Afro-mexicanos

Afro-mexicanos (em castelhano: afromexicanos; negros; afrodescendientes)[2] é um termo usado para identificar os mexicanos de ascendência africana, agora em grande parte assimilados pela população em geral. Afro-mexicanos têm preenchido as zonas costeiras de preferência Guerrero, Oaxaca, Michoacán, Veracruz, Campeche, Quintana Roo e Yucatán.

Afro-Mexicano
Afromexicano
Vicente Guerrero, principios del s. xix.png
Lupita NyongoTIFF2013 (cropped).jpg
Alejandra Robles La Morena (cropped).jpg
Marvin Piñon.jpg
Pio Pico.jpg
População total

1 381 853[1] (1,2% em 2015)

Regiões com população significativa
Costa Chica (Guerrero), Costa Chica (Oaxaca), e pequenas comunidades em Veracruz e norte do México
Línguas
Espanhol mexicano
Religiões
Predominantemente catolicismo romano
minoritária de Protestantismo e Animismo
Grupos étnicos relacionados
Oeste africanos, Afro-latino-americanos, e Mexicanos

No México, as pessoas de ascendência africana assentamentos conhecidos estão localizados principalmente nas regiões da Costa Chica de Guerrero e Oaxaca, no estado central do Golfo de Veracruz, a Costa Grande de Oaxaca, na região de Tierra Caliente em Michoacan, em Los Altos e o istmo, a Costa de Chiapas, no estado de Quintana Roo, e na cidade de Muzquiz no estado de Coahuila.

É fácil dizer que no México há um grupo de pessoas que são descendentes de povos que foram trazidos da África ou de outras partes do chamado Velho Mundo, que é complicada a identificação não é possível dizer com certeza quem são e onde eles estão. "

Os especialistas estimam o tamanho da população afro-mexicano na Chica Costa é de 15.000 a 50.000 no Estado de Guerrero e cerca de 35.000 no estado de Oaxaca. Para aqueles que compõem a população negra, eles são todos iguais local que as relações dentro de uma rede de pessoas negras que vai além das fronteiras locais e estaduais.

BibliografíaEditar

  • Aguado J.C. y M. Portal, (1992) Identidad, ideología y Ritual, México: UAM Iztapalapa.
  • Aguirre Beltrán, Gonzalo, (1989). Obra antropológica II La Población Estudio Etnohistórico, México: U.V., I.N.I., Gobierno del Estado de Veracruz, F.C.E, 3ª edición
  • Aguirre Beltrán, Gonzalo (1985). Cuijla, México: FCE
  • Cruz-Carretero, Sagrario et.al., (2006). The African Presence in México, Chicago: Mexican fine arts center museum.
  • Giménez, Gilberto, (2007). “Formas de discriminación en el marco de la lucha por el reconocimiento social”, en Racismo mestizaje y modernidad: visiones desde latitudes diversas, México: UNAM, CEICH, CRIM, pp. 37–61

Referências

  1. «Principales resultados de la Encuesta Intercensal 2015 Estados Unidos Mexicanos» (PDF). INEGI. 77 páginas. Consultado em 9 de dezembro de 2015. Arquivado do original (PDF) em 10 de dezembro de 2015 
  2. «Hasta cuándo se va a reconocer a los afromexicanos». Animal Politico. Consultado em 1 de novembro de 2014