Afrancesamento de Bruxelas

evolução, ao longo dos últimos dois séculos, desta cidade historicamente de fala neerlandesa em uma cidade maioritariamente francófona

O Afrancesamento de Bruxelas refere-se à evolução, ao longo dos últimos dois séculos, desta cidade historicamente de fala neerlandesa[1][2] em uma cidade maioritariamente francófona. A principal causa dessa transição foi a rápida assimilação da população flamenga,[3] e a imigração procedente da França e da Valônia.[4]

Idiomas da Bélgica: Bruxelas tornou-se um enclave oficialmente bilíngüe dentro da área de língua holandesa
Línguas faladas em casa em Bruxelas. (2013)

A ascensão dos francês na vida pública começou gradualmente depois de independência belga no final do século XVIII,[5] e aumentou à medida que a população de nova capital crescia.[6] O holandês que na Bélgica não era estandarlizado não podiam competir com o francês, que era a linguagem do judiciário, da administração, do exército, da educação, da alta cultura e da mídia.

O valor e o prestígio da língua francesa eram tão universalmente reconhecidos que depois de 1880,[6] mais particularmente após a virada de o século, proficiência em francês entre os falantes de holandês aumentou espetacularmente. Embora a maioria da população permanecesse bilíngue até a segunda metade do século XX,[7][7] o dialeto brabantiano original [26] não era mais transmitido de geração em geração, levando a partir de 1910 a um aumento de falantes monolingues de francês.

Essa mudança de idioma enfraqueceu depois dos anos 1960,[8] quando a fronteira da língua foi fixada, o status do holandês como idioma oficial foi confirmado,[8] e o centro econômico do país mudou se para o norte. No entanto, com a chegada de imigrantes e a emergência de Bruxelas no período pós-guerra como um centro de política internacional, o uso do holandês continuou a declinar.[5][8] Simultaneamente, à medida que a área urbana de Bruxelas se expandia, as cidades de língua holandesa na periferia de Bruxelas também se tornavam predominantemente de língua francesa.[9][10]

Essa tendência de Afrancesamento progressivo, apelidada de "mancha de óleo" por seus opositores, juntamente com o futuro de Bruxelas, são uma das questões mais polêmicas da política belga.[5]

Ver tambémEditar

Referências