Ag2r La Mondiale

(Redirecionado de AG2R La Mondiale)
AG2R La Mondiale
Denain - Grand Prix de Denain, le 17 avril 2014 (A111).JPG
Informações
Estatuto
UCI Trade Team I (d) (-)
UCI Trade Team II (d) ()
UCI Trade Team I (d) (-)
continental pro ()
UCI ProTeam (d) (-)
UCI WorldTeam (a partir de )Visualizar e editar dados no Wikidata
Código UCI
ALMVisualizar e editar dados no Wikidata
Disciplina
País
Fundação
1992
Temporadas
29Visualizar e editar dados no Wikidata
Pessoas chave
Director geral
Vincent Lavenu (en) (a partir de )
Philippe Chevallier (a partir de )Visualizar e editar dados no Wikidata
Director(s) desportivo(s)
Designações anteriores
Mathis Favier
Chazal-Vetta
-
Chazal-MBK-König
Petit Casino, c'est votre équipe
Casino, c'est votre équipe
-
Casino
-
AG2R Prévoyance
AG2R-La Mondiale
a partir de
AG2R La Mondiale
Equipamento
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
equipamento

AG2R La Mondiale (código UCI: ALM) é um equipa ciclista francês de categoria UCI World Team que participa no UCI World Tour, bem como em algumas carreiras do Circuito Continental.

História da equipaEditar

Chazal e Petit CasinoEditar

Em 1992 Vincent Lavenu, recém retirado do ciclismo profissional, criou uma equipa ciclista com Chazal (que já lhe tinha patrocinado como ciclista em seus últimos anos) como patrocinador principal. A empresa permaneceu unida à equipa até 1995.

Em 1996 o patrocinador principal passou ser a cadeia de cafeterias Petit Casino. A formação, uma modesta equipa da Segunda Divisão do ciclismo, procurava ligar com o público para conseguir a algum patrocinador, e tinha a expressão Petit Casino-c’est votre equipe (Petit Casino é a tua equipa), em linha com essa filosofia.

CasinoEditar

Em 1997 a equipa passou a chamar-se Casino, com a entrada da cadeia de supermercados Grupo Casino (proprietária do patrocinador anterior, Petit Casino). A chegada de casa matriz teve uma grande influência no desenvolvimento da esquadra, já que supôs um incremento substancial do orçamento. Assim, a equipa pôde começar a correr em algumas das principais carreiras ciclistas da temporada.

1997Editar

Em 1997 chegou Alberto Elli, quem ganhou a Midi Livre. A equipa estreiou nesse ano no Tour de France.

1998Editar

Em 1998 Bo Hamburger ganhou a Flecha Valona, a segunda das três clássicas que compõem a trilogia das Ardenas. Pouco depois Jaan Kirsipuu ganhou duas etapas no Giro d'Italia. Na Volta a Espanha Kirsipuu conseguiu outra vitória de etapa.

1999Editar

Em 1999 Alexander Vinokourov ganhou a Dauphiné Libéré.

Ag2rEditar

Em 2000 o Grupo Ag2r, um grupo francês dedicado aos seguros e os fundos de pensões que tinha copatrocinado à esquadra as três últimas temporadas, se converteu no patrocinador principal da formação, pelo que a equipa passou a se chamar Ag2r-Prévoyance.

2006Editar

Em 2006 chegou à equipa Francisco Mancebo, quarto no Tour de France do ano anterior com o Illes Balears-Caisse d'Epargne, como novo chefe de filas face à Grande Boucle. No entanto, a descoberta da Operação Puerto e o facto de que a Policia civil tivesse identificado a Mancebo como um dos clientes da rede de doping dirigida pelo doutor Eufemiano Fontes motivou que Mancebo fora afastado da equipa um dia antes do início da ronda rainha, ao igual que outros favoritos como Jan Ullrich (T-Mobile) e Ivan Basso (CSC).

Já em termos desportivos destacar o 6º posto na geral do Tour de France e seu 2º posto de etapa em Pau de Cyril Dessel. Depois dessa etapa vestiu-se com o maillot amarelo e também conseguiu o da montanha. Acabaria perdendo ambos. Outra grande classificação foi a de seu colega e em teoria chefe de filas Christophe Moreau que foi 7º.

Sylvain Calzati ganharia a 8ª etapa do Tour de France com chegada em Lorient.

2007Editar

Na temporada 2007 conseguiram um total de 17 vitórias, destacando sobretudo as 2 etapas e a geral da Dauphiné Libéré de Christophe Moreau, e a etapa na Paris-Nice de Jean-Patrick Nazon. O resto de vitórias foram de menor nível, quase todas em carreiras do calendário francês. Destacam a geral do Tour Down Under de Martin Elmiger, a vitória no G. P. Miguel Indurain de Rinaldo Nocentini, a vitória de etapa na Ruta del Sur de Jean-Patrick Nazon ou a vitória de etapa no Tour do Mediterrâneo de Rinaldo Nocentini.

2008Editar

Em 2008 conseguiu um total de 12 vitórias, destacando sobre todas elas a vitória de etapa no Tour de France de Cyril Dessel, além da vitória de etapa na Volta à Catalunha e na Dauphiné Libéré, também de Cyril Dessel. Outras vitórias a destacar são a vitória no Grande Prêmio de Lugano de Rinaldo Nocentini, a vitória de etapa nos Quatro Dias de Dunquerque de Cyril Dessel ou a etapa do Tour de l´Ain de John Gadret. Ademais conseguiu 1 Campeonato Nacional em Contrarrelógio (Estónia) e outro em estrada (Moldávia).

A equipa teve uma boa participação no Tour de France, com dois ciclistas classificados entre os dez primeiros da geral: Tadej Valjavec (9º) e Vladimir Efimkin (10º),[1] após que a descalificación do em princípio terceiro classificado Bernhard Kohl (Gerolsteiner) por dopaje fizesse que ambos adiantassem um posto na classificação final.[2] Ademais, o positivo de Riccardo Riccò (Saunier Duval-Scott), também por CERA,[3] fez que Efimkin fora o ganhador da 9ª etapa com final em Bagnères-de-Bigorre,[4] na que num primeiro momento tinha sido segundo.[5]

2009Editar

 
Dupont no Tour, com a nova equipação

O desenho da equipação mudou notavelmente com respeito a anos anteriores: o maillot passou a ser branco com detalhes azul celeste e negro, enquanto o culote seria negro.

Tadej Valjavec finalizou 9º na classificação geral do Giro d'Italia.

No Tour de France o veterano Rinaldo Nocentini luziu o maillot amarelo durante oito dias, ao fazer com a liderança graças à sua incursão na escapada boa na primeira etapa pirenaica, com final em Ordino Arcalis. Nocentini, que participava pela primeira vez na ronda gala, aguentou o maillot amarelo até a 15ª etapa com final em Verbier (primeira etapa alpina), na que cedeu a liderança ante Alberto Contador, ganhador final da carreira. Nocentini foi o melhor classificado no geral final ao finalizar 14º, após que o teórico chefe de filas, o russo Vladimir Efimkin, tivesse que abandonar por uma queda quando se encontrava numa boa situação clasificatória. Um dos ciclistas destacados da equipa foi o campeão irlandês Nicolas Roche, quem participou em várias fugas, ainda que não pôde conseguir nenhuma vitória de etapa.

A equipa teve uma discreta actuação na Volta a Espanha, na que Valjavec foi 30º na geral e o melhor posto numa etapa o conseguiu Sébastien Hinault ao ser quinto no sprint da última etapa, com final em Madri.

A formação fechou a temporada sem nenhuma vitória importante, ao não ter conseguido nenhum triunfo no UCI World Calendar.

2010Editar

Com 19 vitórias na temporada, como resultados mais destacados mencionar a vitória de Christophe Riblon na 14ª etapa do Tour de France que finalizava em Ax 3 Domaines e o 15º posto na geral do jovem Nicolas Roche.

Previamente, no Giro d'Italia, John Gadret foi o melhor da equipa finalizando em 13ª posição e com um pódio de etapa na cronoescalada a Plano de Coroes, onde foi terceiro.[6]

Outros triunfos da equipa chegaram por intermediário de Rinaldo Nocentini quem venceu no Tour do Mediterrâneo, enquanto Martin Elmiger coroou-se novamente como campeão em estrada da Suíça além de vencer nos Quatro Dias de Dunquerque e no Grande Prêmio da Somme. Riblon, além da etapa do Tour fez-se com a vitória em Les Boucles du Sud Ardèche. Biel Kadri impôs-se na 2ª etapa da Ruta del Sur e Maxime Bouet impôs-se na 3ª etapa do Tour de l'Ain após que Steve Morabito do BMC fizesse uma manobra irregular pese a ser o que cruzou primeiro a linha de meta e ser desclassificado pelos juízes.

Na Volta a Espanha não teve triunfos mas novamente Roche finalizou numa mais que meritoria 7ª praça.[7]

2011Editar

Em 2011 John Gadret foi o protagonista da equipa no Giro d'Italia finalizando na terceira posição. Gadret ganhou a etapa que finalizou em Castelfidardo, foi terceiro no Grossglockner e quarto em Macugnaga. Em carreira terminou o Giro na quarta posição, por trás de Alberto Contador, Michele Scarponi e Vincenzo Nibali. Meses depois, quando Contador foi sancionado, foi ascendido à terceira posição da corsa rosa.[8] Outro destacado na equipa foi Jean-Christophe Peraud que esteve no topo dez de várias carreiras; 6º na Paris-Nice, 7º no Critérium du Dauphiné, 9º no Tour de France e 7º no estreado Tour de Pequim.[9]

Igualmente, as vitórias da equipa durante a temporada foram poucas. Só 6 triunfos no ano, 2 deles no UCI World Tour. Além da etapa no Giro de Gadret, só Nicolas Roche ganhou uma etapa do Tour de Pequim. No Circuito Continental Europeu, Anthony Ravard ficou com a Châteauroux Classic de l'Indre, uma etapa do Tour de Poitou Charentes e a Estrela de Bessèges, onde Lloyd Mondory também ganhou uma etapa.

2012Editar

Em 2012 fez-se com os serviços do ganhador do Tour de l'Avenir de 2011, Romain Bardet, de Sylvain Georges e o experiente Jimmy Casper. A baixa pontuação no UCI Worldtour de 2011, fez que a equipa devesse procurar os pontos de corredores que se tivessem destacado nos Circuitos Continentais, para se assegurar um lugar como equipa UCI Pro Team. Foi de modo que contratou ao iraniano Amir Zargari, ao russo Boris Shpilevsky e ao esloveno Gregor Gazvoda. Deveu-se esperar até maio para conseguir a primeira vitória da temporada, quando o estreiante na equipa Sylvain Georges, ganhou a 6ª etapa do Volta à Califórnia. No mesmo dia Sébastien Hinault ficou com a 3ª etapa do Circuito de Lorena. Poucos dias depois Hinault ganhou também a Boucles de l'Aulne e Manuel Belletti a 4ª etapa da Ruta del Sur.

Nas grandes voltas, John Gadret foi 11º no Giro d'Italia e Nicolas Roche foi o melhor da equipa no Tour e a Volta, em ambas 12º.

No UCI World Tour de 2012 terminou novamente penúltimo, superando só à outra equipa francesa, a FDJ-BigMat. Rinaldo Nocentini foi o melhor na individual na 30ª posição.

2013Editar

Face a 2013 teve uma importante reestrutura do plantel. Onze novos corredores chegaram à equipa, destacando-se Domenico Pozzovivo, Samuel Dumoulin, Gediminas Bagdonas, Davide Appollonio e Carlos Betancur. A principal baixa foi a de Nicolas Roche que se marchou ao Saxo-Tinkoff. Pozzovivo e Betancur seriam a aposta da equipa para Giro e Volta, enquanto Gadret e Peraud para o Tour.

Peraud teve uma destacada actuação na Paris-Nice, finalizando 3º e Betancur sobresaiu durante a primavera conseguindo boas posições durante a preparação para o Giro; sétimo em País Basco, terceiro na Flecha Valona e quarto em Liège, fizeram crescer a possibilidade de que podia brigar pela classificação dos jovens da corsa rosa. As previsões fizeram-se realidade e o colombiano com uma excelente actuação na montanha conseguiu o objectivo, melhor jovem e 5º na classificação geral. Não ganhou etapas mas esteve perto; foi três vezes segundo e uma vez terceiro. Por sua vez Pozzovivo finalizou décimo, conseguindo assim a equipa colocar a dois homens entre os 10 melhores.[10]

No Tour de France, quem era o líder da formação Jean-Christophe Péraud, abandonou depois de uma queda durante a contrarrelógio da 17ª etapa quando se encontrava 9º na geral.[11] Ao dia seguinte a equipa teve revanche com a vitória na 18ª etapa de Christophe Riblon, e nada menos que no Alpe d'Huez.[12] Na classificação por equipas finalizaram 2º, por trás do Saxo-Tinkoff e Romain Bardet foi o melhor na posição 15ª.

Na Volta a Espanha, Carlos Betancur foi uma sombra do que foi no Giro e rapidamente ficou bem longe da luta. Por sua vez Domenico Pozzovivo foi terceiro no Monte da Groba e a mesma posição na contrarrelógio que incluía na primeira parte, a subida ao Moncayo. O italiano culminou a carreira numa meritória 6ª posição.

Enquanto Christophe Riblon fez-se com outro triunfo no UCI World Tour (uma etapa da Volta à Polónia), outras carreiras em que a equipa ganhou foram o Tour de l'Ain, Roma Maxima e o Grande Prêmio de Plumelec-Morbihan, com Romain Bardet, Biel Kadri e Samuel Dumoulin respectivamente.

Corredor melhor classificado nas Grandes VoltasEditar

Ano Giro d'Italia   Tour de France   Volta a Espanha  
1992 - - -
1993 - 37.º
  Éric Caritoux
-
1994 - 22.º
  Éric Caritoux
-
1995 - 34.º
  Jean-François Bernard
85.º
  Pascal Chanteur
1996 - - 21.º
  Pascal Chanteur
1997 - 26.º
  Pascal Chanteur
12.º
  Philippe Bordenave
1998 26.º
  Fabrice Gougot
15.º
  Bo Hamburger
18.º
  Fabrice Gougot
1999 - 16.º
  Benoît Salmon
-
2000 - 32.º
  Andrei Kivilev
-
2001 - 17.º
  Aleksandr Bocharov
-
2002 - 30.º
  Aleksandr Bocharov
61.º
  Aleksandr Bocharov
2003 - 24.º
  Aleksandr Bocharov
-
2004 - 20.º
  Stéphane Goubert
55.º
  Íñigo Chaurreau
2005 - 27.º
  Mikel Astarloza
-
2006 32.º
  Hubert Dupont
6.º
  Cyril Dessel
26.º
  Íñigo Chaurreau
2007 25.º
  Hubert Dupont
26.º
  Stéphane Goubert
13.º
  Stéphane Goubert
2008 13.º
  Tadej Valjavec
9.º
  Tadej Valjavec
18.º
  John Gadret
2009 33.º
  Aleksandr Yefimkin
12.º
  Rinaldo Nocentini
30.º
  Tadej Valjavec
2010 13.º
  John Gadret
13.º
  Nicolas Roche
6.º
  Nicolas Roche
2011 3.º
  John Gadret
9.º
  Jean-Christophe Péraud
16.º
  Nicolas Roche
2012 11.º
  John Gadret
12.º
  Nicolas Roche
12.º
  Nicolas Roche
2013 5.º
  Carlos Betancur
15.º
  Romain Bardet
6.º
  Domenico Pozzovivo
2014 5.º
  Domenico Pozzovivo
2.º
  Jean-Christophe Péraud
54.º
  Hubert Dupont
2015 20.º
  Carlos Betancur
9.º
  Romain Bardet
11.º
  Domenico Pozzovivo
2016 11.º
  Hubert Dupont
2.º
  Romain Bardet
13.º
  Jean-Christophe Péraud
2017 6.º
  Domenico Pozzovivo
3.º
  Romain Bardet
17.º
  Romain Bardet
2018 11.º
  Alexandre Geniez
6.º
  Romain Bardet
11.º
  Tony Gallopin
2019 29.º
  Alexis Vuillermoz
15.º
  Romain Bardet
24.º
  François Bidard

Material ciclistaEditar

 
Carro da equipa

Estes são os provedores do material ciclista utilizado pela equipa:[13][14]

  • Bicicletas: Eddy Merckx
  • Componentes: SRAM
  • Rodas: Mavic
  • Pneumáticos: Michelin
  • Pedalier: FSA
  • Pedais: Time
  • Manilares: FSA
  • Equipação: Rosti
  • Selins: Pro Choice
  • Capacetes: Ekoi
  • Objeto: Elite

Classificações UCIEditar

A União Ciclista Internacional elaborava o Ranking UCI de classificação dos ciclistas e equipas profissionais.

Até o ano 1998, a classificação da equipa e do seu ciclista mais destacado foi a seguinte:[15][16]

Ano Classificação por equipas Melhor corredor Posição
1995 29º   Artūras Kasputis 159º
1996 26º   Pascal Chanteur 87º
1997 12º   Alberto Elli 25º
1998   Alberto Elli 19º

A partir de 1999 e até 2004 a UCI estabeleceu uma classificação por equipas divididas em três categorias (primeira, segunda e terceira). A classificação da equipa foi a seguinte:[15][16]

Ano Categoria Classificação por equipas Melhor corredor Posição
1999 Primeira 12º   Jaan Kirsipuu 11º
2000 Primeira 22º   Jaan Kirsipuu 48º
2001 Segunda   Jaan Kirsipuu 14º
2002 Primeira 26º   Jaan Kirsipuu 47º
2003 Primeira 15º   Laurent Brochard 24º
2004 Primeira 21º   Laurent Brochard 41º

Em 2005 a UCI instaurou o circuito profissional de máxima categoria, o UCI Pro Tour e os Circuitos Continentais UCI. Nesse ano a equipa desceu à segunda categoria e foi registado dentro do UCI Europe Tour, puntuando nas classificações do UCI Europe Tour Ranking, UCI Asia Tour Ranking e UCI Oceania Tour Ranking. As classificações da equipa foram as seguintes:[17]

Ano Classificação por equipas Melhor corredor Posição
2005
(Europe Tour)
  Tomas Vaitkus 15º
2005
(Ásia Tour)
29º   Alexandre Usov 111º
2005
(Oceania Tour)
  Simon Gerrans

A partir de 2006, a equipa tem estado na máxima categoria, o UCI Pro Tour. As classificações da equipa são as seguintes:[18]

Ano Classificação por equipas Melhor corredor Posição
2006 15º   Christophe Moreau 13º
2007   Christophe Moreau 18º
2008 13º   Cyril Dessel 48º

Depois de discrepâncias entre a UCI e as Grandes Voltas, em 2009 teve-se que refundar o UCI Pro Tour numa nova estrutura chamada UCI World Ranking, formada por carreiras do UCI World Calendar; e a partir do ano 2011 unindo na denominação comum do UCI World Tour. A equipa seguiu sendo de categoria UCI Pro Tour.[19][20]

Ano Classificação por equipas Melhor corredor Posição
2009 17º   Martin Elmiger 68º
2010 18º   Nicolas Roche 32º
2011 15º   Jean-Christophe Péraud 25º
2012 17º   Rinaldo Nocentini 30º
2013 12º   Carlos Betancur 14º
2014   Jean-Christophe Péraud 10º
2015 11º   Domenico Pozzovivo 18º
2016 13º   Romain Bardet
2017   Romain Bardet 19º
2018 11º   Romain Bardet 14º

PalmarésEditar

Para anos anteriores, veja-se Palmarés da AG2R La Mondiale

Palmarés 2020Editar

UCI World TourEditar

Datas Carreiras Ganhador

UCI ProSeriesEditar

Datas Carreiras Ganhador

Circuitos Continentais UCIEditar

Datas Circuito Carreiras Ganhador

Campeonatos nacionaisEditar

Datas Carreiras Ganhador

PlantelEditar

Para anos anteriores, veja-se Elencos da Ag2r-La Mondiale

Elenco de 2020Editar

Corredor[21] Nascimento Nacionalidade Equipa 2019
Romain Bardet 09/11/1990   França AG2R La Mondiale
François Bidard 19/03/1992   França AG2R La Mondiale
Geoffrey Bouchard 01/04/1992   França AG2R La Mondiale
Clément Champoussin[2020 1] 29/05/1998   França AG2R La Mondiale (stagiaire)
Mikaël Cherel 17/03/1986   França AG2R La Mondiale
Clément Chevrier 29/06/1992   França AG2R La Mondiale
Benoît Cosnefroy 17/10/1995   França AG2R La Mondiale
Silvan Dillier 03/08/1990 Predefinição:Bandeira2 AG2R La Mondiale
Axel Domont 07/08/1990   França AG2R La Mondiale
Julien Duval 27/05/1990   França AG2R La Mondiale
Mathias Frank 09/12/1986 Predefinição:Bandeira2 AG2R La Mondiale
Tony Gallopin 24/05/1988   França AG2R La Mondiale
Ben Gastauer 14/11/1987   Luxemburgo AG2R La Mondiale
Alexandre Geniez 16/04/1988   França AG2R La Mondiale
Dorian Godon 25/05/1996   França AG2R La Mondiale
Alexis Gougeard 05/03/1993   França AG2R La Mondiale
Jaakko Hänninen 16/04/1997 Predefinição:FIM AG2R La Mondiale
Quentin Jauregui 22/04/1994   França AG2R La Mondiale
Pierre-Roger Latour 12/10/1993   França AG2R La Mondiale
Lawrence Naesen 28/08/1992   Bélgica Lotto Soudal
Oliver Naesen 16/09/1990   Bélgica AG2R La Mondiale
Aurélien Paret-Peintre 27/02/1996   França AG2R La Mondiale
Nans Peters 12/03/1994   França AG2R La Mondiale
Harry Tanfield 17/11/1994   Reino Unido Team Katusha-Alpecin
Stijn Vandenbergh 25/04/1984   Bélgica AG2R La Mondiale
Andrea Vendrame 20/07/1994   Itália Androni Giocattoli-Sidermec
Clément Venturini 16/10/1993   França AG2R La Mondiale
Alexis Vuillermoz 01/06/1988   França AG2R La Mondiale
Larry Warbasse 28/06/1990   Estados Unidos AG2R La Mondiale

  1. Desde o 1 de abril.

ReferênciasEditar

  1. «Sports Result». Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  2. «O ciclista austríaco Bernhard Kohl, terceiro do Tour, positivo por EPO CERA - Desportos - A Opinião A Corunha» 
  3. «Riccó, positivo com EPO de terceira geração. diariovasco.com» 
  4. «Sports Result Main». Cópia arquivada em 7 de outubro de 2011 
  5. «O italiano Riccò ganha a 9ª etapa do Tour de France - 13/07/08 - 652495 - EcoDiario» 
  6. Giro d'Itália, Stage 16 : San Vigilio dei Marebbe - Plano de Coroes I.T.T.
  7. Volta a Espanha, General classification
  8. Giro d'Itália, General classification
  9. [PERAUD Jean-Christophe 2011 AG2R La Mondiale]
  10. Giro d'Itália, General classification
  11. Peraud abandona o Tour marca.com
  12. Riblon: "Desde pequeno sonhava com ganhar em L'Alpe D'Huez" as.com
  13. «AG2R La Mondiale e BH dão-se a mão em Paris - Notícias Ciclismo | Bikezona.com» 
  14. «AG2R A MONDIALE - Lhes partenaires de l'équipe». Cópia arquivada em 31 de outubro de 2009 
  15. a b memoire-du-cyclisme.net (ed.). «Classificações FICP, UCI, UCI Pro Tour e UCI World Ranking (de 1986 a 2009)» (em francês). Consultado em 3 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2012 
  16. a b UCI (ed.). «UCI Rankings» (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2011 
  17. Imagems UCI (ed.). «Classements Route UCI 2005 Hommes Elite et Moins de 23 ans» (em francês). Consultado em 3 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2017 
  18. UCI Pro Tour (ed.). «Results & Rankings archives» (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2010 
  19. UCI (ed.). «UCI World Ranking» (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2009 
  20. UCI (ed.). «Ranking Cycling Road 2010-2012» (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  21. Modelo AG2R La Mondiale (ALM) - WT2020

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ag2r La Mondiale
  Este artigo sobre ciclismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.