Abrir menu principal
A Viagem
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Drama
Criador(es) Ivani Ribeiro
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Edson Braga
Atílio Riccó
Carlos Zara
Elenco Eva Wilma
Tony Ramos
Altair Lima
Ewerton de Castro
Adriano Reys
Irene Ravache
Cláudio Correia e Castro
Elaine Cristina
Carlos Alberto Riccelli
Rolando Boldrin
e grande elenco.
Tema de abertura Tornado - The Wiz
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Tupi
Transmissão original 1 de outubro de 1975 - 27 de março de 1976
N.º de episódios 141
Cronologia
Ovelha Negra
Xeque-mate
Programas relacionados A Viagem (1994)
O Profeta

A Viagem é uma telenovela brasileira, produzida pela Rede Tupi e exibida de 1º de outubro de 1975 a 27 de março de 1976, às 20 horas, em 141 capítulos.[1]

Escrita por Ivani Ribeiro, foi dirigida por Edson Braga e Atílio Riccó, com supervisão geral de Carlos Zara, foi inspirada nos livros Nosso Lar e E a Vida Continua..., ambos psicografados pelo médium Chico Xavier.

Índice

EnredoEditar

Pego em flagrante em uma tentativa de roubo, Alexandre mata o funcionário da agência bancária que o surpreende e tenta fugir. Porém, o irmão Raul e o cunhado Téo o entregam à polícia. Só sua irmã Diná é que se esforça para defendê-lo. Vai procurar o renomado advogado, César Jordão, para que represente Alexandre, mas se depara com um homem revoltado e disposto a fazer de tudo para condená-lo, uma vez que o morto era seu grande amigo. Assim sendo, Alexandre é condenado e, para não passar o resto da vida apodrecendo na cadeia, suicida-se, prometendo vingança "senão nessa vida, na outra".

Com o suicídio de Alexandre, o médico e amigo da família, Dr. Alberto Menezes, põe-se a tentar ajudar a mãe dele, Dona Izaura, e a todos da família, dada a tragédia. Alberto é apaixonado por Estela, outra filha de Izaura, que vive as voltas com a filha problemática Maria Lúcia, que criou sozinha já que o marido Ismael é um mau caráter que a abandonou. Raul, o irmão que denuncia Alexandre, vive um casamento mais que feliz com Andrezza e se dá muito bem com a sogra, Dona Guiomar. Diná é uma mulher bonita, charmosa, casada com um homem mais jovem, Téo, o que provoca crises de ciúme. O Dr. César, com quem Diná passa a viver uma relação de amor e ódio, culpando-o por tudo de ruim que aconteceu a seu irmão, é viúvo e pai de dois filhos, o jovem César Júnior e o garoto Dudu. Todavia, Alexandre, noutro plano, passa a atormentar a vida de todos, cumprindo o que prometera antes de morrer, como por exemplo: deixar Júnior, filho de César Jordão, drogado; e tornando Téo um marido violento. Seus principais alvos são o advogado, o irmão e o cunhado. Diná e César se apaixonam, bem como Téo e Lisa, antes namorada de Alexandre. A única pessoa que se dá conta da negra influência maligna de Alexandre sobre os vivos é o Dr. Alberto, adepto do Espiritismo, que tenta fazer algo através de suas reuniões mediúnicas.

Morre o advogado César e, depois, morre Diná. Eles se reencontram na colônia espiritual "Nosso Lar" e de lá, juntos, com seu amor capaz de superar todas as barreiras, tentam (e afinal conseguem) reverter a influência perversa de Alexandre, que está preso no "Vale das Sombras", sobre os seus entes queridos na Terra.

ElencoEditar

Elenco CentralEditar

Participações especiaisEditar

Trilha sonoraEditar

Seguindo até então a ordem de trilhas sonoras comumente lançadas pela Rede Tupi, a trilha internacional foi lançada primeiro nas lojas, e depois lançou-se a trilha nacional, quando a trama já se encontrava em sua metade final. Por esse motivo, o disco internacional foi um grande sucesso de vendas e de repercussão na trama, enquanto que o disco nacional passou quase despercebido dentro e fora da trama, sendo até hoje uma raridade em sebos e lojas virtuais.

Nacional

  1. "Moça criança" – Agepê – Tema de Estela
  2. "Ganhar e perder" – Adriana
  3. "Noche de ronda" – Gregório Barrios
  4. "Assim, tudo está bem" – Gilbert
  5. "Tenho" – Wilson Miranda
  6. "Beco sem saída" – Sílvio Caldas
  7. "Pecado" – Gregório Barrios
  8. "Carta de alforria" – Luiz Américo
  9. "Triste adeus" – Gilbert
  10. "Se você vai" – Márcio Prado
  11. "Pulsars" – Kate Lyra
  12. "Tema R" – Aloísio

Internacional

  1. "Tornado" – Original Cast "The Wiz"
  2. "Goodbye my love, goodbye (Vocal version)" – Danny Stinger
  3. "Io ti propongo (Proposta)" – Iva Zanicchi
  4. "You won't have to tell me goodbye" – Blue Magic
  5. "Sans amour" – Gilbert
  6. "Peccato d'amore" – Tommy Cooper and The Supersound Crew
  7. "Noi innamorati… d'improvviso" – Fred Bongusto
  8. "Just as soon as the feeling's over" – Margie Joseph
  9. "Just like yesterday" – Sebastian
  10. "I love you (Natalie)" – Rosemary
  11. "Ammazzate oh!" – Luciano Rossi
  12. "Paopop" – Enrico Intra

AudiênciaEditar

Teve média geral de 30 pontos, e provavelmente foi um dos últimos grandes sucessos da extinta TV Tupi e da autora, Ivani Ribeiro, pelo menos como novela das oito, pois a partir de 1975, a Rede Globo se consolida de vez na liderança nacional e desbanca a Rede Tupi, até então líder de audiência no gênero, e se torna a maior produtora de telenovelas no Brasil, fazendo a audiência da Rede Tupi cair drasticamente até a sua extinção em 1980. Vale lembrar, que, a época, Ivani Ribeiro rivalizava com Janete Clair como as maiores autoras das décadas de 1970 e 1980 no país, e enfrentava forte concorrência com Pecado Capital, que facilmente chegava a 55 pontos, enquanto que a da Rede Tupi não passava dos 20. O último grande sucesso da ''pioneira da televisão'' seria também da autora Ivani Ribeiro com O Profeta (1977), exibida dois anos depois, outra vez concorrendo fortemente com Janete Clair, com a sua O Astro (1977). Dessa vez, ambas as autoras apresentavam histórias semelhantes.

Referências

  1. «A Viagem - 1975». Teledramaturgia. Consultado em 23 de abril de 2016 
  2. «A Viagem (1975)». Teledramaturgia 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.