All This, and Heaven Too

filme de 1940 dirigido por Anatole Litvak

All This, and Heaven Too (bra: Tudo Isto e o Céu Também)[2] é um filme estadunidense de 1940, do gênero drama romântico, dirigido por Anatole Litvak, e estrelado por Bette Davis e Charles Boyer. O roteiro de Casey Robinson foi baseado no romance homônimo de 1938, de Rachel Field.[1]

All This, and Heaven Too
All This, and Heaven Too
Cartaz promocional do filme.
No Brasil Tudo Isto e o Céu Também
 Estados Unidos
1940 •  p&b •  141 min 
Gênero drama romântico
Direção Anatole Litvak
Produção Hal B. Wallis
David Lewis
Roteiro Casey Robinson
Baseado em All This, and Heaven Too
romance de 1938
de Rachel Field
Elenco Bette Davis
Charles Boyer
Música Leo F. Forbstein
Max Steiner
Hugo Friedhofer
Cinematografia Ernest Haller
Direção de arte Carl Jules Weyl
Efeitos especiais Byron Haskin
Rex Wimpy
Figurino Orry-Kelly
Edição Warren Low
Companhia(s) produtora(s) Warner Bros.
Distribuição Warner Bros.
Lançamento
  • 13 de julho de 1940 (1940-07-13) (Estados Unidos)[1]
Idioma inglês

O romance de Rachel Field foi baseado na história real de sua tia-avó, Henriette Deluzy-Desportes, uma governanta francesa que se apaixonou por Charles de Choiseul, duque de Praslin e seu patrão. Henriette foi acusada de ajudar o duque a assassinar sua própria esposa, a duquesa Françoise. A história foi um escândalo da vida real que contribuiu para a turbulência política antes da Revolução francesa de 1848, que depôs Luís Filipe I.[3][4][5]

Sinopse editar

Henriette Deluzy-Desportes (Bette Davis), que relembra sua história em flashbacks, traz à tona o tempo em que trabalhava como governanta para Charles de Choiseul, duque de Praslin. Dominada por um ciúme doentio, a duquesa Françoise (Barbara O'Neil), esposa de Charles, acusa Henriette de manter um caso extraconjugal com o duque. Por causa das acusações, Henriette larga seu emprego, mesmo sem a carta de referência que a duquesa havia prometido a ela. O que ninguém sabia é que a atração entre o duque e Henriette traria rumos inimagináveis para todos.

Elenco editar

  • Bette Davis como Henriette Deluzy-Desportes
  • Charles Boyer como Charles de Choiseul, duque de Praslin
  • Barbara O'Neil como Françoise "Fanny" Sébastiani, duquesa de Praslin
  • June Lockhart como Isabelle de Choiseul-Praslin
  • Virginia Weidler como Louise de Choiseul-Praslin
  • Ann E. Todd como Berthe de Choiseul-Praslin
  • Richard Nichols como Reynald de Choiseul-Praslin
  • Jeffrey Lynn como Reverendo Henry Martyn Field
  • George Coulouris como Charpentier, o manobrista
  • Harry Davenport como Pierre, o guardião do terreno
  • Janet Beecher como Srta. Haines
  • Montagu Love como General Horace Sébastiani, pai de Fanny
  • Helen Westley como Madame LeMaire
  • Henry Daniell como Broussais
  • Walter Hampden como Pasquier
  • Ann Gillis como Emily Schuyler
  • Marilyn Knowlden como Marianna Van Horn

Produção editar

Os produtores Hal B. Wallis e David Lewis pagaram US$ 100.000 pelos direitos do romance de Rachel Field, publicado dois anos antes, em 1938.[6] Eles acreditavam que tinham um sucesso nas mãos – e estavam certos. Foi o maior triunfo do diretor Anatole Litvak até aquela data.[7][8]

Charles Boyer retornou de Paris especialmente para interpretar Charles, duque de Praslin.[6]

Recepção editar

O filme foi avaliado positivamente pela crítica. Bosley Crowther, em sua crítica para o The New York Times, escreveu que os cinéfilos dispostos a assistir "acharão o filme uma fonte de muita satisfação emocional; outros de cunho menos espartano certamente protestarão que ele acaba com a paciência ao contar uma história comparativamente descomplicada. A Warner está aqui entregando um drama antiquado carregado de lágrimas – e muito pesado também".[9]

A revista Variety chamou-o de "um filme em seu melhor estado ... No roteiro, Casey Robinson capturou a pitoresidade das maneiras e costumes de Paris de 1848, e obteve sucesso admirável em reter tanto o espírito quanto os personagens do romance, apesar da necessidade de suprimir muito material".[10] A manchete do Film Daily anunciou: "Dramaticamente poderoso, lindamente montado e soberbamente escalado; o filme deve ser uma das maiores atrações de bilheteria do ano".[11] O Harrison's Reports escreveu: "Um drama poderoso, com um forte apelo para as mulheres. A produção é luxuosa, e a direção e as atuações são da mais alta qualidade".[12] John Mosher, do The New Yorker, escreveu que Litvak levou o espectador para o cenário histórico "com todo o gosto romântico e profuso sob seu comando. Eu acho que algumas das cenas da governanta e das crianças poderiam ter sido cortadas, pois, com os feitos sinistros na história, não podemos para sempre sustentar um humor familiar. Em geral, porém, a produção longa parece curta, que, claro, é algo muito a seu favor".[13]

"All This, and Heaven Too" ficou em quinto lugar na pesquisa do Film Daily dos melhores filmes de 1940.[14]

Prêmios e indicações editar

O filme, considerado um melodrama choroso – impregnado de paixão, intriga e drama – recebeu três indicações ao Oscar.[7]

Ano Cerimônia Categoria Indicado Resultado
1941 Oscar[15] Melhor filme Jack L. Warner, Hal B. Wallis & David Lewis Indicado
Melhor atriz coadjuvante Barbara O'Neil
Melhor fotografia em preto e branco Ernest Haller

Mídia doméstica editar

Em 1º de abril de 2008, a Warner Home Video lançou o filme como parte da box set "The Bette Davis Collection, Volume 3", que incluiu "The Old Maid" (1939), "The Great Lie" (1941), "Nascida para o Mal" (1942), "Watch on the Rhine" (1943), e "Deception" (1946).

Referências

  1. a b «The First 100 Years 1893–1993: All This, and Heaven Too (1940)». American Film Institute Catalog. Consultado em 26 de fevereiro de 2023 
  2. «Tudo Isto e o Céu Também». Brasil: CinePlayers. Consultado em 30 de janeiro de 2020 
  3. «All This, and Heaven Too (1940) - Articles - TCM.com». Turner Classic Movies. Consultado em 26 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 9 de junho de 2016 
  4. «Henriette Desportes Field (1813-1875)». findagrave.com. Consultado em 26 de fevereiro de 2023 
  5. Alexis de Tocqueville, Souvenirs, édition réalisée par Luc Monnier, Paris, Gallimard, 1942
  6. a b HIRSCHHORN, Clive, The Warner Bros. Story, Londres: Octopus Books, 1986 (em inglês)
  7. a b FINLER, Joel W., The Movie Directors Story, Nova Iorque: Crescent Books, 1985 (em inglês)
  8. Glancy, H. Mark. "Warner Bros film grosses, 1921-51", Historical Journal of Film, Radio and Television (March 1995); acessado em 26 de fevereiro de 2023
  9. Crowther, Bosley (5 de julho de 1940). «Movie Review - All This, and Heaven Too». The New York Times. Consultado em 26 de fevereiro de 2023 
  10. «All This, and Heaven Too». Variety. Nova Iorque: Variety, Inc. 12 de junho de 1940. p. 14 
  11. «Reviews of the New Films». Film Daily. Nova Iorque: Wid's Films and Folk Folk, Inc. 17 de junho de 1940. p. 13 
  12. «All This, and Heaven Too with Bette Davis, Charles Boyer, Jeffrey Lynn and Barbara O'Neil». Harrison's Reports. 22 de junho de 1940. p. 98 
  13. «The Current Cinema». The New Yorker. Nova Iorque: F-R Publishing Corp. 6 de julho de 1940. p. 46 
  14. «'Rebecca' wins Critics' Poll». Film Daily. Nova Iorque: Wid's Films and Folk Folk, Inc. 14 de janeiro de 1941. p. 1 
  15. «13.º Oscar - 1941». CinePlayers. Consultado em 30 de janeiro de 2020 

Ligações externas editar