Abrir menu principal

Acção Social Democrata Independente

partido político português
Acção Social Democrata Independente
Fundação 27 de junho de 1980
Dissolução 12 de janeiro de 1985
Sede Portugal Portugal
Ideologia Social-democracia
Socialismo democrático
Espectro político Centro-esquerda
Afiliação nacional Frente Republicana e Socialista
Cores Preto

A Acção Social Democrata Independente (ASDI) foi um partido de esquerda português fundado em 1979, tendo-se inscrito oficialmente no Supremo Tribunal de Justiça em 27 de Junho de 1980. Formou-se após o abandono de alguns deputados do PPD/PSD, entre os quais António de Sousa Franco, Joaquim Magalhães Mota e Sérvulo Correia, entre outros. Advogava uma democracia política, económica, social e cultural que promovesse a liberdade e a igualdade, tendo como referência os princípios do socialismo personalista e democrático.[1] Dos seus membros faziam ainda parte Olívio França, Artur da Cunha Leal, Guilherme de Oliveira Martins, Jorge Miranda, Manuel Tilman e António Marques Mendes.

O partido participou nas eleições legislativas de 1980 em coligação com o Partido Socialista (PS) e com a União de Esquerda para a Democracia Socialista (UEDS), sob a denominação de Frente Republicana e Socialista (FRS).

Não obstante não se encontrar formalmente extinto, a dissolução foi deliberada no seu II Congresso Nacional, em 12 de janeiro de 1985.[2]

Resultados EleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

Data Líder Cl. Votos % Deputados +/- Status Notas
1980 António de Sousa Franco Frente Republicana e Socialista
4 / 250
Oposição
1983 António de Sousa Franco Nas listas do Partido Socialista
3 / 250
 1 Governo

Eleições autárquicasEditar

(Resultado que excluem os resultados de coligações envolvendo o partido)

Data Votos % +/- Presidentes CM +/- Vereadores +/-
1982 7 156 0,14 (11.º)
1 / 305
7 / 1 913

Referências

  1. «Acção Social Democrata Independente». CNE - Comissão Nacional de Eleições. Consultado em 25 de Setembro de 2009. Arquivado do original em 8 de setembro de 2007 
  2. «Acórdão N.º 536/99». Tribunal Constitucional. Consultado em 21 de fevereiro de 2011 

Ver tambémEditar