10.ª edição de Systema Naturae

livro por Carl Linnaeus

A 10ª edição do Systema Naturae é um livro escrito pelo naturalista sueco Carl Linnaeus e publicado em dois volumes em 1758 e 1759, que marca o ponto de partida da nomenclatura zoológica. Nele, Linnaeus introduziu a nomenclatura binomial para animais, algo que ele já havia feito para plantas em sua publicação de 1753 de Species Plantarum.

Página de rosto da 10ª edição do Systema Naturae

Ponto de partidaEditar

Antes de 1758, a maioria dos catálogos biológicos usava nomes polinomiais para os táxons incluídos, incluindo edições anteriores do Systema Naturae. O primeiro trabalho a aplicar consistentemente a nomenclatura binomial em todo o reino animal foi a 10ª edição do Systema Naturae. A Comissão Internacional de Nomenclatura Zoológica, portanto, escolheu 1º de janeiro de 1758 como o "ponto de partida" para a nomenclatura zoológica e afirmou que a 10ª edição do Systema Naturae deveria ser tratada como se fosse publicada nessa data.[1] Os nomes publicados antes dessa data não estão disponíveis, mesmo que satisfaçam as regras. A única obra que tem prioridade sobre a 10ª edição é Svenska Spindlar Carl Alexander Clerck. ou Aranei Suecici, que foi publicado em 1757, mas também deve ser tratado como se tivesse sido publicado em 1º de janeiro de 1758.[1]

RevisõesEditar

 
Carl Linnaeus, pintura a óleo de Alexander Roslin em 1775

Durante a vida de Linnaeus, Systema Naturae estava sob revisão contínua. O progresso foi incorporado em edições novas e em constante expansão; por exemplo, em sua 1ª edição (1735), baleias e peixes-boi foram originalmente classificados como espécies de peixes (como se pensava então), mas na 10ª edição eles foram transferidos para a classe de mamíferos.[2]

AnimaisEditar

O reino animal (como descrito por Lineu): "Os animais desfrutam da sensação por meio de uma organização viva, animada por uma substância medular; percepção pelos nervos; e movimento pelo esforço da vontade. Eles têm membros para os diferentes propósitos da vida; órgãos para seus diferentes sentidos; e faculdades (ou poderes) para a aplicação de suas diferentes percepções. Todos eles se originam de um ovo. Sua estrutura externa e interna; sua anatomia comparativa, hábitos, instintos e várias relações entre si são detalhados em autores que declaradamente tratam de seus assuntos”.[3]

A lista foi dividida nas seis classes originais que Linnaeus descreveu para animais; Mamíferos, Aves, Anfíbios, Peixes, Insecta e Vermes. Essas classes foram criadas pelo estudo da anatomia interna, como visto em sua chave:[3]

  • Coração com duas aurículas, dois ventrículos. Sangue quente e vermelho
    • Vivíparos: Mamíferos
    • Ovíparos: Aves
  • Coração com uma aurícula, um ventrículo. Sangue frio e vermelho
    • Pulmões voluntários: Anfíbios
    • Brânquias externas: Peixes
  • Coração com uma aurícula, sem ventrículos. Sangue frio, parecido com pus
    • Com antenas: Insecta
    • Com tentáculos: Vermes

Pelos padrões atuais, Peixes e Vermes são agrupamentos informais, Insecta também continha aracnídeos e crustáceos, e uma ordem de Anfíbios compreendia tubarões, lampreias e esturjões.

MamíferosEditar

 
O macaco Barbary foi incluído na 10ª edição como Simia sylvanus

Linnaeus descreveu os mamíferos como: "Animais que amamentam seus filhotes por meio de tetas lactíferas. Na estrutura externa e interna assemelham-se ao homem: a maioria são quadrúpedes; e com o homem, seu inimigo natural, habitam a superfície da Terra. Os maiores, embora em menor número, habitam o oceano."[3]

Linnaeus dividiu os mamíferos com base no número, situação e estrutura de seus dentes, nas seguintes ordens e gêneros:

AvesEditar

 
A coruja nevada foi incluída na 10ª edição como Strix scandiaca

Linnaeus descreveu os pássaros como: "Uma porção bonita e alegre da natureza criada consistindo de animais com um corpo coberto de penas e penugem; mandíbulas estendidas e nuas (o bico), duas asas formadas para voar e dois pés. Eles são areais, vocais, rápidos e leves, e destituídos de orelhas externas, lábios, dentes, escroto, útero, bexiga, epiglote, corpo caloso e seu arco e diafragma."[3]

Linnaeus dividiu os pássaros com base nos caracteres do bico e dos pés, nas seguintes 6 ordens e 63 gêneros :

AnfíbiosEditar

 
A rã comum foi incluída na 10ª edição como Rana temporaria.

Linnaeus descreveu sua "Amphibia" (compreendendo répteis e anfíbios) como: "Animais que se distinguem por um corpo frio e geralmente nu; semblante severo e expressivo; voz áspera; cor principalmente lúgubre; odor imundo; alguns são fornecidos com um veneno horrível ; todos têm ossos cartilaginosos, circulação lenta, visão e audição apuradas, grandes vasos pulmonares, fígado lobado, estômago oblongo e espesso e ductos císticos, hepáticos e pancreáticos: são deficientes em diafragma, não transpiram (suor), podem viver um muito tempo sem comida, são tenazes de vida e têm o poder de reproduzir partes que foram destruídas ou perdidas; alguns sofrem uma metamorfose; alguns lançam (trocam) a pele; alguns parecem viver promiscuamente na terra ou na água, e alguns ficam entorpecidos durante o inverno."[3]

Linnaeus dividiu os anfíbios com base nas estruturas dos membros e na maneira como respiravam, nas seguintes ordens e gêneros:[4]

PiscesEditar

 
A borboleta blenny foi incluída na 10ª edição como Blennius ocellatus.

Linnaeus descreveu os peixes como: "Sempre habitando as águas; são rápidos em seus movimentos e vorazes em seus apetites. Respiram por brânquias, geralmente unidas por um arco ósseo; nadam por meio de nadadeiras radiadas e são principalmente cobertos por escamas cartilaginosas. Além das partes que têm em comum com os outros animais, são providos de uma membrana nictitante, e a maioria deles com uma bexiga natatória, por cuja contração ou dilatação podem subir ou afundar-se em seu elemento à vontade.[3]

Linnaeus dividiu os peixes com base na posição das barbatanas ventral e peitoral, nas seguintes ordens e gêneros:[3]

InsectaEditar

 
Crustáceos como a pulga de água Monoculus pulex (agora Daphnia pulex) foram incluídos no Insecta de Linnaeus.
 
Linnaeus deu o nome de Cicada septendecim a um inseto cujo adulto aparece uma vez a cada 17 anos.

Linnaeus descreveu sua "Insecta" (compreendendo todos os artrópodes, incluindo insetos, crustáceos, aracnídeos e outros) como: muito numerosos com várias classes consistindo em pequenos animais, com respiração através de spiraculos laterais, armados em todos os lado com pele osséa, ou cobertos com cabelo; provido de muitos pés e antenas móveis (ou chifres), que se projetam da cabeça e são os prováveis instrumentos de sensação.[5]

Linnaeus dividiu os insetos com base na forma das asas, nas seguintes ordens e gêneros:[6]

VermesEditar

 
O choco comum foi nomeado Sepia officinalis na 10ª edição do Systema Naturae.

Linnaeus descreveu seus "Vermes" como: "Animais de câmera lenta, substância macia, capazes de aumentar seu volume e restaurar partes que foram destruídas, extremamente tenazes da vida, e os habitantes de lugares úmidos. Muitos deles não têm cabeça distinta, e a maioria deles sem pés. Eles são distinguidos principalmente por seus tentáculos (ou antenas). Pelos antigos, eles não eram impropriamente chamados de animais imperfeitos, como sendo destituídos de orelhas, nariz, cabeça, olhos e pernas; e são, portanto, totalmente distintos dos insetos."[7]

Lineu dividiu os "Vermes" com base na estrutura do corpo, nas seguintes ordens e gêneros:[7]

PlantasEditar

O segundo volume, publicado em 1759, detalhava o reino Plantae, no qual Linnaeus incluía plantas verdadeiras, além de fungos, algas e líquenes. Além de repetir as espécies que ele havia listado anteriormente em seu Species Plantarum (1753), e as publicadas no período intermediário, Linnaeus descreveu várias centenas de novas espécies de plantas. As espécies de Species Plantarum foram numeradas sequencialmente, enquanto as novas espécies foram rotuladas com letras.[8] Muitos foram enviados a Linnaeus por seus correspondentes no exterior, incluindo Johannes Burman e David de Gorter na África do Sul, Patrick Browne, Philip Miller e John Ellis na América, Jean-François Séguier, Carlo Allioni e Casimir Christoph Schmidel nos Alpes, Gorter e Johann Ernst Hebenstreit no Oriente, e François Boissier de Sauvages de Lacroix, Gerard e Barnadet Gabriel em toda a Europa.[9]

Novas espécies de plantas descritas na 10ª edição do Systema Naturae incluem:

 
Allionia incarnata foi uma das duas novas espécies do novo gênero Allionia introduzida na 10ª edição do Systema Naturae

ReferênciasEditar

  1. a b «Article 3». International Code of Zoological Nomenclature 4th ed. [S.l.: s.n.] 1999. ISBN 0-85301-006-4 
  2. «Systema Naturae - an epoch-making book». Linné on line. Uppsala Universitet. 2008. Consultado em 30 de agosto de 2010 
  3. a b c d e f g Carl von Linné, translated by William Turton (1806). Volume 1. Col: A general system of nature: through the three grand kingdoms of animals, vegetables, and minerals, systematically divided into their several classes, orders, genera, species, and varieties. London: Lackington, Allen, and Co 
  4. Kenneth Kitchell, Jr. & Harold A. Dundee (1994). «A trilogy on the herpetology of Linnaeus's Systema Naturae (PDF). Smithsonian Herpetological Information Service. 100: 1–61 
  5. Carl von Linné, translated by William Turton (1806). Volume 2: Insects. Col: A general system of nature: through the three grand kingdoms of animals, vegetables, and minerals, systematically divided into their several classes, orders, genera, species, and varieties. London: Lackington, Allen, and Co 
  6. Mary P. Winsor (1976). «The development of Linnaean insect classification». Taxon. 25 (1): 57–67. JSTOR 1220406. doi:10.2307/1220406 
  7. a b Carl von Linné, translated by William Turton (1806). Volume 4: Worms. Col: A general system of nature: through the three grand kingdoms of animals, vegetables, and minerals, systematically divided into their several classes, orders, genera, species, and varieties. London: Lackington, Allen, and Co 
  8. Bernard R. Baum (1968). «The problem of typifying certain names in Linnaeus's Systema Naturae ed. 10». Taxon. 17 (5): 507–513. JSTOR 1216048. doi:10.2307/1216048 
  9. Carl Linnaeus (1759). «Volume 2. Regnum Vegetabile». Systema Naturae 10th ed. Stockholm: Laurentius Salvius 

Ligações externasEditar