Abrir menu principal

Aeroporto de Blumenau

Aeroporto regional brasileiro
Blumenau
Aeródromo
Aeroporto Quero-Quero
IATA: BNU - ICAO: SSBL
Características
Tipo Público
Administração Município de Blumenau
Serve Blumenau
Inauguração 7 de setembro de 1970 (49 anos)
Coordenadas 26° 49' 58" S 49° 5' 37" O
Altitude 18 m (59 ft)
Website oficial Página oficial
Mapa
SSBL está localizado em: Santa Catarina
SSBL
Localização do aeroporto em Santa Catarina
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
36/18 1 080  m (3 543 ft) Asfalto

O Aeroporto Regional de Blumenau, conhecido também como Aeroporto Quero-Quero, numa alusão à ave abundante na região, serve o município do mesmo nome, no estado brasileiro de Santa Catarina. Está apto para pouso e decolagem de aeronaves de pequeno porte, modelos particulares e da aviação executiva.[1]

Junto ao aeródromo estão instalados o Aeroclube de Blumenau, com a escola de aviação civil, que oferece cursos de Instrutor de Voo Avião, Piloto Comercial de Avião, Piloto Privado de Avião e Comissários de Voo, além de voos panorâmicos[2]. Clubes de paraquedismo também utilizam as instalações para os saltos[1].

A demanda de passageiros de Blumenau é atendida pelo Aeroporto Internacional de Navegantes, localizado a 45 km do centro da cidade e com serviço de transporte de ônibus[3].

HistóricoEditar

Inaugurado em 1970, o Aeroporto de Blumenau operava voos regulares para o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, pela Rio Sul nos anos 80, com aeronaves Bandeirante, e nos anos 90 com a TAM, inicialmente com os Cessna Caravan, Fokker 27 e depois com os Fokker 50. Porém, quando a empresa modernizou sua frota com aeronaves Fokker 100, não foi possível manter os voos pelas limitações da pista. O Aeroporto de Blumenau passou, então, a atender somente voos executivos e aeronaves de pequeno porte.

Um projeto para ampliação da pista foi efetuado, prevendo mais 17 metros em sua largura e um quilômetro na extensão, além da modernização do terminal de passageiros e cargas. Mas a proposta não foi adiante pela falta de espaço, devido às propriedades particulares nos arredores do aeródromo e de alguns morros próximos da cabeceira 18. Aliado a isso, em 1996, a queda de um Fokker 100 da TAM, dentro da cidade de São Paulo, levou o prefeito da época a vetar a ampliação, pelo risco de manter operações comerciais numa região densamente povoada. Todavia algumas melhorias, como a reforma da sede do aeroclube e do Terminal do Aeroporto foram concretizadas.

A Ocean Air, atual Avianca Brasil, chegou a oferecer horários partindo de Blumenau, com aeronaves Brasília, logo cancelados por falta de demanda.[4]A Brava linhas aéreas, antiga NHT Linhas Aéreas, anunciou a operação no aeroporto,[5]mas suspendeu suas atividades antes de efetivar os serviços.

Em julho de 2018, foi assinado protocolo de intenções para o balizamento noturno, com o objetivo de implantar auxílios visuais e iluminação da pista, permitindo operações à noite.[6][7][8]

ReferênciasEditar

  1. a b «Aeroporto de Blumenau - Prefeitura de Blumenau». www.blumenau.sc.gov.br. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  2. «Cursos do Aeroclube de Blumenau – Aeroclube de Blumenau». www.aeroclubedeblumenau.com.br. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  3. «Horários | Transportes Executivo». transportesexecutivo.com.br. Consultado em 1 de agosto de 2018. Arquivado do original em 1 de agosto de 2018 
  4. «Quero-Quero está há 10 anos sem voos comerciais». Pancho. 22 de julho de 2012 
  5. «NHT mostra interesse em operar no Aeroporto Quero-Quero, em Blumenau». 12Aérea News. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  6. «Assinado protocolo de intenções para o balizamento noturno do aeroporto - Prefeitura de Blumenau». www.blumenau.sc.gov.br. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  7. Schaefer, Julia (6 de julho de 2018). «Governo Federal assina protocolo de intenções para melhorias no Quero-Quero | O Município Blumenau». O Município Blumenau 
  8. blumenauense (6 de junho de 2018). «Expansão da pista e viabilidade comercial do Aeroporto Regional de Blumenau, foram discutidos em reunião». O Blumenauense. Consultado em 5 de abril de 2019