Abrir menu principal

Amaro Cavalcanti

Amaro Cavalcanti Soares de Brito
Outros nomes Amaro Bezerra Cavalcanti, Amaro Bezerra Cavalcanti de Albuquerque
Nascimento 15 de agosto de 1849
Jardim de Piranhas, Rio Grande do Norte
Morte 28 de janeiro de 1922 (72 anos)
Rio de Janeiro, Distrito Federal
Nacionalidade brasileira
Cônjuge Eponina de Sousa Ferreira
Alma mater Albany Law School
Ocupação jurista, político, advogado, jornalista, parlamentar, diplomata e professor
Constituição brasileira de 1891, página da assinatura de Amaro Cavalcanti (décima nona assinatura). Acervo Arquivo Nacional

Amaro Cavalcanti Soares de Brito, por vezes registrado como Amaro Bezerra Cavalcanti ou Amaro Bezerra Cavalcanti de Albuquerque (Jardim de Piranhas, 15 de agosto de 1849Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 1922), foi um jurista e político brasileiro.

Índice

BiografiaEditar

Nasceu no sítio Logradouro, em Jardim de Piranhas, em 15 de agosto de 1849, o décimo dos treze filhos de Ana de Barros Cavalcanti e de Amaro Soares de Brito. Entre seus irmãos, destaca-se o padre João Maria Cavalcanti de Brito.

Passou em primeiro lugar num concurso de retórica no Maranhão. Em Baturité, no Ceará, também obteve um primeiro lugar em concurso para a cadeira de Latim. Comissionado para estudar a organização do ensino primário nos Estados Unidos, cumpriu ali sua missão em 1881 e 1882. Ao mesmo tempo, se matriculou na Albany Law School, em Nova Iorque, onde recebeu o título de doutor em direito, defendendo a tese "É a Educação uma Obrigação Legal?", pela qual conquistou o primeiro lugar na turma. Professor e diretor em colégios famosos (Liceu de Fortaleza, Colégio Pedro II, do Rio de Janeiro), foi também advogado, jornalista, parlamentar e diplomata.[1]

CarreiraEditar

Foi membro da Corte Permanente de Arbitragem na Haia, Consultor Jurídico do Ministério das Relações Exteriores do Brasil,[2] procurador-geral da República[carece de fontes?] e um dos autores da constituição brasileira de 1891. Foi ministro do Supremo Tribunal Federal a partir de 11 de maio de 1906, aposentando-se em 31 de dezembro de 1914. Em 12 de janeiro de 1917, foi nomeado prefeito do então Distrito Federal, de 15 de janeiro de 1917 a 15 de novembro de 1918, data em que foi nomeado ministro de estado da Fazenda pelo então presidente Delfim Moreira. Foi sepultado no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro.

HomenagensEditar

É o patrono da cadeira nove da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. Seu nome batiza, atualmente:

Referências

  1. Anchieta Fernandes (julho de 2006). «Grandes nomes da magistratura» (PDF). Consultado em 1 de novembro de 2011 
  2. Biografia no portal do STF.
  3. Governo do Rio de Janeiro. Disponível em http://www.rj.gov.br/web/seeduc/exibeconteudo?article-id=1303285. Acesso em 11 de junho de 2015.
  4. Apontador. Disponível em http://www.apontador.com.br/guia_de_ruas/rj/rio_de_janeiro/av_amaro_cavalcanti.html. Acesso em 11 de junho de 2015.
  5. «Centro Acadêmico Amaro Cavalcanti». Centro Acadêmico Amaro Cavalcanti. Consultado em 15 de fevereiro de 2016 

Ligações externasEditar