Amoraíta

Amoraim (אמוראים), singular: Amora (אמורא) cujo significado é o mesmo tanto em aramaico quanto no hebraico (orador ou intérprete), refere-se aos estudiosos ligados às Academias da Palestina (Tiberíades, Séforis e Cesareia) e da Babilônia (Neardea, Sura e Pumbedita) que atuaram no período aproximado de 300 anos (c. 200–500 d.C.). Com a conclusão da Mixná (encerramento feito por Judá o Príncipe), os Amoraim em sua época iniciaram uma sequência de exposições legais e foi por meio destes debates que a codificação da Guemará tomou forma e foi anexada à Mixná dando forma aos Talmudim; o Bavli (da Babilônia) e o Yerushalmi (de Jerusalém), os Amoraim babilônicos trabalharam na sua Guemará por um século além dos Amoraim palestinos, o Talmude Babilônico foi terminado aproximadamente em 500 d.C., conseguindo abranger mais tópicos e consequentemente ganhou mais autoridade do que o Talmude de Jerusalém.[1][2][3]

Página do Talmud onde pode se observar a divisão do conteúdo: Mixná e Guemará e suas notas marginais

Observações necessáriasEditar

 
Sepultura amoraíta em Tiberíades

Por muito tempo não houve quem questionasse a tradição rabínica, no entanto, Jacob Neusner (1932–2016 d.C.), um americano estudioso académico do judaísmo, iniciou junto com seus alunos uma série de questionamentos relacionados à confiabilidade das atribuições amoraítas, em parte por não haver fontes verificáveis fora da literatura rabínica e também baseando-se nas tradições paralelas encontradas dentro das próprias fontes rabínicas.[4] Os acadêmicos que tratam do assunto orientam ter muita cautela em formar opiniões que pendam para qualquer lado. O consenso académico é de que as narrativas rabínicas são formuladas para servir ao propósito moral edificante ou ensinar um modo de vida ideal para o rabino, mas, não devem ser consideradas como sendo histórias diretas ou biográficas e não devem ser utilizadas para tal propósito. Todas essas considerações metodológicas dificultam um projeto de apresentação das vidas e atividades dos amoraítas, mas, as apresentações resultantes dessa crítica se beneficiarão com esses exames mais rigorosos das fontes que essa consideração metodológica exige.[5][6][7][8][9]

Os proeminentes Amoraitas e suas geraçõesEditar

Em um sentido mais amplo, o termo Amoraita foi aplicado, tanto na Palestina quanto na Babilónia a todos os mestres que floresceram durante um período de cerca de trezentos anos, desde o tempo da morte do patriarca R. Judah I. (219 d.C.) para a conclusão do Talmude Babilônico (c. 500 d.C.). A atividade dos professores durante este período foi dedicada principalmente a expor a Mixná — a compilação do patriarca R. Judá — que se tornou o código autoritário da lei oral. Essa atividade foi desenvolvida também nas academias de Tiberíades, Séforis, Cesareia e outras na Palestina, como nas de Neardea, Sura e, mais tarde, de Pumbedita e em algumas outras sedes de aprendizagem na Babilónia. Nessas academias, o principal objetivo das palestras e discussões era interpretar a expressão muitas vezes breve e concisa da Mixná, investigar suas razões e fontes, reconciliar aparentes contradições, comparar seus cânones com os do Baraitot,[10] aplicar suas decisões e estabelecer princípios para novos casos, tanto reais quanto fictícios, ainda não previstos na Mixná. Os professores que estavam envolvidos neste trabalho — que finalmente se tornaram incorporados na Guemará — foram apropriadamente chamados de Amoraim; ou seja, intérpretes ou expositores (da Mixná). Eles não eram tão independentes em suas opiniões e decisões legais quanto seus antecessores, os Tannaim e semi-Tannaim, já que não tinham autoridade para contradizer decisões e princípios unanimemente aceitos na própria Mixná ou no Baraitot. O amoraim palestino, ordenado como regra geral pelos nasi, tinha o título de rabino; enquanto os professores babilônicos daquele período tinham apenas o título de rab ou de mar. Os amoraim palestinos se distinguem por seu método simples de ensinar e expor a Mixná. Os babilónios entregavam-se mais a discussões dialéticas. Este foi especialmente o caso da Academia de Pumbedita, onde o método dialético atingiu seu maior desenvolvimento. A dialética dominante na academia é satirizada no provérbio: Em Pumbedita eles sabem como passar um elefante através do olho de uma agulha; isto é, por sua argumentação dialética, eles podem provar até o que é absolutamente impossível.[11] O período dos Amoraim babilónicos é geralmente dividido em seis períodos ou gerações menores, que são determinados pelo começo e fim da atividade de seus professores mais proeminentes. O período do Amoraim palestino, sendo muito mais curto que o da Babilônia, termina com a terceira geração deste último. Frankel, em seu Mebo Yerushalmi, tratando especialmente dos palestinos Amoraim, divide-os também em seis gerações.[12][13]

Amoraítas da PalestinaEditar

Primeira geração: Palestina (c. 219-279)Editar

  • Jannai, o Ancião
  • Jonathan, o Ancião
  • Oshay'a, o Ancião;[14]
  • Levi bar Sisi.[15]
  • Ḥanina bar Ḥama;[16]
  • Hezekiah.[17]
  • Johanan bar Nappaḥa;[18]
  • Simon b. Laḳish.[19]
  • Joshua ben Levi;
  • Simlai.

Segunda geração: Palestina (c. 279-320)Editar

  • Eleazar ben Pedat, de Tiberíades.[20]
  • Ammi and Assi, de Tiberíades.[21][22]
  • Ḥiyya bar Abba;[23]
  • Simeon bar Abba.
  • Abbahu, de Cesárea.[24]
  • Zera (or Zeira).[25]

Terceira geração: Palestina (c. 320-359)Editar

Os Amoraim foram seguidos pelos Saboraim, que deram ao Talmud o seu toque final.

Amoraítas da BabilôniaEditar

Primeira geração (220 - 250 e.c.)Editar

  • Abba Ariḥa - conhecido como Rav, é considerado o último tanaíta e primeiro amoraíta. Foi discípulo de Yehuda ha-Nassí, tendo se mudado de Israel para a Babilônia, onde fundou a academia rabínica da cidade de Sura.
  • Shmuel - discípulo de Yehuda ha-Nassí dentre outros, foi também decano da Academia Rabínica de Nehardea.[28]
  • Mar Ucva.[29]
  • Yehoshua ben Levi - chefiou a escola de Lod.[30]
  • Abba, o Cirurgião
  • Bar Capará

Segunda geração (250 - 290 e.c.)Editar

  • Rav Huna - discípulo de Rav e Shmuel, foi decano da Academia Rabínica de Sura.[31]
  • Rav Yehuda - discípulo de Rav e Shmuel, foi decano da Academia Rabínica de Pumbedita.[32]
  • Hilel, filho de Gamliel III - discípulo e neto de Yehuda ha-Nassí, irmão mais novo de Yehuda II.
  • Yehuda II - discípulo e neto de Yehuda ha-Nassí, filho e sucessor de Gamaliel III no cargo de Nassí. Algumas vezes é referido como Yehuda Nessiá (Nessiá = ha-Nassí, em aramaico) ou Rébi, como seu avô.[33]
  • Adda bar Ahavá - discípulo de Rav.
  • Shemuel ben Naḥmán.
  • Shila, de Kfar Tamarta.
  • Yitzḥak Napaḥa.

Terceira geração (290 - 320 e.c.)Editar

  • Raba (bar Naḥmani) - discípulo de Rav Huna e Rav Yehuda Nessiá, foi decano em Pumbedita.[34]
  • Rav Yossef - discípulo de Rav Huna e Rav Yehuda Nessiá, foi decano em Pumbedita.[35]
  • Rav Ḥisda - discípulo de Rav, Shmuel e Rav Huna, foi decano em Sura.[36]
  • Rav Naḥmán - discípulo de Rav, Shmuel e Raba bar Avuha. Participante ativo em inúmeras discussões nas academias de Sura e Maḥuza.[37]
  • Hamnuna - muitos rabinos no Talmud compartilham este nome, sendo que o mais conhecido foi um dos discípulo de Shmuel.[38]
  • Yehuda III - discípulo de Rabi Yoḥanán, filho e sucessor de Gamliel IV no cargo de Nassí, neto de Rav Yehuda Nessiá.[39]
  • Shimón ben Patsi
  • Rav Shéshet
  • Ḥanina ben Papa.[40]
  • Raba bar Rav Huna

Quarta geração (320 - 350 e.c.)Editar

  • Abayê - discípulo de Raba, Rav Yossef e Rav Naḥmán, foi decano em Pumbedita.
  • Rava - discípulo de Raba, Rav Yossef, Rav Naḥmán e possivelmente de Rabi Yoḥanán, foi decano em Maḥuza.[41]
  • Hilel II - criador do atual Calendário hebraico, filho e sucessor de Yehuda III no cargo de Nassí e neto de Gamliel IV.[42]
  • Rami bar Ḥama

Quinta geração (350 - 375 e.c.)Editar

  • Rav Naḥmán bar Yitzḥak - discípulo de Abayê e Rava, foi decano em Pumbedita.[43]
  • Rav Papa - discípulo de Abayê e Rava, foi decano na academia de Naresh.[44]
  • Rav Kahana - mestre de Rav Ashi
  • Amemar
  • Rav Hama
  • Rav Huna berei deRav Yehoshua

Sexta geração (375 - 425 e.c.)Editar

  • Rav Ashi - discípulo de Abayê, Rava e Rav Kahana, foi decano da academia de Mata Mehassia. Primeiro redator do Talmud da Babilônia.
  • Ravina I - discípulo de Abayê e Rava, contemporâneo de Rav Ashi em Mata Mehasia, onde foi seu assistente na redação do Talmud da Babilônia.[45]
  • Mar Zutra

Sétima geração (425 - 460 e.c.)Editar

  • Mar bar Rav Ashi.[46]

Oitava geração (460 - 500 e.c.)Editar

  • Ravina II - discípulo de Ravina I e Rav Ashi, foi decano em Sura, onde completou a redação do Talmud da Babilônia.[45]

Outros amoraímEditar

Desde a década de 70 circula a hipótese de que a redação final da Guemará babilónica, como a a conhecemos hoje, não se deu em aproximadamente (500 d.C.), mas sim cerca de 200 anos depois. Segundo esta hipótese, a guemará, à época de Ravina I e Rav Ashi era semelhante à mishná, contendo pouquíssimos registros das discussões, as quais teriam sido transmitidas oralmente através de algumas gerações de estudantes das academias rabínicas, até o surgimento dos Stamáim (anônimos), os quais teriam registrado as discussões posteriormente, entre o período de c. 550 anos até o surgimento dos Sevoraím, em meados do século VIII. Esta teoria, apresentada pelo Professor David Halivni, da Columbia University, busca explicar as diferenças encontradas entre os diversos estratos estilísticos, linguísticos e literários presentes na guemará, transferindo a datação de sua redação final para um período pós-amoraítico.[47]

NotasEditar

  1. Estes três Amoraim foram as últimas autoridades na Palestina. A compilação do Talmud palestino foi provavelmente realizada em seu tempo.

Referências

  1. «Amora | Jewish scholar». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  2. Birnbaum, Philip (1979). Encyclopedia of Jewish Concepts (em inglês). [S.l.]: Hebrew Publishing Company 
  3. Giglio, Auro del (1 de janeiro de 2012). Iniciação ao Talmud. [S.l.]: Editora Sêfer 
  4. O ceticismo sobre a confiabilidade das atribuições é justificado em parte pelo próprio Talmud babilônico, que às vezes observa que uma amora não explicitamente declara uma visão atribuída a ele, mas que a visão atribuída foi inferida da conduta da amora em um caso particular (lav be-ferush itamarela me-kelala itamar; por exemplo, Bava Batra 40b, 126a). No Talmude Jerusalém também, Shimon b. Diz-se que Ba duvidou da atribuição do R. Abbahu de uma visão particular a R. Yohanan ( TJ Shabat 6: 1, 7d), demonstrando novamente a consciência amoraíta de que nem todas as atribuições amoraicas podem ser exatas.--«JewishVirtualLibrary.org/amoraim». www.jewishvirtuallibrary.org 
  5. «Richard Kalmin». www.jtsa.edu (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  6. «David C. Kraemer». www.jtsa.edu (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  7. «William Scott Green». www.as.miami.edu (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  8. «Shamma Friedman». www.jtsa.edu (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  9. «Jeffrey Rubenstein». as.nyu.edu. Consultado em 7 de junho de 2018 
  10. «BARAITA». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  11. B. M. 38 b
  12. Frankel, Zacharias (1870). Mevo ha-Yerushalmi = Introductio in Talmud Hierosolymitanum. Breslau: Schletter'sche Buchhandlung 
  13. Steinsaltz, Rabbi Adin (9 de dezembro de 1996). The Talmud, The Steinsaltz Edition: A Reference Guide (em inglês) American ed edition ed. New York: Random House. ISBN 9780679773672 
  14. «HOSHAIAH RABBAH, ROBA, BERABBI - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 7 de junho de 2018 
  15. «LEVI B. SISI (SISYI; SUSYI)». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  16. «ḤANINA B. ḤAMA». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  17. «HEZEKIAH BEN PARNAK». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  18. «JOHANAN B. NAPPAḤA (HA-NAPPAḤ)». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  19. «SIMEON B. LAḲISH». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  20. «ELEAZAR II. (LAZAR)». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  21. «AMMI». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  22. «ASSI». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  23. «ḤIYYA BAR ABBA». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  24. «ABBAHU». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  25. «AHABAH (AHAWAH, AḤA, AḤWA) B. ZEIRA (ZERA)». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  26. «JEREMIAH B. ABBA». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  27. «JONAH». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  28. «SAMUEL YARḤINA'AH - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  29. «'UḲBA, MAR». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  30. «JOSHUA B. LEVI». www.jewishencyclopedia.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018 
  31. «HUNA - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  32. «JUDAH B. EZEKIEL - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  33. «JUDAH II. - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  34. «Rabbah Bar Naḥmani». 1911 Encyclopædia Britannica. Volume 22 
  35. «Joseph ben Ḥiyya». www.jewishvirtuallibrary.org (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2018 
  36. «ḤISDA - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  37. «NAḤMAN BAR JACOB - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  38. «Hamnuna - Dictionary definition of Hamnuna | Encyclopedia.com: FREE online dictionary». www.encyclopedia.com (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2018 
  39. «Judah III». www.jewishvirtuallibrary.org (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2018 
  40. «ḤANINA B. PAPPA - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  41. «Encyclopædia Britannica Eleventh Edition». Wikipedia (em inglês). 24 de maio de 2018 
  42. «Hillel II | Jewish patriarch». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  43. «NAḤMAN BAR ISAAC - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  44. «PAPA - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 9 de junho de 2018 
  45. a b «Ravina - Dictionary definition of Ravina | Encyclopedia.com: FREE online dictionary». www.encyclopedia.com (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2018 
  46. «Mar Bar Rav Ashi - Dictionary definition of Mar Bar Rav Ashi | Encyclopedia.com: FREE online dictionary». www.encyclopedia.com (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2018 
  47. Halivni, Prof David Weiss (12 de janeiro de 2007). Sources and Tradition: A Source Critical Commentary on the Talmud Tractate Baba Batra (em hebraico). Yerushalayim: The Hebrew University Magnes Press. ISBN 9789654933056 

BibliografiaEditar

  • For the older literature on the Amoraim: Sherira Gaon, in his Iggeret;
  • Zacuto, in his YuḦasin;
  • Heilprin, in his Seder ha-Dorot. Modern literature: Fürst, Kultur-und Literaturgesch. d. Juden in Asien, which treats especially of the #Babylonian academics and teachers during the period of the Amoraim, Leipsic, 1849;
  • Rapoport, 'Erek Millin, 1852, article Amora;
  • Frankel, Mebo ha-Yerushalmi, Breslau, 1870;
  • Grätz, Gesch. d. Juden, ii., chaps. xviii.-xxii.;
  • Weiss, Dor, iii.;
  • Hamburger, Realencyklopädie, ii.;
  • Mielziner, Introduction to the Talmud, chap. iv., Cincinnati, 1894;
  • Strack, Einleitung in den Talmud;
  • Bacher, Ag. Bab. Amor.;
  • idem, Ag. Pal. Amor.
  • Frankel, Mevo; Halevy, Dorot, 2; Weis, Dor, 3; Bacher, Bab Amor; Bacher, Pal Amor; Bacher, Trad; G.F. Moore,
  • Judaism in the First Century of the Christian Era, 2 (1927);
  • H.L. Strack, Introduction to the Talmud and Midrash (1931);
  • M. Mielziner, Introduction to the Talmud (1925);
  • Hyman, Toledot; Margalioth, Ḥakhmei;
  • J.N. Epstein, Mevo'ot le-Safrut ha-Amora'im (1962);
  • M. Beer, The Babylonian Amoraim: Aspects of Economic Life (Heb., 1982);
  • M. Elon, Jewish Law: History, Sources, Principles (1994);
  • R. Kalmin, Sages, Stories, Authors, and Editors in Rabbinic Babylonia (1994);
  • idem, The Sage in Jewish Society of Late Antiquity (1998);
  • idem, "Saints and Sages in Late Antiquity," in: Continuity and Change, ed. Lee I. Levine (Hebrew) (2004);
  • Lee I. Levine, The Rabbinic Class of Roman Palestine in Late Antiquity (1990);
  • Jacob Neusner, A History of the Jews in Babylonia (1965–1970);
  • Jacob Neusner, "The Present State of Rabbinic Biography," in: G. Nahon & C. Touati (eds.), Hommageá Georges Vajda (1980), 85–91;
  • Y. Breuer, in: Tarbiz, 61 (1997), 41–59;
  • D. Levine, Ta'aniyyot Ẓibbur u-Derashot ha-Ḥakhamim – Halakhah u-Ma'aseh bi-Tekufat ha-Talmud (2001);
  • E. Diamond, in: USQR, 48 (1994), 29–47.
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Amoraíta
AcharonimRishonimGeonimSavoraimAmoraimTannaimZugot