Adventure Girl

filme de 1934 dirigido por Herman C. Raymaker
Adventure Girl
AdventureGirl.TitleCard.jpg
 Estados Unidos
1934 •  pb •  76 min 
Direção Herman C. Raymaker
Produção Amedee J. Van Beuren[1]
Roteiro Ferrin Frazier
Elenco Joan Lowell
Género aventura
Idioma inglês

Adventure Girl é um documentário de aventura americano de 1934, dirigido por Herman C. Raymaker, baseado no diálogo escrito por Ferrin Frazier, estrelado e narrado por Joan Lowell. O roteiro é baseado na autobiografia de Lowell, O Berço das Profundezas, que mais tarde se tornou uma obra de ficção.

EnredoEditar

Joan Lowell viaja por mar com seu pai, Nicholas Wagner, como capitão, e mais dois tripulantes, William Sawyer e Otto Siegler. Durante a viagem, o navio foi danificado em um furacão, com o mastro quebrado. Encontrando os destroços de outros navios, eles encontram um mastro que podem ser usados para substituir o quebrado. Quando os dois tripulantes começam a resgatar o mastro, Lowell e Wagner exploram outros destroços, onde Lowell encontra um mapa antigo que supostamente leva a ruínas na selva que contêm uma preciosa esmeralda.

Depois de substituir o mastro, eles continuam sua jornada, mas precisam encontrar um suprimento de água potável para reabastecer o navio, que também foi perdido durante o furacão. Lowell e Sawyer pegam um barco a remo para a costa, onde encontram um nativo que os leva para sua aldeia. Lowell percebe que esta vila está no mapa que ela descobriu e convence a líder local, Maya, a permitir que ela e Sawyer explorem. Quando a festa chega à cidade perdida, Lowell começa a procurar a esmeralda. Quando seu guia, Manola e Maya, percebem a intenção de Lowell, eles a prendem com a intenção de queimá-la viva. Sawyer a resgata da morte certa, e os dois escapam de volta para o barco a remo. Enquanto são perseguidos pelos aldeões nativos em suas canoas, Sawyer joga gasolina nas águas atrás deles e a põe em chamas. Isso impede que os moradores continuem sua busca, e os dois antigos caçadores de tesouros retornam ao navio.

ElencoEditar

  • Joan Lowell como ela mesma
  • Capitão Nicholas Wagner como ele mesmo
  • William Sawyer como ele mesmo
  • Otto Siegler como ele mesmo
  • Ula Holt como Princesa Maya

ProduçãoEditar

 
Decorações de motivos da selva no Rialto Theatre, em Nova York.

O roteiro foi baseado no romance de Lowell, Cradle of the Deep, que na época de sua publicação era anunciado como uma autobiografia. Foi escolhido pelo clube do livro do mês e tornou-se um best-seller em 1929. No entanto, logo após se tornar famoso, o livro foi exposto como uma obra de ficção.

Em 1935, Lowell processou a Van Beuren Studios e Amedee J. Van Beuren por uma parte dos lucros. Van Beuren prontamente fez uma reconvenção por danos no valor de US $ 300.000, supostamente sofridos por causa do desempenho "inexperiente" de Lowell na imagem.[2]

Fontes modernas ainda citam este filme como um documentário, no entanto, no momento do seu lançamento, as fontes o revisaram como uma obra de ficção.[3][4] O filme foi rodado na Guatemala.[5] Em julho de 1934, foi relatado que a produção havia terminado, com as filmagens realizadas na América Central.[6] O filme começou as prévias no início de agosto,[7] com uma dessas prévias ocorrendo a bordo da SS Columbia em 1º de agosto de 1934.[8]

Filmado em preto e branco, o clímax do filme, a cena do incêndio, foi colorido à mão por Gustav Brock.[9]

O filme estreou em 17 de agosto de 1934, no Rialto Theatre, em Nova York. Vários esquemas de marketing foram implementados para coincidir com a estreia do filme, incluindo um concurso de redação de jornal com o vencedor recebendo uma viagem gratuita ao Haiti, gravuras de moda com Joan Lowell e lobbies de teatro decorados com motivos da selva.[4]

RecepçãoEditar

O Motion Picture Daily deu ao filme uma boa crítica como aventura ao ar livre, destacando a fotografia do mar e a sequência de cores de Brock.[10] O Brooklyn Daily Eagle fez uma crítica negativa ao filme, principalmente devido à natureza amadora dos atores, mas eles elogiaram a fotografia, chamando-a de "excelente", mas um esforço desperdiçado.[11] O Hollywood Reporter achou que era um bom filme de aventura em família. O New York Daily News elogiou a coloração de Brock da cena do incêndio e elogiou a cinematografia em geral. o New York Daily Mirror também elogiou a fotografia, enquanto o New York World-Telegram chamou o filme de "uma hora divertida e emocionante, como você pode imaginar no cinema".[12] O Film Daily o chamou de "Filme de aventura incomum com bons valores de exploração".[13]

Referências

  1. «What They're Down For: Producers». Motion Picture Daily. 20 de junho de 1934. p. 10. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  2. SUIT ON 'INEXPERT' ACTING. New York Times. August 29, 1935
  3. «Meet the grandmother of memoir fabricators». Los Angeles Times 
  4. a b «Offer Free Tropics Trip on 'Adventure'». Motion Picture Herald 
  5. Alicoate, Charles. «Short Shots from Eastern Studios». The Film Daily 
  6. «Joan Lowell Feature Finished». The Film Daily 
  7. «"Adventure Girl" for Rialto». The Film Daily 
  8. «Preview 'Adventure Girl'». Motion Picture Daily 
  9. «Brock Colors "Adventure Girl"». The Film Daily 
  10. «Adventure Girl». Motion Picture Daily 
  11. «Obituary Notes: Charles Wingate». The Brooklyn Daily Eagle – via Newspapers.com   
  12. «Joan Lowell "Adventure Girl"». Motion Picture Herald 
  13. «Reviews: Joan Lowell in "Adventure Girl"». The Film Daily