Abrir menu principal
Allow Me
Autor John Seward Johnson II
Data 1983 (36 anos)
Género Escultura de bronze
Localização Portland, Óregon

Allow Me, também conhecida como "Umbrella Man",[1] é uma icônica escultura de bronze de 1983 produzida por John Seward Johnson II. Situa-se na Pioneer Courthouse Square em Portland, Óregon, Estados Unidos, sendo um dos sete modelos que retratam um homem de tamanho natural vestido com um terno de negócios, requisitando um táxi e segurando um guarda-chuva. Foi doada anonimamente à cidade de Portland para exibição pública em 1984. Construída em bronze, alumínio e aço inoxidável, a obra mede 2,05 metros de altura e pesa 210 quilogramas (460 libras). Ela é uma das muitas obras de arte geradas pelo programa Percent for Art e é considerada parte da coleção de arte pública da cidade de Portland e Multnomah, cortesia do Conselho Regional de Artes e Cultura.

Em 1995, após dez anos, a escultura foi retirada do pedestal e transferida para a Califórnia para sua primeira grande restauração. Para manter seu brilho, Allow Me recebe revestimentos de cera fria a cada ano. Ela é uma atração turística popular e um marco local que serve de ponto de referência para encontros ou comícios políticos. A obra foi bem recebida e é conhecida pela sua aparência realista; o "Umbrella Man" foi chamado de o "homem mais fotografado em Portland" e serve de símbolo para a cidade e seus moradores.

Índice

Descrição e históriaEditar

A escultura de Portland é uma dos sete modelos de John Seward Johnson II. Construída a partir de bronze, alumínio e aço inoxidável, foi projetada por Johnson e finalizada em 1983. Um ano depois, ela foi doada anonimamente sob o nome de Harry H. Schwartz para a cidade de Portland e dedicada à exibição pública na Pioneer Courthouse Square,[2] que é um dos locais mais populares e, consequentemente, um dos mais visitados do estado de Óregon. Em 2004, foi nomeada como a quarta melhor praça pública do mundo pelo Projeto de Espaços Públicos de Nova York.[3]

A obra está situada no lado sul da Pioneer Courthouse Square, logo acima do anfiteatro, e é vista como um monumento de boas-vindas aos visitantes. Retrata um homem de tamanho natural vestido com um terno de negócio, "apressando-se pela praça" e chamando um táxi.[4][5][6] Ele segura um guarda-chuva,[7] que algumas pessoas interpretaram como uma oferta.[8][9] Ele usa um relógio e uma gravata de ruibarbo; seu dedo indicador aponta para o edifício Meier & Frank, adjacente à praça.[10][11] Mede 2,05 metros (81 polegadas) x 1,1 metros (43 polegadas) x 1,3 metros (51 polegadas) e pesa 210 quilogramas (460 libras).[12][13] Trata-se de parte da Coleção de Arte Pública da Cidade de Portland e Multnomah, cortesia do Conselho Regional de Arte e Cultura.[2] É uma das diversas obras de arte geradas pelo programa da cidade, Percent for Art.[2][14]

Em julho de 1995, a escultura foi retirada do pedestal e enviada para a Stellar Artworks em Van Nuys, Califórnia, para uma limpeza e restauração. Ela recebeu um tratamento de vidro para remover as marcas de aves, mãos humanas, precipitações e demais poluições, além de uma camada de solvente, um revestimento de resina acrílica à base de laca.[12] A restauração foi financiada por um doador anônimo e envolveu a Art Work Fine Art Services, Industrial Craters & Packers, O'Neill Transfer Co., Smith Masonry Contractors e o Conselho Regional de Arte e Cultura.[12] Esta foi a primeira restauração desde 1985.[15] Allow Me recebe anualmente revestimentos de cera fria para manter seu brilho.[12]

 
Allow Me vestido com roupas de inverno em dezembro de 2013.

A escultura tem sido utilizada como ponto de referência para encontros.[16][17] Houve casos em que a obra foi utilizada para expor ou dar suporte a manifestações. Em 2011, os manifestantes do Occupy Portland equiparam a escultura com o símbolo da paz, uma máscara de Guy Fawkes e um sinal de "Nós somos o 99%" (We are the 99%).[18]

RecepçãoEditar

A Fundação de Arquitetura de Óregon chamou a escultura de um "ícone popular" para Portland,[9] enquanto a cultureNOW sugeriu que o sujeito retratado poderia ser o "homem mais fotografado da cidade" e acrescentou ao descrever Allow Me como uma das "esculturas mais reconhecidas e queridas", servindo como um símbolo para residentes e turistas.[2] A colaboradora da Enciclopédia de Óregon, Elaine S. Friedman, escreveu que a obra imita os pedestres de Portland.[5] Por outro lado, o Moon Publications descreveu em seu guia sobre artes públicas e arquitetura que Allow Me é "tão realista que você vai olhar duas vezes."[19][20] O Colégio Comunitário, por sua vez, afirmou que a obra de arte é tão realista que as pessoas tentaram iniciar uma conversa com o "homem do guarda-chuva" (Umbrella Man).[21] Além deles, Spencer Heinz do The Oregonian escreveu que a escultura "serve para alguns como um símbolo da civilidade que molda a imagem incompleta da cidade."[10]

Em 2011, a Sunday Parkways apresentou cartões de falas aos doadores que descrevem a escultura, entre quatro cartões adicionais que mostram outras imagens icônicas da cidade.[22] Allow Me obteve a característica de o "Melhor de Portland pela Willamette Week em 2011. Além deste, o prêmio de "Melhor Tatuagem de Portland" foi para um residente cuja tatuagem de manga com temática da cidade incluía a escultura, entre outros pontos de referência.[23]

Referências

  1. «Pioneer Courthouse Square: Portland, Oregon» (em inglês). American Planning Association. Consultado em 5 de maio de 2013. Cópia arquivada em 11 de março de 2017 
  2. a b c d «Allow Me, 1983» (em inglês). cultureNOW. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2017 
  3. «Pioneer Courthouse Square: The Heart of Downtown Since 1984» (PDF) (em inglês). Pioneer Courthouse Square. 2012. Consultado em 6 de maio de 2013. Arquivado do original (PDF) em 6 de janeiro de 2014 
  4. «Public Space, Public Transport Gel in Portland's Pioneer Square» (em inglês). Project for Public Spaces. Consultado em 5 de maio de 2013. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  5. a b Friedman, Elaine S. «Pioneer Courthouse Square» (em inglês). Enciclopédia de Óregon. Consultado em 5 de maio de 2013. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2017 
  6. McInerny, Vivian (abril de 1990). «A Passion of the People: Portland's cultural scene». Rotary International. The Rotarian. 156 (4): 33. ISSN 0035-838X. Consultado em 5 de maio de 2013 
  7. «Pioneer Courthouse Square» (em inglês). Portland Parks & Recreation. Consultado em 5 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2017 
  8. Mortenson, Eric (11 de outubro de 2008). «Portland's Pioneer Courthouse Square named a top U.S. public space». The Oregonian (em inglês). Portland, Oregon. ISSN 8750-1317. Consultado em 5 de maio de 2013. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  9. a b «Architecture in Oregon: Treasures: Pioneer Courthouse Square» (em inglês). Architecture Foundation of Oregon. Consultado em 5 de maio de 2013. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2017 
  10. a b Heinz, Spencer (5 de setembro de 2004). «Life in the Living Room». The Oregonian. Portland: Advance Publications. ISSN 8750-1317 
  11. Burningham, Lucy (31 de dezembro de 2007). «The Oregon Philanthropy Awards». Oregon Business (em inglês). Consultado em 6 de maio de 2013. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2014 
  12. a b c d Hicks, Bob (12 de julho de 1995). «Bronze Umbrella Man Flees Rain to Buff Up in the California Sun». The Oregonian. Portland, Oregon: Advance Publications. ISSN 8750-1317 
  13. «Public Art Search: Allow Me» (em inglês). Conselho Regional de Arte e Cultura. Consultado em 16 de maio de 2013. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2014 
  14. Jackson, Reed (20 de julho de 2012). «What Portland gets from its Percent for Art program». Daily Journal of Commerce (em inglês). Portland, Oregon. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2012 
  15. Franzen, Robin (5 de julho de 1995). «Allow Him a Break». The Oregonian. Portland, Oregon: Advance Publications. p. B01. ISSN 8750-1317 
  16. Howd, Jason (10 de maio de 2008). «S for Scientology: Masked Protesters at Portland Church of Scientology». Willamette Week (em inglês). Portland: City of Roses Newspapers. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  17. Saker, Anne (21 de outubro de 2011). «In downtown Portland, Beavers band meets Occupy Portland; everyone plays nice, especially the tubas». The Oregonian (em inglês). Portland: Advance Publications. ISSN 8750-1317. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  18. Haberman, Margaret (6 de outubro de 2011). «Occupy Portland hits town with cast of thousands for massive, peaceful demonstration». The Oregonian (em inglês). Portland. ISSN 8750-1317. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2016 
  19. Jewell, Judy; McRae, W. C. (15 de março de 2011). Portland Public Art. Moon Oregon. [S.l.]: Avalon Travel. p. 40. Consultado em 6 de maio de 2013 
  20. Jewell, Judy; McRae, W. C. «Portland Public Art and Architecture». Moon Oregon (em inglês) 8 ed. Moon Publications. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  21. Moser, Sue (15 de novembro de 2005). «Portland Sculptures» (em inglês). Colégio Comunitário de Portland. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  22. Navas, Melissa (22 de junho de 2011). «Sunday Parkways rolls into North Portland with longer course, dancing and activities». The Oregonian. Portland: Advance Publications. ISSN 8750-1317. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  23. «Best of Portland 2011: Best Sights & Sounds». Willamette Week (em inglês). Portland. 27 de julho de 2011. Consultado em 6 de maio de 2013. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Allow Me (Portland)