Alberto III Aquiles

Alberto de Brandemburgo, chamado Alberto Aquiles (em alemão: Albrecht von Brandenburg, Albrecht Achilles) (Tangermünde, 9 de novembro de 1414 — Frankfurt am Main, 11 de março de 1486), da casa de Hohenzollern, a partir de 1440 foi como Alberto I, marquês (Markgraf) de Ansbach, desde 1464 marquês de Kulmbach e mais tarde como Alberto III, marquês e príncipe-eleitor (Kurfürst) de Brandemburgo após 1470.

Alberto III Aquiles
Gravura em cobre de Alberto III Aquiles, Eleitor de Brandemburgo
Nascimento 9 de novembro de 1414
Tangermünde
Morte 11 de março de 1486 (71 anos)
Frankfurt am Main
Sepultamento Abadia de Heilsbronn
Cidadania Marca de Brandemburgo
Progenitores
Cônjuge Margarida de Baden, Ana da Saxônia
Filho(s) Johann Cicero, Úrsula de Brandemburgo, Isabel de Brandemburgo, Margarida de Brandemburgo, Frederico II de Brandemburgo-Ansbach, Amália de Brandemburgo, Bárbara de Brandemburgo, Sibila de Brandemburgo, Sigismundo de Bayreuth, Doroteia de Brandemburgo, Isabel de Brandemburgo, Anastácia de Brandemburgo, Wolfgang de Hohenzollern, Frederico de Hohenzollern, Ana de Hohenzollern, Alberto de Hohenzollern, Jorge de Hohenzollern, Madalena de Hohenzollern
Irmão(s) Cecília de Brandemburgo, Margarida de Brandemburgo, Madalena de Brandemburgo, Doroteia de Brandemburgo, Isabel de Brandemburgo, duquesa de Brzeg-Legnica e Cieszyn, João, Margrave de Brandemburgo-Kulmbach, Frederico de Altmark, Frederico II de Brandemburgo
Ocupação governante
Prêmios
  • Cavaleiro da Ordem do Santo Sepulcro
Título margrave
Arms of Brandenburg.svg
Assinatura
Signatur Albrecht Achilles.PNG

O epíteto Aquiles remonta ao jurista e poeta Enea Silvio, mais tarde Papa Pio II, que o chamou de “o Aquiles alemão” em referência aos seus sucessos militares.[1]

BiografiaEditar

 
Retrato de Alberto Aquiles, igreja de São Gumberto, Ansbach (1484)

Ele era o terceiro filho do marquês e príncipe-eleitor Frederico I de Brandemburgo de seu casamento com Isabel da Baviera-Landshut.[1]

Em 1434, Alberto Aquiles organizou um grande torneio em Neustadt an der Aisch, onde o imperador Sigismundo esteve presente (mais tarde residiu em Neustadt frequentemente e por longos períodos).[2] Com seu irmão João, Alberto empreendeu uma peregrinação a Jerusalém em 1435, acompanhado por Hans Lochner, médico pessoal de seu pai e correspondente desta viagem à Palestina.[3]

Após a morte de seu pai em 1440, ele inicialmente herdou o Principado de Ansbach,[4] enquanto seus irmãos receberam seus outros territórios. Os planos que ele tinha para reviver o Ducado da Francônia não puderam ser implementados, principalmente devido à resistência de Nuremberg (Guerra da Cidade de Nuremberg ou Primeira Guerra Margrave, Guerra da Baviera).[5] Quando seu irmão mais velho, João, o Alquimista, morreu em 1464, ele herdou o Principado de Kulmbach.[6] Quando seu irmão mais velho Frederico II abdicou em seu favor em 1470, seu Marquesado de Brandemburgo, incluindo a dignidade de eleitor e arco-câmara do Sacro Império Romano-Germânico, passou para Alberto.[6] Ele assim uniu todas as posses francas e de Brandemburgo da Casa de Hohenzollern.[4]

Alberto Aquiles foi um dos príncipes mais importantes de seu tempo. Ele atuou na política tanto como líder de guerra quanto como diplomata.[1] Consoante os desejos dos bispos, em 1447 ele mandou prender e levar para Würzburg o pregador hussita Friedrich Müller, que já pregava com sucesso na área de Sugenheim (Krautostheim, Ingolstadt) em 1446.[7] Depois que ele assumiu o governo em Brandemburgo, conseguiu acabar com a Guerra da Sucessão de Szczecin em 1472 e ganhar a supremacia feudal sobre todo o Ducado da Pomerânia.[8]

Com o bispo de Würzburg, Rodolfo II de Scherenberg e o bispo de Bamberg, Filipe de Henneberg, houve um confronto entre o poder secular e o espiritual. Depois que ele não conseguiu cobrar o imposto turco (para afastar a “ameaça turca”) e contra-atacou cobrando um “imposto sacerdotal”, ele foi excomungado da Igreja e interditado.[8]

Em 1460 ele fez de Ansbach sua residência. De 1457 a 1486 também governou a partir do Plassenburg.[9] Em 1469 assumiu Triesdorf, um feudo dos Seckendorffern. Triesdorf mais tarde tornou-se a sede de caça dos marqueses de Brandenburg-Ansbach.

Em 1473 ele certificou no Dispositio Achillea, a lei da casa dos Hohenzollerns, a indivisibilidade do Marquesado de Brandemburgo.[8] Este deveria ser herdado em sua totalidade pelo filho mais velho. No mesmo ano, ele entregou os assuntos de Estado em Brandemburgo a João Cícero, seu filho mais velho de seu primeiro casamento. Suas posses da Francônia deveriam ser preservadas após sua morte por seus dois filhos mais velhos de seu segundo casamento, Frederico e Sigismundo.[4][6]

Em 1486, apesar de uma doença grave, ele participou da Dieta Imperial (Reichstag) em Frankfurt am Main, onde Maximiliano I foi eleito rei. Sob o peso do Reichstag, Albrecht Aquiles morreu lá em 11 de março de 1486.[10] Em 19 de junho de 1486 foi enterrado na igreja do mosteiro de Heilsbronn. Sua viúva, a eleitora Ana da Saxônia, mudou-se em 1487 de Ansbach, onde viveu pela primeira vez com seu filho Frederico, para Neustadt an der Aisch, a residência da viúva designada por Alberto[11] e lá manteve a corte.

Casamentos dinásticos de seus filhosEditar

Em 1474, Alberto casou sua filha Bárbara com o duque Henrique XI de Głogów, que deixou suas propriedades por ocasião de sua morte em 1476 para a sua viúva, com a reversão para a família dela, um acordo rejeitado pelo parente de Henrique, o duque Jan II de Żagań. Auxiliado pelo rei Matias I da Hungria, Jan de Żagań invadiu Brandemburgo, e os pomeranos aproveitaram a oportunidade para se revoltarem. Nestas circunstâncias, Alberto retornou a Brandemburgo em 1478, e obrigou os pomeranos a reconhecerem a sua supremacia, e, após uma luta obstinada, garantiu parte das terras do duque Henrique para sua filha em 1482.[12]

Família e filhosEditar

 
Alberto com sua segunda esposa, Ana, princesa da Saxônia

Alberto casou duas vezes. Primeiro, casou em 12 de novembro de 1446 com Margarida de Baden, filha de Jaime I de Baden-Baden e de Catarina da Lorena. Deste casamento, teve os seguintes filhos:[10]

  1. Wolfgang, nasceu e morreu em 1450.
  2. João Cícero, Eleitor de Brandemburgo.
  3. Frederico, morreu jovem.
  4. Úrsula (25 de setembro de 1450 - 25 de outubro de 1508, Wrocław), casou com o duque Henrique I de Münsterberg-Oels.
  5. Isabel, (Ansbach, 29 de outubro de 1451 - Nürtingen, 28 de março de 1524, casou com Everardo II de Württemberg.
  6. Margarete (18 de abril de 1453 - 27 de abril de 1509), abadessa das clarissas em Hof.

Margarida morreu em 24 de outubro de 1457, e em 1458, Alberto casou com Ana da Saxônia, filha de Frederico II, Eleitor da Saxônia e de Margarete da Áustria. Seus filhos foram:[10]

  1. Frederico I de Brandemburgo-Ansbach, marquês em Ansbach a partir de 1486, e de Bayreuth a partir de 1495.
  2. Amália (Plassenburg, 1 de outubro de 1461 - Baden-Baden, 3 de setembro de 1481), casou com Gaspar, conde palatino de Zweibrücken.
  3. Ana, nasceu e morreu em 1462.
  4. Bárbara (Ansbach, 30 de maio de 1464 - Ansbach, 4 de setembro de 1515), casou:
    1. em Berlim, em 11 de outubro de 1472 com o duque Henrique XI de Głogów.
    2. em Frankfurt an der Oder, em 20 de agosto de 1476 com o rei Vladislau II da Hungria.
  5. Alberto, nasceu e morreu em 1466.
  6. Sibila (Ansbach, 31 de maio de 1467 - Kaster, 9 de julho de 1524), casou com o duque Guilherme IV de Jülich-Berg.
  7. Sigismundo de Bayreuth, marquês em Bayreuth, (Ansbach, 27 de setembro de 1468 - Ansbach, 26 de fevereiro de 1495).
  8. Alberto, nasceu e morreu em 1470.
  9. Jorge (Berlim, 30 de dezembro de 1472 - Kadolzburg, 5 de dezembro de 1476).
  10. Doroteia (Berlim, 12 de dezembro de 1471 - Bamberga, 13 de fevereiro de 1520), abadessa em Bamberg.
  11. Isabel (Ansbach, 8 de abril de 1474 - Römhild, 25 de abril de 1507), casou com o conde Hermano VIII de Henneberg-Aschach.
  12. Madalena (Berlim, 29 de julho de 1476 - antes de 4 de fevereiro de 1480).
  13. Anastácia (Ansbach, 14 de março de 1478 - Ilmenau, 4 de julho de 1534), casou com o conde Guilherme VII de Henneberg-Schleusingen.

AncestraisEditar

Estátua na SiegesalleeEditar

 
Grupo de monumentos 17 na antiga Siegesallee em Berlim. Estátua central: Alberto Aquiles. As figuras secundárias mostram o aio Werner von der Schulenburg (esquerda); e à direita Ludwig von Eyb (1417–1502), camareiro hereditário e cronista da família Eyb. Escultor: Otto Lessing, inaugurado em 28 de agosto de 1900.

Na Siegesallee (Avenida da Vitória), conhecida pela população de Berlim como Puppenallee (Avenida dos Bonecos), o escultor Otto Lessing ergueu uma estátua de Alberto Aquiles como a figura central do grupo de monumentos 17. Bustos de Werner von der Schulenburg e Ludwig von Eyb, o Velho (1417-1502), camareiro hereditário e cronista da família Eyb, foram atribuídos ao monumento como figuras secundárias. O conjunto de monumentos foi inaugurado em 28 de agosto de 1900. Em sua representação, Lessing orientou-se amplamente na imagem do doador de Alberto do altar da Ordem dos Cisnes na igreja de São Gumberto, Ansbach. Lessing também sublinhou o título de cavaleiro de Alberto na Ordem do Cisne com uma corrente da Ordem que Alberto usava em volta do pescoço.[13]

TítuloEditar

Em 1476 ele usou o seguinte título:

“Wy albrecht von gotts gnaden Marggrave to Brandemborg, des heyligen Romischen Rikes ertzkemerer (und Kurfurste) to Stettin pomern der Cassuben und Wenden Hertzoge, Burggrave zu Noremberg und Furste to Rugen”.[14]
(“Nós Alberto, pela Graça de Deus, marquês de Brandemburgo, arco-câmara (e príncipe-eleitor) do Sacro Império Romano-Germânico, duque de Stettin, da Pomerânia, duque dos cassubianos e vendos, burgrave de Nuremberg, príncipe de Rügen”.)

BibliografiaEditar

  • Rudolf Zapf: Albrecht Achilles und sein Verhältniß zum deutschen Reich. 1868 (Digitalisat)
  • Willy Böhm (1875). "Albrecht, Kurfürst von Brandenburg". In Allgemeine Deutsche Biographie (ADB) (em alemão). 1. Leipzig: Duncker & Humblot. pp. 243–252.
  • Erhard Waldemar Kanter: Markgraf Albrecht Achilles von Brandenburg, Burggraf von Nürnberg. vol. 1 [volume único], Berlim 1911 Digitalisat.
  • Erich Freiherr von Guttenberg (ed.). «Albrecht Achilles». Neue Deutsche Biographie (NDB) (em alemão). 1. 1953. Berlim: Duncker & Humblot . pp. 161–163.
  • Cordula Nolte: Familie, Hof und Herrschaft. Das verwandtschaftliche Beziehungs- und Kommunikationsnetz der Reichsfürsten am Beispiel der Markgrafen von Brandenburg-Ansbach (1440–1530). Ostfildern 2005.
  • Gabriel Zeilinger: Gruppenbild mit Markgraf. Albrecht „Achilles“ von Brandenburg (1414–1486), die Reichsfürsten seiner Zeit und die Frage nach zeitgenössischer und historischer Prominenz. In: O. Auge u. a. (ed.): Fürsten an der Zeitenwende zwischen Gruppenbild und Individualität. Formen fürstlicher Selbstdarstellung und ihre Rezeption (1450–1550) (= Residenzenforschung. vol. 22). Ostfildern 2009, pp. 291–307, com literatura adicional.
  • Wolfgang Wüst: Der kaiserliche Feldherr und Nürnberger Burggraf Markgraf Albrecht Achilles von Brandenburg (1414–1486).In: Jahrbuch des Historischen Vereins Dillingen. vol. 113, 2012, pp. 151–170 (online); Sobre: a batalha e cerco da cidade no norte da Suábia de Gundelfingen na Guerra Imperial de 1462 pelo Marquês. ISSN 0073-2699.
  • Mario Müller (ed.): Kurfürst Albrecht Achilles (1414–1486). Kurfürst von Brandenburg, Burggraf von Nürnberg (= Jahrbuch des Historischen Vereins für Mittelfranken. vol. 102). Ansbach 2014 [volume de ensaios de 713 páginas com 26 artigos, árvore genealógica e descrições de viagens, além de extensa bibliografia.]

NotasEditar

  1. a b c Böhm 1875, p. 243.
  2. Döllner 1950, pp. 50 e 298.
  3. Keil 2005, p. 859 f..
  4. a b c Chisholm 1911, p. 494.
  5. Böhm 1875, p. 244.
  6. a b c Nováček 1888, p. 734 9).
  7. Döllner 1950, pp. 90 f. e 192.
  8. a b c Böhm 1875, p. 249.
  9. «Nürnberg, Burggrafschaft – Historisches Lexikon Bayerns». www.historisches-lexikon-bayerns.de. Consultado em 11 de março de 2022 
  10. a b c Böhm 1875, p. 251.
  11. Döllner 1950, pp. 51 e 166.
  12. Chisholm 1911, p. 495.
  13. Lehnert 1998, p. 161.
  14. Raumer 1833, p. 20.

Referências

Ligações externasEditar


Alberto III Aquiles
Nascimento: 9 de novembro de 1414 Morte: 11 de março de 1486
Títulos Reais
Precedido por:
Frederico I de Brandemburgo
Marquês de Brandemburgo-Ansbach
1440-1486
Sucedido por:
Frederico I de Brandemburgo-Ansbach
Precedido por:
João de Brandemburgo-Kulmbach
Marquês de Brandemburgo-Kulmbach
1457-1486
Sucedido por:
Sigismundo de Bayreuth
Precedido por:
Frederico II de Brandemburgo
Eleitor de Brandemburgo
1471-1486
Sucedido por:
João Cícero de Brandemburgo