Abrir menu principal
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 04 de janeiro de 2019; editado pela última vez em 11 de fevereiro de 2019) Twemoji 1f464.svg
Amos Oz
עמוס עוז
Amoz Oz, em 2005.
Nascimento 4 de maio de 1939
Jerusalém, Mandato Britânico da Palestina, Estado de Israel (presente)
Morte 28 de dezembro de 2018 (79 anos)
Jerusalém
Nacionalidade israelita
Progenitores Mãe: Fania Mussman
Pai: Yehuda Arieh Klausner
Cônjuge Nily Oz-Zuckerman
Filho(s) 3
Ocupação
Principais trabalhos
  • A Perfect Peace
  • A Tale of Love and Darkness
  • Panther in the Basement
Prêmios
Ideias notáveis Solução dos dois Estados

Amos Oz (nascido Amos Klausner), (Jerusalém, 4 de maio de 1939 - 28 de dezembro de 2018), foi um escritor israelense, co-fundador do movimento pacifista Paz Agora (Shalom Akhshav).

Índice

BiografiaEditar

Os seus pais fugiram em 1917 de Odessa, na Ucrânia para Vilnius, na Lituânia e daí para o Mandato Britânico da Palestina em 1933. Em 1954 Oz entrou para o Kibbutz Hulda e tomou então o seu nome atual. Durante o seu estudo de Literatura e Filosofia na Universidade Hebraica de Jerusalém entre 1960 e 1963 publicou seus primeiros contos curtos. Oz participou na Guerra dos Seis Dias e na Guerra do Yom-Kippur e fundou na década de 70, juntamente com outros, o movimento pacifista israelita/israelense Schalom Achschaw (Peace Now); pela Solução de Dois Estados.

Fundador e principal representante do movimento israelita/israelense Paz Agora, é o escritor mais influente de seu país. Poucos autores escrevem com tanta compaixão e clareza sobre as agruras presentes e passadas de Israel. Em romances como Conhecer uma mulher (1992), Pantera no porão (1999) ou Meu Michel (2002); explora a persistência do amor durante a guerra.

Em 1991 foi eleito membro da Academia de Letras Hebraicas; Em 1992, recebeu o Prémio de Frankfurt pela Paz, e ganhou o Prêmio Israel, o mais prestigioso do país. Em 1998 (50º ano da Independência de Israel), recebeu o Prémio Femina em França e foi indicado para o Prémio Nobel de Literatura em 2002. Em 2004 recebeu o Prémio Internacional Catalunya, junto com o pacifista palestino Sari Nusseibeh, e também Prémio de Literatura do jornal alemão Die Welt, por "Uma História de Amor e Escuridão". Publicou cerca de duas dezenas de livros em hebraico, e mais de 450 artigos e ensaios em revistas e jornais de Israel e internacionais (muitos dos quais para o jornal do Partido Trabalhista "Davar" e, desde o encerramento deste na década de 1990, para o "Yediot Achronot"). Tem livros e artigos seus traduzidos por todo o mundo e quase toda a sua obra se encontra traduzida em português[1][2].

Em 2005 recebeu o prémio/prêmio Goethe como escritor. Em 2007 recebeu o Prémio Príncipe das Astúrias de letras.

Principais obrasEditar

Não ficcionaisEditar

FicçãoEditar

Referências

Ligações externasEditar