Abrir menu principal
André Petry
Nascimento 13 de novembro de 1961
Arroio Grande, Rio Grande do Sul
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Jornalista

André Petry (Arroio Grande, 1961) é um jornalista brasileiro.

BiografiaEditar

Petry formou-se em jornalismo em 1984 na Universidade Católica de Pelotas, tendo estudado Filosofia brevemente. Trabalhou para o Diário Popular em Pelotas e mais tarde para o Correio Braziliense, em Brasília, cobrindo questões externas desde a política Perestroika de Mikhail Gorbachev à guerra entre Iraque e Irã.

De 1991 a 1996, trabalhou em São Paulo para a revista Veja como editor político, em que cobriu os desdobramentos da crise que levou à renúncia do presidente Fernando Collor.

De 1996 a 2007, foi chefe da redação de Brasília e escreveu uma coluna semanal durante quatro anos.[1] Foi também editor especial e correspondente internacional da Veja em Nova York e, mais recentemente, ocupava o cargo de editor especial da revista, da qual, em 2016, tornou-se diretor de redação, substituindo Eurípides Alcântara.[2][3]

Petry é conhecido como crítico feroz do que considera intromissão das igrejas em temas pertinentes ao Estado, tais como aborto e pesquisas com células-tronco, e sua chegada ao comando da revista foi seguida por uma mudança editorial considerada como "progressista". Polemistas como Rodrigo Constantino e Joice Hasselmann foram desligados veículo, ao mesmo tempo em que temas como feminismo, desarmamento, maioridade penal, aquecimento global, descriminalização de drogas, entre outros, passaram a ser pautados. A mudança gerou protestos por parte dos leitores mais conservadores e identificados com a direita política.[4][5][4]

Referências

  1. «André Petry». Office of Public Affairs (em inglês). Yale University. 3 de abril de 2012. Consultado em 16 de abril de 2012 
  2. Grupo Abril anuncia novo presidente executivo e mudanças editoriais. São Paulo, 25 de fevereiro de 2016.
  3. «André Petry vira diretor de Redação da revista 'Veja'». Folha de S.Paulo. Uol. 25 de fevereiro de 2016. Consultado em 3 de março de 2017 
  4. a b A guinada progressista da revista Veja. Por Johnny Bernardo. Gospelamais, 9 de Fevereiro de 2017.
  5. Marcelo Moura Coelho (25 de março de 2005). «Obtusidade anticlerical». Mídia sem Máscara. Consultado em 16 de fevereiro de 2008 
  Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.