Abrir menu principal
Alessandro Albani
Cardeal da Igreja Católica
Arquivos Secretos do Vaticano
Biblioteca Apostólica Vaticana
Protodiácono
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Nomeação 12 de agosto de 1761
Predecessor Dom Domenico Silvio Passionei
Sucessor Dom Francesco Saverio de Zelada
Mandato 1761 - 1779
Ordenação e nomeação
Cardinalato
Criação 16 de julho de 1721
por Papa Inocêncio XIII
Ordem Cardeal-diácono
Título Santo Adriano no Fórum (1721-1722)
Santa Maria em Cosmedin (1722-1779)
Santa Ágata dos Góticos (1741-1743)
Santa Maria dos Mártires (1743-1747)
Santa Maria em Via Lata (1747-1779)
Brasão
Coat Albani.png
Dados pessoais
Nascimento Estados Papais Urbino
15 de outubro de 1692
Morte Estados Papais Roma
11 de dezembro de 1779 (87 anos)
Nacionalidade Italiano
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Alessandro Albani (Urbino, 15 de outubro de 1692 - Roma, 11 de dezembro de 1779) foi um cardeal, militar, diplomata, prelado e antiquário da Itália. Foi sobrinho do Papa Clemente XI e protodiácono.

EstudosEditar

Iniciou seus estudos na Universidade de Roma e ingressou na vida militar, sendo recebido na Ordem dos Hospitalários em 1701 e nomeado coronel do regimento pontifício. Com problemas de visão, teve de deixar as armas e foi aconselhado a ingressar na vida religiosa por seu tio, que o nomeou secretário e logo em seguida clérigo da Câmara Apostólica. Nomeado Núncio Apostólico em 1720, em 1721 foi elevado ao cardinalato por Inocêncio XIII, com o diaconato de S. Adriano. Sua habilidade diplomática foi útil nos atritos da Santa Sé com Vítor Amadeu II de Saboia. Sua aversão aos franceses e aos Bourbons o aproximaram da Áustria, e foi cumulado de honras pelo imperador. Foi contrário à supressão dos jesuítas e suas relações com Clemente XIV permaneceram tensas.

MecenasEditar

É também lembrado pela sua amor à Antiguidade, tendo adquirido vasto conhecimento de arte antiga; foi ainda um grande colecionador e mecenas, e promoveu grandes escavações arqueológicas nos arredores de Roma, que resultaram no descobrimento de um grande grupo de obras de arte clássica. Hospedou em seu palácio Johann Joachim Winckelmann e sua coleção foi importante para o estudo dos neoclássicos italianos.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar