Alexander Iegorov

Alexander Ilich Iegorov (em russo: Алекса́ндр Ильи́ч Его́ров) (25 de outubro de 1883 - 23 de fevereiro de 1939), foi um líder militar soviético durante a Guerra Civil Russa, quando comandou a Frente Sul do Exército Vermelho e desempenhou um papel importante na derrota das forças brancas na Ucrânia. Em 1920, Iegorov foi um dos comandantes do Exército Vermelho durante a Guerra Polaco-Soviética, atuando próximo a Stalin e Semion Budionni.

Alexander Iegorov

Александр Егоров

Vida militar
Força Exército Vermelho

CarreiraEditar

Iegorov nasceu em uma família de camponeses perto de Samara, no centro da Rússia. Ele se juntou ao exército do Império Russo em 1902 e qualificou-se como oficial em 1905, ano em que ajudou a reprimir a Revolução Russa de 1905. Durante a Primeira Guerra Mundial, ele avançou para o posto de tenente-coronel e foi ferido cinco vezes. Em 1904 ele havia se juntado ao Partido Socialista Revolucionário, mas depois que os bolcheviques assumiram o poder na Revolução de Outubro (1917), ele integrou-se ao novo regime e tornou-se comandante do Exército Vermelho.

 
Iegorov com Trótski na Carcóvia, em 1919

Após a Guerra Civil Russa, Iegorov foi enviado como assessor militar para a China (1925-1926). Em 1927 ele se tornou comandante do Distrito Militar da Bielorrússia, e em 1931 Iegorov foi nomeado Comissário do Povo para Defesa e Chefe do Estado-Maior do Exército Vermelho. Em 1934 ele se tornou membro do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética, e em 1935 foi feito um dos primeiros cinco marechais da União Soviética, quando esse posto foi criado.

Por causa de suas antigas conexões com Stalin e Semion Budionni, Iegorov parecia estar a salvo da onda de prisões que varreu o Exército Vermelho em 1937, quando o Grande Expurgo ganhou força. Ele foi oficialmente listado como um dos juízes no julgamento de Mikhail Tukhachevski, em junho de 1937. No final do mesmo ano ele foi rebaixado a comandante do Distrito Militar da Transcaucásia, depois preso em fevereiro de 1938, e teve seus escritos militares proibidos.[1] Sua queda parece ter começado com uma carta, na primavera de 1937, de Fedor Sudakov, da Academia Militar de Frunze, a Stalin, questionando a performance de Iegorov. Uma carta semelhante foi enviada por Ian Jigur a Kliment Voroshilov em 20 de julho, e Iegorov foi ainda mais prejudicado por confissões extraídas de oficiais presos durante o expurgo do exército.[2] Iegorov foi fuzilado em 23 de fevereiro de 1939.[1] [3] Após a morte de Stalin, em 1953, Nikita Khrushchev o reabilitou.

Referências

  1. a b Roy Medvedev , deixe o juiz da história , 1971.
  2. Michael Parrish, Sacrifício dos Generais: Perdedor Soviético, 1939-1953 (Espantalho Press, 2004:
  3. Conquest 2008, p. 435.

BibliografiaEditar

  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.