Ana Maria de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva

D. Ana Maria de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva, de seu nome completo Ana Maria José Domingos Francisca Júlia Senhorinha Mateus Joana Carlota de Bragança e Ligne Sousa Tavares Mascarenhas da Silva (Lisboa, 21 de setembro de 1797 - Lisboa, 12 de setembro de 1851) foi uma nobre portuguesa filha de D. João Carlos de Bragança, 2º Duque de Lafões e que sucedeu ao pai nos títulos e comendas da Casa de Lafões.

Ana Maria de Bragança e Ligne
Duquesa de Lafões
Ana Maria de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva
Duquesa de Lafões,
Marquesa de Arronches,
Condessa de Miranda do Corvo
e Senhora da Casa de Sousa
Reinado 1806-1851
Predecessor João Carlos de Bragança
Sucessor Caetano Segismundo de Bragança, Duque de Lafões
 
Nascimento 21 de setembro de 1797
  Lisboa, Reino de Portugal
Morte 12 de setembro de 1851 (53 anos)
  Lisboa, Reino de Portugal
Nome completo  
Ana Maria José Domingos Francisca Júlia Senhorinha Mateus Joana Carlota de Bragança e Ligne Sousa Tavares Mascarenhas da Silva
Marido Segismundo Caetano Álvares Pereira de Melo, Marquês de Cadaval
Casa Casa de Bragança, Linhagem Lafões (por nascimento)
Casa de Bragança, Linhagem Cadaval (por casamento)
Pai João Carlos de Bragança
Mãe Henriqueta Júlia Lorena e Meneses
Brasão

Biografia editar

D. Ana Maria era a filha mais velha de D. João Carlos de Bragança, 2º Duque de Lafões, e de sua mulher D. Henriqueta Júlia Lorena e Meneses, filha do Marquês de Marialva.

O casal tivera um filho varão, D. José João Miguel de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva, que, por mercê especial da rainha D. Maria I, recebera o título de Duque de Miranda do Corvo, a ser usado pelo herdeiro do Duque de Lafões, em vida do pai. Mas o menino morreu em 1801, apenas com 6 anos.

D. Ana Maria tornou-se herdeira da Casa paterna e, em 1806, pela morte de seu pai, sucedeu-lhe em todos os títulos, bens e comendas da Casa de Lafões.

Em 1823, pela morte sem descendência, do seu tio materno, D. Pedro José Joaquim Vito de Meneses Coutinho, 6º Marquês de Marialva, D. Ana Maria sucedeu-lhe nas diversas honras da Casa de Marialva.[1] A representação da Casa de Marialva foi incorporada na Casa de Lafões. Tornando-se um dos melhores partidos do Reino, D. Ana Maria veio a casar, a 24 de novembro de 1819 com o seu parente D. Segismundo Caetano Álvares Pereira de Mello, filho segundo dos quintos Duques de Cadaval, nascido a 10 de novembro de 1800. Foi-lhe tornada extensiva a mercê dos títulos de Duque de Lafões (1819 e carta de 19 de abril de 1823), Marquês de Arronches e Conde de Miranda do Corvo. Foi Par do Reino, do Conselho de El-rei, grã-cruz da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, Comendador da Ordem de Cristo, Cavaleiro de São João de Jerusalém e sócio da Academia Real das Ciências. Antes do casamento fruía já das honras do Marquês como filho segundo dos Duques de Cadaval

Em 1826, D. Segismundo Caetano fez parte da comissão que, após o falecimento de D. João VI foi ao Brasil cumprimentar D. Pedro IV como herdeiro da coroa portuguesa. No entanto, a promulgação da carta trazida por Sir Charles Stuart eliminou uma parte do importante papel político de que embaixada ía incumbida, reduzindo-se a uma mera apresentação de cumprimentos ao imperador-rei.

Casamento e descendência editar

Como já referido, D. Ana Maria casou em Lisboa, em 24 de novembro de 1819, com D. Segismundo Caetano Álvares Pereira de Melo, segundo filho do 5.º Duque de Cadaval, que nascera a 10 de novembro de 1800, vindo a falecer em Lisboa a 27 de maio de 1867.

Deste casamento nasceram cinco meninas:

  1. Maria Carlota (1820-1865) herdeira da Casa Ducal de Lafões mas que nunca se encartou por ser afeiçoada à causa de D. Miguel. Casou em Lisboa em 27 de setembro de 1853 com Pedro de Portugal e Castro (1830-1878), quarto filho do 5º Marquês de Valença, com geração;
  2. Henriqueta Maria (1821-1839), sem aliança e sem geração, sepultada em Paris;
  3. Ana da Piedade (1822-1856) que casou em Paris a 5 de outubro de 1840 com Francisco de Sales Zargo da Câmara, Marquês da Ribeira Grande, com geração;
  4. Maria Isabel (1830-…) que casou em Paris a 19 de junho de 1848 com José Menezes da Silveira e Castro, 2º Marquês de Valada, com geração;
  5. Maria da Assunção (1831-1858), que casou em 25 de junho de 1857 com Francisco de Sales Zargo da Câmara, Marquês da Ribeira Grande, seu cunhado,[2] com geração.

Ver também editar

Referências editar

  1. a sua mãe, D. Henriqueta Maria Júlia de Lorena e Menezes, irmã do marquês, falecera em 1810
  2. que ficara viúvo de sua irmã Ana da Piedade

Bibliografia editar

  • Árvores de Costado de Famílias Ilustres de Portugal, José Barbosa Canaes de Figueiredo Castello Branco, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1990, Tomo I-pg. 2 e Tomo I-pg. 3.
  • História Genealógica da Casa Real Portuguesa, D. António Caetano de Sousa, Atlântida-Livraria Editora, Lda, 2ª Edição, Coimbra, 1946, Tomo VIII-pg. 275.
  • Nobreza de Portugal e do Brasil, Direção, coordenação e compilação do Dr. Afonso Zuquete, Vol. II, pág. 322, 323, 747, 748. Edição Representações Zairol Lda., Editorial Enciclopédia Lda., Lisboa, 1960 (1ª edição) e 1989 (2ª edição).


Ana Maria de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva
Nascimento: 21 de setembro 1797 Morte: 12 de setembro 1851
Nobreza de Portugal
Precedido por:
João Carlos de Bragança
 
Duquesa de Lafões,
Condessa de Miranda do Corvo

18061851
Sucedido por:
Caetano Segismundo de Bragança
Marquesa de Arronches
e 33ª Senhora da Casa de Sousa

18061851
Sucedido por:
Maria Carlota de Bragança

Ligações externas editar