Abrir menu principal
Abraham Mapu
Nascimento 10 de janeiro de 1808
Slobodka, Kaunas
Morte 9 de outubro de 1867 (59 anos)
Königsberg, Prússia
Nacionalidade Flag of the Russian Empire (black-yellow-white).svg Império Russo
Ocupação escritor

Abraham Mapu (Slobodka, Kaunas, 10 de janeiro de 1808 – Königsberg, Prússia, 9 de outubro de 1867) foi um escritor hebraico do movimento Haskalá ("iluminismo"). Seus romances serviram mais tarde de base para o movimento sionista.[1]

BiografiaEditar

Quando criança, Mapu estudou em uma chêder (escola religiosa judaica), onde seu pai era professor. Casou-se em 1825.

Por muitos anos foi um empobrecido professor itinerante. Mapu conseguiu a segurança financeira quando foi nomeado professor em uma escola pública para crianças judias. Trabalhou como professor em várias vilas e cidades, juntou-se ao movimento Haskalá, e estudou alemão, francês e russo. Estudou também latim a partir de uma tradução da Bíblia para aquele idioma, dado a ele por seu rabino local.[2]

Retornou em 1848 a Kaunas e auto-publicou seu primeiro romance histórico, Ahabat Ẓiyyon, considerado o primeiro romance hebraico. Começou a trabalhar nele em 1830, mas concluiu-o apenas em 1853. Totalmente incapaz de subsistir da venda de seus livros, contou com o apoio de seu irmão, Matisyahu. Em 1867 mudou-se para Königsberg devido a uma doença. Publicou seu último livro, Amon Pedagogue (Amon significa algo como Mentor), e morreu ali.[2]

AvaliaçãoEditar

Mapu é considerado o primeiro escritor hebraico. Influenciado pelo Romantismo francês, escreveu primorosamente histórias sobre a vida na Antiga Israel, que ele contrastou favoravelmente com a vida judaica do século XIX. Seu estilo é simples e poético, quase bíblico em sua grande simplicidade.[2]

LegadoEditar

As ideias romântico-nacionalistas em seus romances inspiraram mais tarde David Ben-Gurion e outros, e serviu de base para a implementação destas ideias no movimento sionista, que posteriormente levou à criação do Estado de Israel.[2]

PublicaçõesEditar

As histórias de Mapu têm sido muitas vezes traduzidas para outros idiomas.[3]

  • Ahabat Ẓiyyon (O Amor de Sião), romance histórico, Vilnius, 1853
  • Ayiṭ Ẓabua (O Hipócrita), romance, Vilnius, 1858-61-64
  • Ḥozeh Ḥezyonot (O Visionário), romance
  • Ashmat Shomeron (A Culpa de Samaria), romance histórico, Vilnius, 1865-66
  • Ḥanok la-Na'ar, livro hebraico, Vilnius, 1859
  • Amon Padagug, livro hebraico Königsberg, 1868
  • Hausfranzose, Vilnius, 1861.

HomenagensEditar

As ruas com o seu nome são encontradas no Centro Antigo de Kaunas e nas cidades israelenses de Tel-Aviv e Jerusalém. Um romance israelense bem conhecido chamado "As Crianças da Rua Mapu" ("הילדים מרחוב מאפו"), também homenageia seu nome.

Notas

  1. Patterson, David (2007), «Mapu, Abraham», Encyclopaedia Judaica, 13: 505–507 
  2. a b c d Jewish Encyclopedia 1901-1906, entrada para Mapu, Abraham (em inglês) , volume 8, página 316
  3. Encyclopædia Britannica (1911) entrada para Mapu, Abraham (em inglês) , volume 17, página 664

Referências

Ligações externasEditar