Abrir menu principal

Abdullah al-Thani ou Abdullah al-Thinni (em árabe: عبد الله الثني; Líbia, 7 de janeiro de 1954) é um político líbio que tem servido como primeiro-ministro desde março de 2014, após a queda do governo de Ali Zeidan.[1][2][3]

BiografiaEditar

Nascido em 1954, al-Thani foi nomeado Ministro da Defesa em 5 de agosto de 2013. Poucos meses depois, o parlamento da Líbia o nomeou de forma interina como primeiro-ministro substituto do demitido Ali Zeidan, acusado de não impedir a fuga de petróleo dos portos líbios, até a convocação de novas eleições.[4]

Embora tenha renunciado em abril, alegando ameaças a sua segurança[5][6], ele foi reconduzido ao poder por ordem judicial que atendia acusações de irregularidades nas eleições de julho daquele ano.[7] Contudo, o Parlamento e do Executivo de Trípoli se negaram a se dissolver após o pleito, que reconhece Omar al-Hasi como primeiro-ministro, enquanto Abdullah al-Thani - apoiado pelos Estados Unidos e Europa - montou um governo primeiramente em Bengazi e depois em Tobruque, nesta última requisitando um grande hotel para albergar os funcionários e os ministros do seu governo.[8][9] Desde então, a Líbia tem dois governos em disputa, um em Tobruque e outro em Trípoli, enquanto o país vive a segunda fase de uma Guerra Civil Líbia.[8][9]

Referências

  1. AFP, AP, Reuters (11 de março de 2014). «Libya's Prime Minister Ali Zidan ousted by parliament after rebel oil tanker escapes» (em inglês). DWelle. Consultado em 4 de março de 2015 
  2. Mustafa Fetouri (24 de fevereiro de 2015). «What did Libyans gain from the revolution?» (em inglês). Al Monitor. Consultado em 4 de março de 2015. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2015 
  3. Vijay Prashad (20 de fevereiro de 2015). «Os arquitetos do caos na Ásia Ocidental». Pravda. Consultado em 4 de março de 2015 
  4. «Líbia: Primeiro-ministro demitido por deixar fugir petróleo». Euronews. 11 de março de 2014. Consultado em 5 de março de 2015 
  5. Jomana Karadsheh (13 de abril de 2014). «After attack on family, Libyan Prime Minister Abdullah al-Thinni steps down» (em inglês). CNN. Consultado em 5 de março de 2015 
  6. «Libyan parliament elects new PM» (em inglês). Al Jazeera. 4 de maio de 2014. Consultado em 5 de março de 2015 
  7. «Libya PM's election declared unconstitutional» (em inglês). Al Jazeera. 9 de junho de 2014. Consultado em 5 de março de 2015 
  8. a b EFE (11 de dezembro de 2014). «Três anos depois da queda de Kadafi, Líbia afunda no caos». Exame.com. Consultado em 5 de março de 2015 
  9. a b Achille Lollo (17 de fevereiro de 2015). «Guerra entre dois governos e califado jiadista aumentam desastre na Líbia». Brasil de Fato. Consultado em 5 de março de 2015 

Ver tambémEditar