Andrea James

Andrea Jean James (nascida em 16 de janeiro de 1967) é uma activista dos direitos dos transgéneros, produtora de cinema e bloguista americana.[1][2][3][4]

Andrea James
Nascimento 16 de janeiro de 1967 (54 anos)
Estados Unidos
Cidadania Estados Unidos
Alma mater
Ocupação actriz, produtora cinematográfica, roteirista, realizadora de cinema
Página oficial
https://www.andreajames.com/

EducaçãoEditar

James cresceu em Franklin, Indiana,[5] e frequentou o Wabash College, onde se formou em inglês, latim e grego. Depois de se formar em 1989, ela obteve um MA em Língua Inglesa e Literatura pela Universidade de Chicago.[6]

Escrita e activismoEditar

 
James e Calpernia Addams no Out and Equal Workplace Summit, 2006

James escreve sobre direitos do consumidor, tecnologia, cultura pop e direitos LGBT. Ela contribuiu para Boing Boing, QuackWatch, eMedicine, The Advocate, The Huffington Post e Wikipedia.[7][8][9][4]

Junto com Lynn Conway e Deirdre McCloskey, James foi uma figura impulsionadora nos protestos - descrito em 2007 como "um dos exemplos mais organizados e unificados de activismo transgénero visto até hoje"[2] livro de J. Michael Bailey, The Man Who Would Be Queen (2003). No livro, Bailey argumenta que existem duas formas de transexualismo: uma variante da homossexualidade masculina e a outra um interesse sexual masculino em ter um corpo feminino, uma taxonomia que os críticos consideram imprecisa e prejudicial.[10] James argumentou que o livro é uma narrativa de cura, emoldurada por um relato de caso sobre uma criança de seis anos, que exemplifica a exploração académica de pessoas trans.[11][12]

A disputa ficou acalorada quando James postou uma página em seu site contendo fotos dos filhos de Bailey, ao lado de legendas sexualmente explícitas que citavam ou parodiam o material do livro de Bailey. Bailey a acusou de assédio, assim como Alice Dreger, uma colega de Bailey na Northwestern University; Dreger tentou impedir James de falar no campus sobre a polémica.[13][14] James respondeu que a página tinha a intenção de ecoar o que ela viu como o desrespeito de Bailey para com as crianças com variações de género.[10]

Referências

  1. Lam, Steven (June 20, 2006). "What's 'gay' now: we are everywhere indeed". The Advocate, June 20, 2006.
  2. a b Surkan, Kim (2007). "Transsexuals protest academic exploitation", in Lillian Faderman (ed). Gay, lesbian, bisexual, and transgender events, 1848–2006. Ipswich, MA: Salem Press, pp. 700–702.
  3. Anderson-Minshall, Jacob (June 6, 2017). "Don't Forget the Long, Proud History of Transgender Activism". The Advocate.
  4. a b Nichols, James Michael (4 de julho de 2016). «This Trans Pioneer Has Been Fighting For The Trans Community For Decades». The Huffington Post 
  5. Bartner, Amy (June 3, 2016). "Transgender activist amid Hollywood's transition", IndyStar.
  6. "Andrea James to Give Talk at Wabash". Wabash College, October 21, 2008.
  7. Jardin, Xeni (December 28, 2009). "Welcome to the Boing Boing guestblog, Andrea James!", Boing Boing.
  8. Bashour, Mounir and James, Andrea (July 2, 2009). "Laser Hair Removal", eMedicine.
  9. James, Andrea (December 18, 2007). "Don't Tick Off Trans". The Advocate.
  10. a b Carey, Benedict (August 21, 2007). "Criticism of a Gender Theory, and a Scientist Under Siege", The New York Times.
  11. Also see "The Bailey Brouhaha", National Women's Association Conference, courtesy of YouTube, June 21, 2008.
  12. James, Andrea (September 2004). "A defining moment in our history: Examining disease models of gender identity" Arquivado em 2017-10-01 no Wayback Machine., tsroadmap.com.
  13. Bailey, Michael J. "Academic McCarthyism", Northwestern Chronicle, October 9, 2005.
  14. Singal, Jesse (30 de dezembro de 2015). «Why Some of the Worst Attacks on Social Science Have Come From Liberals». New York Magazine