Abrir menu principal

Afonso de Portugal, 1.º marquês de Aguiar

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Escudo marques Castelo Rodrigo

D. Afonso de Portugal, 5.º conde de Vimioso e 1.º marquês de Aguiar recebeu a capitania de Angra desde 1642 até 1649[1]. Tendo estado anteriormente a capitania incorporada nos bens próprios da Coroa entre 1641 e 1642, tendo de seguida passado a D. Luís de Portugal, 6.º conde de Vimioso. D. Afonso de Portugal, herdeiro desse vasto património passou a usar as suas armas (Portugal), sobre o todo do todo, anexadas ás dos "Moura" e "Corte-Real", conforme se pode verificar pelo frontal do altar-mor de sua capela, vindo do antigo Palácio de São Bento, antigo palácio dos Marqueses de Castelo Rodrigo, hoje depositado no Museu de Arte Antiga, em Lisboa.

Referências

  1. Tais capitanias (Angra e S. Jorge) a ele passaram por ser casado com D. Maria de Mendoça, filha dos 1ºs Marqueses de Castelo Rodrigo, D. Cristóvão de Moura e D. Margarida Corte-Real, herdeira das referidas capitanias de Jerónimo Dutra Corte-Real, capitão das do Pico e Faial; sem herdeiros, tais capitanias foram passadas a D. Manuel , 2º Marquês e que passando a Espanha após a Restauração, voltaram à Coroa e depois aos Condes de Vimioso, que passaram a representar tal família.

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre figuras históricas dos Açores é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.