Abrir menu principal

Associação Desportiva São Caetano

Clube de futebol
(Redirecionado de AD São Caetano)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


A Associação Desportiva São Caetano é um clube brasileiro de futebol da cidade de São Caetano do Sul, região metropolitana do estado de São Paulo. Foi fundado em 4 de dezembro de 1989 e sua cor é o azul.

São Caetano
Associação Desportiva São Caetano.png
Nome Associação Desportiva São Caetano
Alcunhas Azulão
Pequeno Gigante do Brasil
Azulão das Américas
Torcedor/Adepto Caetanista
Mascote Azulão
Principal rival Santo André
São Bernardo
Fundação 4 de dezembro de 1989 (29 anos)
Estádio Anacleto Campanella
Capacidade 16.744 lugares
Localização São Caetano do Sul, São Paulo
Presidente Brasil Nairo Ferreira de Souza
Treinador Brasil Marcelo Vilar
Material (d)esportivo Brasil Sanka sports
Competição Paulista - Série A2
Copa Paulista
Ranking nacional Baixa (6) 43º lugar, 3.106 pontos
Website [1]
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

É chamado popularmente de "Azulão", que, além de seu mascote, faz alusão a uma das cores do clube, o azul - a outra é o branco. O clube manda suas partidas no Estádio Municipal Anacleto Campanella, cuja capacidade é para pouco mais de 14 mil torcedores. Seu maior rival no esporte é o Santo André, equipe do ABC Paulista.

Os maiores momentos de sua história foram vividos na primeira metade da Década de 2000, quando o clube sagrou-se duas vezes vice-campeão do Campeonato Brasileiro (em 2000 e 2001) e quando também foi vice da Copa Libertadores da América em 2002. Sua principal conquista no futebol profissional é o Campeonato Paulista de 2004.

HistóriaEditar

Um grupo de pessoas ligadas a São Caetano do Sul, liderados pela família Tortorello, resolve reerguer o futebol na cidade, que já havia passado por boas fases com o São Caetano Esporte Clube (anos 30), a Associação Atlética São Bento (anos 50) e o Saad Esporte Clube (anos 70), todos ex-integrantes da elite do futebol paulista. Primeiro, o grupo utilizou o nome da Sociedade Esportiva Recreativa União Jabaquara, clube de São Caetano que atendia à principal exigência da FPF (Federação Paulista de Futebol): ter disputado campeonatos nos últimos três anos. Uma vez filiado, o nome mudou para Associação Desportiva São Caetano.

As cores azul e branco neve foram adotadas devido à bandeira da cidade. O escudo do São Caetano foi desenhado por Waldemar Zambrana. O time entrou em campo pela primeira vez em jogos oficiais no dia 18 de março de 1990, pela Terceira Divisão do Campeonato Paulista, empatando com o Comercial de Registro em 1–1. O atacante Taloni foi o autor do primeiro gol oficial da história do São Caetano.[1]

O São Caetano era apenas mais uma equipe pequena no Brasil até participar da Copa João Havelange em 2000. Entrou no torneio no Módulo Amarelo, equivalente à segunda divisão nacional. Um ano antes, em 1999, disputou a Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B, liderou com folga a primeira fase do campeonato mas caiu diante do Santa Cruz.

Na Copa João Havelange, o time conseguiu o Vice-Campeonato do Módulo Amarelo, perdendo para o Paraná. A conquista deu ao clube acesso ao mata-mata decisivo da competição, e a chance de encarar os "grandes" do futebol brasileiro. O primeiro adversário foi o Fluminense. Após empatar por 3–3 o jogo de ida, no Parque Antártica, o clube foi ao Rio de Janeiro e eliminou o tricolor carioca, com uma vitória por 1–0, gol do atacante Adhemar, em pleno Maracanã lotado, com mais de 70.000 torcedores. Posteriormente, o clube perderia o título brasileiro para o Vasco, no Maracanã depois de eliminar grandes equipes, como Palmeiras, Grêmio e o próprio Fluminense.

Nascia ali a carreira do São Caetano como um clube "de chegada", referendada com o 2º lugar no Campeonato Brasileiro de 2001. Em 2002 foi vice-campeão da Libertadores, perdendo para o Olímpia, do Paraguai, em uma final histórica, após o São Caetano ter eliminado grandes equipes na campanha, chegou na final contra o Olímpia do Paraguai que vivia o ano de seu centenário, venceu o primeiro jogo de ida da final por 1–0 no Defensores del chaco em Assunção no Paraguai. No jogo de volta em São Paulo, no estádio do Pacaembu lotado com todos os grandes de São Paulo se reunindo para torcer pro São Caetano, no primeiro tempo o São Caetano fez 1–0 de novo, mas o São Caetano conseguiu perder esse título, no início do segundo tempo, em um intervalo de 10 minutos tomou a virada para 2–1 e acabou perdendo nos penâltis.

Em 2004, o clube conquistou seu primeiro título de primeira divisão, o Campeonato Paulista, sob o comando de Muricy Ramalho. Outro destaque em 2004 foi a participação do São Caetano na Copa Libertadores. O time foi segundo colocado em seu grupo, passou pela repescagem e pelas oitavas-de-final até ser eliminado nas quartas-de-final pelo Boca Juniors na Argentina, após uma emocionante disputa de pênaltis.

Serginho estava jogando em uma partida pelo Campeonato Brasileiro contra o São Paulo, no Morumbi em 27 de Outubro de 2004 quando sofreu um ataque cardíaco aos quinze minutos do segundo tempo da partida. Depois que ele caiu no gramado, o jogador Grafite, atualmente no Santa Cruz do Recife, não percebeu e tropeçou em Serginho. Ele morreu no hospital quarenta minutos mais tarde (oito dias após completar trinta anos). O corpo de Serginho foi velado e sepultado no Cemitério do Vale da Saudade, em Coronel Fabriciano, cidade onde cresceu em Minas Gerais. O São Caetano foi punido em 24 pontos, o equivalente a oito vitórias no campeonato, porém o time não foi rebaixado por causa da perda de pontos

Em 2005, o time não repetiu as campanhas brilhantes do passado, ficando em 5º lugar no Paulistão, sendo eliminado pelo Treze na Copa do Brasil e ficando no 18º lugar no Brasileirão, escapando do rebaixamento na última rodada, fato que ocorreria em 2006 com a queda do clube para a Série B 2007.

Em 2007, com o comando de Dorival Júnior, o São Caetano estava dando a volta por cima, pois chegou a final do Campeonato Paulista, depois de eliminar nas semifinais o São Paulo, então o campeão brasileiro, em uma partida impecável em pleno Morumbi. Na final, no primeiro jogo, contra o Santos, no dia 29 de abril, o São Caetano ganhou por 2–0, podendo perder o segundo jogo por 1 gol de diferença ou empatar para ganhar o título. Mas no jogo de volta, o Santos conseguiu igualar o placar anterior, fazendo um resultado de 2–0, o que fez o time do litoral conquistar o Campeonato Paulista de 2007 em função do regulamento. Após as constantes trocas de técnicos, sendo o último Amauri Knevitz na Série B, o São Caetano não conseguiu repetir o mesmo desempenho e ficou em 10º lugar.

Em 2008, com o comando do técnico Pintado, o São Caetano faz a sua melhor campanha na Copa do Brasil, passando pela primeira vez da 2ª fase, chegando às quartas de final até ser eliminado pelo Corinthians, que seria vice-campeão do torneio.

Em 2010, com o comando de Roberto Fonseca, após uma campanha mediana no Paulistão 2010, ficando na 8º colocação, o São Caetano consegue a classificação para o Campeonato Paulista do Interior, aonde derrotou o Oeste na semifinal por 3–1 em casa. Na final, derrotou o Botafogo-SP por 1–0 em casa, podendo empatar o 2º jogo para levar o título inédito, mas o Botafogo-SP acabou igualando o placar do primeiro jogo, e por causa de sua melhor colocação no campeonato, o São Caetano acabou sendo vice-campeão do interior.

 
Escudo anterior

Após quase cair para Serie C em 2011, se salvando na última rodada, o São Caetano surpreende ao realizar uma bela campanha na Serie B de 2012 quase conseguindo o acesso, terminando na 5º colocação, com a mesma pontuação de Atlético-PR e Vitória, 3º e 4º colocados respectivamente.

Porém em 2013, a história foi o contrário de 2012, mesmo com a contratação do pentacampeão Rivaldo, o time fez campanhas horríveis nas principais competições, sendo rebaixada para a Série A2 do Campeonato Paulista e para a Série C do Campeonato Brasileiro. Na Copa do Brasil foi eliminado logo na 1ª fase, porém na Copa Paulista fez uma boa campanha jogando com o time B, caindo nas quartas-de-finais. Em 2014, o time continuou com a mesma má fase de 2013, se salvando do rebaixamento para a Série A3 do Campeonato Paulista na última rodada. Porém a equipe não teve a mesma sorte na Série C do Campeonato Brasileiro, quando foi rebaixada para a Série D, eliminados pelo Santo Andrê em pleno Anacleto.

Na Série D 2015, o clube fez uma boa campanha durante o campeonato, terminando na liderança os blocos que disputou. Porém no mata-mata, a equipe ficou a 1 vitória para o acesso a Série C de 2016, perdendo para o Botafogo-SP por 2–1 de virada no jogo de ida fora de casa e empatando em 0 a 0 no jogo de volta.

Em 2017, com uma bela campanha na Série A2, o São Caetano voltou a Série A1 do Campeonato Paulista de 2018, passando pelo Rio Claro, na semifinal e sagrando-se campeão após vencer o Bragantino por 2–1.

Em 2018, fez uma boa campanha no Campeonato Paulista de 2018 chegando às quartas de finais, vencendo o São Paulo por 1–0 na ida em casa e sendo eliminado na volta perdendo por 2–0 fora de casa. Por essa boa campanha no torneio, conseguiu voltar ao cenário nacional, conseguindo uma vaga no Campeonato Brasileiro Série D de 2019.

Após uma Boa Campanha no Campeonato Paulista em 2018, tendo conquistado uma vaga na Série D 2019, As Expectativas em torno do São Caetano eram grandes, tendo o time anunciado diversos reforços, como o Atacante Rafael Marques. Porém, a Campanha do Azulão foi péssima, e precisando de uma vitória na Última Rodada contra o São Paulo, Empatou em 1x1, sendo Rebaixado a Série A2 de 2020, apenas dois anos após o Acesso.

EstádioEditar

 
Estádio Anacleto Campanella.

Antigamente chamado de Estádio Municipal Lauro Gomes de Almeida, o Estádio Municipal Anacleto Campanella é um estádio de futebol da cidade de São Caetano do Sul, e é utilizado pela Associação Desportiva São Caetano. O nome é uma homenagem ao senhor Anacleto Campanella que foi prefeito da cidade durante as décadas de 1950 e 1960.

Em 1989 houve uma grande reforma no estádio, para poder ser usado pelo São Caetano, que estava começando a disputar campeonatos.

De novembro de 2007 a maio de 2008, passou por reformas estruturais, com isso ficou 6 meses sem jogos. Na reinauguração no dia 30 de maio de 2008 o São Caetano venceu o Vila Nova por 1–0 jogo válido pela Série B do Campeonato Brasileiro.

TítulosEditar

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
  Campeonato Paulista 1 2004
  Campeonato Paulista – Série A2 2 2000 e 2017
  Campeonato Paulista – Série A3 2 1991 e 1998
TOTAL
Competição Títulos Temporadas
  Títulos oficiais 5 5 Estaduais

Campanhas de destaqueEditar

Associação Desportiva São Caetano
Competição Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
  Copa Libertadores da América 0 (não possui) 1 (2002) 0 (não possui) 0 (não possui)
  Campeonato Brasileiro 0 (não possui) 2 (2000 e 2001) 0 (não possui) 1(2003)
  Campeonato Brasileiro – Série C 0 (não possui) 1 (1998) 0 (não possui) 0 (não possui)
   Torneio Rio-São Paulo 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (2002)
  Campeonato Paulista 1 (2004) 1 (2007) 0 (não possui) 0 (não possui)
  Campeonato Paulista – Série A2 2 (2000 e 2017) 1 (1992) 1 (1999) 0 (não possui)
  Campeonato Paulista – Série A3 2 (1991, 1998) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (1997)
  Campeonato Paulista do Interior 0 (não possui) 1 (2010) 1 (2011) 0 (não possui)

EstatísticasEditar

 Ver artigo principal: Temporadas do São Caetano

ParticipaçõesEditar

Participações em 2019
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última A   R  
  Campeonato Paulista 15 Campeão (2004) 1993 2019 3
Série A2 9 Campeão (2000 e 2017) 1992 2020 3 1
Série A3 5 Campeão (1991 e 1998) 1991 1998 2
Copa Paulista 4 Semifinal (2016) 2016 2019
   Torneio Rio-São Paulo 1 Semifinal (2002) 2002 2002
  Campeonato Brasileiro 7 Vice-campeão (2000 e 2001) 2000 2006 1
Série B 9 Vice-campeão (2000) 1999 2013 1 1
Série C 2 Vice-campeão (1998) 1998 2014 1 1
Série D 2 5º colocado (2015) 2015 2019
Copa do Brasil 6 Quartas de final (2008) 2003 2018
  Copa Libertadores da América 3 Vice-campeão (2002) 2001 2004
Copa Sul-Americana 2 Oitavas de final (2003 e 2004) 2003 2004

Elenco atualEditar

  •   Capitão
  •   Jogador Machucado
  •  : Prata da casa


Goleiros
Jogador
  Luiz Daniel
  Douglas Pires
  Jacsson
Defensores
Jogador Pos.
  Max Z
  Carlos Henrique Z
  Joécio Z
  Gabriel Ramos Z
  Alex Reinaldo LD
  Anderson Luís LD
  Marquinhos LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
  Esley V
  Willians V
  Pablo V
  Cristian V
  Índio   V
  Ferreira V
  Guilherme Biteco M
  Eric Di Maria M
Atacantes
Jogador
  Marlon
  Gleyson
  Italo
  Stéfano Yuri
  Hernandes
  Calyson
  Renan Peixoto
Comissão técnica
Nome Pos.
  Marcelo Vilar T

TransferênciasEditar

 : Jogadores emprestados
 : Jogadores que voltam de empréstimo

Elenco Atual (sub20)Editar

Goleiros
Jogador
  Arthur Motta
  Juan
  Daniel Patrick
Defensores
Jogador Pos.
  Jean Z
  Fabão Z
  Matheus Eduardo Z
  Gustavo Neves Z
  Joao Victor Z
  Lucas LD
  Davi Miranda LD
  Thiago LD
  Keffel LE
  Padua LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
  Douglas V
  Cerezo V
  Quadrado V
  Gian M
  Markson M
Atacantes
Jogador
  Hernandes
  Marcos Vinicius
  Gabriel Silva
  Emerson
  Rafael Menezes
Comissão técnica
Nome Pos.
  Márcio Griggio T

ÍdolosEditar

 
O técnico Muricy Ramalho levou o clube ao título paulista de 2004.
Goleiros
  Cavani
  Luiz
  Silvio Luiz
Zagueiros
  Anderson Marques
  Daniel
  Dininho
  Luís Pereira
  Serginho
  Thiago Martinelli
Laterais
  Ânderson Lima
  César
  Japinha
  Triguinho
  Wladimir
  Zé Carlos
Meio-Campistas
  Adãozinho
  Anaílson
  Augusto Recife
  Claudecir
  Douglas
  Éder
  Esley
  Esquerdinha
  Gilberto
  Magrão (volante)
  Mancini
  Márcio Griggio
  Marcelo Mattos
  Marcinho
   Marcos Senna
  Marquinhos Pitbull
  Mineiro
  Taxi
Atacantes
  Adhemar
  Aílton
  Brandão
  Eduardo
  Fabrício Carvalho
  Magrão (atacante)
  Paulinho Kobayashi
  Serginho Chulapa
  Somália
  Túlio Maravilha
  Zinho
  Taloni
Técnicos
  Dorival Júnior
  Jair Picerni
  Luiz Carlos Martins
  Muricy Ramalho
  Sérgio Guedes
  Tite

FatosEditar

 
O azulão, mascote do clube.
O primeiro gol do São Caetano foi marcado pelo atacante Taloni no dia 18 de março de 1990, na cidade de Registro diante do Comercial. O resultado final do jogo foi um empate em 1–1.

Os maiores artilheiros da história do São Caetano são Adhemar (68 gols), Marcinho (45 gols) e Somália (39 gols).

O técnico que mais vezes dirigiu o São Caetano foi Jair Picerni, em 165 partidas.

O gol mais rápido da história do São Caetano foi marcado por Pirata, aos 14 segundos do primeiro tempo, no dia 24 de março de 1994, diante da Inter de Limeira, em um empate em 3–3 valido pelo Campeonato Paulista Série A2 de 1994

A maior goleada aplicada pelo Azulão foi em 2000, na Série A-2 do Campeonato Paulista, quando a equipe goleou por 7–1 o Paraguaçuense.

Os jogadores que mais fizeram gols numa mesma partida pelo São Caetano foram: Eduardo (5 gols) e Adhemar, Aílton e Taloni (4 gols).

Os jogadores que mais vezes vestiram a camisa do São Caetano foram os goleiros Silvio Luiz (451 jogos) e Luiz (319 jogos), e o zagueiro Dininho (323 jogos).

Em 2001, o ranking oficial da CNN colocou o São Caetano como o 10º melhor clube do mundo.[2]

UniformesEditar

  • 1º - Camisa azul com detalhes vermelhos, calção e meias azuis.
  • 2º - Camisa branca com detalhes vermelhos, calção e meias brancas.
     
 
 
1º Uniforme
     
 
 
2º Uniforme

Material esportivo e patrocinadoresEditar

Obs 1: Durante os anos 90 o São Caetano teve diversos patrocinadores. Eles não estão listados por não haver fontes o suficiente que forneça os anos exatos de cada patrocinador.
Obs 2: Em 2014, o São Caetano não fechou contrato com nenhuma fornecedora de material esportivo.

RivalidadeEditar

 Ver artigo principal: Clássico do ABC

Referências

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar