Abrir menu principal
Amadeu VI de Saboia
Nascimento 4 de janeiro de 1334
Chambéry
Morte 1 de março de 1383 (49 anos)
Campobasso
Sepultamento Abadia de Hautecombe
Progenitores Mãe:Iolanda Paleóloga de Montferrato
Pai:Aimon de Saboia
Cônjuge Bona de Bourbon
Filho(s) Amadeu VII de Saboia
Irmão(s) Branca de Saboia
Ocupação monarca
Título Conde de Saboia, Duque de Aosta
Arms of the House of Savoy.svg
Causa da morte peste

Amadeu VI, apelidado O Conde Verde (Chambéry, 4 de Janeiro de 1334 - Campobasso, 1 de Março de 1383) foi conde de Saboia entre 1343 e 1383. Era o filho mais velho de Aimon de Saboia e Iolanda Paleóloga de Monferrato.

BiografiaEditar

Jovem astuto e empreendedor, Amedeo VI participou de inúmeros torneios em sua juventude, nos quais ele tinha por costume, ostentar armas e bandeiras de mati esverdeado, por isso ganhou o cognome de Il Conte Verde. Por esta cor ele era reconhecido entre os demais, e cuja fama de corajoso e destemido o precedia, mesmo quando ascendeu ao trono, continuou a se vestir com essa cor (o verde).

Além de ser um lutador corajoso, Amadeu também tinha a reputação de mulherengo: ele floresceu em muitas lendas, entre as quais a escrita enigmática FERT, que se situava no emblema da "Ordem da Cavalaria do Colar, fundada por ele. [1]

Atuação políticaEditar

Em 1349, Humberto II de Viennois, o último Delfim de Viennois entregou o seu título e o principado para o futuro Carlos V de França. Na época, o novo delfim era neto do actual rei Filipe VI de França e filho do herdeiro ao trono, mais tarde João II de França. Humberto II retirou-se para um mosteiro dominicano. Amadeu, irritado com este acontecimento, pois tinha criado um vizinho formidável para Saboia, entrou em guerra com a França, que derrotou em 1354.

Num tratado celebrado em Paris no ano seguinte, Amadeu concordou em trocar território delfim, além dos rios Ródano e Guiers, em troca de reconhecimento como o indiscutível soberano de Faucigny e no condado de Gex, bem como senhor suserano sobre os Condes de Genevois, em que todos os títulos tinham sido objecto de disputa anterior entre os condes de Saboia e dos delfins de Viennois. Amadeu forçou também o marquês de Saluzzo a pagar-lhe tributo, alargando assim o seu governo ao lado italiano dosAlpes.

Amadeu foi creditado com a compra do território da passagem de montanha, o Col de Largentière, hoje Maddalena Pass, na fronteira com França e Itália, para a soma de 60.000 ecus, foi de importância estratégica e comercial desse tipo. O Col de Largentière historicamente ligava Lyon com a Itália, que ofereceu um caminho mais fácil entre o Piemonte e o Vale de Barcelonnette, que entrou em posse da Saboia quando Amadeu ou seu herdeiro transferiram a partir do Condado de Provença para o Condado de Nice.

Isso fez dele um personagem importante na política do norte da Itália. A República de Génova e a República de Veneza tiveram muito tempo para argumentar sobre a posse da ilha de Tenedos, no Mar Egeu. Finalmente, foi acordado que a ilha devia ser confiada ao conde de Saboia. Mais tarde Amadeu seria persuadido pelo Papa Clemente VII para acompanhar Luís I de Nápoles numa expedição a Nápoles. Aqui, em 1382, o conde iria compartilhar com Luís as conquistas no sucesso de Abruzos e Apúlia.[2]

Cruzada SaboiaEditar

Amadeu iniciou uma cruzada menor (com 15 navios e 1.700 homens) em 1366 contra Murade I, do Império Otomano, para ajudar o seu primo João V Paleólogo, o imperador bizantino. Nesta campanha, Amadeu juntou forças com as de Francisco I de Lesbos e com as do rei da Hungria Luís, o Grande, e que levou os turcos a partir de Galípoli. Neste momento João V era mantido em cativeiro pelos búlgaros. Amadeu voltou as suas forças contra a Bulgária e capturou diversas cidades na costa do Mar Negro, incluindo os portos de Mesembria e Sozópolis. Ele, então, pôs cerco a Varna e lançou ao czar João Alexandre da Bulgária um ultimato para libertar João V ou sofrer mais derrotas. João Alexandre libertou João V e Amadeu voltou a passar o inverno em Mesembria, chegando lá com João V, antes do Natal. O apelido de verde do Conde refere-se ao seu hábito de vestir nesta cor e aparece em ocasiões de Estado cercado por escolta vestida de verde.

De volta à ItáliaEditar

Ele criou um sistema de estado-suportado pela ajuda aos pobres, um dos primeiros do seu tipo no mundo medieval.

Com o Tratado de Turim (1381) pôs fim à Guerra de Chioggia e as Guerras veneziana-genovesas. Ele faleceu em Campobasso em 1383.

Seu nome está ainda ligado à chamada Ordem do Colar, hoje conhecida como Ordem da Anunciação. Depois de seu reinado, "colar da Annunziata" seria atribuído a todos aqueles que tivessem prestado serviços ao estado, os quais, a partir de então, seriam considerados primos do rei.[3] e também à Ordem do Cisne Negro, por ele instituída, em 1350, por ocasião do casamento de sua irmã Bianca de Saboia com Galeazzo II Visconti , senhor de Milão. Esta Ordem tinha como propósito conter as freqüentes disputas entre uma regra e outra: os cavaleiros dessa ordem, de fato, tinham que jurar defender uns aos outros contra todos, não declarar guerra uns aos outros e não incitar à guerra. [4]

Casamento e filhosEditar

Ele casou-se em 1355, em Paris, com Bona de Bourbon, cunhada de Carlos V de França. Eles tiveram os seguintes filhos:

  • Uma filha morta em seu nascimento, no ano de 1358 ;
  • Amadeu VII (1360 - 1 de Novembro de 1391). Casou-se com Bona de Berry (1365-1435), filha do duque João de Berry e de uma sobrinha de Bona de Bourbon.
  • Luís de Saboia (1362-1365).
  • E também teve um filho natural, Antonio, que morreu em 1374.

Na literaturaEditar

Amadeu é uma figura em evidência e proeminente no romance A Luz de Orion do escritor Valerio Evangelisti.

BibliografiaEditar

Ducas, turco-bizantino História 1341-1462 , editado por Michael Puglia, de 2008, o Círculo, Rimini, ISBN 88-8474-164-5

Referências

  1. Há interpretações para decifrar esse criptograma. Provavelmente era apenas uma lembrança de alguma história galante do conde, e, em seguida, o significado seria algo como: Reco con me le sue chiome bionde - elaborado igualmente a partir de uma frase em latim. Entre as outras frases famosas do conde, estava o lema gravado em seus braços; caiu em um leão: J'atans seg Astre (aguardo minha estrela), entendido como um ato de fé em seu destino.
  2. Louis Cibrario, Origem e progresso das instituições da monarquia de Saboia , Turim 1855, p. 158
  3. Ele foi agraciado com o colar, o rei da Itália Vittorio Emanuele III , incluindo Benito Mussolini
  4. Esta Ordem teve curta duração e após o século XV, não se teve mais notícia da mesma.

Ver tambémEditar


Precedido por
Aimon de Saboia
Amadeu VI, Conde de Saboia

Conde de Saboia

1343 - 1383
Sucedido por
Amadeu VII