Acordo Franco-Italiano

O acordo franco-italiano de 7 de janeiro de 1935 foi assinado em Roma pelo ministro das Relações Exteriores francês Pierre Laval e pelo primeiro-ministro italiano Benito Mussolini.

Pierre Laval sucedeu Louis Barthou como ministro das Relações Exteriores após seu assassinato em Marselha ao lado do rei Alexandre I da Iugoslávia em 9 de outubro de 1934. Ele emprestou de seu antecessor a ideia de um sistema de segurança coletiva destinado a conter a ameaça de Hitler na Europa. Em 4 de janeiro de 1935, Pierre Laval foi para Roma, capital da Itália fascista, para se reunir com Mussolini. Foi o início de uma ofensiva diplomática destinada a cercar a Alemanha de Adolf Hitler em uma rede de alianças.

Ele propôs um tratado para Benito Mussolini que as partes em disputa definiram a Somalilândia Francesa (atual Djibouti) como parte da Eritreia, redefiniram o estatuto oficial dos italianos na Tunísia francesa, e, essencialmente, deram aos italianos carta branca para lidar com a Crise da Abissínia com a Etiópia. A Itália também deveria receber a Faixa de Aouzou que devia ser transferida do Chade governado pelos franceses para a Líbia governada pelos italianos (esta questão teria algumas implicações na Segunda Guerra Mundial e nas relações pós-coloniais entre Líbia e Chade).

Em troca de todas essas concessões, a França esperava (em vão, como se viu) pelo apoio italiano contra uma agressão alemã.

Referências

  • Langer, William L. ed., An Encyclopaedia of World History, (1948), Houghton Mifflin Company, Boston. Pg. 990.

Ligações externasEditar