Abrir menu principal

Agência Central de Notícias da Coreia

Agência Central de Notícias da Coreia
Logo da KCNA
Captura de tela do site da KCNA no Japão
Nome nativo
  • hangul: 조선중앙통신
    ou 조선통신사
  • hanja: 朝鮮中央通信
    ou 朝鮮通信社
Nome romanizado
  • rr: Joseon Jungangtongsin
    ou Joseon Tongsinsa
  • mr: Chosŏn Chungangt'ongsin
    ou Chosŏn T'ongsinsa
Empresa estatal
Gênero Agência de notícias
Fundação 5 de novembro de 1946 (73 anos)
Sede Pot'onggang-guyŏk,
Pyongyang,
Coreia do Norte
Área(s) servida(s) Internacionalmente
Locais Muitos escritórios municipais, correspondentes e agências em seis outros países
Pessoas-chave Kim Ki-ryong
(Anteriormente como Diretor Geral)
Empregados 2.000 (2004)
Serviços Meios de comunicação
Significado da sigla Korean Central News Agency
Website oficial www.kcna.kp

A Agência Central de Notícias da Coreia (ACNC), mais conhecida por sua sigla em inglês KCNA (Korean Central News Agency), é a agência de notícias da Coreia do Norte. A agência retrata os pontos de vista do governo norte-coreano para o consumo interno e externo. Fundada em 5 de dezembro de 1946, sua sede é localizada na capital da Coreia do Norte, a cidade de Pyongyang.[1]

OrganizaçãoEditar

A KCNA é a única agência de notícias na Coreia do Norte.[2] Ela informa diariamente as notícias de todas as organizações de notícias do país, incluindo jornais, rádio e transmissões de televisão via Central Coreana de Televisão e do Sistema Central de Transmissão da Coreia dentro do país.[3] A KCNA trabalha sob o Comitê Central de Radiodifusão da Coreia, através do qual é controlada pelo Departamento de Propaganda e Agitação do Partido dos Trabalhadores da Coreia.[4] Em dezembro de 1996, a KCNA começou a publicar seus artigos de notícias na Internet com seu servidor web localizado no Japão. Desde outubro de 2010, as histórias da agência foram publicadas em um novo site, controlado a partir de Pyongyang, e a produção foi significativamente aumentada para incluir histórias do mundo sem nenhuma ligação específica com a Coreia do Norte,[5] bem como notícias de países que têm fortes laços com a RPDC.

Além do coreano, a KCNA lança notícias traduzidas em inglês, russo e espanhol. O acesso ao site, juntamente com outros sites de notícias norte-coreanos, foi bloqueado pela Coreia do Sul desde 2004 e só pode ser acessado por meio de autorização do governo.[6] Além de servir como agência de notícias, também produz resumos de notícias mundiais para as autoridades norte-coreanas.[2] A agência também é acusada de realizar coleta de inteligência clandestina.[7]

Referências

  1. Shrivastava, K. M. (2007). News Agencies from Pigeon to Internet (em inglês). [S.l.]: Sterling Publishers Pvt. Ltd. ISBN 9781932705676 
  2. a b Hoare, James E. (13 de julho de 2012). Historical Dictionary of Democratic People's Republic of Korea (em inglês). [S.l.]: Scarecrow Press. ISBN 9780810879874 
  3. Pares 2005.
  4. «KWP Propaganda and Agitation Department» (PDF). North Korea Leadership Watch. Novembro de 2009. pp. 1–2. Consultado em 27 de maio de 2018 
  5. Williams, Martyn (4 de março de 2011). «KCNA significantly increasing output». North Korea Tech - 노스코리아테크 (em inglês). Consultado em 29 de abril de 2019 
  6. Christian Oliver (1 de abril de 2010). «Sinking underlines South Korean view of state as monster». London: Financial Times. Consultado em 28 de abril de 2019. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  7. Henderson, Robert (2003). Brassey's International Intelligence Yearbook: 2003 Edition. Brassey's. p. 292. ISBN 978-1-57488-550-7.

Trabalhos citadosEditar

  • Pares, S (2005). A Political and Economic Dictionary of East Asia: An essential Guide To The Politics and Economics of East Asia (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-85743-258-9 

Ligações externasEditar