Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo filme de animação estadunidense de 1971 feito para a televisão, e vencedor do Oscar na categoria de melhor curta de animação de 1973, veja A Christmas Carol (animação). Se procura pelo filme de animação estadunidense de 2009 com Jim Carrey, veja A Christmas Carol (2009). Se procura episódio de Doctor Who, veja A Christmas Carol (Doctor Who).
A Christmas Carol
O Natal do Sr. Scrooge; Os sinos de Ano Novo
O cântico de Natal
O Natal do Avarento
 (PT)
Conto de Natal
Três Espíritos do Natal
 (BR)
Charles Dickens-A Christmas Carol-Title page-First edition 1843.jpg
Autor(es) Charles Dickens
Idioma Inglês
País Inglaterra Inglaterra
Ilustrador John Leech
Editora Chapman & Hall
Lançamento 19 de dezembro de 1843
Cronologia
Martin Chuzzlewit
The Chimes

A Christmas Carol é um livro da autoria de Charles Dickens. Com várias traduções em Português, sendo uma delas Um Conto de Natal, o livro foi escrito em menos de um mês originalmente para pagar dívidas, mas tornou-se um dos maiores clássicos natalinos de todos os tempos e uma das mais célebres obras de Dickens. O autor descreveu-o como o seu "livrinho de Natal", e foi primeiramente publicado em 19 de dezembro de 1843[1], com ilustrações de John Leech[2]. A história transformou-se instantaneamente num sucesso, vendendo mais de seis mil cópias apenas numa semana[3].

SinopseEditar

  Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
 
Scrooge encontra as almas penadas

Ebenezer Scrooge é um homem avarento que abomina a época natalícia. Trabalha num escritório em Londres com Bob Cratchit, o seu pobre, mas feliz empregado, pai de quatro filhos, com um carinho especial pelo frágil Pequeno Tim, que tem problemas nas pernas.

Numa véspera de Natal Scrooge recebe a visita do seu ex-sócio Jacob Marley, morto há sete anos naquele mesmo dia. Marley diz que o seu espírito não pode descansar em paz, já que não foi bom nem generoso em vida, mas que Scrooge tem uma chance, e que três espíritos o visitarão.

O primeiro espírito chega, um ser com uma luz que emana da sua cabeça e um apagador de velas debaixo do braço à guisa de chapéu. Este é o Espírito dos Natais Passados, que leva Scrooge de volta no tempo e mostra a sua adolescência e o início da sua vida adulta, quando Scrooge ainda amava o Natal. Triste com as lembranças, Scrooge enfia o chapéu na cabeça do espírito, ocultando a luz. O espírito desaparece deixando Scrooge de volta ao seu quarto.

O segundo espírito, o do Natal do Presente, é um gigante risonho com uma coroa de azevinho e uma tocha na mão. Ele mostra a Scrooge as celebrações do presente, incluindo a humilde comemoração natalícia dos Cratchit, onde vê que, apesar de pobre, a família do seu empregado é muito feliz e unida. A tocha na mão do espírito tem a utilidade de dar um sabor especial à ceia daqueles que fossem "contemplados" com a sua luz. No fim da viagem, o espírito revela sob o seu manto duas crianças de caras terríveis, a Ignorância e a Miséria, e pede que os homens tenham cuidado com elas. Depois disso vai-se embora.

O terceiro espírito, o dos Natais Futuros, apresenta-se como uma figura alta envolta num traje negro que oculta o seu rosto, deixando apenas uma mão aparente. O espírito não diz nada, mas aponta, e mostra a Scrooge a sua morte solitária, sem amigos.

Após a visita dos três espíritos, Scrooge amanhece como um outro homem. Passa a amar o espírito de Natal, e a ser generoso com os que precisam, e a ajudar o seu empregado Bob Cratchit, tornando-se um segundo pai para Pequeno Tim. Diz-se que ninguém celebrava o Natal com mais entusiasmo que ele.

Adaptações e referênciasEditar

O mais conhecido personagem inspirado nesta obra seja o Tio Patinhas, da Disney, que em inglês se chama Scrooge McDuck. Patinhas toma o nome do personagem que lhe deu nome na versão animada Mickey's Christmas Carol.

Em 1992, Os Muppets adaptaram a obra no filme The Muppet Christmas Carol, que estrelou Michael Caine no papel de Scrooge e Caco, o Sapo no papel de Bob Cratchit. Gonzo aparece no papel do próprio Charles Dickens, que é o narrador do filme.

Uma outra homenagem às obras de Natal de Dickens é pouco conhecida. À luz da morte do escritor, uma menina que vendia flores às portas de um teatro de Londres falou: "Morreu Dickens? E o Papai Noel, será que morreu também?" [4]

É possível encontrar também uma referência no filme Shrek. Na parte final, quando os personagens cantam juntos, o bonequinho de gengibre diz, apoiado numa muleta: "Deus abençoe a todos". Essa é uma fala de Tiny Tim, que também tem deficiência. O que mostra a referência de Charles Dickens em tempos atuais.

Outra referência feita é no filme O Expresso Polar, com Tom Hanks. Nele o protagonista que não acredita em Natal passa por um vagão no trem atulhado de bonecos. Uma marionete de nariz aquilino apresenta-se como Ebenezer Scrooge e o chama de cético.

Houve também em 1988 uma releitura moderna em Scrooged, onde Bill Murray interpreta o presidente arrogante e sádico, de uma grande empresa de comunicação que é visitado na véspera de natal pelos três fantasmas do natal.

O filme Barbie em a Canção de Natal é considerada a versão feminina de A Christmas Carol. A história fala de Eden Starling, uma cantora famosa (porém egoísta) que odeia o Natal. Há personagens que são análogos: Eden Starling (Ebenezer Scrooge), Catherine Britto (Bob Cratchit) e Marie (Jacob Marley).

Existe também uma versão dos Looney Tunes em que Patolino é dono de uma empresa e odeia a época natalícia.

 
Marley e Scrooge. Ilustração da primeira edição de A Christmas Carol.

Em 2009, a Disney lança o filme em 3D, Os Fantasmas de Scrooge, no qual Jim Carrey interpreta Scrooge e todos os fantasmas.

No dia 25 de dezembro de 2010, foi ao ar um especial de Natal da série britânica Doctor Who, que levou o nome "A Christmas Carol", adaptando mais uma vez o conto de natal de Charles Dickens.

E em 2007 lançam, um filme de natal do Denis o Pimentinha, chamado "O Natal do Pimentinha" onde Mr. Wilson fala que odeia tudo e todos no natal, e acaba estragando o natal de Denis e então é visitado pelo fantasma do natal passado, do presente e do futuro, o do futuro em especial mostra Denis como um velho avarento que odeia tudo no natal. Wilson então volta ao presente e vai se retratar com a família de Denis e tentar não estragar o natal de Denis.

No final de 2011, a DC Comics lançou a graphic novel Batman: Noel. Escrita e desenhada por Lee Bermejo, Batman: Noel mostra o Cavaleiro das Trevas como um amargurado e sem-esperanças Scrooge, Mulher Gato como o fantasma do passado, Superman como o fantasma do presente, e Coringa como o fantasma do futuro.

No dia 11 de dezembro de 2013, a NBC apresentou o Kelly Clarkson's Cautionary Christmas Music Tale, uma adaptação da obra de Dickens, com vários números musicais, interpretados por Kelly Clarkson, onde a cantora organiza um especial de natal para alavancar sua carreira, e apenas no final, após uma série de eventos percebe que o real espírito de natal está em ajudar os outros e não pensar apenas em si mesma.

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Textos originais no Wikisource
  Categoria no Commons

Referências

  1. «Dickens Chronology». University of California: Santa Cruz. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  2. «Publicado o clássico A Christmas Carol de Charles Dickens». History Channel. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  3. Max Altman (19 de dezembro de 2013). «Hoje na História: 1843 - É publicado "Um Conto de Natal", de Charles Dickens». Opera Mundi. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  4. Cântico de Natal & Os Carrilhões
  • Dickens, Charles (2004). Cântico de Natal & Os Carrilhões. São Paulo: Editora Martin Claret. 85-7232-292-2