Acidente do Boeing B-17 em 2019

Em 2 de outubro de 2019, um Boeing B-17 Flying Fortress da Fundação Collings caiu no Aeroporto Internacional Bradley, em Windsor Locks, Connecticut, Estados Unidos. Sete das treze pessoas a bordo morreram e as outras seis, bem como uma pessoa no solo, ficaram feridas. A aeronave foi destruída por um incêndio, restando apenas a cauda e uma parte de uma asa.

Acidente do Boeing B-17 em 2019
Acidente do Boeing B-17 em 2019
A aeronave destruída no local do acidente
Sumário
Data 2 de outubro de 2019 (4 anos)
Causa sob investigação
Local Aeroporto Internacional Bradley, Windsor Locks, Connecticut,  Estados Unidos
Coordenadas 41° 55′ 54″ N, 72° 41′ 32″ O
Origem Aeroporto Internacional Bradley
Destino Ibidem
Passageiros 10
Tripulantes 3
Mortos 7
Feridos 6
Sobreviventes 6
Aeronave
Modelo Boeing B-17 Flying Fortress
Operador Estados Unidos Fundação Collings
Prefixo N93012 Nine-O-Nine
Primeiro voo 15 de dezembro de 1943

Aeronave

editar
 
A aeronae envolvida, pintado como Nine-O-Nine
 
O Nine-O-Nine da Fundação Collings, em Marana, Arizona, em 15 de abril de 2011
 
Investigadores do NTSB no local do acidente em 3 de outubro

A aeronave era um Boeing B-17 Flying Fortress de 74 anos, com número de série militar 44-83575 (variante B-17G-85-DL) com prefixo N93012.[1] A aeronave foi pintada para representar um B-17G diferente,[2] o 91º Grupo de Bombardeio Nine-O-Nine, com número de série militar 42-31909, que foi retirado de serviço logo após a Segunda Guerra Mundial em Kingman, Arizona.[3] Durante sua carreira militar original, operou como uma aeronave de resgate marítimo até 1952, quando foi realocada para o Centro de Armas Nucleares da Força Aérea para uso como um espécime em testes de armas nucleares. Nessa função, ele foi submetido a três explosões nucleares como parte da Operação Tumbler–Snapper. A aeronave foi comprada como sucata em 1965 por um preço de US$ 269 (equivalente a $ 2.182 em 2019). Estando em condições relativamente boas, foi restaurado à condição de aeronavegabilidade para uso como extinguidor aéreo de incêndios ao longo de dez anos, entrando ao serviço civil em 1977.[4]

Após a liquidação do seu operador em 1985,[4] a aeronave foi adquirida pela Fundação Collings em janeiro de 1986,[2] restaurado à sua configuração de 1945, e o N93012 estava voando como Nine-O-Nine em agosto de 1986.[5] Enquanto voava pela Fundação Collings, ele esteve envolvido em dois acidentes anteriores: em 23 de agosto de 1987, ele saiu da pista ao pousar no Aeroporto do Condado de Beaver, próximo à Pittsburgh, na Pensilvânia,[2][6] e em 9 de julho de 1995, foi danificado ao pousar no Aeroporto Regional de Norfolk em Norfolk, Nebraska, como resultado de um defeito no trem de pouso.[7][8]

O acidente e o posterior incêndio destruíram a maior parte da aeronave. Apenas a asa esquerda e parte da cauda restaram.[9][10]

Acidente

editar

O voo da "história viva" atrasou 40 minutos devido à dificuldade de dar partida em um dos quatro motores. O piloto desligou os outros três motores e usou uma lata de spray para "soprar a umidade" do motor que empacou.[11][12] A aeronave decolou do Aeroporto Internacional de Bradley às 09:48, horário local.[7][13] Transportava três tripulantes e dez passageiros.[14] Uma testemunha relatou que um motor estava crepitando e soltando fumaça. Às 09:50, dois minutos após a descolagem, o piloto informou pelo rádio que havia um problema com o número do motor 4.[9] A torre de controle desviou outros aviões na área para o B-17 realizar um pouso de emergência.

A aeronave desceu, tocou 300 metros antes da pista,[11] cortou o conjunto de antenas do sistema de pouso por instrumentos, desviou para a direita fora da pista em uma área gramada e uma taxiway em seguida, colidiu com uma instalação de degelo às 9:54,[15][9] explodindo em chamas.

Sete ocupantes morreram e os seis restantes ficaram gravemente feridos o suficiente para serem levados ao hospital, incluindo um que foi transportado por helicóptero.[7][15] Entre os mortos estavam o piloto e o copiloto, com 75 e 71 anos, respectivamente. Uma pessoa no solo ficou ferida.[16] O aeroporto foi fechada por 3 horas e meia após o acidente.

Resgate

editar

Um dos passageiros da aeronave conseguiu abrir uma escotilha de escape após o acidente, apesar de ter um braço e clavícula quebrados. Um funcionário do aeroporto, que estava trabalhando no prédio em que a aeronave havia caído, correu para os destroços para ajudar a retirar os passageiros feridos da aeronave em chamas. O funcionário sofreu queimaduras graves nas mãos e nos braços e foi levado de ambulância ao hospital.[17] O trabalhador da construção civil Robert Bullock estava trabalhando nas proximidades do aeroporto quando ouviu a explosão e sentiu o calor. Ao ouvir gritos de socorro, o ex-bombeiro escalou uma cerca de arame farpado e começou a ajudar as vítimas. Ele aplicou um torniquete em um paciente e depois mudou para outros serviços de emergência médica chegarem. Bullock parecia ileso durante seu resgate heroico.[18] Vários aviões no pátio de aeronaves contataram a torre de controle imediatamente após o acidente, ajudando a acelerar os esforços de resgate. Os controladores de tráfego aéreo contataram o pessoal de resgate e bombeiros do aeroporto, bem como o transporte aeromédico. O aeroporto foi fechado para permitir acesso irrestrito ao local do acidente e começou a desviar os voos de chegada.[19]

Investigação

editar

O Conselho Nacional de Segurança nos Transportes (NTSB) abriu uma investigação sobre o acidente. Um "time go" foi despachado para o Aeroporto Internacional de Bradley, liderado por Jennifer Homendy.[20] O NTSB removeu alguns destroços para seu laboratório para análise posterior, completando as operações no local em 8 de outubro.[21]

O NTSB emitiu seu relatório preliminar em 15 de outubro de 2019. O combustível recuperado dos tanques para o motor nº 3 parecia livre de contaminação de água e detritos e era consistente com 1000LL avgas em cheiro e aparência. O caminhão de combustível que reabasteceu a aeronave com 160 galões de 100LL antes do voo foi colocado em quarentena, mas o NTSB não encontrou anomalias em seu fornecimento de combustível ou equipamento, e nenhum problema de motor foi relatado pelos pilotos de outras aeronaves reabastecidas com o mesmo caminhão antes ou depois da aeronave do acidente. Durante o voo, o piloto relatou que o motor nº 4 tinha um "defeito áspero" referindo-se a um magneto naquele motor. O NTSB relatou que as pás da hélice do motor n° 3 foram perto da posição embandeirada. A aeronave havia pousado com os flaps estendidos e o trem de pouso baixado.[22]

Em março de 2020, a FAA suspendeu as operações da Fundação Collings para transportar passageiros, citando inúmeras preocupações de segurança e observando que permitir os passageiros "afetaria adversamente a segurança". Os investigadores encontraram deficiências substanciais nas práticas de segurança da fundação: o pessoal-chave ignorava o programa de manutenção da organização e "informações básicas relativas às operações". O magneto esquerdo do motor nº 4 foi uma "gambiarra" com o fio de segurança e estava inoperante, enquanto o magneto certo produziu uma faísca fraca ou nenhuma faísca em quatro dos nove cilindros que deveria disparar.[23] Todas as velas de ignição nos motores n° 3 e n° 4 estavam com limpeza inadequada e necessária, sendo encontradas evidências de detonação.[23][24] A inspeção do motor nº 3 também revelou problemas com os cilindros.[23]

Consequências

editar

Em junho de 2020, as famílias de três das vítimas mortas e cinco feridas entraram com um processo por homicídio culposo contra a Fundação Collings.[25] O processo alegou que a Fundação Collings falhou em tomar as precauções de segurança necessárias para o voo de passageiros.[26]

Um sumário atualizado do NTSB contendo detalhes da investigação, testemunhos, mídia e relatórios médicos foi lançado em 9 de dezembro de 2020.[27] O relatório final do NTSB ainda não foi aprovado ou divulgado.

Referências

  1. Leone, Dario (2 de outubro de 2019). «Collings Foundation B-17 Flying Fortress Crashes». The Aviation Geek Club (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  2. a b c «Boeing B-17G Flying Fortress - The Collings Foundation». web.archive.org. 9 de agosto de 2014. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  3. Havelaar, Marion H. (1995) The Ragged Irregulars of Bassingbourn: The 91st Bombardment Group in World War II. Schiffer Military History. ISBN 0-88740-810-9 p.185
  4. a b Thompson, Scott A. (2000) Final Cut: The Post-War B-17 Flying Fortress: The Survivors. Pictorial Histories Publishing Company. ISBN 1-57510-077-0 pp.116-120
  5. «Sight of vintage bomber startles ex-crew member». Valparaiso, Indiana. Vidette-Messenger of Porter County. 9 páginas. 11 de agosto de 1986. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  6. Danhauer, Clifford (11 de janeiro de 1989). «National Transportation Safety Board Aviation Accident Data Summary, Accident Number: NYC87LA238». National Transportation Safety Board. Consultado em 16 de dezembro de 2020 – via ntsb.gov 
  7. a b c Bonner, Michael; Simison, Cynthia G. (2 de outubro de 2019). «The vintage B-17 bomber that crashed at Bradley International Airport had crash landed before». masslive.com. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  8. «Nine-O-Nine's Replica Survives Emergency» (PDF). The Ragged Irregular. 28 (4). Outubro de 1995. pp. 1–2 – via 91stbombgroup.com 
  9. a b c Jackson, David Owens, Nicholas Rondinone, Christine Dempsey, Dave Altimari, Emily Brindley, Steven Goode, Kassi (2 de outubro de 2019). «7 dead, 7 injured in crash of World War II bomber at Connecticut's Bradley International Airport». courant.com. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  10. Ranter, Harro. «ASN Aircraft accident Boeing B-17G Flying Fortress N93012 Windsor Locks-Bradley International Airport, CT (BDL)». aviation-safety.net. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  11. a b «NTSB investigating whether B-17 that crashed at Bradley International Airport Wednesday had engine trouble prior to takeoff». Hartford Courant. 3 de outubro de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  12. «State police release names of victims, survivors of B-17 plane crash at Bradley International Airport». Hartford Courant. 3 de outubro de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  13. «N93012 Flight Path». Flight Aware. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  14. Paybarah, Azi; Negroni, Christine (2 de outubro de 2019). «B-17 Plane From World War II Crashes at Bradley Airport, Killing at Least 7 (Published 2019)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  15. a b «'Several dead' in Connecticut vintage B-17 WWII bomber crash». BBC News Online. 2 de outubro de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  16. «At least five dead after World War II-era plane crashes into airport». Metro (em inglês). 2 de outubro de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  17. Altimari, Dave (2 de outubro de 2019). «'A very courageous individual.' Airport employee pulled injured passengers off burning plane, police sources say». courant.com. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  18. «Video: Construction worker, first-responder helps aid victims following B-17 crash - YouTube». www.youtube.com. 4 de outubro de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  19. «Vintage WWII Boeing B-17G Flying Fortress crashes landing at Bradley - YouTube». www.youtube.com. 2 de outubro de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  20. «NTSB Go Team launching to investigate Wednesday's crash of a B17 at Bradley International Airport, Connecticut. Team led by Board Member Jennifer Homendy.». Twitter. 2 de outubro de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  21. WABC (7 de outubro de 2019). «NTSB finishes on-scene investigation into crash of vintage WWII plane in Connecticut». ABC7 New York (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  22. «Aviation Accident Preliminary Report ERA20MA001». National Transportation Safety Board. 15 de outubro de 2019. ERA20MA001. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  23. a b c «Rescission of Existing Exemption and Denial of Petition to Extend Exemption». www.regulations.gov. Consultado em 29 de junho de 2020 
  24. Owens, David (25 de março de 2020). «FAA says owner of World War II bomber that crashed at Bradley, killing seven, did not take safety seriously and can no longer carry passengers». Hartford Courant. Hartford, Connecticut. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  25. Aratani, Lori (9 de junho de 2020). «Victims of a vintage, World War II-era plane crash file suit». The Washington Post. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  26. Skahill, Patrick (10 de junho de 2020). «Lawsuit Details Final Moments Of Deadly Bradley B-17 Crash». www.nepm.org (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  27. «NTSB Docket - Docket Management System». data.ntsb.gov. Consultado em 16 de dezembro de 2020 

Ligações externas

editar
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Acidente do Boeing B-17 em 2019