Amon Düül II
Informação geral
Origem Munique, Alemanha
País Alemanha Alemanha
Gênero(s) Rock
Krautrock
Rock progressivo
Rock psicodélico
Integrantes Chris Karrer
Lothar Meid
Renate Knaup-Krötenschwanz
Jan Kahlert
Danny Fichelscher
John Weinzierl
Ex-integrantes Peter Leopold
Dave Anderson

Amon Düül II ou Amon Düül 2 é uma banda de krautrock alemã gerada a partir de uma dissidência da banda Amon Düül original, é considerada como uma das raízes do movimento Krautrock alemão.[1]

O Amon Düül II foi formado após a saída de alguns membros do grupo original (Amon Düül) que tinham maiores ambições musicais, entre elas o uso de sintetizadores, música eletrônica e as diversas experimentações que ocorreram na música da Alemanha da época, com bandas como NEU!, Kraftwerk, Harmonia, Faust e Can[1].

HistóriaEditar

Amon Düül II nasceu de uma comunidade artística e política chamada Amon Düül (que registrou durante o final dos anos 1960 diversas sessões ao vivo feitas em torno de composições coletivas e livre improvisação musical). A banda surgiu na cena rock underground alemã com um álbum muito original e excêntrico chamado "Phallus Dei" (1969). Os músicos que participaram desta experiência delirante e psicodélica foram (entre outros) Peter Leopold (saido do Amon Düül), sua esposa e front woman, Renate Knaup, e John Weinzierl nas guitarras. E muitos músicos convidados como Holger Trützsch que tocava percussões tribais (membro original do grupo Popol Vuh). Em seguida, quase com os mesmos músicos, a banda gravou o seminal "Yeti" (1970). Um álbum na mesma linha que o anterior, porém mais elaborado (com algumas canções estruturadas e inúmeras peças de improvisações épica). "Yeti" projeta o Amon Düül II para fora da Alemanha. No mesmo ano, o baixista Dave Anderson deixa a banda para se juntar ao Hawkwind.[2]

"Tanz der Lemminge",[3] posterior à "Yeti"[3], é um trabalho impressionante com uma grande diversidade de experimentações, músicas emocionantes com alguns acentos folk e "silêncios". Gravado em 1972, "Carnival in Babylon", anuncia uma nova direção musical tomada pela banda. Este álbum é dominado por músicas curtas com o onipresente e bonito vocal de Renate Knaup. Um trabalho mais convencional, com alguns memoráveis baladas folk. O período clássico da banda termina com "Wolf City" (1972) e "Viva La Trance" (1973). Após a saída de Renate Knaup que se juntou ao grupo Popol Vuh, em 1974, e o lançamento de alguns álbuns, o Amon Düül II se divide. Em 1981, com o álbum "Vortex", Chris Karrer tentou sem êxito reformular a banda[2].

Hoje, a banda está em atividade com Peter Leopold e Renate Knaup da formação original e outros músicos.[4]

DiscografiaEditar

ÁlbunsEditar

  • 1969 Phallus Dei
  • 1970 Yeti
  • 1971 Tanz der Lemminge
  • 1972 Carnival in Babylon
  • 1972 Wolf City
  • 1974 Vive La Trance
  • 1974 Hijack
  • 1975 Made in Germany
  • 1976 Pyragony X (ou Pyragony 10th)
  • 1977 Almost Alive
  • 1978 Only Human
  • 1981 Vortex
  • 1995 Nada Moonshine #

Álbuns ao vivoEditar

  • 1973 Live in London
  • 1992 BBC Radio 1 Live In Concert Plus
  • 1996 Live in Tokio

CompilaçõesEditar

  • 1975 Lemmingmania
  • 1987 Airs on a Shoestring: The Best of Amon Düül

Referências

  1. a b Amon Düül (em inglês) no Allmusic
  2. a b AMON DÜÜL II music, discography, MP3, videos and reviews:
  3. a b «www.progweed.net: Amon Duul II». Consultado em 16 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 28 de agosto de 2008 
  4. Amon Düül II

Ligações externasEditar

   Este artigo sobre uma banda ou grupo musical da Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.