Ana Maria Francisca de Saxe-Lauemburgo

Ana Maria Francisca de Saxe-Lauemburgo (em alemão: Anna Maria Franziska von Sachsen-Lauenburg, em italiano: Anna Maria Francesca di Sassonia-Lauenburgo; Neuhaus no Elba, 13 de junho de 1672 - Zákupy, 15 de outubro de 1741) era uma nobre alemã pertencente à Casa de Ascânia.

Ana Maria Francisca
Princesa de Saxe-Lauemburgo
Retrato oficial de Ana Maria Francisca como Grã-Duquesa da Toscana, por Giovanni Gaetano Gabbiani,
Duquesa titular de Saxe-Lauemburgo
Reinado 1689-1728
Antecessor(a) Júlio Francisco de Saxe-Lauemburgo
Sucessor(a) --
Condessa Palatina de Neuburgo
Reinado 1690-1693
Grã-Duquesa da Toscana
Reinado 1723-1737
Predecessor Margarida Luísa de Orleães
Sucessor Maria Teresa da Áustria
 
Cônjuge (1) Filipe Guilherme Augusto de Neuburgo;
(2) João Gastão de Médici Grão-Duque da Toscana.
Descendência Leopoldina Leonor de Neuburgo
Maria Ana de Neuburgo
Casa Ascânia (por nascimento)
Wittelsbach (pelo 1º casamento)
Médici (pelo 2º casamento)
Nome completo Anna Maria Franziska von Sachsen-Lauenburg
Nascimento 13 de junho de 1673
  Neuhaus no Elba, Saxe-Lauemburgo
Morte 15 de outubro de 1741 (68 anos)
  Reichstadt, Reino da Boêmia
Pai Júlio Francisco de Saxe-Lauemburgo
Mãe Edviges do Palatinado-Sulzbach
Religião Catolicismo
Brasão

Era a filha mais velha sobrevivente de Júlio Francisco, Duque de Saxe-Lauemburgo, e de Edviges do Palatinado-Sulzbach. Na sequência da morte de seu pai, em 1689, ela deveria ter herdado o Ducado de Saxe-Lauemburgo. No entanto, como o seu primo distante, Jorge Guilherme de Brunsvique-Luneburgo, conquistou pela força o território em 1689, ela não exerceu qualquer controlo nos seus estados, tendo-se refugiado nas suas propriedades famíliares localizadas no Reino da Boêmia.

Casou, em primeiras núpcias, em 1690, com Filipe Guilherme Augusto de Neuburgo,[1] de quem teve apenas uma filha, Maria Ana, em 1691. Enviuvou em 1693.

Quatro anos mais tarde casou com João Gastão de Médici, segundo filho do Grão-Duque da Toscana Cosme III de Médici. Com a morte do seu cunhado Fernando de Médici, em 1713, João Gastão tornou-se herdeiro do Grão-Ducado[2] e, em 1723, pela morte do sogro, Ana Maria Francisca tornou-se, então, Grã-Duquesa consorte da Toscana, título que deteve durante catorze anos. Enviuvou, de novo, em 1737.[3]

BiografiaEditar

JuventudeEditar

 
Ana Maria Francisca (à direita) com a sua irmã Sibila (à esquerda), c. 1690 por artista anónimo.

Ana Maria Francisca nasceu a 13 de junho de 1673, sendo a segunda filha nascida do casamento do duque de Saxe-Lauemburgo e de Edviges do Palatinado-Sulzbach. A mãe morreu quando ela tinha nove anos.

Com a morte do seu pai, o duque Júlio Francisco , em 30 de setembro de 1689, a linha de Saxe-Lauemburgo da Casa de Ascânia, extinguiu-se por via masculina. Contudo, de acordo com as leis de Saxe-Lauemburgo, admitiam a sucessão feminina. Assim, Ana Maria Francisca era a herdeira legal do trono, pelo que as duas irmãs lutaram pela sucessão do trono. Também a prima de Júlio Francisco, Leonor Carlota de Saxe-Lauemburgo-Franzhagen, era pretendente à sucessão.

Jorge Guilherme de Brunsvique-Luneburgo, que aproveitara a fraqueza das duas irmãs e a falta de apoio internacional, para invadir com as suas tropas o Saxe-Lauemburgo, impedindo, assim, a ascensão das herdeiras legais.

Também outros soberanos reclamavam a sucessão, resultando num conflito que envolveu, para além dos ducados vizinhos de Mecklemburgo-Schwerin e da Holsácia, controlada pela Dinamarca, os outros cinco Principados de Anhalt governados por membros da Casa de Ascânia, o Eleitorado da Saxónia,[4] a Suécia e o Brandeburgo. O conflito foi, por fim, resolvido em 9 de outubro de 1693 pelo denominado Hamburger Vergleich, que Ana Maria Francisca e a irmã, Sibila, ficavam excluídas da sucessão sobre o Saxe-Lauemburgo.

O imperador Leopoldo I rejeitou a sucessão de Celle e reteve, sob sua custódia, o exclave de Hadeln, que pertencia a Saxe-Lauemburgo mas que se encontrava fora do alcance de Celle. Apenas em 1728 o seu filho, o imperador Carlos VI enfeudou Jorge II da Grã-Bretanha com o Saxe-Lauemburgo, legitimando assim a ocupação feita pelo seu avô em 1689 e em 1693. Em 1731 Jorge II também adquiriu Hadeln, que estava sob custódia imperial.

 
Filipe Guilherme Augusto, Conde Palatino de Neuburgo, primeiro marido de Ana Maria Francisca. Tela de Pieter van der Werff, 1690

Primeiro casamentoEditar

Ana Maria Francisca casou com Filipe Guilherme Augusto de Neuburgo. O casamento teve lugar na Boêmia, no castelo de Roudnice (em alemão: Raudnitz), em 29 de outubro de 1690. Era o oitavo filho de Filipe Guilherme, Eleitor Palatino. Das duas filhas nascidas deste casamento, apenas uma atilgiu a idade adulta:

Filipe Guilherme morreu a 5 de abril de 1693.

Segundo casamentoEditar

 
João Gastão de Médici, Grão-Duque da Toscana, segundo marido de Ana Maria Francisca. Tela de Franz Ferdinand Richter, 1737

Por razões dinásticas, Cosme III de Médici persuadiu o seu filho a casar com Ana Maria Francisca, uma vez que ela era extremamente rica e, além disso, era pretendente ao Ducado de Saxe-Lauemburgo, por ser herdeira do seu pai.[5] Além disso, a Casa Médici necessitava de um herdeiro, uma vez que o irmão mais velho de João Gastão, o Grão-príncipe Fernando, não tinha descendência. Eles casaram a 2 de julho de 1697, sendo a cerimónia celebrada pelo Príncipe-Bispo de Osnabruck na cidade de Dusseldórfia indo, depois, viver no castelo de Ploskovice (Ploschkowitz) e no de Zákupy (Reichstadt), no Reino da Boêmia.

A nova princesa Toscana tinha propriedades dispersas na região. Na altura do seu casamento, contemporâneos descreviam-na como "pavorosa e imensamente gorda". Ana Maria Francisca dominava o seu fraco marido, o que o levou ao alcoolismo. Ele deplorava o seu comportamento, "caprichoso, feições rabugentas e palavras acutilantes ". João Gastão permaneceu com a sua esposa apenas por uns mero dez meses, após o que escapou para Praga.[6] A princesa recusou a abandonar Reichstadt, apesar dos constantes protestos do marido. Ela acreditava que os Médici tinham o hábito de assassinar as suas consortes.[7]

O Grão-Duque, tentou forçar a sua nora a regressar à Toscana e a viver com João Gastão, pelo que solicitou ao Papa Clemente XI, que enviasse o Arcebispo de Praga para reaproximar o casal e convencê-la a cumprir as suas obrigações matrimoniais. Ela respondeu que não valia a pena porque João Gastão era "absolutamente impotente". O marido regressou sozinho em 1708.[8] Fernando, o herdeiro do Grão-Ducado em colapso, morreu em 1713, pelo que a princesa tornou-se Grã-Princesa da Toscana.

Vida adultaEditar

João Gastão tornou-se Grão-duque da Toscana em 1723 e, ela, Grã-duquesa consorte. O marido continuou a viver em Florença, a capital da Toscana, e nunca mais voltou a ver a mulher. João Gastão mantinha um estilo de vida frívolo,[9] ficando a pé toda a noite e só voltando a acordar de tarde. Como Grã-Duquesa, Ana Maria Francisca manteve uma vida de solidão no seu castelo, falando com os cavalos nos estábulos. João Gastão morreu em 1737. Os Médici não tinham herdeiro masculino pelo que, Francisco III Estêvão da Lorena[10] ascendeu ao trono Grão-Ducal.

Ana Maria Francisca faleceu, em 1741, no seu castelo de Zákupy.

ResidênciasEditar

Das suas residências destacam-se os castelos localizados no Reino da Boêmia: Ploskovice e Zákupy.

AscendênciaEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

ReferênciasEditar

  1. Filho do eleitor Filipe Guilherme do Palatinado e irmão da rainha portuguesa Maria Sofia de Neuburgo
  2. O título do herdeiro do trono Toscano era Grão-Príncipe da Toscana
  3. «Anna Maria Franziska of Saxe-Lauenburg». Yahoo.com - Geocities. Consultado em 18 de agosto de 2009. Arquivado do original em 25 de outubro de 2009 
  4. que sucedera ao Ducado de Saxe-Wittenberga em 1422
  5. Strathern pp. 397 – 398
  6. «Gian Gastone». Yahoo.com - Geocities. Consultado em 18 de agosto de 2009. Arquivado do original em 25 de outubro de 2009 
  7. Strathern p 403
  8. Strathern, p 404
  9. Hale, p 189
  10. que mais tarde veio a ser Sacro Imperador Romano-Germânico

BibliografiaEditar


Ana Maria Francisca de Saxe-Lauemburgo
Nascimento: 13 de junho de 1673 Morte: 15 de outubro de 1741
Realeza Italiana
Precedido por
Margarida Luísa de Orleães
 
Grã-Duquesa da Toscana

1723–1737
Sucedido por
Maria Teresa da Áustria