A Christmas Carol

Clássico de Charles Dickens
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja A Christmas Carol (desambiguação).

A Christmas Carol é um livro da autoria de Charles Dickens. Com várias traduções em Português, sendo uma delas Um Conto de Natal, o livro foi escrito em menos de um mês originalmente para pagar dívidas, mas tornou-se um dos maiores clássicos natalinos de todos os tempos e uma das mais célebres obras de Dickens. O autor descreveu-o como o seu "livrinho de Natal", e foi primeiramente publicado em 1843,[1] com ilustrações de John Leech.[2] A história transformou-se instantaneamente num sucesso, vendendo mais de seis mil cópias apenas numa semana.[3]

A Christmas Carol
O Natal do Sr. Scrooge; Os sinos de Ano Novo
O cântico de Natal
O Natal do Avarento
 (PT)
Conto de Natal
Três Espíritos do Natal
 (BR)
Autor(es) Charles Dickens
Idioma Inglês
País Inglaterra Inglaterra
Ilustrador John Leech
Editora Bernhard Tauchnitz
Lançamento 1843
Cronologia
Martin Chuzzlewit
The Chimes

SinopseEditar

 
Scrooge encontra as almas penadas

Ebenezer Scrooge é um homem avarento que abomina a época natalícia. Trabalha num escritório em Londres com Bob Cratchit, o seu pobre, mas feliz empregado, pai de quatro filhos, com um carinho especial pelo frágil Pequeno Tim, que tem problemas nas pernas.

Numa véspera de Natal Scrooge recebe a visita do seu ex-sócio Jacob Marley, morto há sete anos naquele mesmo dia. Marley diz que o seu espírito não pode descansar em paz, já que não foi bom nem generoso em vida, mas que Scrooge tem uma chance, e que três espíritos o visitarão.

O primeiro espírito chega, um ser com uma luz que emana da sua cabeça e um apagador de velas debaixo do braço à guisa de chapéu. Este é o Espírito dos Natais Passados, que leva Scrooge de volta no tempo e mostra a sua adolescência e o início da sua vida adulta, quando Scrooge ainda amava o Natal. Triste com as lembranças, Scrooge enfia o chapéu na cabeça do espírito, ocultando a luz. O espírito desaparece deixando Scrooge de volta ao seu quarto.

O segundo espírito, o do Natal do Presente, é um gigante risonho com uma coroa de azevinho e uma tocha na mão. Ele mostra a Scrooge as celebrações do presente, incluindo a humilde comemoração natalícia dos Cratchit, onde vê que, apesar de pobre, a família do seu empregado é muito feliz e unida. A tocha na mão do espírito tem a utilidade de dar um sabor especial à ceia daqueles que fossem "contemplados" com a sua luz. No fim da viagem, o espírito revela sob o seu manto duas crianças de caras terríveis, a Ignorância e a Miséria, e pede que os homens tenham cuidado com elas. Depois disso vai-se embora.

O terceiro espírito, o dos Natais Futuros, apresenta-se como uma figura alta envolta num traje negro que oculta o seu rosto, deixando apenas uma mão aparente. O espírito não diz nada, mas aponta, e mostra a Scrooge a sua morte solitária, sem amigos.

Após a visita dos três espíritos, Scrooge amanhece como um outro homem. Passa a amar o espírito de Natal, e a ser generoso com os que precisam, e a ajudar o seu empregado Bob Cratchit, tornando-se um segundo pai para Pequeno Tim. Diz-se que ninguém celebrava o Natal com mais entusiasmo que ele.

Adaptações e referênciasEditar

O mais conhecido personagem inspirado nesta obra seja o Tio Patinhas, da Disney, que em inglês se chama Scrooge McDuck. Patinhas toma o nome do personagem que lhe deu nome na versão animada Mickey's Christmas Carol. O Pica-Pau também tem um tio chamado Scrooge.

Em 1992, Os Muppets adaptaram a obra no filme The Muppet Christmas Carol, que estrelou Michael Caine no papel de Scrooge e Caco, o Sapo no papel de Bob Cratchit. Gonzo aparece no papel do próprio Charles Dickens, que é o narrador do filme.

Em 1994, The Flintstones adaptaram a obra no filme A Flintstones Christmas Carol, que Fred Flintstone no papel de Ebenezer Scrooge e Barney Rubble no papel de Bob Cratchit.

Uma outra homenagem às obras de Natal de Dickens é pouco conhecida. À luz da morte do escritor, uma menina que vendia flores às portas de um teatro de Londres falou: "Morreu Dickens? E o Papai Noel, será que morreu também?"[4]

É possível encontrar também uma referência no filme Shrek. Na parte final, quando os personagens cantam juntos, o bonequinho de gengibre diz, apoiado numa muleta: "Deus abençoe a todos". Essa é uma fala de Tiny Tim, que também tem deficiência. O que mostra a referência de Charles Dickens em tempos atuais.

Outra referência feita é no filme O Expresso Polar, com Tom Hanks. Nele o protagonista que não acredita em Natal passa por um vagão no trem atulhado de bonecos. Uma marionete de nariz aquilino apresenta-se como Ebenezer Scrooge e o chama de cético.

Houve também em 1988 uma releitura moderna em Scrooged, onde Bill Murray interpreta o presidente arrogante e sádico, de uma grande empresa de comunicação que é visitado na véspera de natal pelos três fantasmas do natal.

O filme Barbie em a Canção de Natal é considerada a versão feminina de A Christmas Carol. A história fala de Eden Starling, uma cantora famosa (porém egoísta) que odeia o Natal. Há personagens que são análogos: Eden Starling (Ebenezer Scrooge), Catherine Britto (Bob Cratchit) e Marie (Jacob Marley).

Existe também uma versão dos Looney Tunes em que Patolino é dono de uma empresa e odeia a época natalícia.

 
Marley e Scrooge. Ilustração da primeira edição de A Christmas Carol

Em 2009, a Disney lança o filme em 3D, Os Fantasmas de Scrooge, no qual Jim Carrey interpreta Scrooge e todos os fantasmas.

No dia 25 de dezembro de 2010, foi ao ar um especial de Natal da série britânica Doctor Who, que levou o nome "A Christmas Carol", adaptando mais uma vez o conto de natal de Charles Dickens.

E em 2007 um filme de natal do Dennis, o Pimentinha, chamado "O Natal do Pimentinha" (A Dennis the Menace Christmas) onde o Sr. Wilson (Robert Wagner) fala que odeia tudo e todos no Natal, e acaba ignorando sua esposa Martha Wilson (Louise Fletcher), que gosta do Natal, e estragando o Natal de Denis (Maxwell Perry Cotton). Na noite de Natal, é visitado pelo fantasma do natal passado, do presente e do futuro, representado por Bob, o Anjo do Natal (Godfrey Danchimah). Ao vislumbrar o futuro onde Denis é um velho avarento que odeia tudo no Natal, Wilson então volta ao presente e vai se retratar com Martha, a família de Denis e tentar salvar o Natal.[5]

No final de 2011, a DC Comics lançou a graphic novel Batman: Noel. Escrita e desenhada por Lee Bermejo, Batman: Noel mostra o Cavaleiro das Trevas como um amargurado e sem-esperanças Scrooge, Mulher Gato como o fantasma do passado, Superman como o fantasma do presente, e Coringa como o fantasma do futuro.

No dia 11 de dezembro de 2013, a NBC apresentou o Kelly Clarkson's Cautionary Christmas Music Tale, uma adaptação da obra de Dickens, com vários números musicais, interpretados por Kelly Clarkson, onde a cantora organiza um especial de natal para alavancar sua carreira, e apenas no final, após uma série de eventos percebe que o real espírito de natal está em ajudar os outros e não pensar apenas em si mesma.

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Textos originais no Wikisource
  Categoria no Commons

Referências

  1. «Dickens Chronology». University of California: Santa Cruz. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  2. «Publicado o clássico A Christmas Carol de Charles Dickens». History Channel. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  3. Max Altman (19 de dezembro de 2013). «Hoje na História: 1843 - É publicado "Um Conto de Natal", de Charles Dickens». Opera Mundi. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  4. Cântico de Natal & Os Carrilhões
  5. «A Dennis the Menace Christmas (Video 2007)». IMDb (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2021 
  • Dickens, Charles (2004). Cântico de Natal & Os Carrilhões. São Paulo: Editora Martin Claret. 85-7232-292-2