Þingvellir

local do antigo parlamento da Islândia


Þingvellir ou Thingvellir (transliterado para português; em tradução livre "Campos da Assembleia") é um vale situado no sudeste da Islândia, considerado um dos lugares históricos mais importantes do país.[1]

Parque Nacional Þingvellir 

Critérios (iii) e (vi)
Referência 1152 en fr es
Países Islândia
Coordenadas 8° 0' 48" S 34° 50' 42" O
Histórico de inscrição
Inscrição 2004

Nome usado na lista do Património Mundial

Localização do Parque Nacional Thingvellir
Pintura do Þingvellir feita pelo artista islandês Gunnar Gestsson em 1970

História editar

No ano 930, o Alþingi, como é chamado o parlamento do país foi aí fundado, reunindo-se anualmente, quando o legífero ("homem de leis") declamava as ditas leis em público. Além da proclamação de leis, ainda ocorriam os julgamentos criminais no local. Hoje em dia, os visitantes podem conhecer o Drekkingarhylur (a então piscina de afogamentos) no rio, onde as mulheres infratoras eram afogadas.

A independência islandesa foi proclamada neste lugar em 17 de junho de 1944, e hoje o parque funciona como casa de verão do primeiro-ministro do país, além de ser proclamado como Patrimônio da Humanidade em 2004.

Parque Nacional Thingvellir editar

 
Foto do local

Þingvellir foi declarado Parque Nacional em 1928 devido a sua importância histórica, assim como por sua características tectônicas e vulcânicas.

A deriva continental pode ser observada claramente neste lugar, e até mesmo visível nas falhas que atravessam a região. A maior delas, Almannagjá, forma um "canhão" de consideráveis proporções, sendo esta a causa dos habituais terremotos que são sentidos no local.

Algumas das fraturas estão cheias de águas cristalinas. Entre elas, a Nikulásargjá, cujo fundo está repleto de moedas. Os locais contam a lenda que se uma moeda for atirada nas águas e se vir ela tocando o fundo, o desejo se realizará.

Þingvellir está situado no norte de Þingvallavatn (lago da "explanada"), o maior da Islândia. O Rio Öxará atravessa o Parque e forma uma cascata no Almannagjá, chamada Öxarárfoss. Junto com a cascata de Gullfoss e os gêiseres de Haukadalur, 'Þingvellir forma parte da rota turística mais famosa do país, o Círculo Dourado.

Ver também editar

Referências editar

  1. «Þingvellir». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019