22.º governo da Monarquia Constitucional

O 22.º governo da Monarquia Constitucional, ou 2.º governo da Regeneração, nomeado a 6 de junho de 1856 e exonerado a 16 de março de 1859, foi presidido pelo marquês de Loulé.

Governos do Segundo Liberalismo (Monarquia Constitucional)
Brasão de armas do reino de Portugal.svg

Logo na sua estreia parlamentar, o governo tido como de Esquerda, declarou a intenção de prosseguir a mesma política do seu antecessor Regenerador, elegendo como principal prioridade do seu programa os melhoramentos técnicos e materiais do país.[1] Este estado de coisas pôs a descoberto uma fractura dentro do Partido Histórico, entre uma tendência inclinada à colaboração com a Direita (a "unha branca") e uma tendência mais radical que insistia na afirmação da autonomia da Esquerda (a "unha negra").[1]

ComposiçãoEditar

A sua constituição era a seguinte:[2][3][4]

Cargo Detentor Período
Presidente do Conselho de Ministros   Marquês de Loulé 6 de junho de 1856 a 16 de março de 1859
Ministro e Secretário de Estado dos
Negócios do Reino
  Júlio Gomes da Silva Sanches 6 de junho de 1856 a 14 de março de 1857
  Marquês de Loulé (interino) 6 de junho de 1856 a 25 de junho de 1856
  Marquês de Loulé 14 de março de 1857 a 16 de março de 1859
Ministro e Secretário de Estado dos
Negócios Eclesiásticos e de Justiça
  Elias da Cunha Pessoa 6 de junho de 1856 a 14 de março de 1857
  Vicente Ferrer 14 de março de 1857 a 4 de maio de 1857
  António José de Ávila (interino) 4 de maio de 1857 a 7 de dezembro de 1857
  José Silvestre Ribeiro 7 de dezembro de 1857 a 31 de março de 1858
  António José de Ávila (interino) 31 de março de 1858 a 16 de março de 1859
Ministro e Secretário de Estado dos
Negócios da Fazenda
  José Jorge Loureiro (interino) 6 de junho de 1856 a 23 de janeiro de 1857
  Júlio Gomes da Silva Sanches (interino) 23 de janeiro de 1857 a 14 de março de 1857
  António José de Ávila 14 de março de 1857 a 16 de março de 1859
Ministro e Secretário de Estado dos
Negócios da Guerra
  José Jorge Loureiro 6 de junho de 1856 a 23 de janeiro de 1857
  Visconde de Sá da Bandeira (interino) 23 de janeiro de 1857 a 8 de setembro de 1857
  António Rogério Gromicho Couceiro 8 de setembro de 1857 a 16 de março de 1859
  Visconde de Sá da Bandeira (interino) 16 de dezembro de 1858 a 16 de março de 1859
Ministro e Secretário de Estado dos
Negócios da Marinha e Ultramar
  Visconde de Sá da Bandeira 6 de junho de 1856 a 16 de março de 1859
Ministro e Secretário de Estado dos
Negócios Estrangeiros
  Marquês de Loulé 6 de junho de 1856 a 16 de março de 1859
Ministro e Secretário de Estado dos
Negócios das Obras Públicas, Comércio e Indústria
  Visconde de Sá da Bandeira (interino) 6 de junho de 1856 a 25 de junho de 1856
  Marquês de Loulé 25 de junho de 1856 a 14 de março de 1857
  Carlos Bento da Silva 14 de março de 1857 a 16 de março de 1859

Referências

  1. a b Bonifácio, Maria de Fátima (2010). «IV – A Falsa Pax Regeneradora (1851-1868)». A Monarquia Constitucional: 1807-1910 3.ª ed. Alfragide: Texto Editora. p. 68. ISBN 978-972-47-4110-9 
  2. Maltez, José Adelino. «Governo de Loulé (1856–1859)». Politipédia — Repertório Português de Ciência Política. Observatório Político. Consultado em 26 de agosto de 2013 
  3. Imprensa Nacional (1871). «Noticia dos ministros e secretarios d'estado do regimen constitucional nos 41 annos decorridos desde a regencia installada na ilha terceira em 15 de março de 1830 até 15 de março de 1871». Consultado em 26 de agosto de 2013 
  4. Santos, Manuel Pinto dos (1986). «I Parte – Organização do poder governamental; 3. Do poder executivo – 3.2. Elencos ministeriais». Monarquia constitucional: organização e relações do poder governamental com a Câmara dos Deputados, 1834–1910. [S.l.]: Assembleia da República, Divisão de Edições 
  Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.