quatro filhos:

  1. Óscar da Prússia (21 de julho de 1915 - 5 de setembro de 1939), morreu na Segunda Guerra Mundial; sem descendência;
  2. Burchard da Prússia (8 de janeiro de 1917 - 12 de agosto de 1988), casado com a condessa Eleonore Fugger von Babenhausen; sem descendência;
  3. Herzeleide da Prússia (25 de dezembro de 1918 - 22 de março de 1989), casada com o príncipe Karl Biron da Curlândia; com descendência;
  4. Guilherme-Carlos da Prússia (20 de janeiro de 1922 - 9 de abril de 2007), casado Armgard von Veltheim; com descendência.

A saúde do príncipe Óscar foi-se deteriorando durante os seus últimos anos de vida e o príncipe acabaria por morrer de cancro, numa clínica de Munique, a 17 de janeiro de 1958.[9]

Referências

  1. “Kaiser’s Fifth Son Hurt.” New York Times. 9 de Dezembro de 1902.
  2. Kilduff, Peter. The Life and Death of an Ace. Cincinnati, OH: David & Charles, LTD., 2007. p. 34.
  3. "Kaiser Decorates 2 Sons for Bravery." New York Times. 26 de agosto de 1914.
  4. "Von Der Horst Killed Leading His Troops." New York Times. 3 de Outubro de 1914.
  5. "Kaiser's Son Oscar is Wounded Again." New York Times. 8 de Fevereiro de 1916.
  6. “Princes Seek Pensions.” New York Times (publicado a partir do Chicago Tribune), 20 de Agosto de 1922.
  7. Robert M. Clark, Jr., The Evangelical Knights of Saint John; Dallas, Texas: 2003; pp. 41-53, 111
  8. "Son Of The Kaiser To Wed A Countess. Prince Oscar to Contract a Morganatic Marriage with a Premier's Daughter
  9. Kirschstein, Jörg (2003). "Oskar Prinz von Preussen Arquivado em 22 de maio de 2015, no Wayback Machine.", consultado a 12 de Outubro de 2013