A Assassina

Point of No Return (bra/prt: A Assassina),[2][3][4][5] conhecido também como The Assassin, é um filme estadunidense de 1993, dos gêneros ação e suspense, dirigido por John Badham e estrelado por Bridget Fonda e Gabriel Byrne. É uma regravação do filme Nikita, de Luc Besson.

A Assassina
Point of No Return
Pôster de divulgação.
 Estados Unidos
1993 •  cor •  108 min 
Direção John Badham
Produção Art Linson
D.J. Caruso
Roteiro Robert Getchell
Alexandra Seros
Elenco Bridget Fonda
Gabriel Byrne
Miguel Ferrer
Dermot Mulroney
Anne Bancroft
Harvey Keitel
Gênero ação
suspense
Música Hans Zimmer
Nick Glennie-Smith
Cinematografia Michael Watkins
Edição Frank Morriss
Companhia(s) produtora(s) Art Linson Productions
Distribuição Warner Bros. Pictures
Lançamento Estados Unidos 19 de março de 1993
Brasil 10 de junho de 1993
Portugal 16 de julho de 1993
Idioma francês
inglês
Receita US$ 30.038.362[1]

No filme Maggie Hayward (Bridget Fonda) é uma viciada em drogas violenta e instável, considerada culpada de assassinar um policial, e é sentenciada à morte por injeção letal. Sua morte é falsificada, e um agente secreto do governo chamado Bob (Gabriel Byrne) informa que ela deve se tornar uma assassina . Ela recebe uma reforma e treinamento que a transformam em uma mulher bonita e também é treinada como assassina. Sua carreira como assassina vai bem no começo. Então, depois que uma missão dá errado, a agência envia Victor (Harvey Keitel), para matar todos e se livrar dos corpos.

SinopseEditar

Em Washington, D.C., Maggie Hayward (Bridget Fonda) é uma viciada em drogas considerada culpada de assassinar um policial durante um tiroteio e está prestes a ser executada por injeção letal. Sua morte é falsa e um espião chamado Bob (Gabriel Byrne) informa que ela tem que trabalhar para ele. Maggie, tendo pouca escolha, concorda relutantemente em cooperar e inicia um regime de treinamento intensivo que inclui não apenas o treinamento em artes marciais e armas, mas também a etiqueta e o uso de informática.

A operadora sênior Amanda (Anne Bancroft) a transforma em uma mulher refinada e bonita. Ela é levada para um jantar com Bob, que a informa sobre o primeiro emprego: um assassinato de um VIP comendo no mesmo restaurante. Maggie mata o VIP e seu guarda-costas e depois é perseguida por uma equipe de guarda-costas do VIP. Ela atira em vários guarda-costas e depois foge da cozinha pulando uma rampa de lavanderia. Essa tarefa foi seu teste final e ela agora concluiu seu treinamento.

Na manhã seguinte, ela parte para Venice, Califórnia, onde inicia um relacionamento romântico com o gerente de apartamento J.P. (Dermot Mulroney). Enquanto suas primeiras atribuições, ambas de sucesso, acabam sendo bem-sucedidas, Maggie rapidamente odeia seu trabalho e tenta largar seu emprego como assassina profissional. À medida que as coisas progridem entre ela e J.P. e sua vida dupla ameaça o relacionamento, ela pede ajuda para deixar a agência. Seu pedido foi negado, mas Bob concorda em tirá-la da agência se ela concluir a próxima tarefa.

O novo trabalho é se disfarçar como Angela (Olivia d'Abo), a namorada de Fahd Bakhtiar (Richard Romanus), um comerciante iraniano de armas nucleares. Enquanto ela se prepara para o trabalho, J.P. continua reclamando de seus amigos misteriosos e zombando da história improvisada que Bob havia providenciado para si e para Maggie. Maggie é mostrada assistindo a uma cena do filme de 1946 Deception, na qual uma mulher mata um ex-amante para manter seu passado secreto de seu novo marido, refletindo a determinação de Maggie de matar seus empregadores, se necessário, para proteger seu relacionamento com J.P.

Virar Angela mostra-se problemático e resulta na morte dos dois guarda-costas de Angela e no ferimento da parceira de Maggie, Beth (Lorraine Toussaint). O diretor Kaufman (Miguel Ferrer) envia Victor (Harvey Keitel) para se livrar dos corpos e salvar a missão. Sem o conhecimento de Maggie, ele também foi condenado a matar os dois agentes, porque uma falha resulta em morte. Depois de matar a Beth ferida na frente de Maggie, ele a leva para a casa de Fahd. À mira da arma, ela faz com que Fahd desbloqueie seu computador e revele seus segredos, mas ele evita a execução e ela é forçada a fugir.

Enquanto eles supostamente voltam para sua residência, Maggie vê uma arma na cintura de Victor e suspeita corretamente que ele a matará. Isso leva a uma luta e o carro fica fora de controle. Por fim, Victor é arrastado por um barranco e morto. Maggie volta para seu apartamento, mas sai em algum momento durante a noite. Bob posteriormente descobre seu desaparecimento do J.P. Quando Bob está saindo, ele vê Maggie observando-o através da névoa. Em vez de denunciá-la, ele liga para Kaufman e o informa, depois de alguma hesitação, que o limpador e Maggie foram eliminados.

ElencoEditar

RecepçãoEditar

O filme arrecadou aproximadamente US$30,038,362 nos EUA e recebeu críticas mistas. O crítico de cinema Roger Ebert, que deu ao original La Femme Nikita três anos e meio estrelas de quatro,[6] deu para Point of No Return três estrelas, dizendo: "Point of No Return é realmente uma adaptação bastante eficaz e fiel, e Bridget Fonda gerencia com intensidade e convicção as mudanças selvagens de identidade de seu papel, embora não seja a mesma tristeza quase poética que Anne Parillaud trouxe ao filme original. Se eu não sentisse o mesmo grau de envolvimento com Point of No Return que com Nikita pode ser porque os dois filmes são muito parecidos em trama, aparência e comportamento. Eu tive déjà vu durante todo o filme. Existem algumas mudanças, principalmente não para melhor. Ao tornar o namorado da heroína um fotógrafo dessa vez, em vez de um caixa, o filme perde a pungência de seu relacionamento; Nikita gostava do funcionário exatamente porque ele não tinha agressividade".[7] O filme tem uma taxa de aprovação de 50% no Rotten Tomatoes, com base em 24 críticas.[8]

BilheteriaEditar

O filme estreou na segunda posição nas bilheterias dos EUA, atrás de Teenage Mutant Ninja Turtles III, com um total de US$7,2 milhões no fim de semana em 1,545 telas.[9]

Trilha sonoraEditar

Maggie/Claudia tem um fascínio pela cantora/pianista/compositora Nina Simone. Ao longo do filme, várias músicas de Simone são usadas.

Juntamente com o relançamento anterior de "My Baby Just Cares for Me", em 1982, o filme ajudou a trazer Nina Simone de volta aos holofotes do público e a tornou mais conhecida com um público mais jovem.

A trilha sonora do filme foi composta por Hans Zimmer.

Referências

  1. «Point of No Return (1993)». Box Office Mojo. Consultado em 12 de março de 2011 
  2. «A Assassina». AdoroCinema. Brasil. Consultado em 17 de outubro de 2021 
  3. «A Assassina (1993)». Cineplayers. Brasil. 26 de novembro de 2018. Consultado em 17 de outubro de 2021 
  4. «A Assassina». dvdpt.com. Portugal. Consultado em 17 de outubro de 2021 
  5. «A Assassina». SAPO Mag. Portugal. Consultado em 17 de outubro de 2021 
  6. Ebert, Roger (3 de abril de 1991). «La Femme Nikita review». Chicago Sun-Times. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  7. Ebert, Roger (19 de março de 1993). «Point of No Return review». Chicago Sun-Times. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  8. «Point of No Return (The Assassin) (1993)». Rotten Tomatoes 
  9. Fox, David (23 de março de 1993). «Weekend Box Office Ninja Turtles Capture Top Spot». Los Angeles Times. Consultado em 9 de novembro de 2010