Amorphea

Amorphea[1] são membros de um supergrupo taxonômico que inclui os Amoebozoa e Obazoa basais. Este último contém o Opisthokonta, que inclui os Fungos, Animais e Choanomonada, ou Choanoflagelados. As afinidades taxonômicas dos membros deste clado foram originalmente descritas e propostas por Thomas Cavalier-Smith em 2002.[2][4]

Amorphea
Intervalo temporal: Ectásico Inferior- Presente, 1400–0 Ma.
Unikonta collage.jpg
Do topo esquerdo, no sentido dos ponteiros do relógio: Abeoforma whisleri (Ichthyosporea); Amanita muscaria (Fungi); Desmarella moniliformis (Choanoflagellatea); Bonnet Macaque (Metazoa); Nuclearia thermophila (Nucleariida); Amoeba proteus (Amoebozoa)
Classificação científica e
Domínio: Eukaryota
(unranked): Amorphea
Adl et al., 2012[1]
Subgrupos
Sinónimos

A International Society of Protistologists, o órgão reconhecido para taxonomia de protozoários, recomendou em 2012 que o termo Unikont fosse alterado para Amorphea porque o nome "Unikont" é baseado em uma sinapomorfia hipotética que os autores do ISP e outros cientistas rejeitaram posteriormente.[1][5]

Ele inclui Amoebozoa, opisthokonta,[6][7] e, possivelmente, apusozoa.[8]

Revisões taxonômicas dentro deste grupoEditar

Cavalier-Smith propôs dois novos filos: Sulcozoa, que consiste nos subfilos Apusozoa (Apusomonadida e Breviatea), e Varisulca, que inclui os subfilos Diphyllatea, Discocelida, Mantamonadidae, Planomonadida e Rigifilida.[9] A validade desta taxonomia proposta ainda não foi decidida pela Sociedade de Protistologistas.

Trabalhos posteriores de Cavalier-Smith mostraram que Sulcozoa é parafilético.[10] Apusozoa também parece ser parafilético. Varisulca foi redefinido para incluir planomonades, Mantamonas e Collodictyon. Um novo táxon foi criado - Glissodiscea - para as planomonas e Mantamonas. Novamente, a validade desta taxonomia revisada aguarda confirmação.

Amoebozoa parece ser monofilético[11] com dois ramos principais: Conosa e Lobosa. Conosa é dividido em infrafilo aeróbica Semiconosia (Mycetozoa e Variosea) e secundariamente anaeróbio Archamoebae. Lobosa consiste inteiramente de amebas lobosas não flageladas e foi dividida em duas classes: Discosea, que possui células achatadas, e Tubulinea, que possui predominantemente pseudópodes em forma de tubo.

CladoEditar

O grupo inclui células eucarióticas que, em sua maioria, apresentam um único flagelo emergente ou são amebas sem flagelos. Os unikonts incluem opisthokonts (animais, fungos e formas relacionadas) e Amoebozoa. Por outro lado, outros grupos eucarióticos bem conhecidos, que mais frequentemente têm dois flagelos emergentes (embora haja muitas exceções), são frequentemente chamados de bicontes. Bikonts incluem Archaeplastida (plantas e parentes) e supergrupo SAR, o Cryptista, Haptista, telonemia e picozoa.

Eukaryotes
Bikonta

Archaeplastida

Hacrobia

SAR supergrupo

Excavata

Podiata

CRuMs

Amorphea/

Amoebozoa

Obazoa

Breviatea

Apusomonadida

Opisthokonts
Holomycota
Zoosporia

Opisthosporidia

Fungi verdadeiro

Cristidiscoidea

Nucleariida

Fonticulida

Holozoa

Ichthyosporea

Pluriformea

Syssomonas

Corallochytrium

Filozoa

Filasterea

Choanozoa

Choanoflagellatea

Animalia

Unikonts

Uma vista dos grandes reinos e seus grupos de filogenética coroa.[12]


 
Estrutura de uma célula animal

CaracterísticasEditar

Os unikontes têm uma fusão tripla de genes que falta nos bicontes. Os três genes que são fundidos nos unicontes, mas não nas bactérias ou bicontes, codificam enzimas para a síntese dos nucleotídeos da pirimidina : carbamoil fosfato sintase, diidroorotase, aspartato carbamoiltransferase. Isso deve ter envolvido uma fusão dupla, um raro par de eventos, apoiando a ancestralidade compartilhada de Opisthokonta e Amoebozoa.

Cavalier-Smith[2] originalmente propôs que os unikonts ancestralmente tinham um único flagelo e um único corpo basal. Isso é improvável, entretanto, uma vez que opistocontes flagelados, bem como alguns Amoebozoa flagelados, incluindo Breviata, na verdade têm dois corpos basais, como em 'bicontes' típicos (embora apenas um seja flagelado na maioria dos unicontes). Esse arranjo pareado também pode ser visto na organização dos centríolos em células animais típicas. Apesar do nome do grupo, o ncestral comum de todos os 'unikonts' foi provavelmente uma célula com dois corpos basais.

Referências

  1. a b c Adl SM, Simpson AG, Lane CE, Lukeš J, Bass D, Bowser SS, Brown MW, Burki F, Dunthorn M, Hampl V, Heiss A, Hoppenrath M, Lara E, Le Gall L, Lynn DH, McManus H, Mitchell EA, Mozley-Stanridge SE, Parfrey LW, Pawlowski J, Rueckert S, Shadwick RS, Schoch CL, Smirnov A, Spiegel FW (setembro de 2012). «The revised classification of eukaryotes». J Eukaryot Microbiol. 59 (5): 429–93. PMC 3483872 . PMID 23020233. doi:10.1111/j.1550-7408.2012.00644.x 
  2. a b c Cavalier-Smith T (março de 2002). «The phagotrophic origin of eukaryotes and phylogenetic classification of Protozoa». Int. J. Syst. Evol. Microbiol. 52 (Pt 2): 297–354. PMID 11931142. doi:10.1099/00207713-52-2-297 
  3. Derelle, Romain; Torruella, Guifré; Klimeš, Vladimír; Brinkmann, Henner; Kim, Eunsoo; Vlček, Čestmír; Lang, B. Franz; Eliáš, Marek (17 de fevereiro de 2015). «Bacterial proteins pinpoint a single eukaryotic root». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 112 (7): E693–E699. Bibcode:2015PNAS..112E.693D. PMC 4343179 . PMID 25646484. doi:10.1073/pnas.1420657112 
  4. Cavalier-Smith, Thomas (2003). «Protist phylogeny and the high-level classification of Protozoa». European Journal of Protistology. 39 (4): 338–348. doi:10.1078/0932-4739-00002 
  5. Roger AJ, Simpson AG (2009). «Evolution: revisiting the root of the eukaryote tree». Current Biology. 19 (4): R165–R167. PMID 19243692. doi:10.1016/j.cub.2008.12.032 
  6. A Minge M, Silberman JD, Orr RJ, et al. (novembro de 2008). «Evolutionary position of breviate amoebae and the primary eukaryote divergence». Proc. Biol. Sci. 276 (1657): 597–604. PMC 2660946 . PMID 19004754. doi:10.1098/rspb.2008.1358 
  7. Burki F, Pawlowski J (outubro de 2006). «Monophyly of Rhizaria and multigene phylogeny of unicellular bikonts». Mol. Biol. Evol. 23 (10): 1922–30. PMID 16829542. doi:10.1093/molbev/msl055 
  8. Glücksman E, Snell EA, Berney C, Chao EE, Bass D, Cavalier-Smith T (setembro de 2010). «The Novel Marine Gliding Zooflagellate Genus Mantamonas (Mantamonadida ord. n.: Apusozoa)». Protist. 162 (2): 207–221. PMID 20884290. doi:10.1016/j.protis.2010.06.004 
  9. Cavalier-Smith T (maio de 2013). «Early evolution of eukaryote feeding modes, cell structural diversity, and classification of the protozoan phyla Loukozoa, Sulcozoa, and Choanozoa». Eur J Protistol. 49 (2): 115–78. PMID 23085100. doi:10.1016/j.ejop.2012.06.001 
  10. Cavalier-Smith T, Chao EE, Snell EA, Berney C, Fiore-Donno AM, Lewis R (dezembro de 2014). «Multigene eukaryote phylogeny reveals the likely protozoan ancestors of opisthokonts (animals, fungi, choanozoans) and Amoebozoa». Mol Phylogenet Evol. 81: 71–85. PMID 25152275. doi:10.1016/j.ympev.2014.08.012 
  11. Cavalier-Smith T, Fiore-Donno AM, Chao E, Kudryavtsev A, Berney C, Snell EA, Lewis R (fevereiro de 2015). «Multigene phylogeny resolves deep branching of Amoebozoa». Mol Phylogenet Evol. 83: 293–304. PMID 25150787. doi:10.1016/j.ympev.2014.08.011 
  12. Filogenética baseada em:

Referências geraisEditar

  • Thomas Cavalier-Smith (2002). «The phagotrophic origin of eukaryotes and phylogenetic classification of Protozoa». Int. J. Syst. Evol. Microbiol. 52: 297–354 
  • Thomas Cavalier-Smith (2006). «Protist phylogeny and the high-level classification of Protozoa». European Journal of Protistology. 39 (4): 338-348 
  • Alexandra Stechmann and Thomas Cavalier-Smith (2003). «The root of the eukaryote tree pinpointed». Current Biology. 13 (17) 

Ligações externasEditar

O Wikispecies tem informações sobre: Amorphea
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Amorphea