Aliivibrio


Aliivibrio é um género de bactérias da família Vibrionaceae.[1] É um género criado recentemente, no qual foram incluídas espécies que antes estavam enquadradas no género Vibrio, tal qual sugeriam os estudos genéticos. O género provém de ambientes marinhos e apresenta bioluminescência.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaAliivibrio
Aliivibrio fischeri.jpg
Classificação científica
Domínio: Bacteria
Filo: Proteobacteria
Classe: Gammaproteobacteria
Ordem: Vibrionales
Família: Vibrionaceae
Género: Aliivibrio
Espécie-tipo
A. fischeri

EtimologiaEditar

O nome Aliivibrio deriva do latim alius, que significa outro, diferente, e do género existente Vibrio, pelo que Aliivibrio significa "o outro Vibrio".[2]

EspéciesEditar

O género contém as seis espécies seguintes[2]

  • A. finisterrensis Beaz-Hidalgo et al. 2010. O nome desta espécie refere-se à Galiza, onde foi encontrada vivendo em amêijoas, dado que finisterrensis refere-se a finisterra, literalmente o fim do mundo, que era onde no mundo antigo romano se considerava que ficava a Galiza.[3]
  • A. fischeri (Beijerinck 1889) Urbanczyk et al. 2007. É a espécie tipo do género. O seu nome específico deriva do cientista alemão Bernhard Fischer, um dos primeiros que estudou as bactérias bioluminescentes. Esta bactéria era bastante conhecida pelo seu nome anterior Vibrio fischeri, a qual foi muito estudada.[4]
  • A. logei (Harwood et al. 1980) Urbanczyk et al. 2007. O nome logei deriva do alemão Loge (Loki), nome de um deus nórdico do lume e das travessuras. Vive em águas frias.[4]
  • A. salmonicida (Egidius et al. 1986) Urbanczyk et al. 2007. O seu nome significa que mata salmões.[4] Vive em águas frias.
  • A. sifiae Yoshizawa et al. 2011. A palavra sifiae deriva de Sif, o nome de uma deusa nórdica de cabelos loiros, e o nome foi escolhido para fazer reflectir a cor amarela luminescente que esta espécie produz.[5]
  • A. wodanis (Lunder et al. 2000) Urbanczyk et al. 2007. Nome procedente do deus nórdico Wodan (Odin), deus das artes, da cultura, da guerra e da morte. Vive em águas frias.[4]

Referências

  1. Classification of Genera AC entry in LPSN [Euzéby, J.P. (1997). "List of Bacterial Names with Standing in Nomenclature", dispoñible en Internet. Int J Syst Bacteriol 47 (2): 590–2. doi:10.1099/00207713-47-2-590. ISSN 0020-7713. PMID 9103655. ]
  2. a b Aliivibrio entry in LPSN [Euzéby, J.P. (1997). "List of Bacterial Names with Standing in Nomenclature: a folder available on the Internet". Int J Syst Bacteriol 47 (2): 590–2. doi:10.1099/00207713-47-2-590. ISSN 0020-7713. PMID 9103655.
  3. Beaz-Hidalgo, R.; Doce, A.; Balboa, S.; Barja, J. L.; Romalde, J. L. (2009). "Aliivibrio finisterrensis sp. Nov., isolated from Manila clam, Ruditapes philippinarum and emended description of the genus Aliivibrio". International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology 60 (Pt 1): 223–228. doi:10.1099/ijs.0.010710-0. PMID 19648323.
  4. a b c d Urbanczyk, H.; Ast, J. C.; Higgins, M. J.; Carson, J.; Dunlap, P. V. (2007). "Reclassification of Vibrio fischeri, Vibrio logei, Vibrio salmonicida and Vibrio wodanis as Aliivibrio fischeri gen. nov., comb. nov., Aliivibrio logei comb. nov., Aliivibrio salmonicida comb. nov. and Aliivibrio wodanis comb. nov.". International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology 57 (12): 2823–2829. doi:10.1099/ijs.0.65081-0. PMID 18048732.
  5. "List of new names and new combinations previously effectively, but not validly, published". International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology 61 (5): 1011–1013. 2011. doi:10.1099/ijs.0.033498-0. [1][ligação inativa]