Abrir menu principal

A Casa de Cera

filme de 2005 dirigido por Jaume Collet-Serra
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, cine e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
House of Wax
A Casa de Cera (PRT/BRA)
Pôster promocional
 Estados Unidos
 Austrália

2005 •  cor •  113[1] min 
Direção Jaume Collet-Serra
Produção Joel Silver
Robert Zemeckis
Susan Levin
Roteiro Charles Beldlin
Chad Hayes
Carey Hayes
Elenco Elisha Cuthbert
Chad Michael Murray
Brian Van Holt
Paris Hilton
Jared Padalecki
Gênero terror
Música John Ottman
Cinematografia Stephen Windon
Edição Joel Negron
Companhia(s) produtora(s) Village Roadshow Pictures
Dark Castle Entertainment
Distribuição Warner Bros. Pictures
Lançamento Estados Unidos 30 de abril de 2005 (Tribeca)
Brasil 3 de junho de 2005
Austrália 14 de julho de 2005
Portugal 8 de setembro de 2005
Idioma inglês
Orçamento US$ 40 milhões[2]
Receita US$ 70 064 800[3]
Cronologia
Mystery of the Wax Museum
House of Wax (1953)
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

House of Wax é um filme de terror australiano-americano de 2005 dirigido por Jaume Collet-Serra e estrelado por Elisha Cuthbert, Chad Michael Murray, Brian Van Holt, Paris Hilton, Jared Padalecki, Jon Abrahams, e Robert Ri'chard.

É às vezes chamado de um remake do filme de 1953 de mesmo nome, que era em si um remake do filme Mystery of the Wax Museum de 1933, mas o enredo do filme de 2005 é completamente diferente da história contada pelos dois filmes anteriores. Foi produzido pela Village Roadshow Pictures juntamente com a Dark Castle Entertainment e distribuído pela Warner Bros. Pictures.

O filme estreou no Festival de Cinema de Tribeca e foi lançado nos cinemas norte-americanos em 6 de maio de 2005. Entrou na lista dos melhores filmes de terror adolescente já feitos,[4] o filme marca a estreia de Collet-Serra como diretor de cinema.[5]

House of Wax recebeu críticas mistas em geral após seu lançamento.[6][7] O elenco é geralmente elogiado, especialmente Cuthbert.[8][9][10] O filme arrecadou mais de 12 milhões de dólares em seus três primeiros dias de estreia,[11] e mais tarde viria a arrecadar mais de 70 milhões de dólares mundialmente, contra um orçamento de 40 milhões,[11] se tornando o sétimo filme de terror de maior bilheteria em 2005[12] e ficou entre as 100 maiores bilheteria do ano,[13] atualmente ocupa a 30ª posição na lista das maiores bilheterias do mercado doméstico americano de todos os tempos do gênero horrorslasher, segundo o Box Office Mojo,[14] e está entre as maiores bilheterias do gênero de todos os tempos.[14][15] O filme passou a desenvolver um culto de seguidores. Foi indicado ao MTV Movie Awards e ao Teen Choice Awards em 7 categorias, vencendo 3 prêmios, incluindo Melhor Filme de terror e Melhor cena de grito do ano,[16] obtendo 15 indicações e 5 prêmios.[17]

SinopseEditar

Em 1974, uma mulher está fazendo uma escultura de cera na cozinha de sua casa, enquanto seu filho toma café da manhã em sua cadeira. O marido entra com outro filho que está gritando e chorando. O garoto se debate e é amarrado em uma cadeira. Ele chuta a mesa, fazendo com que sua escultura caia no chão e arranhe a mão de sua mãe.

No tempo presente, Carly (Elisha Cuthbert), seu irmão gêmeo Nick (Chad Michael Murray), seu namorado Wade (Jared Padalecki), sua melhor amiga Paige (Paris Hilton), o namorado de Paige, Blake (Robert Ri'chard) e o amigo de Blake, Dalton (Jon Abrahams) estão a caminho de um jogo de futebol altamente antecipado em Louisiana. A noite cai e o grupo decide montar um acampamento. Posteriormente, um estranho entra no parque com uma caminhonete e deixa os faróis direcionados aos campistas, recusando-se a sair. Então, Nick destrói um dos faróis com uma garrafa de vidro e o carro se retira do acampamento. Na manhã seguinte, Wade encontra as correias de seu carro danificadas. Enquanto isso, Carly e Paige trocam de roupa e se deparam com um cheiro horrível. Carly resolve descobrir de onde vem o cheiro e acaba caindo em um cemitério de animais. Enquanto ajudam Carly a sair dali, o grupo conhece um caipira chamado Lester (Damon Herriman), que oferece carona para Wade e Carly até a cidade vizinha de Ambrose para obter uma nova correia da ventoinha. Paige, Dalton, Nick e Blake vão para o jogo de futebol.

Carly e Wade chegam em Ambrose, que é praticamente uma cidade fantasma. Incapaz de encontrar um atendente na loja de mecânica de automóveis, eles entram para na igreja, interrompendo um funeral. Lá, eles encontram um mecânico chamado Bo (Brian Van Holt), que se oferece para vender-lhes uma correia da ventoinha depois do funeral. Enquanto esperam por Bo, os dois visitam o museu de cera, um lugar feito literalmente de cera que parece ser a característica principal da cidade. Wade se encanta com o lugar, enquanto Carly se assusta ao ver a imagem de um homem na janela e pede para ir embora. Sem muita paciência, Wade entra na loja de mecânica e procura por si mesmo a correia. Bo reaparece e diz que o número da correia de que Wade precisa tem somente em sua casa, e os dois o seguem. No caminho, o homem lhes conta a trágica história da família Sinclair, antigos residentes da cidade. Ao chegarem na casa, Wade pede para ir ao banheiro, mas acaba entrando em um quarto proibido, quando é atacado e esfaqueado por uma figura misteriosa no escuro. Do lado de fora, Carly descobre que a caminhonete de Bo é a mesma que os visitou na noite anterior. Ela tenta fugir, mas é atacada por ele e corre para a igreja, apenas para descobrir que o funeral em curso é preenchido apenas por esculturas de cera. Carly é capturada por Bo, que a leva para o portão da loja, prende-a em uma cadeira e sela seus lábios com cola. Enquanto isso, Wade está inconsciente e é levado a uma sala, onde seu corpo é coberto por spray de cera quente.

Devido ao tráfego parado, Blake, Paige, Nick e Dalton percebem que não chegarão a tempo do jogo, e resolvem voltar para o acampamento. Nick e Dalton vão então a Ambrose atrás de Carly e Wade, enquanto Paige e Blake permanecem no parque de campismo. Algum tempo depois, no meio da noite, a figura misteriosa visita o acampamento e mata Blake. Paige é perseguida até uma fábrica de automóveis, onde acaba sendo espetada na cabeça por um cano quebrado. Em Ambrose, Nick e Dalton encontram a cidade completamente vazia, e resolvem se separar. Dalton vai para o museu, encontra um Wade totalmente coberto de cera e em seguida a figura misteriosa, quando é decapitado, enquanto Nick vai para a loja de mecânica e pergunta a Bo se ele não viu sua irmã e o namorado. Ele afirma que não os viu. Carly consegue escapar da cadeira e coloca o dedo na ventilação que dá para o chão na frente da loja, na esperança de que Nick veja. Mas Bo percebe e corta seu dedo. Com o sangue escorrendo do dedo cortado, ela consegue desgrudar a cola e gritar o nome do irmão. Nick então briga com Bo e se prende na loja, onde encontra e salva Carly. Logo depois, eles percebem que os únicos habitantes da cidade são os filhos dos proprietários do museu de cera, que foram prendendo suas vítimas para a criação de esculturas de cera. Bo e Vincent Sinclair (a figura misteriosa), os donos da cidade fantasma, eram gêmeos siameses que com uma cirurgia clandestina feita por seu pai, foram separados, o que acabou deixando Vincent com o rosto horrivelmente desfigurado. Por causa disso, Vincent coloca cera em seu rosto. No porão da casa que também dá acesso ao museu, Carly e Nick ateiam fogo na tentativa de matar os assassinos. O fogo se espalha através do museu, derretendo-o lentamente para baixo. Carly mata Bo e Vincent e os irmãos escapam por pouco antes do museu derreter por completo.

Na manhã seguinte, a fumaça do incêndio atrai a ajuda das autoridades e de equipes de resgate para a cidade. O delegado informa aos dois que a cidade está abandonada há uma década, desde que a sua usina de açúcar fechou e nem consta mais no mapa. Pelo rádio, a polícia diz ao xerife que o casal Sinclair não teve dois filhos, mas sim três. Enquanto estão indo embora numa ambulância, Carly olha pela janela e se depara com Lester, o caipira que os conduziu para a cidade mais cedo, com o cachorro de estimação dos irmãos Sinclair, e deduz que ele é o terceiro filho.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

DesenvolvimentoEditar

Inicialmente o filme seria intitulado Wax Casa, Baby, antes da Warner Bros. perceber que tinham permissão para usar o título de House of Wax. O produtor Joel Silver observou:

Ao total 20 toneladas de cera foram usadas para criar o set da casa de cera, que foi construído com materiais tradicionais e, em seguida, revestidos com uma fachada de cera em spray. "A cera natural colorida é cera de abelha, que é um marrom rico salpicado de ouro e laranja. Nós usamos esta matiz de cera de abelha como nossa sub-cor para House of Wax e também para a cera em que Vincent trabalha no filme", disse o designer de produção Graham Walker.[19]

FilmagensEditar

"Nós construímos um navio de cruzeiro para Navio Fantasma. Nós construímos o interior de um asilo para Gothika". Para House of Wax, construímos uma cidade inteira.

 
As filmagens ocorreu no set cerca 45 minutos de carro do estúdio Warner Bros. Movie World[19]

O primeiro dia da filmagem principal do filme, ocorreu em 11 de maio de 2004 em Gold Coast, Queensland, Austrália e durou até julho de 2004.[21] A cidade de Ambrose foi construída em 10 semanas, e teve como inspiração, a cidade de Asmara na Eritreia que foi construída pelos italianos na África durante a Segunda Guerra Mundial no estilo moderno, em vez de o estilo de deco, que foi mais popular na época.[22][23]

Durante algumas cenas do filme, Cuthbert teve que usar blocos de madeira de duas polegadas no fundo das suas botas para fazer-se parecer mais alta em cenas onde ela e Padalecki seriam filmados juntos. Isso só foi feito durante as cenas onde eles seriam filmados do joelho para cima.[24]

Há uma abertura alternativa em que uma mulher nova, Jennifer (Emma Lung), (a mulher que é esculpida como Miss Ambrose) está presa na estrada depois que seu carro quebrou. Como ela chama uma empresa de reboque, porém Bo chega primeiro com sua caminhonete. Ela tenta sinalizar para ele, mas não obtém resposta. Em seguida, o caminhão acelera, Jennifer tenta correr, mas Bo agarra pelo pescoço e a joga de rosto em seu pára-brisa, matando-a instantaneamente.[25]

Durante as filmagens, Cuthbert, Michael Murray, Hilton e Padalecki participaram de um programa de TV da MTV intitulado Movie Life: House of Wax, que teve o primeiro episódio em 31 de março de 2005.[26] O programa mostra os bastidores do filme, documentando a diversão eo caos que ocorreu na vida do elenco durante as gravações.[27]

Seleção de elencoEditar

 
Membros do elenco, da esquerda para a direita começando com a linha superior, Elisha Cuthbert, Chad Michael Murray, Brian Van Holt e Paris Hilton.

A escolha da Cuthbert no papel principal foi devido ao desempenho no filme anterior The Girl Next Door, sobre a escolha do papel a atriz comentou: O personagem era mais atraente no início, porque eu estava saindo de The Girl Next Door, que tipo de foi um grande primeiro filme para mim, mas eu queria fazer algo extremamente diferente. E quando Joel me trouxe House of Wax pensei que este é perfeito, porque o gênero é diferente, a idéia é diferente, e o personagem não é nada como Danielle.[28]

Jennifer Connelly, Natalie Portman e Kate Winslet foram originalmente consideradas para o papel de Paige Edwards, porém o papel foi para Paris Hilton que não precisou fazer qualquer teste para integrar o elenco, tendo sido escolhida pelo próprio diretor.[29][30] Michael Murray havia acabado de sair de A Nova Cinderela e Padalecki de New York Minute.

EfeitosEditar

Jaume queria usar menos fundo azul ou efeitos possível, fazendo com que quase todas as cenas do filme fossem realizadas sem nenhum efeito especial. Em uma cena, a personagem Carly tenta abrir a boca, enquanto seus lábios foram selados com cola. Para realismo, ela usou supercola sobre próteses, Cuthbert disse:

Inicialmente Silver tinha planejado para fazer o filme com a tecnologia em 3D, mas depois abandonou a idéia.[33]

Incêndio no estúdioEditar

 
Entrada do estúdio da Movie World

Em 26 de Junho de 2004, um estúdio de som estava sendo usado para o filme queimado durante um teste de equipamentos de efeitos especiais. O fogo foi iniciado por uma vela e destruiu um estúdio da Warner Bros Movie World em Gold Coast. Um membro da produção foi tratado por queimaduras em seu braço, mas ninguém ficou ferido.[24] Em janeiro de 2006, foi anunciado pela Warner Roadshow que os proprietários do estúdio Village Theme Park Management e Warner Brothers Movie World Australia estavam processando o especialista de efeitos especiais David Fletcher e Wax Productions por causa do incêndio.

A ação de 7 milhões de dólares alega que o Sr. Fletcher e Wax Productions foram negligentes sobre o incêndio que destruiu parte dos estúdios da Warner Bros Movie World. As alegadas razões de negligência incluíram não ter bombeiros em stand-by e usando adereços de madeira perto de uma chama. O conjunto onde o fogo começou já foi demolido e um campo mantido por Movie World para projetos futuros.[34]

Joel Silver deu uma entrevista sobre o incidente, dizendo: Ninguém se feriu de modo que é a coisa mais importante. Foi tudo projetado e equipado para caso de incêndio. Mas você sabe, ele acabou por sair de controle. Havia muita coisa.[35]

LançamentoEditar

 
Cuthbert juntamente com Silver discursando no San Diego Comic-Con em 2005

A campanha de marketing do filme incluem um painel no San Diego Comic-Con em 19 de fevereiro de 2005 e a Warner Bros, produtora do filme, permitiu que Hilton vendesse camisas com os dizeres "On May 6th, Watch Paris Die" (traduzindo, "em 6 de maio, assista Paris morrer"). A data é uma referência ao lançamento do filme nos Estados Unidos.[36][37]

BilheteriaEditar

House of Wax  abriu em 3111 cinemas, com o dia de abertura de 4 852 597 dólares - 1560 dólares por cinema[38] e em sua semana de estréia, 12 milhões de dólares - 3882 dólares por cinema,[39] ficando em segundo lugar nas maiores bilheterias de abertura de fim de semana.[39] Embora a maioria dos críticos não recomendou o filme, muitos reconheceram que foi bem feito e/ou melhor do que outros filmes similares recentes. House of Wax ganhou 70 064 800 dólares mundialmente[11]; 46,6% desse total veio das receitas domésticas; também ganhou 42 milhões de dólares em aluguel de VHS/DVD.[40]

Inicialmente, o filme seria lançado no halloween em 2004, porém naquela época ainda não tinha sido concluído. A premiere do filme ocorreu no dia 30 de abril de 2005 no Festival de Cinema de Tribeca e foi lançado nos cinemas dos Estados Unidos em 6 de maio de 2005. No Brasil, o lançamento nos cinemas ocorreu no dia 3 de junho de 2005, arrecadando um total de 713 569 dólares.[41] Na França, o filme foi bem recebido, com uma pontuação de 3,7 / 5 pela imprensa no AlloCiné.[42] O filme é reconhecido como uma das 30 maiores bilheterias de remake de horror dos últimos 40 anos.[43]

Recepção críticaEditar

Elisha Cuthbert foi elogiada pela crítica por sua interpretação de Carly Jones.[9][10][44][45][46] Chad Michael Murray interpretou Nick Jones, e teve críticas mistas sobre sua atuação, porém foi reconhecido assim como Cuthbert, como exceção.[47]

O filme recebeu críticas mistas por parte dos críticos, apesar de ser considerado melhor do que outros filmes de adolescentes, com Rotten Tomatoes dando-lhe uma classificação de 25% "podre", com o consenso geral é "Tendo pouca semelhança com o original House of Wax (1953 ) é uma fórmula estereotipada, mas melhor do que a média de filmes de terror adolescente."[7] Com base de 31 avaliações profissionais, alcançou uma pontuação de 41 em 100 no Metacritic,[6] e pela avaliação do público, recebeu uma pontuação de 70 em 100.[6]

O crítico de cinema Roger Ebert do Chicago Sun-Times deu ao filme dois de quatro estrelas, escrevendo "House of Wax não é um bom filme, mas é eficiente, e vai entregar mais do que qualquer um que assista, poderia razoavelmente esperar, supondo que seria razoável esperar muito". Ele também defendeu o desempenho de Hilton, dizendo que "ela não é melhor ou pior do que a típica Adolescente Pós Morta, e faz exatamente o que ela é obrigada a fazer em um filme como este, com toda a habilidade, reconhecidamente finito, que é necessário".[48] A Folha de S.Paulo definiu House of Wax como "Terror junta clichês a rostos bonitos", e dizendo sobre Paris Hilton, "A patricinha faz um papel secundário interpretando ela mesma, com direito a cenas em lingerie vermelha, flagrantes de sexo "acidentais" e uma meia dúzia de falas sonsas no roteiro. Em suma, Paris Hilton é puro marketing".[49] O crítico Stephen Hunter do Washington Post deu ao filme 80℅ de aprovação, dizendo: "Este filme dá à você, como nenhum outro filme há anos. Ok, se isso não é sua parte do pântano, não vá para ele".[50] Jonathan Rosenbaum do Chicago Reader deu 60% de aprovação: Estereotipado, mas bastante bem-feito, esse show de susto para adolescentes só é, nominalmente, um remake do antigo filme de Vincent Price.[51]

Prairie Miller do Long Island Press chamou-o de: "Quente, Sexy, Deliciosamente assustador".[52][53] Benjamin Strong do The Village Voice disse: Intensamente desconfortante e gratuito mesmo pelos padrões de filmes de terror.[52][53] James Berardinelli publicou em seu site: "House of wax começa com marcas elevadas para a sua contagem de corpos e as formas inovadoras que são efetuadas em seus participantes. Também é notável por ter alguns dos protagonistas mais idiotas que nunca para preencher um filme de terror. House of wax tem sua parcela de momentos verdadeiramente terríveis, nenhum dos quais estão diretamente relacionados com suposto "agir" de Hilton.[9] A mais grotesca destas características é Carly caindo de cabeça em um poço de podridão de carcaças de animais. Mais tarde, tem os lábios colados com super cola e perde a ponta do dedo, enquanto outro personagem tem parte de seu rosto arrancado. Para quem gosta de filmes de terror simplesmente para ver as pessoas morrerem de formas originais, sangrentas, House of Wax é entretenimento perfeito. Os membros do seu elenco são mais conhecidos por sua aparência e sensualidade do que suas habilidades de atuação. Cuthbert "fares o melhor",[9] Murray é eficaz quando ele está sendo desgostoso e anti-social.[9] Outro renomado crítico Mick LaSalle do San Francisco Chronicle deu ao filme 75% de aprovação, dizendo: "Depois de um mês, ninguém vai falar sobre este filme, mais uma vez. Ainda assim, com um quadro como este, não há realmente, apenas uma pergunta: É divertido? Sim. Lotes. Definitivamente".[50] Também disse: "de fato, a qualidade agradável ajuda Cuthbert. Vê-la se transformar em cera seria tão ruim quanto vendo isso acontecer com Glenda Farrell (a estrela da versão 1933). O filme também é animado por vontade do diretor para ser terrível - não repugnante, que é barato -, mas surpreendentemente sombrio e terrível. A estréia do diretor Collet-Serra faz duas coisas raras no gênero horror: ele leva o seu tempo e com ele, realmente vai ficando melhor."[46]

 
A atuação de Paris Hilton no filme como Paige Edwards foi criticada pela opinião especializada, em ultima análise, recebeu avaliações negativas por seu papel superficial e irrelevante.[9][49] Posteriormente, ganhou o prêmio de Pior Atriz Coadjuvante em 2006.[54]

Bruce Westbrook do Houston Chronicle chamou-o de chato e mal-agido, embora ele elogiou Cuthbert e Murray.[44] JoBlo publicou: House of Wax é estrelado por um grupo de adolescentes sendo assassinados por um louco. Ele oferece no reino de sustos e entretenimento. Não é um clássico, por qualquer meio, mas satisfatório nos fundamentos do gênero.[55] Philip Booth do St. Petersburg Times escreveu: Collet-Serra, ex-diretor comercial, não oferece uma peça notável, detalhando os mecanismos pelos quais os homens e as mulheres são transformadas em figuras de cera. É uma sequência bizarra, estranha que pertence a um filme de terror muito mais assustador e mais sofisticado.[56] David Sterritt do The Christian Science Monitor o descreveu: "Como frightfest é melhor do que a média de hoje".[57] Connie Ogle do Miami Herald em sua publicação: A Casa de Cera não vai lhe dar pesadelos, mas mantém as tradições de terror adolescente com talento e energia.[58]

The Movie publicou: "As performances são sempre profissionais e discretas em sua acreditável irrefutabilidade, especialmente Cuthbert, uma jovem atriz bonita e talentosa que tem provado uma e outra vez apenas múltiplas camadas e um futuro promissor que tem à sua frente. Cuthbert escava o papel de Carly com força, determinação e realismo horrorizada; como você vê que ela está passando por essas coisas, você acredita e esquece tudo sobre a atriz fazendo o papel, que é o maior elogio de todos.[10] The New York Times publicou: O conjunto de design é bastante elaborado pelos padrões do gênero, e as vítimas não morrem exatamente a ordem que você pode esperar, mas tudo vai muito bem de acordo com a fórmula, incluindo uma reviravolta na história de última hora que abre a porta rangente para uma sequência.[59] Nathan Lee do New York Sun: House of Wax não é tão frenético como deveria ser. Os adolescentes são sexys, e suas mortes são adequadamente revoltantes.[60] Sergio Leone do Filmjerk.com disse: "Paris Hilton só joga sua personalidade conhecida no filme, ela é ofuscada pelo forte trabalho do resto do elenco, nomeadamente Michael Murray e, especialmente, Cuthbert, que dá ao filme uma forte dose de entusiasmo com o seu desempenho semelhante ao de Jamie Lee Curtis."[45]

FestivaisEditar

O filme estreou em vários festivais, incluindo o Festival Internacional de Cinema de Toronto, New York Film Critics Circle Awards, Festival de Cinema de Tribeca, Los Angeles Brazilian Film Festival, BFI London Film Festival entre outros.

Prêmios e indicaçõesEditar

Trilha sonoraEditar

House of Wax: Music from the Motion Picture
Trilha sonora de Vários, John Ottman
Lançamento 3 de maio de 2005 (comercial), 10 de maio de 2005 (trilha sonora)
Gênero(s) Trilha sonora, Música cinematográfica, Metal alternativo, Rock gótico
Duração 50:41 (comercial), 41:46 (trilha sonora)
Gravadora(s) Varese Sarabande
Capa alternativa
 

House of Wax: Music from the Motion Picture é o título de uma trilha sonora lançado publicamente e usado para House of Wax, composto por músicas gravadas comercialmente.[70] Um segundo álbum, intitulado simplesmente House of Wax, foi lançado contendo a trilha sonora, composta por John Ottman.[71]

House of Wax: Music from the Motion Picture
N.º TítuloPerformer Duração
1. "Spitfire"  The Prodigy com Juliette Lewis 5:08
2. "Helena"  My Chemical Romance 3:52
3. "Minerva"  Deftones 4:17
4. "Gun in Hand"  Stutterfly 3:29
5. "Prayer"  Disturbed 3:38
6. "Path to Prevail"  Bloodsimple 3:17
7. "Dried Up, Tied and Dead to the World"  Marilyn Manson 4:15
8. "Dirt"  The Stooges 7:00
9. "Not That Social"  The Von Bondies 3:00
10. "Cut Me Up"  Har Mar Superstar 3:10
11. "New Dawn Fades"  Joy Division 4:46
12. "Taking Me Alive"  Dark New Day 4:43
Duração total:
50:41
Original Motion Picture Score
N.º Título Duração
1. "Opening/Tantrum"   3:28
2. "Ritual/Escape the Church"   4:15
3. "Story of the Town"   1:39
4. "Up in Flames"   3:42
5. "They Look So Real"   2:16
6. "Sealed Lips"   3:56
7. "Brotherly Love"   2:28
8. "Hanging with Baby Jane"   3:36
9. "Paris Gets It"   3:07
10. "Curiosity Kills"   2:33
11. "Bringing Down the House"   5:08
12. "Three Sons"   2:28
13. "Endless Service"   2:45
Duração total:
41:21

Há uma canção aparecendo no filme que não está integrado na banda sonora. É "Roland" pela Interpol, e aparece em cena quando o grupo decide acampar durante a noite no começo do filme.

LegadoEditar

Após seu lançamento, House of Wax tem influenciado outros filmes seguintes como Wolf Creek, The Hills Have Eyes, All the boys love Mandy Lane, The Texas Chainsaw Massacre: The Beginning, Eden Lake e Black Christmas.[72][73] Vincent Sinclair se tornou um ícone pop do terror,[74] o personagem recebeu este nome em homenagem a Vincent Price, que estrelou a versão original do filme.[75] Foi classificado um dos melhores assassinos em série em filme, sua máscara foi considerada uma das mais marcantes e assustadoras[76][77] e os irmãos Sinclair, foram eleitos entre os maiores e mais famosos assassinos da história do cinema.[78] The Ranker colocou-o em suas listas de "Os melhores filmes de Slasher",[79] "Os melhores filmes de terror de todos os tempos",[4] "Os Melhores remakes de terror do cinema",[80] "Os melhores filmes de terror de 2005",[81] "Os filmes mais assustadores de sempre",[82] "Os melhores filmes de Slasher dos últimos 25 anos"[83] e "As 20 mais sexys heroínas de filme de terror de todos os tempos (Cuthbert)".[84]

O filme já foi referenciado diversas vezes, como em Scream 4 quando a personagem de Hayden Panettiere menciona este remake,[85] no filme Sim Senhor onde o DVD é mostrado em uma loja de vídeo,[85] na série Supernatural na quinta temporada no episódio "Fallen Idols", cujo tem a participação de dois membro do filme, Padalecki e Hilton,[85] foi apresentado no MTV Movie Awards de 2006, no David Letterman Show durante uma entrevista com Cuthbert.[85]

A Complex incluiu a cena de morte de Hilton entre "As 100 piores maneiras de morrer"[86] e já entrou em várias listas de as melhores mortes do cinema,[87][88] a revista também listou o filme em "Os 25 personagens promiscuous e quentes que morreram em filmes de terror" (Hilton),[89] "As 25 garotas mais quentes em remakes horríveis" (Cuthbert).[90] A Netflix o colocou em sua lista de seus 50 melhores filmes de terror.[91] No metacritic, ficou entre os 100 Filmes mais discutidos[92] e os 100 mais compartilhados de 2005.[93] Cuthbert nomeada como uma das "100 atrizes mais sexys de filme de terror de todos os tempos".[94][95]

Cuthbert e Hilton eram supostas a aparecer no filme Scary Movie 4 em uma paródia do filme, mas foi cancelado.[96]

Referências

  1. «House of Wax (15)». British Board of Film Classification. 3 de maio de 2005. Consultado em 15 de abril de 2013 
  2. «House of Wax (2005)». Box Office Mojo. Consultado em 17 de junho de 2007 
  3. «House of Wax (2005)». The Numbers (website). Consultado em 19 de março de 2016 
  4. a b «The Greatest Horror Films of All Time». Ranker. Consultado em 4 de julho de 2016 
  5. «House of Wax». Tribeca Film Festival. Consultado em 2 de julho de 2016. Arquivado do original em 21 de agosto de 2016 
  6. a b c «House of Wax» (em inglês). Metacritic. Consultado em 26 de junho de 2016 
  7. a b «House of Wax (2005)». Rotten Tomatoes. Consultado em 26 de junho de 2016 
  8. Westbrook, Bruce (5 de agosto de 2005). «House of Wax». Houston Chronicle. Consultado em 7 de setembro de 2007. Cópia arquivada em 29 de março de 2008 
  9. a b c d e f «House of Wax (United States, 2005)». Reelviews. 2005. Consultado em 26 de junho de 2016 
  10. a b c «Dustin Putman's Review - House of Wax (2005) - [TheMovieBoy]». Consultado em 26 de junho de 2016 
  11. a b c «House of Wax (2005)». The Numbers 
  12. «Box Office Performance for Horror Movies in 2005». The Numbers. Consultado em 2 de julho de 2016 
  13. «Top 2005 Movies at the Worldwide Box Office». The Numbers. Consultado em 2 de julho de 2016 
  14. a b «Horror - Slasher». Box Office Mojo. Consultado em 4 de julho de 2016 
  15. «Highest-grossing horror films». Consultado em 12 de julho de 2016 
  16. «'Notebook' wins eight Teen Choice awards». USA Today. Associated Press. 15 de agosto de 2005. Consultado em 26 de junho de 2016 
  17. «House of Wax (2005) Awards». Imdb. Consultado em 26 de junho de 2016 
  18. https://buymusichere.net/rel/v2_viewupc.php?storenr=34&upc=08539389462
  19. a b «HOUSE OF WAX». Cinemareview. Consultado em 17 de julho de 2016 
  20. a b http://www.cinemareview.com/production.asp?prodid=2948
  21. A Casa de Cera (em inglês) no Internet Movie Database
  22. «House of Wax». Cinemareview. Consultado em 1 de julho de 2016 
  23. «House of Wax 2005». Rewatchmovies.com. Consultado em 1 de julho de 2016 
  24. a b «Trivia». Imdb. Consultado em 3 de julho de 2016 
  25. «House of Wax». The Sound of Silence. Consultado em 3 de julho de 2016 
  26. «Movie Life: House of Wax(2005)». Movieweb. Consultado em 9 de julho de 2016. Arquivado do original em 19 de setembro de 2016 
  27. «Movie Life: House of Wax». TV.com. Consultado em 9 de julho de 2016 
  28. «Interview with "House of Wax" Star Elisha Cuthbert and Producer Joel Silver». Consultado em 3 de julho de 2016. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2016 
  29. «House of Wax (2005)». Notstarring. Consultado em 3 de julho de 2016 
  30. «10 Celebrities We Were Glad to See Die in Horror Movies». Really Awful Movies. 5 de janeiro de 2015. Consultado em 3 de julho de 2016 
  31. «House of Wax Interview: Elisha Cuthbert ("Carly")». Horror.com. 29 de abril de 2005. Consultado em 2 de julho de 2016 
  32. «INTERVIEW: ELISHA CUTHBERT». JoBlo.com. Consultado em 2 de julho de 2016 
  33. «Elisha Cuthbert and Producer Joel Silver Talk 'House of Wax'». WonderCon. Consultado em 3 de julho de 2016. Arquivado do original em 15 de agosto de 2016 
  34. «House of Wax burns down Warner Bros sound stages». Joblo. Consultado em 8 de abril de 2010. Arquivado do original em 5 de novembro de 2006 
  35. «Interview with Elisha Cuthbert and Producer Joel Silver». Movies about. Consultado em 2 de julho de 2016. Arquivado do original em 29 de outubro de 2015 
  36. «A CASA DE CERA». AdoroCinema. Consultado em 12 de julho de 2016 
  37. «House of Wax». SlightlyWarped. Consultado em 12 de julho de 2016. Arquivado do original em 18 de agosto de 2016 
  38. «House of Wax». Box Office Mojo. Consultado em 12 de julho de 2016 
  39. a b «House of Wax». Box Office Mojo. Consultado em 9 de julho de 2016 
  40. «House of Wax Box Office & Rental Numbers». Rotten Tomatoes. Consultado em 17 de junho de 2007. Cópia arquivada em 5 de junho de 2007 
  41. «House of Wax». Box Office Mojo. Consultado em 9 de julho de 2016 
  42. «HOUSE OF WAX». AlloCiné. allocine.fr. Consultado em 2 de julho de 2016 
  43. «Horror Remake». Box Office Mojo. Consultado em 9 de julho de 2016 
  44. a b Westbrook, Bruce (5 de agosto de 2005). «House of Wax». Houston Chronicle. Consultado em 26 de junho de 2016. Cópia arquivada em 29 de março de 2008 
  45. a b Havens, Cassandra. «FilmJerk.com - Reviews - House of Wax». Consultado em 26 de junho de 2016. Arquivado do original em 6 de agosto de 2016 
  46. a b «From waxy build up to final meltdown, a scary but fun ride». Sfgate.com. 6 de maio de 2005. Consultado em 26 de junho de 2016 
  47. Westbrook, Bruce (5 de agosto de 2005). «House of Wax». Houston Chronicle. Consultado em 26 de junho de 2016. Cópia arquivada em 29 de março de 2008 
  48. Ebert, Roger (5 de maio de 2005). «House of Wax». Chicago Sun-Times. Consultado em 29 de junho de 2016 
  49. a b «Terror junta clichês a rostos bonitos». Folha de S.Paulo. UOL. 3 de junho de 2005. Consultado em 16 de outubro de 2014 
  50. a b http://m.imdb.com/title/tt0397065/criticreviews?ref_=m_tt_ov_rt
  51. «House of Wax». Chicago Reader. Consultado em 9 de julho de 2016 
  52. a b «House of Wax». Consultado em 12 de julho de 2016 
  53. a b «House of Wax». Consultado em 12 de julho de 2016 
  54. a b Finlay, Janie (5 de março de 2006). «Razzies pluck 2005 movie turkeys». BBC News. Consultado em 28 de julho de 2016 
  55. «HOUSE OF WAX (2005)». JoBlo.com. Consultado em 28 de julho de 2016. Arquivado do original em 6 de agosto de 2016 
  56. «Same old waxy buildup». St. Petersburg Times. 5 de maio de 2005. Consultado em 28 de julho de 2016 
  57. «Movie Guide». The Christian Science Monitor. 6 de maio de 2005. Consultado em 30 de julho de 2016 
  58. «House of Wax». The Miami Herald. Consultado em 30 de julho de 2016 
  59. «Paris Hilton and Friends, Pursued by Maniacs With a Fondness for Wax». The New York Times. 6 de maio de 2005. Consultado em 17 de julho de 2016 
  60. «What's That Smell?». New York Sun. 6 de maio de 2005. Consultado em 28 de julho de 2016 
  61. «Sequels and remakes get Razzie nods». United Press International. 30 de janeiro de 2006. Consultado em 28 de julho de 2016 
  62. «Sequels and remakes get Razzie nods». United Press International. 30 de janeiro de 2006. Consultado em 28 de julho de 2016 
  63. «FOX Announces Nominees for "The 2005 Teen Choice Awards"». The Futon Critic. 1 de junho de 2005. Consultado em 28 de julho de 2016 
  64. a b c «2005 TEEN CHOICE AWARDS». Consultado em 28 de julho de 2016. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2017 
  65. «'Notebook' wins eight Teen Choice awards». USA Today. Associated Press. 15 de agosto de 2005. Consultado em 28 de julho de 2016 
  66. «'Notebook' wins eight Teen Choice awards». USA Today. Associated Press. 15 de agosto de 2005. Consultado em 28 de julho de 2016 
  67. «'Notebook' wins eight Teen Choice awards». USA Today. Associated Press. 15 de agosto de 2005. Consultado em 28 de julho de 2016 
  68. «Virgin on Top for MTV Movie Awards». Spin. 24 de abril de 2006. Consultado em 28 de julho de 2016 
  69. «2005 IFMCA Awards». International Film Music Critics Association. Consultado em 28 de julho de 2016 
  70. «House of Wax commercial soundtrack». Soundtrackinfo. Consultado em 29 de junho de 2010 
  71. «House of Wax orchestral score soundtrack». Soundtrackinfo. Consultado em 29 de junho de 2010 
  72. «The Hills Have Eyes». The Harvard Crimson. 9 de março de 2006. Consultado em 4 de julho de 2016 
  73. «What are some horror movies similar to House of Wax?». Consultado em 4 de julho de 2016 
  74. «10 Horror Icons Who Killed Way More Victims Than They Should Have». Whatculture. Consultado em 4 de julho de 2016 
  75. «A CASA DE CERA». Adorocinema. Consultado em 4 de julho de 2016 
  76. «Top 12 Scariest Horror Masks». Geekshizzle. 17 de maio de 2013. Consultado em 26 de junho de 2016 
  77. «25 máscaras marcantes ou assustadoras do cinema». Adorocinema. 3 de novembro de 2013. Consultado em 26 de junho de 2016 
  78. «10 Horror Icons Who Killed Way More Victims Than They Should Have». Whatculture. 10 de julho de 2013. Consultado em 26 de junho de 2016 
  79. «The Best Slasher Movies». Ranker. Consultado em 4 de julho de 2016 
  80. «The Best Horror Movie Remakes». Ranker. Consultado em 7 de julho de 2016 
  81. «The Best Horror Movies of 2005». Ranker. Consultado em 7 de julho de 2016 
  82. «The Scariest Movies Ever Made». Ranker. Consultado em 4 de julho de 2016 
  83. «The Best Slasher Films Of The Last 25 Years». Ranker. Consultado em 7 de julho de 2016 
  84. «The 20 Sexiest Horror Movie Heroines of All Time». Ranker. Consultado em 17 de julho de 2016 
  85. a b c d «House of Wax Connections». Imdb. Consultado em 4 de julho de 2016 
  86. «The 100 Worst Ways to Die (As Seen in Movies)». Complex. 28 de janeiro de 2013. Consultado em 9 de julho de 2016 
  87. «Best Film Deaths Scenes 2005». Filmsite. Consultado em 9 de julho de 2016 
  88. «The 10 Greatest Horror Death Scenes!». Whatculture. Consultado em 9 de julho de 2016 
  89. «25 Hot Promiscuous Characters Who Died in Horror Movies». Complex. 5 de janeiro de 2013. Consultado em 9 de julho de 2016 
  90. Complex (15 de outubro de 2011). «The 25 Hottest Girls In Horrible Remakes». Consultado em 9 de julho de 2016 
  91. «Best Horror Movies on Netflix: House of Wax debuts». Netflix. Consultado em 9 de julho de 2016 
  92. «Most Discussed Movie of 2005». Metacritic. Consultado em 9 de julho de 2016 
  93. «Most Shared Movie of 2005». Metacritic. Consultado em 9 de julho de 2016 
  94. «THE TOP 100 SEXIEST HORROR MOVIE ACTRESSES OF ALL-TIME». 10goneviral.com. Consultado em 17 de julho de 2016 
  95. «The 100 Sexiest Horror Movie Actresses of All-Time». Gunaxin. Consultado em 17 de julho de 2016 
  96. «Scary Movie 4 (2006)». Notstarring. Consultado em 10 de julho de 2016 

Ligações externasEditar