Abrir menu principal
André Grabois
Nascimento 3 de julho de 1946
Rio de Janeiro, Brasil
Morte 14 de outubro de 1973 (27 anos)
Araguaia, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação guerrilheiro

André Grabois (Rio de Janeiro, 3 de julho de 1946Araguaia, 14 de outubro de 1973) foi um guerrilheiro comunista brasileiro, morto na Guerrilha do Araguaia.

Índice

BiografiaEditar

Filho de Maurício Grabois, um dos dirigentes do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e comandante-chefe da guerrilha instalada no Araguaia nos anos 70, foi obrigado a viver na clandestinidade desde os 17 anos de idade, devido à perseguição política sofrida por seu pai e sua família, após o golpe militar de 1964.[1]

Em 1967 foi designado pelo Partido para fazer teinamento militar na República Popular da China, junto com outros militantes. No retorno, instalou-se com o pai e outros companheiros, como o médico João Carlos Haas Sobrinho, na localidade de Porto Franco, no Maranhão, onde alguns dos futuros guerrilheiros estabeleceram-se por algum tempo, trabalhando no comércio de alumínio, utensílios domésticos e na área da saúde,[2] antes de se dirigirem à região do Araguaia.

Integrante de um dos primeiros grupos a chegar à área, onde era conhecido pelo codinome de "Zé Carlos", conheceu e casou-se com a guerrilheira e enfermeira Criméia Schmidt de Almeida, que grávida de André e com problemas durante a gestação, foi obrigada a deixar o Araguaia em junho de 1972, para procurar tratamento em São Paulo, escapando assim do aniquilamento posterior da guerrilha. O filho dos dois, João Carlos, nunca conheceu o pai.[3]

"Zé Carlos" foi o comandante do Destacamento A da guerrilha, baesada na área de Faveira, do inicio da ofensiva militar até outubro de 1973. No dia 14 deste mês, seu grupo, que caçava e preparava porcos-do-mato na roça de um caboclo local que aderiu à guerrilha, para posterior transporte e alimentação do destacamento, foi surpreendido numa emboscada por uma patrulha do exército comandada pelo major Lício Maciel, onde ele e mais três guerrilheiros foram mortos no tiroteio.[4]

Seu corpo nunca foi encontrado e é dado como desaparecido.[5]

Ver tambémEditar

Referências

BibliografiaEditar