Abrir menu principal

Academia Mineira de Letras

academia de letras do estado brasileiro de Minas Gerais
Registro da posse de D. Vasconcelos Motta na AML, cumprimentado pela escritora Cida Chaves, 1971.

A Academia Mineira de Letras MHM é a entidade literária máxima do Estado de Minas Gerais, fundada em Juiz de Fora, em 1909.

HistóricoEditar

Sua fundação foi feita por 12 intelectuais capitaneados por Machado Sobrinho. Foram então eleitos outros 18 intelectuais de todo o estado para integrar a academia. Em 1915, a Academia Mineira de Letras mudou-se para a nova capital de Minas Gerais: Belo Horizonte, onde permanece até hoje. Em 1987, mudou-se definitivamente para o Palacete Borges da Costa e passou a contar com 40 membros, a exemplo da Academia Brasileira de Letras e da sua contrapartida francesa.

Em 10 de junho de 1992 foi feita Membro-Honorário da Ordem do Mérito de Portugal.[1]

Atualmente é presidida pela acadêmica Elizabeth Fernandes Rennó de Castro Santos.

Patronos das cadeirasEditar

Cadeira Patrono Fundador Acadêmico atual
1 Visconde de Araxá (1812-1881) Albino Esteves (1884-1943) Danilo Gomes (1932)
2 Arthur França (1881-1902) Aldo Delphino (1872-1945) Benito Barreto (1929)
3 Aureliano Lessa (1828-1861) Alphonsus de Guimaraens (1870-1921) Angelo Oswaldo de Araújo Santos (1947)
4 Frei Velloso (1742-1811) Alvaro da Silveira (1867-1945) Amilcar Vianna Martins Filho (1949)
5 Azevedo Junior (1865-1909) Amanajós de Araujo (1880-1938) Carmen Schneider Guimarães
6 Bernardo de Vasconcellos (1795-1850) Arduino Bolivar (1873-1952) Yeda Prates Bernis (1926)
7 Luiz Cassiano (1868-1903) Avelino Foscolo (1864-1944) Ricardo Arnaldo Malheiros Fiúza (1937)
8 Baptista Martins (1868-1906) Belmiro Braga (1872-1937) Rogério Faria Tavares (1971)
9 Josaphat Bello (1870-1907) Bento Ernesto (1866-1943) Márcio Garcia Vilela (1939)
10 Cláudio Manoel da Costa (1729-1789) Brant Horta (1876-1959) Fábio Proença Doyle
11 Frei de Santa Rita Durão (1722-1784) Carlos Góes (1881-1934) Dom Walmor Oliveira de Azevedo (1954)
12 Alvarenga Peixoto (1744-1793) Carlindo Lellis (1879-1945) Cônego José Geraldo Vidigal de Carvalho (1933)
13 Xavier da Veiga (1846-1900) Carmo Gama (1860-1937) Paulo Tarso Flecha de Lima (1933)
14 José Senna (1847-1901) Costa Senna (1852-1919) Antenor Pimenta Madeira (1960)
15 Bernardo Guimarães (1827-1884) Dilermando Cruz (1879-1935) Bonifácio José Tamm de Andrada (1930)
16 Francisco de Paula Cândido (1805-1864) Diogo de Vasconcelos (1843-1927) Ronaldo Costa Couto (1942)
17 Conde de Prados (Dr.Camilo Armond) (1815-1882) Eduardo de Menezes (1857-1923) Aluísio Pimenta (1923)
18 Silva Alvarenga (1749-1814) Estevam de Oliveira (1853-1926) José Henrique Santos (1934)
19 Corrêa de Almeida (1820-1905) Francisco Lins (1866-1933) Padre José Carlos Brandi Aleixo (1932)
20 Arthur Lobo (1879-1901) Franklin de Almeida Magalhães (1902-1971) Hindemburgo Chateaubriand Pereira Diniz (1932)
21 Fernando de Alencar (1857-1910) Gilberto de Alencar (1887-1961) Elizabeth Fernandes Rennó de Castro (1930)
22 Júlio Ribeiro (1845-1890) Heitor Guimarães (1868-1937) Fábio Lucas (1931)
23 Joaquim Felício (1828-1895) Joaquim Silverio (1859-1933) Manoel Hygino Dos Santos (1930)
24 Bárbara Eliodora (1758-1819) João Lúcio (1875-1948) Eduardo Almeida Reis (1937)
25 Augusta Franco (1877-1909) João Massena (1865-1957) Francelino Pereira dos Santos (1927)
26 Evaristo da Veiga (1799-1837) José Eduardo da Fonseca (1883-1934) Ângelo Machado (1934)
27 Corrêa de Azevedo (1856-1904) José Paixão (1868-1949) Afonso Henrique de Guimaraens Neto (1944)
28 Américo Lobo (1893-1903) José Rangel (1868-1940) Márcio Sampaio (1914)
29 Aureliano Pimentel (1830-1908) Lindolpho Gomes (1875-1953) Afonso Arinos de Mello Franco (1930)
30 Oscar da Gama (1870-1900) Luiz de Oliveira (1874-1960) Oiliam José (1921)
31 Lucindo Filho (1847-1896) Machado Sobrinho (1872-1938) Rui Mourão (1929)
32 Marquês de Sapucaí (1793-1875) Mário Lima (1886-1936) Almir de Oliveira (1916)
33 Edgar Matta (1878-1907) Mário Magalhães (1885-1937) José Crux Rodrigues Vieira (1920)
34 Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810) Mendes de Oliveira (1879-1918) Orlando Vaz Filho (1935)
35 João Pinheiro (1860-1908) Navantino Santos (1885-1946) Carlos Mário da Silva Velloso (1936)
36 Eloy Ottoni (1764-1851) Nelson Senna (1876-1952) Aloísio Teixeira Garcia (1944)
37 Manoel Basílio Furtado (1826-1903) Olympio Rodrigues de Araújo (1860-1923) Olavo Celso Romano (1938)
38 Beatriz Brandão (1779-1868) Paulo Brandão (1883-1928) Pedro Rogério Couto Moreira (1946)
39 Basílio da Gama (1740-1795) Plínio Motta (1876-1953) Patrus Ananias de Souza (1952)
40 Visconde de Caeté (1766-1838) Pinto de Moura (1865-1924) Maria José de Queiroz (1936)

Membros passadosEditar

RegistrosEditar

  A Wikipédia tem o portal:
  A Wikipédia possui o
Portal de Literatura

Na sua crônica "Minas Enigma", o escritor mineiro Fernando Sabino conta um interessante episódio da AML:

Mais vale um pássaro na mão. A Academia Mineira, há tempos, pagava um jeton ridículo: duzentos cruzeiros — antigos, é lógico. Um dos imortais, indignado, discursava o seu protesto:
— Precisamos dar um jeito nisso! Duzentos cruzeiros é uma vergonha! Ou quinhentos cruzeiros, ou nada!
Ao que um colega prudentemente aparteou:
— Pera lá: ou quinhentos cruzeiros, ou duzentos mesmo.

Referências

  1. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Academia Mineira de Letras". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de abril de 2016 

Ligações externasEditar