Aleksandras Stulginskis

Aleksandras Stulginskis (Kutaliai, 26 de fevereiro de 1885Kaunas, 22 de setembro de 1969) foi o segundo presidente da Lituânia (1920–1926). Stulginskis também foi presidente em exercício da Lituânia algumas horas depois, em 1926, após um golpe militar liderado por seu predecessor, o presidente Antanas Smetona, e que derrubou o sucessor de Stulginskis, Kazys Grinius. O golpe devolveu Smetona ao cargo depois da breve assunção formal da presidência de Stulginskis.[1]

Aleksandras Stulginskis
Nascimento 26 de fevereiro de 1885
Morte 22 de setembro de 1969 (84 anos)
Caunas
Sepultamento Cemetery in Panemunė
Cidadania Lituânia
Alma mater
Ocupação diplomata, jornalista, agricultor, político

Ele começou seus estudos teológicos em Kaunas e continuou em Innsbruck, Áustria. No entanto, ele decidiu não tornar-se sacerdote e se mudou para o Instituto de Ciências Agrárias na Universidade de Halle. Ele se formou em 1913 e voltou para a Lituânia. Lá ele começou a trabalhar como fazendeiro. Ele publicou muitos artigos sobre agronomia na imprensa lituana. Em 1918 ele começou a publicar os jornais Ūkininkas ("Fazendeiro") e Ūkininko kalendorius ("Calendário do Fazendeiro").

Durante a Primeira Guerra Mundial, ele se mudou para Vilnius. Ele foi um dos fundadores do Partido Democrata Cristão da Lituânia e chefe de seu Comitê Central em 1917. Ele assinou o memorando para o presidente Woodrow Wilson, abordando a questão do reconhecimento do Estado lituano pelos Estados Unidos. Contrariamente às opiniões de Smetona, Stulginskis foi orientado para a Entente. Ele foi um dos co-organizadores da Conferência de Vilnius. Depois, foi eleito para o Conselho da Lituânia.[2]

Em 16 de fevereiro de 1918, ele assinou o Ato de Independência da Lituânia. Ele era um defensor da república democrática como a forma do estado lituano. Assim, ele se opôs fortemente à ideia de monarquia (na verdade, Mindaugas II foi o rei da Lituânia de 11 de julho a 2 de novembro de 1918). Na Lituânia independente, Stulginskis foi encarregado de organizar o exército nacional para defender o país contra as agressões dos bolcheviques e poloneses.

Muitas vezes serviu como ministro, maio de 1920 - 1922 foi presidente da Assembleia Constituinte da Lituânia e, portanto, presidente interino da república. 1922-1926 ele foi o segundo presidente da Lituânia. Stulginskis foi Presidente do Seimas em 1926-1927.[3]

Ele se retirou da política em 1927 e trabalhou em sua fazenda. Em 1941, Stulginskis e sua esposa foram presos pelo NKVD soviético e deportados para um gulag na região de Krasnoyarsk, enquanto sua esposa foi deportada para a área de Komi. Após a Segunda Guerra Mundial em 1952, ele foi oficialmente condenado pelas autoridades soviéticas a 25 anos de prisão por suas políticas anti-socialistas e clericais na Lituânia antes da guerra.

Libertado após a morte de Joseph Stalin em 1956, ele foi autorizado a emigrar, mas recusou e voltou para a SSR na Lituânia. Stulginskis instalou-se em Kaunas, onde faleceu em 22 de setembro de 1969, aos 84 anos, o último dos Signatários do Ato de Independência da Lituânia.

Referências

  1. President of Lithuania: Prisoner of the Gulag a Biography of Aleksandras Stulginskis by Afonsas Eidintas Genocide and Research Center of Lithuania ISBN 9986-757-41-X.
  2. Stulginskis, Aleksandras. Encyclopedia Lituanica V: 314-316. (1970–1978). Ed. Simas Sužiedėlis. Boston, Massachusetts: Juozas Kapočius. LCC 74-114275.
  3. «lrs.lt». www.lrs.lt. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 

Ver tambémEditar

Precedido por
Antanas Smetona
Presidente da Lituânia
19 de junho de 19207 de junho de 1926
Sucedido por
Kazys Grinius
Precedido por
Jonas Staugaitis
Presidente da Lituânia (interino)
19 de dezembro de 1926
Sucedido por
Antanas Smetona

Ligações externasEditar