Agrarianismo nórdico

Os partidos agrários nórdicos, também designados por partidos do centro nórdico, partidos agrários escandinavos[1] ou partidos agrários liberais[2] são partidos políticos agrários que pertencem a uma tradição política particular dos países nórdicos. Posicionando-se no centro do espectro político, mas cumprindo papéis distintos dos países nórdicos, estes partidos permanecem difíceis de classificar pela ideologia política convencional.

Trevo de quatro folhas, símbolo tradicional do agrarianismo nórdico.

Esses partidos não são socialistas e normalmente combinam um compromisso com os pequenos negócios, questões rurais e descentralização política e, às vezes, ceticismo em relação à União Europeia. Os partidos têm opiniões divergentes sobre o mercado livre e o ambientalismo. Internacionalmente, estão mais comumente alinhados à Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE) e à Internacional Liberal.

Historicamente partidos de agricultores, uma população de agricultores em declínio após a Segunda Guerra Mundial, fez com que ampliassem o seu escopo para outras questões e setores da sociedade. Nessa época, três deles renomearam-se para Partido do Centro, sendo o Partido do Centro finlandês o último a fazê-lo, em 1965[3]. Agora, os principais partidos agrários são o Partido de Centro na Suécia, o Venstre na Dinamarca, o Partido do Centro na Finlândia, o Partido do Centro na Noruega e o Partido do Progresso na Islândia.

HistóriaEditar

Em comparação com a Europa continental, os camponeses dos países nórdicos tiveram historicamente um grau de influência política sem paralelo. Eles não eram apenas independentes, mas também representados como o quarto estado na dieta nacional, como no Riksdag dos Estados sueco. O movimento agrário, portanto, precede o movimento trabalhista por séculos na Suécia, Dinamarca, Finlândia e Noruega.

O primeiro dos partidos, o Venstre na Dinamarca, foi formado como um partido liberal e anti-impostos dos fazendeiros em 1870, unindo vários grupos de obrigacionistas (amigos dos fazendeiros) que existiam desde a introdução da democracia em 1849. Os restantes partidos surgiram no início do século XX, estimulados pela introdução do sufrágio universal e da representação proporcional em toda a região[3]. A Liga Agrária da Finlândia foi a primeira a ser criada em 1906, seguida pelo Partido Agrário na Noruega em 1915. O Partido do Progresso na Islândia foi fundado em 1916 como uma fusão de dois partidos agrários. O Partido Agrário da Suécia, fundado em 1921, emergiu do Partido Lantmanna existente e seus grupos dissidentes[3].

Com o declínio da população agrícola escandinava, os partidos transformaram-se em partidos centristas abrangentes, capturando parte do eleitorado urbano[4]. O Partido Agrário Sueco renomeou-se para Partido do Centro em 1958. Os partidos norueguês e finlandês adotaram o mesmo nome em 1959 e 1965, respectivamente[4].

Após o fim do domínio soviético nos países bálticos, o Partido do Centro Estónio (estabelecido em 1991) e a União do Centro da Lituânia (1993) foram modelados explicitamente no exemplo sueco[5]. O União dos Fazendeiros Letões da era pós-comunista vê os partidos agrários nórdicos como modelos, também, com o objetivo de ser um partido centrista pega-tudo em vez de um partido de puro interesse único dos agricultores[6].

IdeologiaEditar

As atitudes dos partidos em relação ao livre mercado e ao liberalismo económico são mistas. Enquanto o Partido do Centro norueguês e o Partido do Progresso na Islândia opõem-se à liberalização económica[7], os outros, mais notavelmente o Venstre na Dinamarca, são pró-mercado e colocam uma forte ênfase no crescimento económico e na produtividade[8]. Por causa dessa divisão, Venstre é descrito em alguma literatura académica como a meia-irmã separada dos partidos agrários nórdicos. No entanto, todos os partidos se definem como não-socialistas, enquanto alguns também se distanciam do rótulo de burguês (borgerlig), que é tradicionalmente reservado aos partidos conservadores e liberais.

A maioria dos partidos tradicionalmente se posicionam do lado eurocético nos seus respectivos países[9][10]. No entanto, na maior parte, ocupam essas posições devido a políticas específicas, com ênfase em se eles acreditam que as políticas europeias são melhores ou piores para as comunidades rurais.

O Partido do Centro na Noruega é o partido que mais se opõe à adesão à União Europeia, tendo mantido essa posição desde o referendo de 1972. Os progressistas islandeses também se opõem à adesão, enquanto o Venstre dinamarquês é a favor da entrada da União Europeia e da Dinamarca na zona do euro.

Apoio políticoEditar

Embora originalmente apoiados por agricultores, os partidos adaptaram-se ao declínio das populações rurais, diversificando a sua base política. O Partido do Centro finlandês recebe apenas 10% do seu apoio de agricultores, enquanto Venstre recebeu apenas 7% de seus votos de agricultores em 1998[4].

PartidosEditar

Os atuais partidos agrários nórdicos são:

Os partidos agrários nórdicos históricos incluem:

Partidos agrários semelhantes fora dos países nórdicos são:

Referências

  1. a b c d e Fitzpatrick, Tony; Kwon, Huck-ju; Manning, Nick; Midgley, James; Pascall, Gillian (4 de julho de 2013). International Encyclopedia of Social Policy (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  2. Simon Hix (1997). Political Parties in the European Union. [S.l.]: St Martin's Press. 33 páginas 
  3. a b c Arter, David (15 de fevereiro de 1999). Scandinavian Politics Today (em inglês). [S.l.]: Manchester University Press 
  4. a b c Cotta, Maurizio; Best, Heinrich (8 de novembro de 2007). Democratic Representation in Europe:Diversity, Change, and Convergence: Diversity, Change, and Convergence (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford 
  5. a b c Arter, David (2001). From Farmyard to City Square?: The Electoral Adaptation of the Nordic Agrarian Parties (em inglês). [S.l.]: Ashgate 
  6. a b Marja Nissinen (1999). Latvia's Transition to a Market Economy: Political Determinants of Economic Reform Policy. [S.l.]: Macmillan. 128 páginas 
  7. Siaroff, Alan (24 de maio de 2000). Comparative European Party Systems: An Analysis of Parliamentary Elections Since 1945 (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis 
  8. What Kind of Future and Why?: Attitudes of Voters and Representatives. Beyond Westminster and Congress: the Nordic Experience. [S.l.: s.n.] 1999. 377 páginas 
  9. Sitter, Nick. «Euro-Scepticism as Party Strategy: Persistence and Change in Party-Based Opposition to European Integration». Austrian Journal of Political Science. 32 (3): 239–53 
  10. Hanley, David L. (2008). Beyond the Nation State: Parties in the Era of European Integration. Londres: Palgrave Macmillan. ISBN 978-1-4039-0795-0 
  11. a b c d e Bergqvist, Christina (1999). Equal Democracies?: Gender and Politics in the Nordic Countries (em inglês). [S.l.]: Nordic Council of Ministers 
  12. a b c d Kildal, Nanna; Kuhnle, Stein (7 de maio de 2007). Normative Foundations of the Welfare State: The Nordic Experience (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  13. «Parties and Elections in Europe». www.parties-and-elections.eu. Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  14. a b Caramani, Daniele; Caramani, Chair of Comparative Politics Head of the Department of Political Science Co-Director of the Institute of Political Science and Vice-Dean School of Economics and Political Science Daniele (29 de março de 2004). The Nationalization of Politics: The Formation of National Electorates and Party Systems in Western Europe (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press 
  15. a b Brandal, N.; Bratberg, Ø; Thorsen, D. (21 de fevereiro de 2013). The Nordic Model of Social Democracy (em inglês). [S.l.]: Springer