Abrir menu principal
Amo-te, Teresa
Capa do DVD.
Portugal Portugal
2000 •  cor •  90 min 
Realização Cristina Boavida
Ricardo Espírito Santo
Produção António da Cunha Telles
Emídio Rangel
Produção executiva Manuel S. Fonseca
Argumento Cristina Boavida
Elenco Ana Padrão
Diogo Morgado
Maria João Abreu
Marcantonio Del Carlo
José Wallenstein
Isabel de Castro
Sinde Filipe
Margarida Vila-Nova
Género drama romântico
Cinematografia José António Loureiro
Lançamento 11 de janeiro de 2000
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Amo-te Teresa é um telefilme português de 2000, do género drama romântico, realizado por Ricardo Espírito Santo e Cristina Boavida. Com Ana Padrão, Diogo Morgado, Maria João Abreu, Marcantonio Del Carlo, José Wallenstein, Isabel de Castro, Sinde Filipe e Margarida Vila-Nova nos principais papéis.[1]

A música "Asas Eléctricas" da banda portuguesa GNR é a música principal da banda sonora do telefilme.

EnredoEditar

Teresa (Ana Padrão) é uma mulher de 35 anos que tem a profissão de médica. Depois de uma vida amorosa frustrada, decide deixar Lisboa e regressar à sua terra natal, de onde guarda muito ressentimento face ao tratamento que a sua mãe recebeu lá.

Quando está a chegar, um avião telecomandado embate contra o vidro do seu carro e quase que se tem um despiste. Teresa sai do carro, furiosa, e um rapaz de 15 anos de uma beleza invulgar (Diogo Morgado) vem ter com ela pedindo desculpa. Têm uma pequena discussão, mas logo nasce uma atração entre ambos.

Paula (Maria João Abreu) é uma das suas melhores amigas de infância e Teresa instala-se na casa em frente à da amiga. Quando chega, vai visitá-la e ambas conversam. Paula conta que tem dois filhos. Nesse momento, entra o rapaz cujo avião telecomandado embateu contra o carro de Teresa e Paula apresenta-o como sendo o seu filho mais velho, Miguel. Teresa fica constrangida e é convidada a jantar. Durante o jantar, o pai de Miguel descobre que o avião telecomandado do filho está avariado e Miguel mente dizendo que o avião caiu, Teresa omite que o avião foi contra o seu carro e pergunta-lhe factos sobre o avião.

Teresa começa a trabalhar no centro de saúde da vila e é eleita a médica preferida pela população. Dr. Manuel (Sinde Filipe) fica indignado por uma médica com o prestígio de Teresa vir trabalhar para um centro de saúde de uma vila, enquanto tem a oportunidade de trabalhar na capital.

O tio de Miguel, o galante Mário (Marcantonio Del Carlo), que é o seu professor de matemática igualmente, detesta o sobrinho e tem o hábito que o repreender nas aulas por o rapaz estar a desenhar. Quando vê Teresa, Mário tenta seduzi-la. Mas a médica recusa-o.

Numa conversa com Teresa, Paula diz que Miguel está doente e que seria bom que Teresa o fosse visitar como médica. Ela aceita e vai visitar o rapaz ao quarto. A atração entre ambos cresce e Teresa descobre que Miguel desenha e elogia o trabalho dele.

Depois de o auscultar, Miguel beija Teresa. São interrompidos por alguém que bate à porta. Paula entra a perguntar como Miguel está, mas Teresa sai a correr.

Na escola de Miguel, há uma rapariga chamada Sandra (Margarida Vila-Nova) que gosta dele. Paula diz a Teresa para perguntar ao Miguel por ela, pois desconfia que ambos namorem. Teresa fica com ciúmes e quando vai ao café, vê Miguel a jogar bilhar com Sandra a ler-lhe o horóscopo e a sorrir para ele. Sai do café, furiosa. Está a chover muito e esquece-se do guarda-chuva. Miguel leva-o e vai atrás dela. Miguel vai a casa de Teresa e ambos discutem por causa de Sandra. O adolescente garante que não tem nada com ela e nem quer ter, beija Teresa e ambos fazem amor.

Mesmo sabendo que Miguel é apenas um rapaz de 15 anos, Teresa inicia um caso amoroso secreto com ele.

Depois da chegada de Victor (José Wallenstein), um amigo de longa data de Teresa, à vila, Miguel fica com ciúmes dele e discute com Teresa. Ela diz-lhe que não vai aguentar cenas de ciúmes e que a porta da rua está aberta. Miguel confessa que apenas tem medo de a perder e ambos acabam por fazer amor.

No dia seguinte, na parede frontal da igreja está escrito a letras vermelhas "Amo-te Teresa". A população fica chocada com aquele ato de vandalismo.

Cândida (Isabel de Castro), avó de Miguel e mãe de Paula, nunca gostou de Teresa e quando limpa o quarto do neto, descobre uns desenhos que ele fez de Teresa nua numa cama. Mais tarde, fala com a filha sobre isso e mostra-lhe os desenhos. Paula não percebe o que a mãe lhe tenta dizer e comenta o que irá Teresa pensar quando descobrir. A mãe diz-lhe que Miguel e Teresa têm um caso e que os desenhos o provam. Paula não acredita e vai perguntar a Teresa, que fica assombrada mas mente-lhe dizendo que não.

À noite, Paula vai a casa de Teresa e encontra Miguel abraçado a Teresa no sofá. Paula entra em histeria e acusa a amiga de ser falsa, mentirosa e de manipular o seu filho. Corre para rua a gritar que Teresa é uma puta e que desencaminhou o seu filho. Toda a vizinhança a ouve e a população nos dias seguintes inicia um protesto para expulsarem Teresa da vila, acusando-a de ser pedófila e mentem dizendo que ela sempre foi má médica. Miguel é trancado em casa pelos pais e todos os seus desenhos de Teresa são queimados por Cândida.

Um dia quando está na escola, numa sala de aula, Miguel vê o carro de Teresa parar à frente dele. Pede a Mário para ir à casa de banho e vai ter com ela. Através da janela, o tio e os alunos veem tudo. Teresa leva Miguel para o local onde se conheceram e ambos conversam. Miguel percebe que Teresa vai regressar a Lisboa e que o foi buscar para se despedir. A médica mente-lhe e diz que vai ficar.

No dia seguinte de manhã, Teresa parte para Lisboa. João, o irmão mais novo de Miguel, avisa-o que ela se está a ir embora e o rapaz vai atrás dela de bicicleta, mas acaba por a perder de vista.

No seu apartamento em Lisboa, Teresa tenta contactar Miguel mas das duas vezes que liga é Paula e Cândida que lhe atendem o telefone. Pensa em Miguel e nos momentos que passaram juntos. Quando está a tomar café com Victor, este entrega-lhe a chave de uma casa no Alentejo para o caso de ela querer tirar umas férias. À noite, enquanto chove, Teresa recorda-se da primeira noite com Miguel e vai à varanda. A olhar para ela na rua, está Miguel com uma mochila às costas. Passam a noite juntos e partem para a casa no Alentejo.

A polícia vai atrás de Miguel. Encontram-nos na cama. Miguel é enviado para casa e Teresa é presa e levada a julgamento por abuso sexual de menores de 16 anos e rapto. É condenada a 3 anos de prisão.

Um ano depois, durante uma festa na vila, Emília (Maria Emília Correia) informa Cândida que Teresa vai ser libertada porque meteu um recurso. Cândida avisa a filha da libertação de Teresa e avisa-a para ter cuidado com Miguel. Paula diz que o filho já se deve ter esquecido. Mas a mãe diz-lhe que "o Demónio é como Deus, tudo vê e tudo sabe".

Na última cena do telefilme, Teresa é libertada da prisão e vê um avião telecomandado sobrevoar a prisão. Caminha pela estrada em direção à cidade, por detrás das árvores da vegetação surge Miguel, agora com 16 anos. Teresa vai ter com ele e beijam-se. Como o rapaz já tem 16 anos, já não a podem acusar de pedofilia.

ElencoEditar

Referências

  1. Hugo Sales (5 de outubro de 2012). «Telefilme SIC de Regresso». A Televisão. Consultado em 25 de abril de 2014 

Ligações externasEditar