André Ventura

político português

André Claro Amaral Ventura (Algueirão, Sintra, 15 de janeiro de 1983)[2] é um jurista, professor universitário, político português e ex-comentador desportivo português. Atualmente desempenha as funções de presidente do partido CHEGA e deputado na Assembleia da República Portuguesa.

André Ventura
Presidente do CHEGA
Período 9 de abril de 2019 até a atualidade
Deputado da Assembleia da República pelo Distrito de Lisboa
Período 25 de outubro de 2019 até a atualidade
Legislaturas XV da República Portuguesa;
XIV da República Portuguesa
Vereador da Câmara Municipal de Loures
Período 23 de outubro de 2017 até 26 de outubro de 2018
Dados pessoais
Nome completo André Claro Amaral Ventura
Nascimento 15 de janeiro de 1983 (40 anos)
Algueirão, Algueirão - Mem Martins, Sintra, Portugal
Nacionalidade Portuguesa
Alma mater Universidade de Cork (PhD)
Universidade Nova de Lisboa (LL.M.) [1]
Partido PSD (2001-2018)
CHEGA (2019-presente)
Religião Catolicismo Romano
Profissão Professor de Direito

Nas eleições autárquicas de 2017, foi candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, onde foi eleito vereador, tendo renunciado ao cargo em 2018. Foi candidato à Presidência da República Portuguesa nas eleições presidenciais de 2021, tendo ficado em terceiro lugar.[3]

Ventura define-se como "liberal a nível económico, nacionalista e conservador".[4] Defende ainda uma revisão constitucional para reduzir o número de deputados, a criação da pena de castração química ou física a condenados por crimes de violação ou abuso sexual de menores, a prisão perpétua, a limitação dos cargos de primeiro-ministro e ministro a quem tiver nacionalidade portuguesa originária, a eliminação dos limites materiais da revisão da própria Constituição ou retirada do termo "república" na referência a Portugal. Defende ainda várias alterações ao código penal, como um aumento da moldura para o dobro para crimes por corrupção activa e passiva,[5] e agravamento de penas para crimes como violação, homicídio, terrorismo, tráfico de pessoas, o crime de incêndio florestal, o crime de propagação de doença,[6] e o fim à prescrição dos crimes.[7]

As suas posições políticas são vistas por parte da comunicação social portuguesa, assim como por alguns políticos, comentadores políticos, e académicos, como de extrema-direita, sendo assim considerado o primeiro deputado dessa índole com um lugar na Assembleia da República desde a Revolução dos Cravos.[8] Muitas das suas declarações sobre temas sociais são categorizadas pelos mesmos como anticiganistas, islamofóbicas, xenofóbicas, e machistas.

Biografia

Infância e juventude

André Ventura nasceu em Algueirão, Sintra, em 15 de janeiro de 1983, filho de um dono de uma loja de bicicletas[9] e de uma empregada de escritório. Aos catorze anos, tornou-se um católico entusiasta, batizou-se e fez a primeira comunhão e o crisma. Quis ser padre e frequentou o Seminário de Penafirme, seminário menor do Patriarcado de Lisboa, mas não prosseguiu a formação eclesiástica, por se ter apaixonado.[10][11] Licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, com dezanove valores.[12][13] Em 2013, defendeu a tese de doutoramento em Direito Público pela Faculdade de Direito da Universidade de Cork, na Irlanda, financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Nesta, criticou o "populismo penal" e "estigmatização de minorias", revelando preocupação com a "expansão dos poderes policiais".[14][15]

Carreira profissional

Lecionou na Universidade Autónoma de Lisboa, de 2013 até 2019, e na Universidade Nova de Lisboa, de 2016 até 2018.[16] Foi consultor na Caiado Guerreiro, Sociedade de Advogados, de 2018 até 2019, e comentador desportivo no canal de televisão CMTV, da entidade Cofina, de 2014 até 2020.[16] É também inspetor da Autoridade Tributária, mas com licença sem vencimento desde 2014.[17]

Foi consultor na empresa Finpartner, na qual trabalhou de 2019 a 2020, acumulando por 9 meses com o salário de cargo político.[18][16][19]

Em maio de 2020, na sequência de uma polémica com o futebolista Ricardo Quaresma, que descreveu o discurso de André Ventura como "populismo racista",[20] advindo de uma proposta de André Ventura para um "plano de confinamento específico para a comunidade cigana" com o intuito de combater a propagação do SARS-CoV-2,[21] foi dispensado como comentador na CMTV,[22] acumulando o vencimento desse cargo com o salário de cargo político, até ao dia 31 do mesmo mês.[16][19]

Política no Partido Social Democrata

Em junho de 2015, afirmou que provavelmente seria candidato pelo PSD à Câmara Municipal de Sintra, o que acabou por não se concretizar.[23]

Em 2016, criou, com Rui Pereira, antigo ministro da Administração Interna, e o antigo futebolista António Simões, um movimento de apoio à recandidatura de Luís Filipe Vieira à liderança do Sport Lisboa e Benfica.[24] Em julho de 2016, na sequência do atentado em Nice, André Ventura afirmou no Facebook defender "a redução drástica da presença islâmica na União Europeia".[25]

Vereador em Loures

Em abril de 2017, foi escolhido pelo PSD para liderar a candidatura à Câmara Municipal de Loures nas eleições autárquicas desse mesmo ano, enfrentando o candidato do PCP, Bernardino Soares.[23] Apesar de ter perdido, foi eleito vereador, renunciando em 2018.[26]

Controvérsia

Numa entrevista, em julho de 2017, em resposta às declarações de André Ventura acerca dos povos ciganos, José Pinto Coelho, do PNR, escreve "Infelizmente, ao que parece, alguns dos 'meus' ainda andam pelos partidos do sistema".[27] Ventura, de seguida afirmou "repudiar veementemente o apoio da extrema-direita".[28] No decurso da mesma campanha, André Ventura fez várias afirmações polémicas sobre a comunidade cigana do concelho de Loures, tendo passado a ser alvo de uma queixa-crime apresentada pela candidatura do Bloco de Esquerda a Loures, encabeçada por Fabian Figueiredo.[29][30] Acabou acusado por José Pinto Coelho de roubar o discurso do PNR.[31] Em outubro de 2017, Ventura afirmou estar pronto a disputar a liderança do PSD, caso mais ninguém avançasse contra Rui Rio.[32]

Política no Partido CHEGA

Pré-eleição

A 9 de abril de 2019, fundou o partido político CHEGA, e, a 12 de abril de 2019, associou-se à Coligação Basta! para as Eleições Parlamentares Europeias de 2019. Não conseguindo eleger qualquer Eurodeputado, a coligação foi dissolvida a 30 de julho de 2019.[33] Concorreu às Eleições Legislativas Portuguesas de 2019 pelo CHEGA, como cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Lisboa, acabando por ser eleito como o primeiro deputado do partido por si fundado.[34][35] Afirma ter posições "liberais economicamente, nacionalistas culturalmente e conservadoras em questões de costumes", e define-se como um "político antissistema".[36][37]

Academicamente, é descrito como um Partido de direita radical, movimento que tem estado marginalizado desde a revolução de 25 de abril de 1974.[38][39] Foi criado a partir pequenos grupos dentro do Partido Social Democrata.[40] A carreira de André Ventura teve destaque nos meios de comunicação social quando acusou as comunidades Romani de viverem num estado de benefícios.[40] Visto por comentadores como uma tentativa de importar o discurso xenófobo que estava a aparecer noutros países da Europa, teve destaque por ser um representante do segundo maior partido de então (assim como por ser um comentador de futebol, o que aumentou a sua visibilidade), tendo a sua fundação menos ligações ao movimento de extrema-direita tradicional.[40]

António de Oliveira Salazar

Sobre António de Oliveira Salazar, ditador português durante o regime do Estado Novo, André Ventura disse que "A República liderada pelo Dr. António de Oliveira Salazar, a maior parte do tempo, também não resolveu [os problemas do país] e atrasou-nos muitíssimo em vários aspetos. Não nos permitiu ter o desenvolvimento que poderíamos ter tido, sobretudo no quadro do pós-II Guerra Mundial. Portugal poder-se-ia ter desenvolvido extraordinariamente e ficámos para trás, assim como os espanhóis".[41]

No discurso de encerramento do IV Congresso Nacional do Chega, André Ventura apropriou-se do lema do ditador Oliveira Salazar durante o Estado Novo, "Deus, pátria e família", acrescentando-lhe a palavra "trabalho", para sintetizar os valores em que o partido acredita.[42]

Deputado na Assembleia da República

XIV Legislatura da República Portuguesa

Posição sobre os deputados

André Ventura, foi eleito deputado da Assembleia da República Portuguesa pelo circuito de Lisboa. Em setembro de 2020, apresentou uma proposta da diminuição do número de deputados de 230 para 100, declarada inconstitucional pela Comissão de Assuntos Constitucionais.[43] Em novembro, abdicou destas propostas para acompanhar o PSD.[44] Em janeiro de 2020, propôs a diminuição de 5 a 7,5% nos salários dos deputados.[45]

Conflito com o Conselho Superior de Magistratura

A 6 de dezembro de 2019, apresentou na Assembleia da República um projeto de lei para a agravação de penas para crimes de abuso sexual de menores de 14 anos, que incluía a implementação da castração química.[46][47] O parecer do Conselho Superior de Magistratura indica que a redação proposta teria como resultado descriminalizar abuso sexual de menores dependentes dos 14 aos 18 anos. André Ventura responde na sua página do Facebook dizendo que esta não seria a sua intenção, defendendo também uma interpretação distinta do projeto de lei:[46]

"[...] no Artigo 173º do nosso projeto está prevista a punição de abuso sexual de menores entre os 14 e os 16 anos, estejam ou não dependentes. Logo, nunca haveria nenhuma descriminalização entre os 14 e os 16 anos [...] no máximo estamos perante um lapso qualquer na transcrição do projeto que seguiu para os serviços do Conselho Superior de Magistratura ou da [Assembleia da República].[46]

Orçamento de Estado de 2021

Em Janeiro de 2020, André Ventura anunciou ter apresentado "à volta de 100" propostas de alteração ao Orçamento do Estado para esse ano, subordinadas às "grandes áreas fundamentais de governação", a criação de "um grupo que finalmente leve a cabo a definição do enriquecimento ilícito", o "fim da taxa do audiovisual" e ainda a "descida dos impostos sobre os combustíveis", a descida do IVA da eletricidade e gás natural para a taxa mínima, de 6%, a redução dos vencimentos dos titulares de cargos públicos em 12,5%, a proibição da realização de operações de mudança de sexo através do Serviço Nacional de Saúde, e o pagamento de um subsídio de alojamento para professores e de um subsídio de risco para as forças de segurança, bem como dos suplementos remuneratórios.[48] A 27 de outubro de 2020, André Ventura aponta "insuficiências" ao Orçamento de Estado de 2021,lamentado que no documento haja apenas "um artigo para o combate à corrupção".[49]

Defendeu ainda alteração do artigo 373.º do Código Penal (CP), com o aumento da moldura penal aos condenados por corrupção — ativa e passiva. Ao crime de corrupção passiva que actualmente pune com pena de prisão de um a oito anos ou de um a cinco anos, dependendo das circunstâncias, André Ventura propôs que passa-se a ser punido com pena de prisão de cinco a 16 anos e de dois a oito anos. E ainda propôs uma sanção acessória que impede o exercício de cargos políticos durante dez anos. Já sobre o crime de corrupção ativa (artigo 374.º CP), defende ainda aumentar a pena para dois a dez anos ou até cinco anos ao invés do atualmente consagrado de um a cinco anos ou até três anos de prisão.[50]

All Lives Matter

Ventura defendeu o movimento All Lives Matter, contrário ao movimento Black Lives Matter, depois da morte do cidadão norte-americano George Floyd.[51]

Bruno Candé

Em junho de 2020, organizou uma contramanifestação um dia após terem sido anunciadas concentrações antirracistas em homenagem ao ator Bruno Candé, vítima de homicídio,[52] sob o lema "Portugal não é racista" e afirmando que a contramanifestação "é de tudo menos de supremacia branca".[53][54]

Movimento Zero

Ventura participou numa manifestação do Movimento Zero, em frente da Assembleia da República.[55] A manifestação foi marcada pelo uso do gesto OK, também utilizado por supremacistas brancos e organizações de extrema-direita.[55]

Multas por discriminação

Em novembro de 2020, foi multado em mais de 400 euros pela discriminação das comunidades ciganas.[56] Em dezembro do mesmo ano, foi condenado a pagar 3370 euros por discriminação étnica na forma de assédio.[57] André Ventura, posteriormente numa conferência de imprensa na Assembleia da República, afirmou que não pagaria a multa, por esta, segundo Ventura "limitar a liberdade de expressão de um cidadão, de um deputado da nação e líder político".[58][59]

Pandemia de COVID-19

Ventura criticou na Assembleia da República a Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, pela libertação de presos para aliviar as cadeias, com as transmissões de Covid-19, dizendo que o diploma era uma "infâmia".[60]

André Ventura criticou o Estado de Emergência de 17 de dezembro de 2020, dizendo ser um "estado de caos sobre um estado de caos" que "vai destruindo a vida dos portugueses sem planeamento".[61]

Condenação por segregação racial

Em setembro de 2021, o partido Chega e Ventura foram condenados pelo Tribunal da Relação de Lisboa por segregação racial. Em janeiro do mesmo ano, no debate das eleições presidenciais de 2021 com o Presidente da República então incumbente, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou uma fotografia deste no bairro da Jamaica com membros de uma família.[62] Quando mostrou a fotografia, rotulou-os de "bandidos" e de "bandidagem", em contraste com os "portugueses de bem" que afirmava representar. Na sentença, é indicada nas ofensas "a vertente discriminatória em função da cor da pele e da situação socioeconómica dos autores".[62] O caso remonta a 2019, e toda a família Coxi, do bairro da Jamaica, Seixal, foi condenada a prisão por crimes cometidos contra a polícia. Uma pena de seis meses por ofensas à integridade física qualificada contra um agente aplicada a Julieta Coxi foi substituída por uma multa de 900 euros. Quer os restantes membros da família Coxi, quer o agente da PSP, Tiago Andrade, foram condenados a penas suspensas. Hortêncio Coxi foi condenado a dois anos e quatro meses e a pagar 1.500 euros de indemnização ao agente Tiago Andrade, a pena mais pesada. Higina Coxi foi condenada a dois anos e dois meses e 650 euros de multa e Flávio Coxi a um ano e oito meses e 850 euros de multa.[63]

Comissões Parlamentares a que pertence
  • Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias
  • Comissão de Orçamento e Finanças
  • Comissão de Saúde [Coordenador GP]
  • Grupo de Trabalho - Avaliação das Condições de Trabalho das Forças de Segurança
  • Grupo de Trabalho - Júri do Prémio Direitos Humanos 2021[64]

XV Legislatura da República Portuguesa

No dia 29 de março de 2022 foi reeleito deputado à Assembleia da República, pelo círculo eleitoral de Lisboa.[65][66][67][68] No discurso da tomada de posse, Ventura prometeu que o Chega será a voz "dos portugueses comuns". "Será a voz daqueles que perderam a voz num sistema que não permitiu que não fossem representados".[69] Na primeira vez que tomou a palavra, respondeu ao novo presidente do grupo parlamentar da bancada socialista, lembrando a Eurico Brilhante Dias que teve mais de meio milhão de votos e que "merecem respeito".[70] Após o discurso do novo Presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva (PS), respondeu que o Chega "ama a sua pátria e não tem medo de o dizer", “Não nos incomoda nada que ache que o nacionalismo é negativo. Orgulhamo-nos da nossa História e do que Portugal foi nos vários séculos” terminando com uma citação do poeta, Fernando Pessoa: “Estamos aqui para cumprir Portugal”.[70][71]

No início da discussão do programa do governo, criticou o programa “programa vazio e pura propaganda”, e considerou que o executivo não responde a problemas como o da corrupção, da saúde ou do combate à pobreza.[72] No dia 8 de abril apresentou um programa de rejeição ao governo, que foi rejeitada com as abstenções da Iniciativa Liberal e PSD e os votos contra do PS, PCP, BE e os deputados únicos do Livre e PAN.[73] André Ventura, criticou Augusto Santos Silva pois segundo o próprio foi alvo de um "tamanho ato de censura", durante a sua intervenção mencionou “Não tenho memória de uma intervenção de um deputado eleito ser interrompida pelo presidente da Assembleia da República [...] Desde o 25 de Abril que não acontecia nesta Assembleia da República um tamanho ato de censura sob um partido e um grupo parlamentar”.[73][74][75][76]

No dia 19 de abril, acompanhou os deputados Pedro Pinto, Rita Matias e Pedro Frazão à Porta do Colégio Planalto, numa ação para sensibilizar pais e alunos e exigir ao Governo o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras, sobretudo em meio escolar.[77] No dia 17 de maio, visitou o Quartel dos Bombeiros de Camarate com uma comitiva do Chega, onde pretendia "perceber as condições de trabalho destes profissionais no quartel e o que está a ser feito em termos de prevenção de incêndios, nomeadamente quais os problemas que os bombeiros enfrentam em termos de meios e de organização no combate aos incêndios".[78]

A 20 de maio, visitou a Federação Pela Vida, juntamente com os deputados Rita Matias e Jorge Valssasina Galveias, em apoio à realização de um Referendo sobre a Eutanásia.[79][80][81]

Comemoração do 25 de abril - 2022

Na comemoração do 25 de abril de 1974, Ventura fez um apelo direto a Marcelo Rebelo de Sousa, pedindo que “não condecore aqueles que torturaram, mataram e expropriaram em Portugal”, referindo-se à polémica em torno das condecorações a todos os membros da Junta de Salvação Nacional.[82] No seu discurso criticou a falha no progresso económico e social do país: "em 1975 Portugal estava no Índice de Desenvolvimento Humano na 23.ª posição, em 2015 estava na 41.ª [...] Falhámos no progresso e fomos arranjando sistematicamente desculpas, foi a crise financeira, foi a pandemia, agora é a guerra. Não sei a que velocidade iam as chaimites que vinham de Santarém para Lisboa, mas sei uma coisa, sei que na velocidade do pós-25 de Abril Portugal ficou sistematicamente para trás".[83][84]

Orçamento de Estado de 2022

No início da discussão do Orçamento de Estado para 2022, anunciou o voto contra do Chega "este documento não reflete as preocupações e as necessidades que os portugueses precisam de ver acauteladas ao longo deste ano".[85] Referindo que este orçamento pecava pelo facto "por voltar a alocar a maior parte dos recursos públicos ao Estado e às suas clientelas, deixando altamente prejudicadas as famílias e as empresas", concluindo que "Este é um Orçamento usurpador: continua a exploração de quem trabalha e investe para sustentar o polvo da máquina do Estado".[85] No último dia de discussão do OE, considerou que o Governo apresentou um Orçamento do Estado para 2022 que representa o “regresso da austeridade” e é um “panfleto eleitoral”, defendendo que “os portugueses vão perder rendimentos”.[86] Ventura considerou que “é chocante que um Governo socialista com maioria absoluta venha a esta casa num cenário de guerra e de brutal inflação que todos os portugueses sentem e apresente o mesmo panfleto eleitoral”.[86]

A 12 de maio de 2022, anunciou que o grupo parlamentar iria entregar "cerca de 300” propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2022".[87] Destacando várias propostas desde “uma atualização extraordinária” de “50 euros para a generalidade das pensões e depois um aumento de 20 e de 10 para as mais elevadas”; “isenção de IVA em bens alimentares essenciais” durante três meses, visando “conter o surto inflacionista e as consequências da guerra na Ucrânia"; a descida da taxa de IRC para 17,5%, "como forma de atrair investimento"; "desconto direto na bomba" de "20 cêntimos por litro nos combustíveis"; aumento para "300 euros por mês, independentemente do tempo de serviço, do Suplemento Especial de Pensão dos antigos combatentes".[87][88] Relativamente às forças de segurança, Ventura disse que o Chega vai apresentar como proposta de alteração do orçamento, o aumento do suplemento de risco para o "valor mínimo de 300 euros", além do "suplemento de fixação do corpo da guarda prisional" e do "subsídio de insularidade" para quem está nas regiões autónomas. Para a justiça anunciou que o partido vai propor "o aumento da dotação para o combate à corrupção, fraude e criminalidade económico-financeira", um "sistema de gestão anti-suborno, no âmbito dos concursos públicos", e outro de “controlo de fraude e desperdício”, assim como a contratação de mais meios humanos para o Instituto de Registos e Notariado, e o reforço da capacidade técnica do Ministério Público e da Política Judiciária.[87][89]

Guerra na Ucrânia

No debate sobre a Ucrânia, no plenário da Assembleia da República, sublinhou a "condenação inequívoca" da agressão russa à Ucrânia, uma "guerra brutal e ilegal", cujos autores têm que ser "severamente punidos".[90] Criticando o bloco de esquerda e o partido comunista português pelas "abstenções e votos contra" das declarações de condenação à invasão russa da Ucrânia.[90] Na declaração afirmou "Se não gostam da liberdade, nós gostamos da liberdade e estamos aqui para defendê-la".[90] Ventura mencionou que “é o nacionalismo positivo ucraniano que está a permitir a luta nas ruas para manter a sua pátria”.[91] De seguida criticou o partido socialista ao relembrar que "houve primeiros-ministros “aos abraços a Hugo Chávez a vender computadores”, que “trouxeram a Lisboa a maioria dos tiranos e ditadores do mundo” e que há um ministro das Finanças, Fernando Medina que “deu dados ao governo da Rússia“.[91] Na sessão plenário onde esteve o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, Ventura criticou as seis cadeiras vazias do PCP na sessão, falando numa "indignidade".[92]

Ventura propôs uma comissão parlamentar de inquérito sobre as “suspeitas” de que “entidades governamentais” tinham conhecimento da natureza pró-russa de algumas associações ucranianas.[93] A iniciativa surgiu a propósito do acolhimento de refugiados em Setúbal por cidadãos russos, que terão fotocopiado documentos pessoais e pedido informações sobre familiares que ficaram na Ucrânia.[93] Exigindo conhecer "as suspeitas reais e os factos reais" apurados pelos serviços de informações portugueses sobre espionagem russa em Portugal, em audições no parlamento à porta aberta ou fechada.[94]

Em declarações aos jornalistas, no Palácio de Belém, disse recear "que o Governo de Vladimir Putin, através de associações financiadas, algumas delas com o dinheiro público, possa estar a atuar de forma impune, de forma livre em Portugal".[95] Defendendo ser "impensável que numa democracia como a nossa os líderes dos maiores partidos portugueses estejam completamente à deriva sobre o que se passa em Portugal nesta matéria de monitorização dos serviços secretos".[95]

Moção de Censura ao Governo

A 1 de julho anunciou a apresentação de uma moção de censura ao Governo, ressaltando que irá retiraria caso os ministros da Saúde e Infraestrutura fossem demitidos.[96] Justificou a apresentação da moção com um conjunto de várias situações que passam no país: o estado da Saúde, as opções do Governo face ao aumento dos preços dos combustíveis, e no “ato politicamente mais grave” na sua visão, envolvendo o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, onde referiu, que “acabou politicamente”, devido à a situação em torno do novo aeroporto de Lisboa.[96][97][98][99] A moção de censura acabou chumbada com os votos favoráveis do Chega, a abstenção do PSD e Iniciativa Liberal e os votos contra do Partido Socialista, PAN e Livre.[100]

Políticas internacionais

Partido Identidade e Democracia

A 2 de julho de 2020, anunciou enquanto presidente do Chega, que o partido aceitou o convite do partido integrar no grupo parlamentar do Parlamento Europeu, Identidade e Democracia.[101]

No dia 23 de junho de 2022, teve um encontro com a Ministra da Justiça da Hungria, Judit Varga, para a preparação de um encontro com o Primeiro-Ministro da Hungria, Viktor Orbán.[102]

Viva 21 - Espanha

Nos dias 9 e 10 de outubro, esteve reunido com Santiago Abascal e Giorgia Meloni em Madrid, no evento Viva 21 organizado pelo Vox.[103][104] Os três lideres partidários concordaram com a importância da existência de fronteiras seguras para a proteção dos povos da União Europeia, o respeito pelas soberanias nacionais, e a defesa da família, da cultura da vida, e na liberdade dos pais para a escolha na educação dos filhos.[105] No final do dia 10 discursou no evento destacando, que Portugal, Espanha, Grécia e Itália “decidiram estreitar os laços porque existe uma ameaça real para as nossas sociedades".[105] Ventura, Abascal e Giorgia Meloni comprometeram a lançar um fórum de colaboração de patriotas do sul da Europa com semelhanças em termos de identidade, história, costumes, valores e vocação geopolítica com o objetivo de dar um impulso alternativo ao projeto europeu.[105]

Viva 22 - Espanha

A 8 e 9 de outubro, reuniu-se com Santiago Abascal, Javier Milei e Mateusz Morawiecki, primeiro-ministro polaco, no evento Viva 22 em Madrid.[106] No seu discurso criticou o socialismo e apoiou os valores ocidentais. Afirmando que Pedro Sánchez e António Costa, "são os piores governantes da Europa".[107] Defendeu o direito dos europeus a defenderem as suas nações contra a imigração e contra Bruxelas: "O futuro pertence a nós europeus, aos povos europeus. Não pertence a Bruxelas ou à imigração. Na sua intervenção, também defendeu a identidade dos povos europeus e a luta “para que Espanha e Portugal sejam países europeus e não países árabes na Europa”.[108]

Eleição presidencial no Brasil em 2022

Durante a Eleição presidencial no Brasil em 2022, Ventura declarou apoio ao então Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PL) para sua reeleição.[109] Ventura disse que "Bolsonaro é a escolha certa" em sua manifestação de apoio.[110]

Após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ser eleito com a maioria dos votos pelos brasileiros, Ventura em sessão da Assembleia Nacional chamou Lula de "bandido".[111][112] Na ocasião, Ventura foi repreendido por Augusto Santos Silva, presidente da Assembleia, porém Ventura continuou a dizer que entendia os bolsonaristas que faziam protestos em frente aos quartéis do Exército, nas Manifestações golpistas no Brasil após as eleições de 2022, por não aceitarem o resultado das eleições.[113][114]

Candidatura à Presidência da República Portuguesa

Eleição presidencial 2021

Pré-candidatura

 
Entrega das assinaturas para a oficialização da candidatura à Presidência da República.

No dia 8 de fevereiro de 2020, André Ventura anunciou a sua candidatura à presidência da república nas eleições de 2021, em Portalegre.[115][116][117] André Ventura convidou a atriz Maria Vieira para ser a sua mandatária presidencial junto das comunidades portuguesas no estrangeiro[118] e escolheu Patrícia Sousa Uva para mandatária nacional. Posteriormente, com a demissão da ex-mandatária, Ventura convidou então Rui Paulo Sousa, vogal da direção nacional, para mandatário nacional.[119] No dia 18 de dezembro de 2020, André Ventura entregou 10 250 assinaturas no Tribunal Constitucional, para a formalização da sua candidatura a Belém.[120][121]

No dia 22 de dezembro de 2020, pediu a suspensão temporária do mandato de deputado, para se candidatar às eleições presidenciais portuguesas de 2021,[122] sendo esta suspensão impedida pela Assembleia da República a 29 de dezembro de 2020.[123] No dia 31 de dezembro de 2020, após a decisão da maioria dos grupos parlamentares de não autorizar a suspensão de mandato, André Ventura avançou com uma intimação contra a Assembleia da República e Ferro Rodrigues, Presidente da Assembleia, no Supremo Tribunal Administrativo.[124][125][126][127] No dia 30 de dezembro de 2020, a sua candidatura foi aceite pelo Tribunal Constitucional.[128]

Encontro com Marine Le Pen

No início da campanha eleitoral portuguesa, a presidente do partido francês Rassemblement National, Marine Le Pen, confirmou que iria a Lisboa para a apoiar a candidatura presidencial de André Ventura.[129][130]

Incidente com Marisa Matias

Durante a campanha, André Ventura fez um comentário relativamente à aparência física da candidata Marisa Matias, considerando que esta "não está muito bem em termos de imagem, de performance. Assim com os lábios muito vermelhos como se fosse uma coisa de brincar".[131][132] Este comentário foi amplamente considerado machista, causando uma "onda de indignação".[133][134] Assim, foi criado o movimento #vermelhoembelem, no qual várias figuras públicas demonstraram a sua oposição às declarações de André Ventura, pintando os seus lábios de vermelho e publicando mensagens nos órgãos de comunicação social e nas redes sociais, incluindo o apoio imediato da candidata Ana Gomes.[135][136][137][138] Em resposta, sugeriu a campanha "dos lábios negros de luto, pela situação do país", mencionando a situação pandémica e a corrupção.[139][140][141]

Protestos antifascistas

A campanha presidencial foi objeto de vários protestos antifascistas.[142][143][144][145] Após protestos na baixa de Coimbra, onde foram utilizadas as palavras "25 de Abril sempre, fascismo nunca mais", "racistas, fascistas, machistas não passarão" e "ninguém atura o facho do Ventura", em declarações aos jornalistas, André Ventura respondeu que não se mostrou surpreendido, afirmando que a candidatura já tinha tido conhecimento de que estariam a ser organizados algumas atividades deste tipo, e admitiu fazer queixa à Comissão Nacional de Eleições (CNE) e à PSP.[146] André Ventura acusou a candidata Marisa Matias e o Bloco de Esquerda de espionagem e que declarou que "[n]o caso da manifestação de Serpa, nós temos a informação de que quem pediu e organizou a manifestação se chama Alberto Manuel da Cunha Matos. Este senhor foi nomeado funcionário do grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, em novembro de 2019, e terá sido este senhor que tratou dos procedimentos da manifestação que, supostamente, seria da etnia cigana ou da ‘antifas’, em Serpa". Ventura mostrou aos jornalistas uma imagem de uma carrinha branca que, segundo o próprio, está registada em nome do Bloco de Esquerda e tem estado em vários locais da campanha. Numa reação na rede social Twitter, disse que não são as "manifestações ruidosas" que o vão impedir de continuar a lutar, apontado o "Bloco de Esquerda como cabecilha".[146]

Incidente em Setúbal

No dia 21 de janeiro de 2021, numa ação de campanha no distrito de Setúbal, um grupo de manifestantes arremessaram objetos, como uma pedra, caixas de pastilhas, entre outros, contra André Ventura e a sua comitiva, gritando e afirmando que "Setúbal é terra antifascista".[147][148][149][148] Esta ação resultou na detenção de uma pessoa e numa carga policial, pelo corpo de intervenção da Polícia de Segurança Pública. Ventura saiu ileso.[150] Em declarações à Agência Lusa, o comandante distrital da PSP de Setúbal, Viola Silva, garantiu que a polícia tudo fez para evitar a escaldada de violência, afirmando que "a entrada do candidato correu mais ou menos bem. Foram só arremessados alguns ovos", "pedras e objetos metálicos cortantes"[151][152][153] Após o sucedido, os candidatos Tiago Mayan, Ana Gomes e Marisa Matias condenaram a violência que resultante dos protestos.[148] Rui Rio condenou a atuação dos manifestantes e defendeu a atuação da polícia.[154][155] No final da noite, em Évora, André Ventura, lamentou o episódio de violência de que a sua comitiva foi alvo, afirmando que, "em democracia, vence-se com argumentos, não com pedras" e agradecendo o trabalho da polícia, que considerou ter atuado para "repor a ordem pública", e à sua própria equipa de segurança privada, adiantando "estar bem", só com a perna esquerda dorida pela repentina entrada no carro.[156]

Resultado

 
Discurso de André Ventura na noite eleitoral de 2021.

A 24 de janeiro de 2021 tiveram lugar as eleições presidenciais portuguesas de 2021, nas quais garantiu o terceiro lugar, com cerca de 497 mil votos, o correspondente a 11,90% do total.[157]

Durante a campanha eleitoral, tinha afirmado, que caso ficasse atrás da candidata Ana Gomes, demitir-se-ia da presidência do CHEGA.[158] Tendo Ana Gomes ficado em 2.º lugar, anunciou a sua demissão da presidência da direção nacional do partido, assim como a sua recandidatura ao mesmo cargo.[157][159] André Ventura felicitou Marcelo Rebelo de Sousa pela vitória, mas pediu ao Presidente da República "rutura" com o que foi o anterior mandato.[160] Na noite eleitoral, realçou que a sua candidatura teve mais votos que as candidaturas do PCP, Bloco de Esquerda e Iniciativa Liberal juntos, tendo salientado especialmente o facto de ter ficado à frente do candidato apoiado pelo PCP no Alentejo, uma região com um eleitorado tradicionalmente comunista,[161] apesar de não ter havido transferência de voto e de ter tido o apoio de concelhos com tradição de votar menos no PCP.[162][163]

Eleições autárquicas de 2021

A 17 de junho de 2021, anunciou a sua candidatura à presidência da Assembleia Municipal de Moura nas eleições autárquicas de 2021, tendo sido eleito deputado municipal após ficar em 3.º lugar, com 25,3% dos votos, não lhe permitindo assumir a presidência da Assembleia Municipal.[164][165] Para este efeito, requereu suspensão do mandato de deputado à Assembleia da República entre 9 de setembro e 8 de outubro de 2021, tendo sido substituído por Diogo Pacheco de Amorim, candidato em 2.º lugar na lista do Chega pelo círculo eleitoral de Lisboa às eleições legislativas de 2019.[166]

Posição sobre temas sociais

Alguns temas frequentemente abordados pelo deputado André Ventura têm suscitado bastante mediatismo nos órgãos de comunicação social, sendo as suas declarações muitas vezes conotadas, tanto mediaticamente como academicamente, com anticiganismo,[167][168][169][170][171] islamofobia,[172][173][174][175] xenofobia,[176][177][40][171] machismo,[131][132][134][178] e racismo.[179][170]

População cigana

Candidato à Câmara Municipal de Loures

Em 2017, enquanto candidato à Câmara Municipal de Loures, pelo PSD, André Ventura afirmou que existia para com algumas minorias étnicas, em Portugal, "uma excessiva tolerância", dizendo ainda que, no caso concreto da "etnia cigana", estes "ocupam espaços ilegalmente e ninguém faz nada".[180] Disse ainda que estas comunidades têm um "problema de integração" e que a "maioria não se quer integrar".[168]

Deputado da Assembleia da República

Em 2020, confrontado com acusações sobre se "isso não é xenofobia ou nem racismo" Ventura respondeu existir "um estudo de 2014 que diz que só 15% dos ciganos vivem do seu trabalho".[181] Esta declaração foi avaliada pelo polígrafo SAPO como "imprecisa, além de descontextualizada".[181] Afirmou ainda existir "uma excessiva tolerância com alguns grupos e minorias étnicas", que "pessoas à espera de reabilitação nas suas habitações, quando algumas famílias, por serem de etnia cigana, têm sempre a casa arranjada" e que "ocupam espaços ilegalmente e ninguém faz nada", afirmando ainda que "[i]sto não é racismo nem xenofobia, é resolver um problema que existe porque há minorias no nosso país que acham que estão acima da lei".[182] Numa matéria análoga, com a premissa "[c]iganos têm direito exclusivo a RSI, apartamento mobilado e outras regalias oferecidas pelo Estado", esta é avaliada como falsa pelo polígrafo SAPO, no sentido de que "não há regras diferentes ou tratamento discriminatório entre os 'portugueses'" sendo que "qualquer cidadão português, independentemente da respetiva etnia, pode requerer a atribuição de RSI".[183]

População islâmica

Posição política

Em 2017, após os atentados de Orlando e Nice, André Ventura afirmou que "este tipo de terrorismo que vimos em Orlando ou em Nice obriga-nos a um olhar diferente sobre as comunidades islâmicas na Europa", sugerindo uma "redução drástica da presença islâmica na União Europeia".[172] Em 2018, após o atentado de Estrasburgo, recuperou as declarações anteriores, considerando que a Europa voltava a estar "ensanguentada pelo terrorismo fundamentalista", considerando que "o problema da presença massiva de islâmicos na Europa é precisamente o controlo da radicalização e a diferenciação entre os que estão por bem e os que estão para nos converter ou destruir".[173] O artigo de opinião de sua autoria, "A injustiça islâmica", foi descrito pela cientista política Verónica Ferreira, em sua tese de mestrado, como "o retrato mais acabado do pensamento islamofóbico ocidental".[175]

Monitorização da comunidade muçulmana

Em 3 de novembro de 2020, O CHEGA entregou na Assembleia da República um projeto de resolução, recomendando ao Governo a criação de uma "equipa especial" para vigiar a comunidade muçulmana em Portugal, "especialmente no que respeita aos movimentos conotados com o radicalismo e fundamentalismo islâmico, nas suas várias vertentes".[174]

Resultados Eleitorais

Eleições Presidenciais

Data Partidos apoiantes 1ª Volta 2ª Volta Status Ref
Cl. Votos % +/- Cl. Votos % +/-
2021 CHEGA 3.º 496 773
11,90 / 100,00
Não eleito [184]

Eleições Legislativas

Data Partido Circulo eleitoral Posição Cl. Votos % +/- Status Notas Ref
2019 CHEGA Lisboa 1.º (em 48) 9.º 22 053
2,00 / 100,00
Novo Eleito Presidente do CHEGA [185]
2022 1.º (em 48) 4.º 91 889
7,77 / 100,00
 5.7 [186]

Eleições Autárquicas

Câmara Municipal

Data Partido Concelho Posição Cl. Votos % Status Notas Ref
2017 PSD-PPM Loures 1.º (em 11) 3.º 18 877
21,55 / 100,00
Eleito Renunciou ao mandato de vereador em 2018 [187]

Assembleia Municipal

Data Partido Concelho Posição Cl. Votos % Status Notas Ref
2021 CHEGA Moura 1.º (em 21) 3.º 1 766
25,31 / 100,00
Eleito [188]

Eleições Europeias

Data Partido Posição Cl. Votos % +/- Status Notas Ref
2019 BASTA! (PPM-PPV/CDC) 1.º (em 21) 9.º 49 496
1,49 / 100,00
Não eleito [189]

Obras literárias

  • Introdução à Fiscalidade, e-book, Lisboa (2017)
  • Justiça, Corrupção e Jornalismo (coautoria com Miguel Fernandes), Vida Económica (2015)
  • A Nova Justiça Internacional, Chiado Editora, Lisboa (2015)
  • A Nova Administração Pública (inclui a nova Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas anotada), Quid Juris, Lisboa (2014)
  • A Reforma do IRC (com António Carlos dos Santos), Vida Económica, Lisboa (2014)
  • Lições de Direito Fiscal, Chiado Editora, Lisboa (2014)
  • Lições de Direito Penal, Volume I, UAL / Instituto de Direito Público
  • Chiado Editora (2013), Montenegro, com 2.ª ed. revista, pela Chiado Editora, Lisboa (2008)

Livros eróticos LGBT

  • Montenegro, Chiado Editora, Lisboa (2009)[190]
  • A Última Madrugada do Islão, Chiado Editora, Lisboa (2009)

Referências

  1. https://cedis.fd.unl.pt/wp-content/uploads/2016/11/CV_Andr%C3%A9-Amaral-Ventura.pdf
  2. «Dados biográficos no site da Assembleia da República». Assembleia da República. Consultado em 28 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2019 
  3. Renascença (24 de janeiro de 2021). «André Ventura fala em "noite histórica" e coloca lugar à disposição dos militantes do Chega - Renascença». Rádio Renascença. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  4. «Chega propõe duplicar penas por corrupção e proibição de exercício de cargo público durante dez anos». 6 de Outubro de 2020 
  5. «Chega propõe duplicar penas por corrupção e proibição de exercício de cargo público durante dez anos e agravamento de penas para crimes como violação e homicídio». 6 de Outubro de 2020 
  6. «Chega quer aumentar penas de prisão para incendiários». 7 de janeiro de 2020 
  7. «Chega quer pôr fim à prescrição de crimes como homicídio, violação e corrupção Chega quer pôr fim à prescrição de crimes como homicídio, violação e corrupção». 11 Fev 2021 
  8. Agência Lusa (23 de outubro de 2019). «Extrema-direita entra pela primeira vez no parlamento português em democracia». Observador. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2021 
  9. Maria Rodrigues (6 de novembro de 2020). «André Ventura: o brilho fosco da ambição». SIC Notícias. Consultado em 9 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  10. «Ciganos, imigrantes e prisões. O que diz André Ventura - DN». www.dn.pt. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2021 
  11. Vítor Rainho e Beatriz Martinho (15 de dezembro de 2018). «André Ventura: "Sou contra o aborto mas nunca condenaria uma mulher que aborta"». Sol. Consultado em 9 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2021 
  12. «Goucha - 7 de janeiro de 2021». TVI Player. Consultado em 9 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2021 
  13. «SIC Notícias | André Ventura: o brilho fosco da ambição». web.archive.org. 15 de fevereiro de 2021. Consultado em 15 de fevereiro de 2021 
  14. PÚBLICO. «Tese de doutoramento de André Ventura critica "populismo penal" e "estigmatização de minorias"». PÚBLICO. Consultado em 18 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2019 
  15. «CEDIS | André Ventura». Consultado em 30 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2019 
  16. a b c d «Regime de interesses». Assembleia da República. Consultado em 4 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2020 
  17. Henriques, João Pedro (31 de outubro de 2020). «André Ventura: "Este Papa tem prestado um mau serviço ao cristianismo"». Diário de Notícias. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  18. Gaspar, Maria (17 de julho de 2020). «Ventura prometeu que seria deputado em exclusividade mas trabalha ao mesmo tempo para consultora financeira?». Sapo. Consultado em 4 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2020 
  19. a b Esteves, Fernando (7 de maio de 2020). «Catarina Martins: "André Ventura tem vários salários além do de deputado." Verdadeiro ou falso?». Polígrafo Sapo. Consultado em 4 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2020 
  20. «Quaresma ataca "populismo racista" de André Ventura. Deputado já reagiu». Jornal de Notícias. 6 de maio de 2020. Consultado em 4 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2020 
  21. Agência Lusa (6 de maio de 2020). «Covid-19: Ventura diz que apresentará plano de confinamento para população cigana mesmo sem apoios». Expresso. Consultado em 8 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2020 
  22. «André Ventura dispensado da CMTV e do Correio da Manhã». Jornal de Notícias. 19 de maio de 2020. Consultado em 4 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2020 
  23. a b «Autárquicas: André Ventura é o candidato em Loures pelo PSD». Semanario SOL. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  24. Lusa. «Luís Filipe Vieira candidata-se a quinto mandato no Benfica». PÚBLICO. Consultado em 13 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  25. Lopes, Maria João. «Há um ano André Ventura já dizia não ser racista, mas…». PÚBLICO. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  26. «André Ventura renuncia ao mandato de vereador em Loures». Expresso (jornal). 26 de outubro de 2018. Consultado em 19 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 23 de maio de 2019 
  27. «José Pinto Coelho diz que André Ventura é um dos "seus"». Jornal i. 17 de julho de 2017. Consultado em 4 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 17 de julho de 2017 
  28. Sampaio, Gustavo (19 de agosto de 2017). «André Ventura: "Repudio veementemente o apoio da extrema-direita"». O Jornal Económico. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  29. «″Há problemas com a comunidade cigana em Loures″ - DN». Diário de Notícias. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  30. Ferreira, Leonor Mateus (3 de setembro de 2017). «Portugueses concordam com acusações de André Ventura a ciganos». O Jornal Económico. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  31. «Pinto-Coelho acusa Ventura de roubar discurso ao PNR». Sábado. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  32. «André Ventura admite candidatura à liderança do PSD - DN». Diário de Notícias. Consultado em 11 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  33. «Partido Chega, de André Ventura, aceite pelo Tribunal Constitucional». TSF Rádio Notícias. 10 de abril de 2019. Consultado em 30 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2019 
  34. «Extrema-direita chega ao Parlamento. Quem é e o que defende André Ventura?». Público. 7 de outubro de 2019. Consultado em 7 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2019 
  35. «André Ventura eleito deputado». www.jornaldenegocios.pt. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  36. «Ventura apresenta-se como única opção antissistema e contra socialismo - DN». Diário de Notícias. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  37. Rarinho, Vítor; Martinho, Beatriz. «"Sou contra o aborto mas nunca condenaria uma mulher que aborta"». Jornal Sol. Consultado em 8 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2019 
  38. Marchi & Boas 2020.
  39. Marchi & Lisi 2020.
  40. a b c d Mendes & Dennison 2020, p. 10.
  41. André Ventura: "Salazar atrasou-nos muitíssimo" (Sábado) https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/andre-ventura-salazar-atrasou-nos-muitissimo
  42. [www.dn.pt/politica/amp/ventura-adapta-lema-de-salazar-deus-patria-familia-e-trabalho--14361948.html «Ventura adapta lema de Salazar: "Deus, pátria, família e trabalho"»] Verifique valor |url= (ajuda). 28 de Novembro de 2021 
  43. Lopes, Maria. «Propostas do Chega para tamanho do Governo e referendo sobre redução de deputados são inconstitucionais». Público. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  44. «Chega abdica de propostas de revisão constitucional para acompanhar PSD». SIC Notícias. 10 de novembro de 2020. Consultado em 4 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2020 
  45. «André Ventura anuncia que vai propor diminuição de 5 a 7,5% nos salários dos políticos». Semanario SOL. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  46. a b c Sampaio, Gustavo (11 de fevereiro de 2020). «Partido Chega propôs descriminalizar abuso sexual de menores dependentes dos 14 aos 18 anos?». SAPO. Consultado em 9 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2020 
  47. «Proposta do Chega descriminaliza abuso sexual de menores entre os 14 e 18 anos». Correio da Manhã. 11 de fevereiro de 2020 
  48. «Chega apresenta 100 propostas de alteração ao Orçamento do Estado». JN. 27 de Janeiro de 2020 
  49. «OE2021: André Ventura critica "uma mão cheia de nada" no combate à corrupção». SAPO 24. 27 de outubro de 2020 
  50. «Advogados arrasam proposta do Chega! de agravamento das penas por corrupção». ECO. 18 de Novembro de 2020 
  51. «André Ventura anuncia manifestação 'Portugal Não é Racista- All Lives Matter' em Lisboa». infocul.pt. 21 de junho de 2020. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  52. «Foi ódio racial que matou Bruno Candé, acusa Ministério Público - DN». www.dn.pt. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  53. «André Ventura: Manifestação de sábado é de tudo menos de supremacia branca». www.jornaldenegocios.pt. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2021 
  54. «Ventura anuncia contramanif: "Sempre que a esquerda sair à rua para dizer que o país é racista, nós sairemos à rua para mostrar que não é"». Expresso. 29 de julho de 2020. Consultado em 3 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2020 
  55. a b Marcelino, Valentina (22 de novembro de 2019). «Como o Movimento Zero capturou o protesto dos sindicatos de polícias». Diário de Notícias. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2020 
  56. «André Ventura multado em mais de 400 euros por discriminar ciganos». Sapo. 18 de novembro de 2020. Consultado em 3 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2020 
  57. «Ventura condenado a pagar multa de 3370 euros por discriminação étnica, mas diz que não paga». Público (jornal). 22 de dezembro de 2020. Consultado em 3 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2020 
  58. «André Ventura recusa-se a pagar multa por discriminação étnica». SIC Notícias. Consultado em 11 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2020 
  59. Lusa, Agência. «"Estamos perante uma perseguição a um líder político". André Ventura recusa pagar multa que lhe foi imposta por discriminação étnica». Observador. Consultado em 11 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2021 
  60. «Parlamento aprova proposta do Governo sobre libertação de reclusos». TVI24. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  61. Almeida, Joana (17 de dezembro de 2020). «"Isto não é um estado de emergência, é um estado de caos sobre caos", diz André Ventura». O Jornal Económico. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2020 
  62. a b Câncio, Fernanda (14 de setembro de 2021). «Ventura e Chega condenados por "segregação social"». Diário de Notícias 
  63. «Família ofendida por Ventura foi "condenada a prisão por crimes contra a polícia"?» 
  64. «Parlamento - Biografia». Parlamento.pt 
  65. «Ventura: "Costa, eu vou atrás de ti", festa do terceiro lugar e "sova" aos adversários». SIC Notícias. 31 de janeiro de 2022. Consultado em 26 de abril de 2022 
  66. ZAP (31 de janeiro de 2022). «Ventura & Co. Quem são os outros 11 deputados eleitos pelo Chega?». ZAP Notícias. Consultado em 26 de abril de 2022 
  67. SAPO. «Porque é que o Chega elegeu 12 deputados? Porque não é com vinagre que se apanham moscas». MAGG. Consultado em 26 de abril de 2022 
  68. «Do Chega ao PAN e Livre. Conheça os deputados eleitos pelos partidos mais pequenos». TSF Rádio Notícias. 31 de janeiro de 2022. Consultado em 26 de abril de 2022 
  69. «″Maioria absoluta não pode ser poder absoluto, mas escrutínio absoluto″». TSF Rádio Notícias. 29 de março de 2022. Consultado em 26 de abril de 2022 
  70. a b "Este grupo não tem medo de dizer que ama a sua pátria". Chega no centro da primeira discussão do novo Governo, consultado em 26 de abril de 2022 
  71. Antunes, Inês André Figueiredo, Mariana Lima Cunha, Miguel Santos Carrapatoso, Rita Penela, Rita Tavares, Rui Pedro. «Santos Silva: "Melhor maneira de combater populismo é não lhe dar mais relevância do que teve" - como aconteceu». Observador. Consultado em 26 de abril de 2022 
  72. Lusa, Agência. «Partidos criticam programa por não se adaptar à realidade pós-guerra e dizem ser copy paste, vazio e propaganda». Observador. Consultado em 26 de abril de 2022 
  73. a b Antunes, Inês André Figueiredo, Mariana Lima Cunha, Rita Tavares, Rui Pedro. «Moção de rejeição ao programa de Governo reprovada. IL e PSD abstiveram-se - como aconteceu». Observador. Consultado em 26 de abril de 2022 
  74. «André Ventura acusa Santos Silva de ato de "censura"». CNN Portugal. Consultado em 26 de abril de 2022 
  75. «Moção do Chega recriou divisão entre esquerda e direita». www.dn.pt. Consultado em 26 de abril de 2022 
  76. «Chega isolado no chumbo da moção de rejeição do programa». SIC Notícias. 8 de abril de 2022. Consultado em 26 de abril de 2022 
  77. Figueiredo, Inês André. «Deputados do Chega ficam à porta de escola do Opus Dei em Lisboa após direção cancelar reunião». Observador. Consultado em 21 de abril de 2022 
  78. «André Ventura vai visitar Quartel dos Bombeiros Voluntários de Camarate». Jornal SOL. Consultado em 21 de maio de 2022 
  79. «Chega entrega no Parlamento proposta para referendo sobre a Eutanásia». SIC Notícias. 20 de maio de 2022. Consultado em 21 de maio de 2022 
  80. «Chega quer referendo sobre a eutanásia. "Há uma questão de falta de legitimidade que só se resolve com um referendo"». CNN Portugal. Consultado em 21 de maio de 2022 
  81. Lopes, Maria. «Chega propõe referendo sobre a legalização da eutanásia». PÚBLICO. Consultado em 21 de maio de 2022 
  82. «25 de Abril. Forças Armadas, o risco de extremismos e o que ficou por cumprir». ionline. Consultado em 26 de abril de 2022 
  83. «″Falhámos.″ André Ventura diz que ″de nada valeu Abril″». TSF Rádio Notícias. 25 de abril de 2022. Consultado em 26 de abril de 2022 
  84. "Não condecore aqueles que torturaram, mataram e expropriaram em Portugal". O pedido de André Ventura a Marcelo Rebelo de Sousa, consultado em 26 de abril de 2022 
  85. a b «Chega anuncia voto contra o Orçamento do Estado na generalidade». CNN Portugal. Consultado em 30 de abril de 2022 
  86. a b Redação (29 de abril de 2022). «Chega acusa Governo de apresentar orçamento "da austeridade" e "panfleto eleitoral"». O Minho. Consultado em 30 de abril de 2022 
  87. a b c «Chega propõe aumento das pensões em 50 euros e isenção de IVA para alimentos essenciais». Jornal Expresso. Consultado em 13 de maio de 2022 
  88. Observador, Rádio. «Chega propõe atualização de 50€ para as pensões». Observador. Consultado em 13 de maio de 2022 
  89. Lusa, Agência. «OE2022: Chega propõe aumento das pensões em 50 euros e isenção de IVA para alimentos essenciais». Observador. Consultado em 13 de maio de 2022 
  90. a b c «Ao minuto: "Não é uma guerra, é terrorismo", denuncia Presidente polaco, tropas ucranianas atingiram navio russo no Mar Negro». Jornal Expresso. Consultado em 13 de maio de 2022 
  91. a b ZAP (14 de abril de 2022). «PSD, IL e Livre querem embargo total à compra de petróleo e gás à Rússia». ZAP Notícias. Consultado em 13 de maio de 2022 
  92. «PCP diz que referência ao 25 de Abril é um "insulto", IL abandona hemiciclo em protesto: as guerras que Zelensky abriu no Parlamento». Jornal Expresso. Consultado em 13 de maio de 2022 
  93. a b Rodrigues, Sofia. «Chega propõe comissão de inquérito sobre responsabilidade do Estado em torno de "suspeitas" de "espionagem" por associações russas». PÚBLICO. Consultado em 13 de maio de 2022 
  94. Portugal, Rádio e Televisão de. «Ofensiva russa na Ucrânia. A evolução da guerra ao minuto». Ofensiva russa na Ucrânia. A evolução da guerra ao minuto. Consultado em 13 de maio de 2022 
  95. a b «Ventura exige conhecer dados sobre espionagem do regime de Putin em Portugal». www.dn.pt. Consultado em 13 de maio de 2022 
  96. a b Lusa, Agência. «Chega avança com moção de censura ao Governo». Observador. Consultado em 17 de julho de 2022 
  97. «Moção de censura ao Governo do Chega debatida na próxima semana». SIC Notícias. Consultado em 17 de julho de 2022 
  98. «Parlamento debate esta quarta-feira moção de censura e Chega deverá ficar isolado no voto a favor». TSF Rádio Notícias. 6 de julho de 2022. Consultado em 17 de julho de 2022 
  99. Botelho, Leonete. «Moção de censura do Chega é "um exercício de oportunidade política", afirma António Costa». PÚBLICO. Consultado em 17 de julho de 2022 
  100. «Uma moção, um debate... e dois censurados». www.dn.pt. Consultado em 17 de julho de 2022 
  101. Lusa. «Chega adere ao grupo europeu de extrema-direita Identidade e Democracia». PÚBLICO. Consultado em 24 de junho de 2022 
  102. «André Ventura encontra-se com ministra da Justiça húngara para preparar reunião com Orbán». Jornal SOL. Consultado em 24 de junho de 2022 
  103. «José Ortega Lara romperá su silencio con Santiago Abascal en el 'Viva 21' de Vox». ELMUNDO (em espanhol). 9 de outubro de 2021. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  104. Wołczyk, Małgorzata (10 de outubro de 2021). «Wielkie spotkanie hiszpańskiej partii Vox. Pokazano wystąpienia Kaczyńskiego i Morawieckiego». Do Rzeczy (em polaco). Consultado em 11 de outubro de 2021 
  105. a b c «Abascal, Meloni y Ventura pondrán en marcha un foro en defensa de la 'Europa del Sur' frente a la amenaza de los burócratas de Bruselas». La Gaceta de la Iberosfera (em espanhol). 10 de outubro de 2021. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  106. S.A, Telewizja Polska. «Conservative leaders meet in Madrid». tvpworld.com (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  107. «André Ventura en Viva 22: "Costa y Sánchez son los peores gobernantes de europa"». okdiario.com (em espanhol). 8 de outubro de 2022. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  108. «André Ventura en Viva 22: "Costa y Sánchez son los peores gobernantes de europa"». okdiario.com (em espanhol). 8 de outubro de 2022. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  109. Observador (1 de outubro de 2022). «"Bolsonaro é a escolha certa". André Ventura posiciona-se nas eleições do Brasil e declara o seu apoio a Jair Bolsonaro». Observador. Consultado em 18 de janeiro de 2023 
  110. «André Ventura deixa apelo a Bolsonaro». SIC Notícias. 31 de outubro de 2022. Consultado em 18 de janeiro de 2023 
  111. «Lula é eleito presidente da República pela terceira vez». Senado Federal do Brasil. 30 de outubro de 2022. Consultado em 18 de janeiro de 2023 
  112. «Deputado de Portugal chama Lula de "bandido" e é repreendido». Poder360. 14 de janeiro de 2023. Consultado em 18 de janeiro de 2023 
  113. Mendes, Sandy (14 de janeiro de 2023). «Vídeo: líder da extrema direita de Portugal chama Lula de ″bandido″ e é repreendido | Metrópoles». Metrópoles. Consultado em 18 de janeiro de 2023 
  114. Nunes, Vicente (14 de janeiro de 2023). «Líder da direita radical de Portugal chama Lula de bandido». Correio Braziliense. Consultado em 18 de janeiro de 2023  |arquivourl= é mal formado: flag (ajuda)
  115. Alvarez, Luciano. «André Ventura anuncia candidatura a Presidente da República». PÚBLICO. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2020 
  116. «André Ventura anuncia candidatura à Presidência da República - DN». www.dn.pt. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2020 
  117. «André Ventura anuncia candidatura à Presidência da República». www.jornaldenegocios.pt. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  118. «Maria Vieira será mandatária presidencial de André Ventura junto das comunidades portuguesas – Observador». observador.pt. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  119. Baptista, João (18 de dezembro de 2020). «Empresário de Santarém Rui Sousa é o mandatário nacional da candidatura de André Ventura». Mais Ribatejo. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2020 
  120. «André Ventura formaliza candidatura para "enfrentar o regime" e insiste numa segunda volta». Jornal Expresso. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2020 
  121. «André Ventura crente em segunda volta com Marcelo». Notícias ao Minuto. 18 de dezembro de 2020. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  122. «André Ventura pede suspensão de mandato como deputado e ameaça recorrer para o Constitucional – Observador». web.archive.org. 29 de dezembro de 2020. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  123. Carrapatoso, Miguel Santos. «Parlamento impede (para já) suspensão de mandato de Ventura». Observador. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2020 
  124. Marques, Bianca (31 de dezembro de 2020). «André Ventura avança com intimação contra Assembleia da República e Ferro Rodrigues». O Jornal Económico. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2021 
  125. Borges, Liliana. «Diogo Pacheco de Amorim: "Politicamente, o chumbo da suspensão de mandato é um favor gigantesco feito a André Ventura"». PÚBLICO. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  126. Portugal, Rádio e Televisão de. «Parlamento chumba pedido de suspensão do mandato de André Ventura». Parlamento chumba pedido de suspensão do mandato de André Ventura. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  127. «Esquerda e PSD travam substituição de Ventura». ionline. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2021 
  128. «Tribunal Constitucional aceita candidatura de Tiago Mayan e André Ventura - DN». www.dn.pt. Consultado em 2 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2020 
  129. Lusa, Agência. «Presidenciais. André Ventura e Marine Le Pen juntos em Lisboa no início da campanha eleitoral». Observador. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2020 
  130. «Presidenciais testam peso da direita e da esquerda». Jornal SOL. Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2021 
  131. a b «Comentário de Ventura sobre batom de Marisa Matias gera movimento 'VermelhoemBelém'». Jornal SOL. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  132. a b «Visão | #vermelhoemBelem: Onda de apoio a Marisa contra comentários de Ventura invade as redes de batons vermelhos». Visão. 15 de janeiro de 2021. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  133. «Marisa Matias: "Não quero que haja no meu país gente a viver com medo da violência racista ou machista"». TVI24. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  134. a b «O insulto 'não diz nada sobre as mulheres, mas diz tudo sobre' André Ventura». Jornal SOL. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  135. SAPO. «De Bruno Nogueira a Ana Gomes. As imagens de 29 figuras públicas que pintaram os lábios de vermelho (e porque o fizeram)». MAGG. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  136. «#VermelhoEmBelém. Internet responde com batom aos insultos de Ventura». SIC Notícias. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  137. «BLITZ – O batom vermelho de André Ventura chegou à música». Jornal blitz. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  138. Gonçalves, Sandra S. «Famosos usam batom vermelho em resposta a André Ventura». DNOTICIAS.PT. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2021 
  139. Portugal, Rádio e Televisão de. «André Ventura defende uma "campanha de lábios negros" pelo SNS». André Ventura defende uma "campanha de lábios negros" pelo SNS. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  140. «André Ventura promete campanha de lábios negros pelo país». SIC Notícias. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  141. «André Ventura lança campanha dos "lábios de negros de luto" pelo país». www.cmjornal.pt. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  142. «Centenas de pessoas protestam contra presença de Le Pen em Portugal». Rádio Renascença. 10 de janeiro de 2021. Consultado em 19 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2021 
  143. «Trás-os-Montes palco de novo protesto "antifascista" contra André Ventura». Rádio Renascença. 16 de janeiro de 2021. Consultado em 19 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2021 
  144. «Presidenciais. Campanha de Ventura arranca debaixo de protestos e insultos em Serpa». Sapo. 10 de janeiro de 2021. Consultado em 19 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2021 
  145. «Ventura enfrenta maior protesto 'antifa' da campanha em Coimbra». Diário de Notícias. 19 de janeiro de 2021. Consultado em 19 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2021 
  146. a b Évora, Cláudia (19 de janeiro de 2021). «Ventura reage ao maior protesto da campanha e aponta o Bloco de Esquerda como cabecilha». TVI24. Consultado em 19 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2021 
  147. «Carga policial em Setúbal contra manifestantes anti-Ventura». RTP. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2021 
  148. a b c Morais, Miguel Santos Carrapatoso, João Pedro. «Comício de Ventura termina com carga policial. Líder do Chega atingido por objetos». Observador. Consultado em 21 de janeiro de 2021 (https://web.archive.org/web/20210121191457/https://observador.pt/2021/01/21/comicio-de-ventura-termina-com-carga-policial-lider-do-chega-atingido-por-objetos/ arquivo) 
  149. Luís, Filipe; Carvalho, José (21 de janeiro de 2021). «Caixa de pastilhas atinge André Ventura em Setúbal». VISÃO. Consultado em 21 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2021 
  150. «Presidenciais: manifestantes arremessam pedras a André Ventura». TVI24. Consultado em 21 de janeiro de 2021 (https://web.archive.org/web/20210121191424/https://tvi24.iol.pt/videos/politica/presidenciais-manifestantes-arremessam-pedras-a-andre-ventura/6009ae7e0cf27e103fcc7fbc arquivo) 
  151. «André Ventura apedrejado por manifestantes em Setúbal». www.jornaldenegocios.pt. Consultado em 21 de janeiro de 2021 (https://web.archive.org/web/20210121191148/https://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/eleicoes/detalhe/andre-ventura-apedrejado-por-manifestantes-em-setubal arquivo) 
  152. «André Ventura apedrejado por manifestantes em Setúbal. Há um detido. Veja as imagens». www.cmjornal.pt. Consultado em 21 de janeiro de 2021 (https://web.archive.org/web/20210121191430/https://www.cmjornal.pt/cm-ao-minuto/detalhe/alerta-cm--andre-ventura-apedrejado-por-manifestantes-em-setubal-ha-um-detido-veja-as-imagens arquivo) 
  153. «Arremesso de pedras em ação de campanha de André Ventura». Notícias ao Minuto. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2021 
  154. «Rio diz que polícia "atuou e bem" quando dispersou manifestantes contra Ventura». www.sabado.pt. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  155. Renascença (21 de janeiro de 2021). «Presidenciais "deviam ter sido adiadas", defende Rui Rio - Renascença». Rádio Renascença. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  156. «"Em democracia, vence-se com argumentos, não com pedras", afirma André Ventura». www.cmjornal.pt. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  157. a b «A carregar...». www.presidenciais2021.mai.gov.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  158. Barros, João (12 de janeiro de 2021). «André Ventura garante novamente que se demite se fizer "um mau trabalho" e ficar atrás de Ana Gomes». O Jornal Económico. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  159. *«VENTURA ANUNCIA DEMISSÃO DA LIDERANÇA DO CHEGA». JM Madeira. 24 de Janeiro de 2021. Consultado em 25 de Janeiro de 2021 
  160. Portugal, Rádio e Televisão de. «André Ventura declara "noite histórica" de força "anti-sistema"». André Ventura declara "noite histórica" de força "anti-sistema". Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  161. Renascença (24 de janeiro de 2021). «Ventura bate o comunista João Ferreira em todo o Alentejo - Renascença». Rádio Renascença. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  162. Dias, António (25 de janeiro de 2021). «Ventura foi buscar votos ao PCP no Alentejo? As presidenciais em dois gráficos e um mapa». Sapo 
  163. Malta, João Carlos (24 de Janeiro de 2021). «Ventura bate o comunista João Ferreira em todo o Alentejo». Rádio Renascença 
  164. André Ventura é candidato à Assembleia Municipal de Moura, SIC Notícias 17.06.2021
  165. André Ventura perde presidência da Assembleia Municipal de Moura, CM 27.09.2021
  166. Comissão de Transparência aprova suspensão de mandato de André Ventura, Lusa 09.09.2021
  167. «"Há minorias que se acham acima da lei. Temos tido excessiva tolerância"». Notícias ao Minuto. 12 de julho de 2017. Consultado em 11 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2021 
  168. a b «Jornal SOL - Especial: André Ventura. 'Sou contra o aborto mas nunca condenaria uma mulher que aborta'». Semanario SOL. Consultado em 11 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2021 
  169. Araújo & Brito 2018, p. 2016.
  170. a b Loff 2017.
  171. a b Mendes 2020, p. 27.
  172. a b «André Ventura também defendeu "a redução drástica da presença islâmica" na UE». Jornal Expresso. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  173. a b «André Ventura: "Tinha razão quando defendi uma redução dos muçulmanos na UE"». Jornal SOL. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  174. a b Lusa, Agência. «Chega propõe vigiar muçulmanos para prevenir radicalismo islâmico». Observador. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2020 
  175. a b Ferreira 2016, p. 60.
  176. «O debate mais à direita teve ciganos, minorias e imigrantes». TVI24. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  177. Lopes, Maria. «Ventura e Le Pen juntos contra o islamismo e o fluxo de imigrantes». PÚBLICO. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2021 
  178. SAPO. «De Bruno Nogueira a Ana Gomes. As imagens de 29 figuras públicas que pintaram os lábios de vermelho (e porque o fizeram)». MAGG. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  179. Léonard 2020, p. 207.
  180. «"Há minorias que se acham acima da lei. Temos tido excessiva tolerância"». Notícias ao Minuto. 12 de julho de 2017. Consultado em 11 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2021 
  181. a b «André Ventura diz que "só 15% dos ciganos vivem do seu trabalho". Confirma-se?». Sapo. 16 de dezembro de 2020 
  182. «Ciganos, imigrantes e prisões. O que diz André Ventura». Diário de Noticias. 7 de Outubro de 2019 
  183. Polígrafo 1 de agosto de 2019.
  184. «A carregar...». www.presidenciais2021.mai.gov.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  185. «Resultados eleitorais». www.parlamento.pt. Consultado em 11 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2021 
  186. «Eleições Legislativas 2022». legislativas2022.mai.gov.pt. Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  187. «Autárquicas 2017 - Resultados». www.eleicoes.mai.gov.pt. Consultado em 22 de dezembro de 2021 
  188. «A carregar...». www.eleicoes.mai.gov.pt. Consultado em 22 de dezembro de 2021 
  189. «Europeias 2019 - Resultados Globais». www.eleicoes.mai.gov.pt. Consultado em 22 de dezembro de 2021 
  190. https://www.fnac.pt/Montenegro-Andre-Ventura/a78538  Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Bibliografia

Fontes académicas

Artigos

Ligações externas