Abrir menu principal
Nota: Para outros significados de Academia, ver Academia (desambiguação).
Academia das Ciências de Lisboa; fundado em 1779, é a mais antiga academia de letras da língua portuguesa.

Academia de Letras é uma instituição de cunho literário e linguístico, que reúne uma quantidade limitada de membros efetivos, numa tradição iniciada no Século XVII com a Academia francesa.[1]

Índice

HistóricoEditar

 
A "Academia de Platão" em Atenas.

O termo "academia" remonta à Academia de Platão - escola fundada pelo célebre filósofo grego nos jardins que um dia teriam pertencido ao herói Akademus (donde vem o nome). Ali buscava-se, pelo dialética socrática, o saber pelo questionamento e pelo debate. Ao contrário da Escola de Isócrates, onde o conhecimento consistia na mera repetição do saber[2].

Foi com esta ideia de debates, que diversas instituições literárias surgiram em França, entre as décadas de 1620 a 1630 - consolidando-se na matriarca de todas as agremiações literárias - a citada Académie

Mas, mesmo antes destas, existiram outras instituições com objetivos análogos, tais como:

Após a fundação da Académie, em 1635, outras tantas surgiram e desapareceram:

Ao Brasil, com certo atraso, foram fundadas:

Muitas outras vieram das quais apenas a francesa subsistiu - tendo também sido a única oficializada pelo Estado.

Academias no BrasilEditar

Após a fundação da Academia Brasileira de Letras, foram sendo constituídas Academias em cada Estado da Federação brasileira. Sem possuir a grandiosidade e importância da Brasileira, várias delas constituem-se ativas e importantes espaços para a divulgação da literatura local e reconhecimento dos valores estaduais, neste mister, destacam-se, nos dias atuais, a Academia Paulista de Letras e a Academia Cearense de Letras. A Carioca já ocupou lugar de destaque, mas hoje, assim como a Baiana, não tem conseguido manter o nível de atividade do passado.

Muitas cidades têm na sua Academia o órgão literário máximo, no qual se reúnem-se os expoentes locais, numa extensa lista. Nestas, destaque especial para a Montesclarense, a Academia Recifense de Letras e a Caetiteense - em Minas Gerais, Pernambuco e Bahia, respectivamente[13].

Academias "mistas" e "categorizadas"Editar

No Brasil, com a proliferação de entidades literárias, muitas cidades não reuniam "literatos" em número suficiente para que viessem a justificar a fundação de um "silogeu". Vieram, assim, as Academias "mistas": de "letras e artes" (em tese, todo "artista" pode ser membro); de "letras e música", etc.

De outro lado, certas categorias profissionais ou associativas, reunindo em seu bojo muitos escritores, passaram a criar Academias específicas: médicos, militares, maçons, passaram também a ter "suas" próprias Academias de Letras, nominadas como no caso dos formados em Direito, das chamadas academias "de Letras Jurídicas".

Ver tambémEditar

  A Wikipédia tem o portal:

Referências

  1. Bernardo, Luís Miguel (1 de julho de 2005). Histórias da Luz e das Cores, volume 1. [S.l.]: U.Porto Editorial - Universidade do Porto. ISBN 9789728025878 
  2. Reale, Giovanni (2008). História da filosofia antiga III - Os sistemas da era helenística. [S.l.]: Loyola. ISBN 9788515008483 
  3. Moreri, Louis (1753). El gran diccionario historico, o Miscellanea curiosa de la Historia Sagrada y profana ... (em espanhol). [S.l.]: a costa de los libreros privilegiados 
  4. Pereira, Milena da Silveira (1 de janeiro de 2014). A crítica que fez história: as associações literárias no Oitocentos. [S.l.]: SciELO - Editora UNESP. ISBN 9788568334508 
  5. Carutti, Domenico (Maio de 2009). Breve Storia Della Accademia Dei Lincei (em italiano). [S.l.]: BiblioBazaar. ISBN 9781110110315 
  6. a b Andrade, António Alberto Banha de (1966). Vernei e a cultura do seu tempo. [S.l.]: UC Biblioteca Geral 1 
  7. «History of the Royal Society | Royal Society». royalsociety.org (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2019 
  8. Corniani, Giovanni Battista (1856). I secoli della letteratura italiana dopo il suo risorgimento: commentario di Giambattista Corniani, colle aggiunte di Camillo Ugoni e Stefano Ticozzi, e continuato sino a questi ultimi giorni (em italiano). [S.l.]: Cugini Pomba e comp. 
  9. a b «Ciência em Portugal - Episódios». cvc.instituto-camoes.pt. Consultado em 20 de julho de 2019 
  10. Scarparo, Marcelo Kochenborger (2010). «História e representações do espaço na Academia Brasílica dos Esquecidos (Salvador, 1724-25)» 
  11. Cavalcanti, Nireu (18 de março de 2015). O Rio de Janeiro setecentista: A vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da corte. [S.l.]: Zahar. ISBN 9788537814192 
  12. a b «literatura». www.academialetrasbrasil.org.br. Consultado em 20 de julho de 2019 
  13. «Brasil conta com 33 mil academias. Mercado fitness, mesmo próspero, exige conveniência e criatividade de quem quer empreender | Publicado por Dino». EXAME. Consultado em 20 de julho de 2019