Abrir menu principal

American Splendor (filme)

American Splendor
Cartaz do filme destaca o ator Paul Giamatti
No Brasil Anti-herói Americano
Em Portugal American Splendor
 Estados Unidos
2003 •  cor •  101 min 
Direção Shari Springer Berman
Robert Pulcini
Roteiro Shari Springer Berman
Robert Pulcini
Harvey Pekar
Joyce Brabner
Elenco Paul Giamatti
Hope Davis
James Urbaniak
Judah Friedlander
Harvey Pekar
Género comédia dramático-biográfica
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

American Splendor (bra Anti-Herói Americano[1]; prt American Splendor[2]) é um filme norte-americano de 2003, dirigido por Shari Springer Berman e Robert Pulcini, baseado na série de quadrinhos alternativos American Splendor.

Venceu o Festival Sundance de Cinema de 2003.[carece de fontes?]

SinopseEditar

A adaptação cinematográfica traz um mesmo teor autobiográfico dos quadrinhos originais de Harvey Pekar, onde ele conta sua própria vida, com enfase nas suas frustrações e no cotidiano. Pekar trabalha como arquivista, foi casado três vezes e, devido a uma série de frustrações pessoais, tornou-se uma pessoa pessimista. Fã de quadrinhos, decide usar a arte para dar vazão ao seu descontentamento com sua vida. Com a ajuda do cartunista Robert Crumb (interpretado por James Urbaniak), ele lança a série de quadrinhos American Splendor, que consegue grande sucesso no circuito underground. Com o sucesso de seus quadrinhos, ele conhece uma fã, Joyce Brabner (interpretada por Hope Davis), com quem acaba se casando. Pekar também travaria uma batalha contra o câncer, cujos detalhes ele relatou na graphic novel Our Cancer Year, escrita em parceria Brabner.

ElencoEditar

RecepçãoEditar

American Splendor recebeu aclamação universal da crítica de cinema. Alcançou uma classificação de 94% no Rotten Tomatoes[3] e no Metacritic 90 dos 100 pontos.[4] Roger Ebert premiou o filme com 4/4 estrelas escrevendo: "[Um] filme magnificamente audacioso, em que fato e ficção às vezes coexistem no mesmo quadro. (...) [T]rata não apenas de personagens reais e ficcionais, mas mesmo com níveis de apresentação. Há cenas de documentários, cenas de ficção e, em seguida, cenas ilustradas e desenvolvidas como quadrinhos, com desenhos às vezes se aproximando da realidade ou de volta. Os cineastas tomaram o desafio de filmar um livro de quadrinhos baseado em uma vida, e transformou-o em uma vantagem - o filme é fascinante na forma como nos atrai para as esperanças diárias e temores desta família Cleveland. (...) Este filme é delicioso na forma que encontra sua própria maneira de dizer sua própria história."[5]


Referências

  1. «Anti-herói Americano». Brasil: CinePlayers. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  2. «American Splendor». Portugal: SapoMag. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  3. «American Splendor». Rotten Tomatoes (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  4. «American Splendor». Metacritic (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  5. Roger Eber. «American Splendor» (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.